Obras públicas: Unale vai apoiar luta da Aseopp

0

“O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

Se depender do presidente da  União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais – Unale, o deputado estadual por Sergipe, Venâncio Fonseca, a luta de quatro anos da Associação Sergipana dos Empresários de Obras Públicas e Privadas – Aseopp, não só ganhará apoio da entidade para ajudar no Congresso Nacional, mas também chegará a todos os estados brasileiros. A entidade luta para que as obras tenham preço justo, sejam concluídas e que atendam os anseios da sociedade.

A garantia foi dada ontem por Venâncio Fonseca quando da participação na sessão especial do presidente da Aseopp, Luciano Barreto, que foi acompanhado de vários associados. Ao falar, Luciano Barreto enumerou diversos problemas por que passam as médias e pequenas empresas em Sergipe, como a falta de obras públicas, projetos com problemas, os diversos procedimentos de fiscalização, inadimplência, entre outros. Somente o setor que optou pelo mercado imobiliário cresceu em Sergipe, principalmente no programa “Minha Casa, minha Vida”.

“No Brasil de hoje se gasta R$ 1 milhão para economizar R$ 100 mil” disse Luciano ao lembrar que são 12 órgãos de fiscalização, cada um com procedimentos diferentes, e alguns, têm auditores que são médicos, enfermeiros e não entendem nada de obra. “É preciso que a fiscalização seja feita por engenheiros experientes, que tenham realmente conhecimento da realidade das obras”, disse. Um dos problemas levantados é que a fiscalização não é realizada antes e nem depois, mas durante a obra, provocando paralisações e depois de algum tempo a obra custa bem mais caro.

Carta – O presidente da Aseopp parabenizou o governo do Estado, através da Seinfra, que apoiou o grupo de trabalho que fez um relatório, já aprovado pelo TCE, que servirá para as licitações dos recursos do Proinveste, que segundo a própria Caixa, são empréstimos e por isso estão sujeitos a regra estadual. “Não julguem a construção civil em Sergipe pelo que ocorre no país com as 15 maiores empresas”, pediu.

Fórum – Cerca de 22 deputados estaduais estiveram presentes. Os que participaram do debate, aproveitaram também para destacar o trabalho da ASEOPP e o espírito público de Luciano Barreto que poderia estar comodamente como empresário bem sucedido, mas prefere lutar em defesa dos médios e pequenos empresários. Vários deputados propuseram a realização de um fórum em Sergipe com a participação da bancada nacional para que a luta se estenda até Brasília.

Recursos municípios
No debate com a Aseopp a deputada Maria Mendonça lamentou que a política tributária faz hoje os municípios dependerem do governo federal. “Os prefeitos vivem de pires nas mãos sobrevivendo de migalhas”, disse, afirmando que foi prefeita e sabe das dificuldades para receber recursos e realizar obras.

Associações
O deputado Venâncio Fonseca criticou a realização de obras, como a construção de casas por parte de associações comunitárias, que promovem verdadeiros absurdos. Luciano Barreto informou que todas as irregularidades, como o trabalho infantil, foram levadas a CGU, AGU, TCU, mas nada foi feito.

Menor preço
O autor do requerimento da sessão especial, deputado Garibaldi Mendonça, disse que é engenheiro e já foi empresário, por isso sabe das dificuldades do setor. Ele entende que o objetivo foi alcançado com o debate e que um fórum e outras ações serão importantes. “É preciso alertar que nem sempre o menor preço, sem colocar os custos indiretos de uma obra é o melhor, não só para a obra, mas para atender a sociedade”, disse.

1.178 transferências de títulos nas vésperas das eleições
No município de Frei Paulo, no ano de 2011, às vésperas do prazo eleitoral para transferência de domicílio, cerca de 1.178 eleitores mudaram-se para a cidade. Um número bem acima da média dos outros anos no município, algo em torno de 250 títulos. Eleitores serão chamados. Um escândalo sem precedentes em Sergipe. Por coincidência o prefeito Arinaldo Filho que é do DEM foi reeleito com 1.177 votos de diferença. Aguardem.

Projeto político para 2014
O ex-prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, disse ontem, 19, que a principal preocupação do PcdoB hoje não é participar ou não da administração estadual, mas a manutenção da atual aliança e a discussão de um projeto para 2014. “Temos que discutir o futuro desta aliança e o que vamos propor e apresentar para os sergipanos no próximo ano”, registrou, afirmando que é preciso tirar uma lição das manifestações nas ruas.  “Isso aumenta a exigência com os políticos e partidos. Por isso precisamos sentar e encontrar  as respostas”, entende.

Mudança na presidência do PCdoB
A ex-deputada e ex-vereadora Tânia Soares, explicou ontem que foi dela a iniciativa de deixar a presidência do PCdoB. “Eu defendo que devemos passar por renovação de tempos em tempos. Dei minha contribuição, na minha gestão houve um importante crescimento do partido".

Cinco mil filiados
Tânia Soares disse que o PCdoB tem hoje cinco mil filiados em Sergipe, organizados em 35 municípios, 18 vereadores e um prefeito.  Além da renovação Tânia disse que passou por problemas de saúde que ainda merecem cuidados. O novo presidente é Hallison Sousa. Tânia continua na política e se coloca presente no cenário político sergipano.

Sintrase: Jackson se reúne com sindicalistas
No início da noite de ontem, 19, o governador em exercício, Jackson Barreto, realizou uma reunião com representantes do Sindicato dos Trabalhadores nos Serviços Públicos do Estado de Sergipe (Sintrase), e associações dos servidores das empresas estatais, para discutir as perspectivas de efetivação de um plano de cargos, carreira e salários para as respectivas categorias. A reunião ocorreu no gabinete do Palácio de Veraneio.

Estudos
De acordo com o governador em exercício, a administração realiza continuamente os estudos para buscar viabilizar uma justa recomposição das carreiras profissionais da administração estadual, mas esbarra nas limitações financeiras que hoje afligem a maioria dos estados brasileiros, e nas limitações impostas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), de acordo com a qual Sergipe já ultrapassou o chamado ‘limite prudencial’, que é de 46.55% da arrecadação com despesas de pessoal.

Proposta
“Mesmo assim, nossa equipe técnica vem desenhando uma proposta para o plano de cargos e salários que deveremos apresentar aos representantes das categorias já no próximo dia 2 de setembro. É importante salientar que essa proposta só poderá ser efetivada assim que o Estado tiver condições dentro do que preconiza a Lei de Responsabilidade Fiscal. Até lá, vamos continuar estabelecendo um diálogo aberto e franco com os representantes das categorias”, explicou Jackson Barreto.

Nomenclaturas em Aracaju. Loteamento Aruana. E ponto final!
Bairro Aruana ou Aruanda? Em primeiro lugar, aquela localidade é um loteamento, não é um bairro e o nome é Aruana, é consagrado popularmente, é cultural, não tem legislação citando a palavra Aruanda.

Sabedoria popular
Quando o Bairro Coroa do Meio foi implantado pelo então Prefeito João Alves Filho, a principal avenida foi denomina Delmiro Gouveia, por um lapso do Poder Legislativo Municipal passou a chamar-se Luiz Lua Gonzaga, mas no ano de 2012, a Câmara de Vereadores aprovou a Lei denominando Avenida Delmiro Gouveia como já era consagrada pela sabedoria popular.

Rua Vila Cristina
A Rua Vila Cristina que era Leonardo Leite, mas a Prefeitura não tinha o costume de colocar a placa nas artérias poucas pessoas sabiam da existência desse nome, e mais uma vez a Câmara de Vereadores aprovou a Lei denominando Rua Vila Cristina e revogando Leonardo Leite. A obra que está sendo construída pela Prefeitura no cruzamento das Avenida Ministro Geraldo Barreto Sobral e Tancredo Neves foi aprovada como Elevado Jornalista Hugo Costa, e não pontilhão como tem sido veiculado.

Direito do consumidor
Projeto de Lei do senador Eduardo Amorim (PSC) entrará na pauta das comissões nesta terça-feira. O PLS 90/2012 tem como justificação a contagem do prazo no qual o cidadão pode reclamar, em juízo, a respeito de algum defeito do bem adquirido ou de um serviço prestado, a partir do término da garantia contratual.

Prazos
"Hoje esses prazos correm juntos o que faz com que o consumidor não tenha como recorrer à justiça”, explicou o senador ao completar que a proposta busca suprir a carência de disciplinamento legal sobre a aplicação da garantia contratual, que gera uma infinidade de conflitos entre fornecedores e consumidores.

Apelo da Juventude do sertão sergipano
No último final de semana, o deputado federal Valadares Filho (PSB), cumpriu agenda em diversos municípios de Sergipe. Depois de participar da procissão de Glória, visitou o município de Poço Redondo onde recebeu uma carta do grupo Coletivo de Juventude Campo e Cidade com um apelo para que o Alto Sertão Sergipano receba um Campus da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Extensão
Outras regiões do Estado já foram contempladas, a exemplo da cidade de Lagarto, no Centro-Sul, e Itabaiana, no Agreste. “Uma extensão da universidade é de suma importância para os jovens daquela região que estão em busca de se profissionalizar cada vez mais e alcançar outras áreas no mercado de trabalho”, defende Valadares Filho.

Ministro
O deputado apresentou ao grupo a possibilidade de uma reunião com a bancada federal de Sergipe junto ao Ministro da Educação. “De imediato falei com o senador Antônio Carlos Valadares (PSB), que é o coordenador da bancada federal, para que possamos agendar essa visita ao ministro Aloísio Mercadante e apresentar este apelo dos jovens do sertão sergipano”, explica o deputado.

Campus
Estudos já foram feitos e indicam que um dos municípios que atendem as exigências para a instalação do Campus é Nossa Senhora da Glória, distante 60 km de Poço Redondo. “Me comprometi a apresentar esses estudos ao ministro e mostrar a disposição dos municípios do Alto Sertão e acredito que, independente do município, atenderá à necessidade de todos os jovens da região”, finaliza Valadares Filho.

Grupo de militantes do PT discute possível desfiliação
Insatisfeito com a atuação do Partido dos Trabalhadores, um grupo formado por sindicalistas e militantes ligados ao presidente da UGT – União Geral dos Trabalhadores em Sergipe, Ronildo Almeida, que também é presidente da Federação dos Empregados no Comércio e Serviços – Fecomse, está avaliando e discutindo a possibilidade de deixar a legenda. A desfiliação ainda não é um passo definitivo, mas não está descartada.

Diálogo
O grupo não tem a pretensão de comando, mas de diálogo. Segundo os militantes, o partido carece de uma política, não estabelece diálogo com os trabalhadores e só se preocupa em receber apoio. “Precisamos fazer política, ser ouvidos, não somente apoiar. Temos diálogos mais estreitos nas propostas e projetos que incluem os trabalhadores e todos aqueles representados, não só por nossa Federação, bem como pela nossa Central Sindical UGT” afirma Ronildo Almeida.

Rompimento
Com a desfiliação, o grupo rompe uma militância de alguns anos no PT, pondo à evidência um descontentamento que atravessa o partido. “O importante é a união dos companheiros sabedores das lutas travadas em diversos campos da sociedade, nas manifestações, enfim, companheiros que podemos contar em todas as horas”, afirma Ronildo.

SEC/Funcaju e a Sustentabilidade
Pensando no meio ambiente e na sustentabilidade, a Secretaria Especial de Cultura (SEC/Funcaju), a cada quinzena, está fazendo a doações de jornais e revistas que seriam descartados para o Projeto Reciclart – Oficina de Papel. Localizada no Parque Augusto Franco (Sementeira), a oficina é uma iniciativa da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb).

Educação
O projeto que visa promover a preservação ambiental, além de educar a população, transforma as páginas com notícias antigas em peças e artigos de decoração, como: jarros, mesas, bancos, mandalas, material para escritório e tantos outros.

Diretoria da Rede Primavera participa de encontro na Somese
Na última quinta-feira (15), o presidente da Rede Primavera, Wagner Oliveira, o diretor executivo, Rogério Guariniello, o diretor de saúde, Alvimar Rodrigues e a gerente Comercial, Ana Pontes, participaram do almoço promovido pela Sociedade Médica de Sergipe (Somese). O evento consiste em um novo projeto de debate e teve como objetivo principal, apresentar aos profissionais, a atual situação da medicina privada em Sergipe.

Características
Na oportunidade, a diretoria da Rede Primavera, primeira convidada do projeto, mostrou aos presentes, as características do Hospital Primavera e o que a Rede oferece.  O diretor da Rede, Wagner Oliveira, falou sobre as dificuldades de empreender na área de saúde em Sergipe e respondeu aos questionamentos.

ESPORTE  – O  ESPAÇO DO ALCEU –  por Alceu Monteiro

Derrota inesperada
Se é verdade que o Sergipe caiu bastante de produção na reta final da primeira fase do Grupo 4 da Série D, de outra parte é também verdadeiro que não se esperava uma derrota para o Botafogo da Paraíba na partida do último domingo. A propósito, cabe aqui um esclarecimento pelo fato de não ter esta coluna registrado a partida realizada no Estádio Presidente Médici, no último domingo. Ocorre que estávamos em viagem, dela só tendo retornado no final da noite do dia 18.08, justamente o domingo passado. Tendo mantido a liderança isolada de ponta a ponta, era muito mais razoável que o Mais Querido obtivesse um resultado menos traumático do que essa incômoda derrota de 3 a 2 para a equipe paraibana, que assumiu liderança e garantiu sua classificação. Tomar 3 gols em 10 minutos é absolutamente inexplicável. Embora a equipe dirigida por Givanildo Sales tenha reagido no tempo final, marcando dois gols, a queda foi brusca e deixou contrariada a torcida rubra.

Confiança – Uma palavra-chave
Mais do que nunca, a fiel torcida do Sergipe deve, nesta situação embaraçosa, apoiar o seu time favorito. Como é sabido, o último jogo será no campo do adversário, justamente o Vitória da Conquista, candidato à segunda vaga do grupo. Um simples empate dará a vaga ao Sergipe. Portanto, nada está perdido. A expressão “cavalo paraguaio”, aplicada ao time do Sergipe, deve mexer com os brios dos atletas do Mais Querido. Um crédito de confiança deve ser conferido ao outrora chamado “Derrubador de Campeões”. É preciso acreditar. Mas calçando as famosas sandálias da humildade. Os comandados de Givanildo Sales poderão, sim, obter um bom resultado no próximo domingo, mesmo atuando sob pressão da torcida adversária.

Caixa de surpresa
Nos últimos tempos, o jogo de domingo passado foi um exemplo emblemático dessa expressão que era tão usada pelos cronistas esportivos. Em verdade, no futebol há três alternativas: vencer, empatar ou perder. Ou seja, nada é impossível. Esta coluna não vê como um desastre, uma vergonha, como muitos afirmam, o resultado que abalou as estruturas do Sergipe. Assim como os torcedores festejaram, efusivamente, a campanha impecável até antes do jogo contra o Juazeirense, é preciso cabeça fria para analisar a situação e chegar à conclusão óbvia. Na série D, temos um equilíbrio quase que total. No fundo, as 40 equipes parecem-se muito. Nos erros e nos acertos.

Panorama das competições nacionais
Série A – O Botafogo lidera, com 29 pontos. Cruzeiro – 28, Grêmio, 25 e Corinthians, 25. Este é o chamado G-4. Na zona de rebaixamento, temos: 17. Criciúma – 14, Portuguesa, 13, São Paulo, 11 e Náutico – 8. Série B – G-4: Palmeiras, 40 – Chapecoense, 33 – Sport, 30 e Paraná, 27. Este é o G-4. Na ZR (zona de rebaixamento) – São Caetano, 16 – Paysandu, 15 – América de Natal, 15 e ABC – 11.

Série D- Grupo 4
No grupo do Sergipe, a classificação é a seguinte: 1. Botafogo (PB), 14 – 2. Sergipe, 13 – 3. Vitória da Conquista, 11 – 4. Juazeirense, 8 e 5. CSA – 4 pontos ganhos.

Viagem
Carivaldo de Souza e Milton Dantas viajaram hoje logo cedo para o Rio de Janeiro. Vão tratar do futuro local dos jogos do Sergipe, na hipótese de a equipe rubra classificar-se para a próxima fase da série D.

Memória do esporte
20 DE AGOSTO – 1995 – O Pacaembu é palco de uma grande tragédia. Na partida pela Super Copa da Taça São Paulo de Juniores, as torcidas do São Paulo e do Palmeiras invadem o gramado e transformam o estádio em uma praça de guerra. Centenas de pessoas saem feridas e um torcedor morre. Era a final da competição, e o Palmeiras sagrou-se campeão, vencendo por 1 a zero. A briga entre os torcedores começou após o gol marcado pelo Palmeiras na chamada “morte súbita”.

Jogo rápido
Corintianos protestam contra beijo de Emerson. /// Breno deixa a prisão, na Alemanha. Retoma seu trabalho no Bayern. /// Estreia apagada de Neymar no campeonato espanhol. O Barcelona aplicou 7 a zero no Levante. /// Botafogo (SP) tem prejuízo de 1 milhão de reais com disputa da série D. /// Felipão prestigia a criação da Federação de Treinadores de Futebol. /// Brasil leva 11 ouros no mundial de natação. /// FIFA anuncia que vai entregar ingressos da Copa do Mundo em domicílio. Venda começa hoje. /// Corinthians vai poupar 3 atletas contra o Luverdense. /// Pela Copa do Brasil, fase das oitavas-de-final, jogam hoje Nacional (AM) e o Vasco da Gama. /// Jogos de amanhã: Luverdense X Corinthians, Santos X Grêmio, Palmeiras X Atlético PR, Fluminense X Goiás e Cruzeiro X Flamengo. /// Na quinta-feira (22.08) – Internacional X Salgueiro e Botafogo X Atlético Mineiro. /// Na série A, os jogos da rodada de número 16 serão realizados no sábado e no domingo próximos

PELO TWITTER

www.twitter.com/alanbarretoso  No ar, mais do mesmo!

www.twitter.com/Machu_Veio  Dar ousadia é um caminho sem volta… Dinheiro pode até voltar, mesmo assim não recomendo.

www.twitter.com/revinhogama Nunca achei que eu fosse tão sensível em relação a términos.. até ontem tarde da noite quando percebi que o papel higiênico tinha terminado

www.twitter.com/frednavarro  Em noite de lua cheia os poetas disfarçados de tuiteiros, a exemplo dos lobisomens, aparecem no pedaço.

www.twitter.com/esmeraldoleal  Usar uma lei anti-terrorista p deter um brasileiro, demonstra o quanto alguns países da Europa se comportam como capachos dos Estados Unidos

ARTIGO

Morte na UFS   por Leilane Barbosa

Aracaju. Segunda-feira. Dezenove de agosto de dois mil e treze. Dia cinzento.

Tudo ficou cinza, talvez não apenas pelas condições climáticas de hoje, mas também pela noticia publicada sobre a morte da MULHER de 30 anos, esfaqueada pelo seu ex-companheiro, no interior do RESUN, na Universidade Federal de Sergipe. Lamentável. Revoltante.

Violência Contra Mulher –  Não desmereço as medidas que devem ser tomadas para assegurar a todo e qualquer cidadão o direito à segurança, mas acredito que a violência de gênero ultrapassa essa questão, por seu viés cultural, enraizado no machismo e na ideia de “coisificação” da mulher.

Durante anos, fomos violentadas, tratadas como objeto, como coisa. Sobrevivemos ao sistema feudal que, por suas regras, impunha que a noite de núpcias fosse do senhor feudal e não do marido. E aí, pouco importava o desejo da mulher, a disputa era entre o orgulho dos homens em questão. De um lado o senhor feudal, do outro o marido inconformado por não ter o direito à primeira noite. A mulher ainda era objeto.

Avançamos na linha cronológica da história, chegamos ao século XIX, e o que mudou? A mulher ainda é “coisificada”, não tem direito a escolher o homem com quem quer compartilhar a vida e constituir família (muito menos seguir sua orientação sexual), também tem o dever de aprender a executar com maestria os afazeres domésticos. Algumas nadaram contra a corrente e desafinaram esse coro de contentes, foram à luta, ao trabalho, escreveram, marcaram a história, foram rechaçadas pela sociedade e por suas famílias, chamadas de loucas, e muitas até foram internadas em casas de repouso por seus próprios familiares.

Mais um salto na história e chegamos aos dias de hoje. Século XXI. As mulheres já podem votar, serem votadas, escolher seu companheiro (a), parceiro (a) ou não escolher ninguém. Já vislumbram o sucesso profissional – ainda que com todas as dificuldades devido ao seu gênero – mas, ainda sofrem as consequências dessa conquista de direitos, do direito de viver de forma plena e tutelada pelo Estado.

Os direitos femininos esbarram na cultura machista, no sentimento de posse existente em cada um dos homens (e não só neles), no desrespeito as escolhas femininas – inclusive, término de relacionamentos – porque ainda somos enxergadas como objeto, coisa, acessório que compõe o todo e deve segui-lo, sem questionar, aonde quer que ele vá.

O assassinato ocorrido no RESUN não é fruto de um amor exagerado, de uma paixão irracional, mas de um sentimento extremado de posse, de desrespeito com a mulher. Mais revoltante ainda são opiniões como: “também…a culpa é dela. Vejam com que tipo de sujeito ela foi se meter?”.

Paro, penso e não consigo compreender como a sociedade é tão machista que, nesse caso específico, a mulher esfaqueada ainda é colocada como a culpada. Por certo, a mesma sociedade que culpa a mulher vítima de estupro, que culpa a vítima de assédio sexual no ambiente de trabalho e que acha elogio o assédio que cada mulher passa no dia-a-dia pelas ruas das cidades. A MULHER É A VÍTIMA E NÃO A CULPADA.

Em suma, a luta feminista não é por acaso e aleatória. A luta feminista é feita, sim, nos detalhes, na conscientização de um por um, nessa sociedade machista e patriarcal, de que não somos apenas objetos. Aliás, não passamos nem perto disso.

A mulher é senhora de sua vontade, de seus desejos, do seu presente, passado e futuro, senhora do seu domínio e mais ninguém. Ela pode se incomodar com os assobios nas ruas, porque ela não é coisa, nem objeto de prazer. Pode lutar para que seus direitos sejam efetivados e deve reprimir a opressão do patriarcado no seu dia-a-dia, sempre. Porque, amigas, a violência sofrida por uma é, na verdade, praticada contra cada uma de nós.

* Solidarizo-me com a família da vítima Danielle Bispo dos Santos, assassinada hoje, 19/08/2013, pelo seu ex-companheiro.

*Militante da Juventude do PT

Twitter: https://twitter.com/_LeilaneBarbosa

Face: https://www.facebook.com/leilanee.barbosa?fref=ts

ARTIGO

O machismo faz mais uma vítima!  Emanuele Suzart* e Jessy Dayane**

Todos ficaram espantados e solidários à família vitimada ante o assassinato da trabalhadora Danielle Bispo dos Santos, cometido pelo seu ex-companheiro, nas dependências do Restaurante Universitário (RESUN) da Universidade Federal de Sergipe (UFS), nessa segunda-feira, 19/08/2013.

Do ocorrido, expuseram-se na mídia duas explicações imediatas: uma, apresentada pelo próprio assassino, de que o motivo seria ciúmes e outras queixas com a família da jovem; outra, trazida dos burburinhos dos curiosos e do ímpeto de obter responsáveis institucionais, daria ao fato a causa da insegurança no campus.
São duas visões compreensíveis: a primeira, oriunda de uma visão particular sobre o caso, inclusive partindo dos sentimentos expressos pelo malfeitor; a segunda, fruto tanto da violência a que estamos suscetíveis, quanto do clima de terror instigado, sobretudo, pela grande mídia.

Ocorre que a faca que ceifou a vida de Danielle é a mesma faca que assassinou cerca de 43.700 mulheres de 2000 a 2010 no Brasil (Mapa da Violência 2012 – CEBELA e FLACSO Brasil).

Trata-se do assassinato de uma mulher ocasionada pelo seu ex-companheiro. Isso se repete há muito tempo e não se explica tão somente por crise de ciúmes, violência generalizada ou insegurança no campus.

Não se quer afastar o debate sobre a necessidade de garantir segurança ao povo que frequenta a universidade. Isso é fundamental. Mas se quer, por ora, trazer ao centro da discussão o que de fato caracteriza o ocorrido, para incidirmos sobre a questão.

Ao considerar o fato como expressão da subjugação histórica da mulher ao homem, do machismo, como a explicitação da violência contra a mulher num local público, permite-se entender que toda maneira de dificultar à mulher o acesso a uma condição de igualdade significa mais uma punhalada. Danielle teve seu direito à vida suprimido e outras mulheres tem outros tantos direitos proibido por esses punhais.

Nesses termos, a cobrança que se faz da administração da universidade – longe de imputar responsabilidades pela situação, senão ao próprio agressor –, é que seja intransigente na luta contra essas violências.

Assim como o estímulo à produção científica sobre as relações de gênero e violência, a construção de uma creche universitária, por ser um espaço pedagógico em que as mães (e pais!) podem deixar seus filhos para desfrutar dos direitos à educação e ao trabalho, dentre outros, pode ser uma sinalização positiva e possível nesse enfrentamento.

*Marcha Mundial de Mulheres/Sergipe

**1ª Diretora de Mulheres da UNE e militante do Levante Popular da Juventude/Sergipe

DEBATE

Crise nacional do PEN aprofundasse cada vez mais. Secretário nacional renúncia 

Email enviado pelo Secretário de Comunicação Nacional do PEN, Sr. Tiradentes, enviado para todos os dirigentes estaduais, toda a executiva nacional do partido e para o próprio Presidente Nacional, Adilson Barroso.

É com muita tristeza que eu vejo tudo isto acontecendo. Tínhamos tudo para sermos um grande partido porque somos a única agremiação política partidária do Brasil a ter essencialmente algo a defender, o que é também de interesse não só dos brasileiros mas de toda a população do planeta Terra, ou seja, a defesa da vida. Mas como podemos defender a vida se internamente estamos nos digladiando?

Infelizmente, eu tenho sido uma voz não ouvida pelo presidente Adilson Barroso porque, no seu modo de ver, eu sou jornalista e não político.

Acontece que justamente por eu ser jornalista, ter credibilidade e uma ampla experiência em comunicação tanto na grande imprensa quanto como assessor por mais de 25 anos de algumas das principais multinacionais instaladas no Brasil, é que eu fui contratado para assessorar também políticos de todos os escalões (de vereador a deputados, passando por governador e prefeito de São Paulo, como Jânio Quadros, e também por candidato a presidente da República eleito e reeleito pelo voto popular como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso etc.

Além do mais, eu ocupo hoje o cargo de Secretário de Comunicação Nacional do PEN51 e se eu não fizer a minha parte, como estou fazendo agora, eu serei omisso e conivente com a situação que aí está, o que absolutamente eu não sou. Eu posso "não entender de política", mas eu entendo de lealdade. Eu defendo que os que lutaram e deram o dinheiro que não tinham para fazer este partido existir, tenham agora o direito de mostrar que podem eleger deputados federais e estaduais em seus estados e construir municipais fortes e preparadas para as eleições que virão.

Eu entendo que, por mais importante que sejam alguns deputados como, por exemplo, o deputado do PDT de Pernambuco, Silvio Costa, eles não têm o direito de se dizer "donos" de um partido que não é de uma só pessoa, mas de todos nós. O mesmo eu diria do tal Senador de Sergipe que é colecionador de partidos pequenos e poderia citar ainda os nomes de vários outros oportunistas que têm aparecido agora, depois do partido pronto, sendo que poderiam ter aparecido antes e não o fizeram. Não podemos dar "de mão beijada" um partido que custou parte de nossa vida para ser construído, a oportunistas de vários segmentos que aparecem e começam a fazer negociatas em nome do PEN…

Por isso, eu peço a todos e em especial ao nobre presidente Adilson Barroso que revejam suas posições. Nós não chegaremos a lugar algum com briga interna e muito menos com descontentamento ou o que é pior: com intranquilidade, pois mesmo os presidentes estaduais e municipais estão inseguros em relação ao cargo que ocupam hoje. Eles temem ser trocados por quaisquer aventureiros que cheguem e façam promessas que certamente não cumprirão, mas que no entanto poderão ocupar seus lugares porque quem decide o que fazer no partido e pelo partido, hoje e desde o início, não é uma EXECUTIVA ou DIRETORIA NACIONAL, mas apenas o presidente Adilson.

Por tudo isso, não é justo que no futuro — caso não cheguemos a uma solução amistosa, o que é o desejo de todos nós — outros paguem pela monopolização do cargo exercido pelo presidente e não pela Executiva Nacional que, aliás, nunca se reuniu e nem sequer foi chamada a dar qualquer tipo de opinião, o que seria, no mínimo, desejável a um partido político que pretende ser DEMOCRÁTICO E SOLIDÁRIO.

Neste momento, eu gostaria de solicitar gentilmente ao presidente Adilson Barroso que chame a todos nós para uma reunião ampla e nos coloque a par de sua "estratégia política", justificando caso a caso as razões das trocas de presidentes para que não persistam dúvidas sobre sua hombridade e compromisso público assumido com todos os que conseguiram assinaturas de abaixo-assinados.

Caso essa reunião não venha a ocorrer o mais brevemente possível, já que o dia 14 de setembro, quando se pretende reunir em Barrinha os presidentes regionais, me parece longe demais para salvar a tempo o PEN51 das eleições de 2014, eu, em ato SOLIDÁRIO com todos os líderes que, assim como eu demos o que não tínhamos para ver o partido construído, RENUNCIO AO CARGO DE SECRETÁRIO DE COMUNICAÇÃO NACIONAL, por entender que infelizmente não tenho tido a serventia que poderia ter para o PEN51.

Atenciosa e respeitosamente, um forte abraço,Tiradentes.

Blog no twitter:   www.twitter.com/BlogClaudioNun

Frases do Dia
“Me esforço para ser melhor a cada dia. Pois bondade também se aprende”

“Todos estamos matriculados na escola da vida, onde o mestre é o tempo.”

Cora Coralina, poetisa e contista brasileira, nasceu em 20 de Agosto de 1889 e morreu em  1985.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários