Orla de Atalaia: nota comprova apatia do governo

0

“O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

Lamentavelmente a nota do governo Estadual, através da Secretaria de Estado do Turismo e do Esporte (leia após este artigo) mostra a apatia – para não dizer incompetência – para sanar dois problemas simples que vêm causando uma péssima imagem para Sergipe no principal cartão postal de Aracaju.

Sobre os mendigos, a nota diz que foi realizada uma ação no último mês de março, onde foram retirados os mendigos, mas alguns retornaram a montar barracas no local. E qual o motivo que a ação não foi mais efetiva? Basta uma ação diária com a Cptur, para não deixar que eles retornem ao local. Ou a Cptur só serve para passear na orla?

Ambulantes – Cadê a fiscalização da Sefaz? – Já os ambulantes, já que eles insistem em não respeitar o espaço público a Setesp deveria entrar com boletins de ocorrência na delegacia de turismo, por ocupação irregular do espaço público.

E muitos deles, como os vários coreanos, basta uma fiscalização da Sefaz para apreender as diversas mercadorias piratas sem notas fiscais. É preciso punição e apreensão de mercadorias. O interesse público deve ficar acima do interesse político-partidário.

Falta ação. A nota, lamentavelmente, demonstra a falta de um poder público eficaz na Orla de Atalaia. Até quando?

Leia a Nota de esclarecimento Setesp –  Orla da Atalaia:

Em relação as notas publicadas na sua coluna da Infonet, no dia 04 de maio de 2015, sobre a presença de mendigos, moradores de rua e ambulantes na Orla da Atalaia, a Secretaria de Estado do Turismo e do Esporte esclarece o seguinte:

1.       Os mendigos e moradores de rua que ocupam, irregularmente, a Orla da Atalaia, nas proximidades dos lagos e do kartódromo, foram retirados em duas operações realizadas pela Secretaria de Estado do Turismo e do Esporte – Setesp, com o apoio CPTur e da Guarda Municipal de Aracaju, sendo que esta última foi no mês de março próximo passado.
2.       Apesar do controle exercido pela Setesp sobre a Orla da Atalaia, os mendigos e moradores de rua teimam em retornar e constroem os abrigos em outros locais da mesma Orla, de modo a dificultar o controle.
3.       Uma nova operação para a retirada dessas pessoas está sendo planejada para o decorrer deste mês, com a participação de outros órgãos.
4.       Quanto à questão dos ambulantes que voltaram a atuar de forma desordenada e irregular no calçadão da orla de Atalaia informamos que todos os esforços foram envidados para uma solução do problema, inclusive com a realização de reuniões com os envolvidos na questão.
5.       Nessas reuniões ficou definido que os ambulantes poderiam ocupar a parte de trás da orla, nas proximidades da feira de artesanato existente no local.
6.       No entanto, os ambulantes não cumpriram o acordo e, sob as mais diversas alegações, voltaram a ocupar e comercializar irregularmente no calçadão.
7.        É necessário informar que a Setesp não tem efetivo de pessoal suficiente para coibir diariamente este tipo de procedimento e que, portanto, está buscando o apoio de outros órgãos para que possa realizar permanentemente ações para coibir essa prática ilegal dos ambulantes.    

Cordialmente,José Castilho Almeida/Ascom/Setesp – Secretaria de Estado do Turismo e do Esporte.

Investimentos
O governador Jackson Barreto  faz hoje, 05, inauguração e autoriza investimentos em Tobias Barreto que somam R$51 milhões.  Os investimentos são nas áreas de saúde, infraestrutura, habitação, abastecimento de água e pavimentação.

Farmácia
A agenda tem início às 9h30, com inauguração da Farmácia Popular. O projeto, desenvolvido em parceria com o Ministério da Saúde, vai ampliar o acesso da população a medicamentos básicos, vendidos a preço de custo. O investimento é de R$ 190 mil, recursos do Ministério da Saúde, através da Fundação Oswaldo Cruz.

Ciretran
Às 10 horas, o governador inaugura a Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran). A nova unidade de atendimento, que receberá o nome de José Vasconcelos de Almeida (Ioiô Tavares), soma um investimento de R$ 250 mil. O prédio está situado na rodovia Antônio Carlos Valadares e funcionará de segunda a sexta-feira, das 7 às 13h.

Autorizações
Além de entregar obras, o Chefe do Executivo assina ordens de serviço para investimentos em pavimentação, habitação e abastecimento de água. Serão autorizados os serviços de duplicação e pavimentação da Rodovia SE-170.

Terceirização
O senador Eduardo Amorim (PSC) propõe que é preciso analisar mais a fundo sobre o Projeto de Lei (PL) 4330, que regulamenta as normas da terceirização, já votado e aprovado na Câmara Federal, há algumas semanas, e em discussão no Senado. Em entrevistas concedidas às rádios Mix FM (93.5 MHz) e Liberdade FM (99.7 MHz) Eduardo afirma que “não podemos tirar direitos do trabalhador”.

Medo
Senador Eduardo disse que a lei da terceirização do jeito que foi votada na Câmara Federal faz muito medo em relação à consolidação dos direitos trabalhistas. “Não podemos tirar direitos do trabalhador, que foram conquistados com tanta luta”, disse.

III Edição do Projeto “PGE Integre-SE”
A Procuradoria-Geral do Estado de Sergipe (PGE/SE), através da Corregedoria-Geral da Advocacia-Geral do Estado, em parceria com a Associação dos Procuradores do Estado de Sergipe (APESE/SE) realizarão, no próximo dia 11 de maio de 2015, às 9 horas, a III Edição do Projeto “PGE Integre-SE”, no auditório da PGE (Praça Olímpio Campos, 14, Centro).

Fomento
Esse Projeto tem como objetivo fomentar discussões e debates sobre Políticas Públicas no Estado de Sergipe. Nesta oportunidade, contará com a palestra do secretário de Estado da Saúde, José Macêdo Sobral que abordará a temática: “Políticas Públicas na Saúde do Estado de Sergipe”.

Diferencial
No Hapvida Saúde o paciente está em primeiro lugar. A operadora tem estrutura e corpo de especialistas próprios, assim, o cliente que procurar as Hapclínicas sempre encontrará médicos para realizar suas consultas e exames, em horários fixados pela empresa. Nada de ficar horas procurando médico que faça atendimento pelo seu plano , no Hapvida Saúde o maior esforço e agendar horário.

Copa Norte Nordeste de Badminton será realizada em Aracaju
No período de 14 a 17 de maio, acontece na cidade de Aracaju nas dependências do Ginásio de Esportes Augusto Franco (SESI) no bairro Farolândia, a Copa Norte Nordeste de Badminton e a II Etapa do Nacional de Parabadminton.O Evento é uma promoção da parceria, Confederação Brasileira de Badminton e Federação Sergipana de Badminton. 210 atletas estão inscritos entre as categorias sub 11, sub 13, sub 15, sub 17, sub 19 e Principal, oriundos dos estados de Sergipe, Ceará, Pernambuco, Piauí, Amapá e Paraíba,.O estado de Sergipe será representado pelos atletas dos clubes Soginastica, GO ON Badminton, Pio Décimo, Magnus e O Saber.

Esporte olímpico
O Badminton é esporte olímpico e o segundo em número de praticantes no mundo, é jogado em uma quadra com 13,40 x 6,10 m dividida em duas partes por uma rede a 1,55 m do solo, o objetivo do jogo, é fazer com que uma peteca impulsionada por raquetes toque o solo da quadra do adversário, o vencedor é o atleta ou dupla que ganhar 2 games dos 3 possíveis de serem jogados, cada game e disputado em 21 pontos, o jogo é desenvolvido nas modalidades de simples para os gêneros masculino e feminino, duplas e duplas mistas.

Convite
A jovem Federação Sergipana, estabelecida em 2011 vem implementando ações de difusão do esporte por todo o estado, consolidando a sua prática e neste momento assumiu o desafio de promover o Norte Nordeste de Badminton como mais uma ação nesta perspectiva.Toda sociedade sergipana está convidada prestigiar o evento e torcer pelo sucesso dos nossos atletas. Mais informações sobre o evento e a prática do esporte no nosso estado, podem ser obtidas nos seguintes endereços eletrônicos:  https://.badmintonsergipe.org.brwww.facebook.com/FSBadminton e e https://.badminton.org.br

AMO realiza brechó solidário
Os amigos da oncologia realizam mais uma edição do Brechó Solidário com a exposição e comercialização de 5 mil peças novas e usadas. O brechó começa nesta terça-feira, 5 de maio, e segue até a quinta-feira, 7. Sem fechar para almoço, os voluntários da Associação dos Amigos da Oncologia – AMO estarão disponíveis para atender aos interessados de 8h às 17h. O brechó será realizado na Rua Permínio de Souza, 85, bairro Cirurgia, em Aracaju.

PELO TWITTER

www.twitter.com/AlberthoJorge1  A cada dia, a cada semana, matam nossos pais, nossos filhos, nossos amigos  e a gente, afrouxadamente , assistindo  tudo isso. Até quando?!

www.twitter.com/Marcelo_Efron Nunca negue uma oração. Sua oração tem o poder de transformar uma vida.

www.twitter.com/revinhogama   Antigamente as pessoas desabafavam num diário e ficavam putas se alguém lesse. Agora elas desabafam no Facebook e ficam putas se ninguém lê.

www.twitter.com/mendoncaprado  Lastimavelmente, as leis brasileiras são obstáculos para a redução da violência. É comum a polícia prender o mesmo meliante diversas vezes.

www.twitter.com/WilliamFonseca  Quanto às pessoas, não critique os defeitos se não for para edificá-las e não as aconselhe se você mesmo não for um exemplo de superação.

ENSAIO

  Intelectuais comunistas e socialistas sergipanos –   O caso Fragmon Carlos Borges  (Parte – III)

GILFRANCISCO (27)

                                          O Centro Socialista Sergipano

Foi inaugurada às 19 horas na sala de honra da Biblioteca Pública do dia 20 de março de 1918, a sessão inaugural da instituição Centro Socialista Sergipano. O ato público teve grande concorrência. Primeiramente usou da palavra o trabalhador e acadêmico Florentino Menezes (1886-1959) que pronunciou um discurso analítico, expondo, nessa oração de conceitos humanamente socialistas, o fim da futura sociedade que, com muitos outros apóstolos de amor, de verdade e de justiça, acabava de fundar e a qual era inaugurada naquele momento. (28)

Foi um discurso admirável, ao terminar o, proclamou presidente do Centro Socialista Sergipano.  Proclamado Presidente Manuel dos Passos de Oliveira (1859-1935), tomou assento na cadeira de honra, começando a sua improvisada declamação. Depois com sua luminosa e clássica exaltação, pronunciou algumas palavras, fazendo boa introspecção ao princípio do socialismo, como salvação da humanidade e afirmação da grandeza nacional. A diretoria do Centro foi composta dos seguintes nomes:

Presidente – Dr. Manuel dos Passos de Oliveira Teles
1º vice-presidente – professor José de Alencar Cardoso
Vice-presidência – Dr. Alcibíades Paes
Secretário geral – professor Monteiro Filho
1º secretário – major Epifânio Dória
Secretário Acadêmico – Florentino Menezes
Orador – professor Arthur Fortes
Orador – Péricles M. Barreto
Comissão de finanças: Virgilio Maynard, Euclides Teles e José Alfredo

Escolhidos os membros da diretoria, lida a ata inaugural do Centro Socialista Sergipano, a qual foi aprovada pela diretoria e assinada por 56 pessoas presentes. Em seguida nomeada uma comissão composta dos senhores Alcebíades Paes, Monteiro Filho e Euclides Teles, para dar parecer sobe os estatutos da nova associação.

Termo de Fundação

“Damos, em seguida, o termo de fundação da sociedade notável que acaba de ser fundada:
Nós abaixo assinados, reunidos a convite do Sr. Florentino Menezes, aos dezenove dias  do mês e março de mil novecentos e dezoito, no salão de conferência da Biblioteca Pública, fundamos o Centro Socialista Sergipano, cujo fim é uma propaganda enérgica, continua e eficaz das diferentes doutrinas socialistas no Estado de Sergipe.
Reconhecendo a vitória das novas teorias sociais que no atual momento convulsionam toda a Europa transformando por completo a Rússia e prometendo estender-se aos outros países do velho e culto continente, e de acordo com a orientação que nos apresentou em sessão, por intermédio do seu discurso, o autor da ideia e julgando justas as causas que determinaram este modo de proceder, resolvemos iniciar, por meio deste “Centro”, uma propaganda em Sergipe, tão desenvolvida quanto possível, afim de que para o futuro se possa afirmar que o nosso querido Estado esteve sempre na vanguarda daqueles que resolutamente trabalharam e se esforçaram pela vitória da nova civilização.
O Centro Socialista Sergipano lutará sempre pela justiça pelo amor e pela paz e, deste modo, nós que hoje aqui nos reunimos em um recinto sagrado do Brasil para trabalhar, com lealdade, com esperança e fé pela vitória do grande ideal que há de dirigir, de melhorar e de elevar a humanidade do futuro.
E sonhando com a regeneração da humanidade e almejando a verdade, o amor e a justiça, nós sócios fundadores desta Instituição, prometemos solenemente nunca nos afastar destas normas e do ideal grandioso contido nestas três palavras que encaram a mais alta expressão da dignidade humana: – verdade, amor, justiça”. (29)

Discurso de Florentino Menezes

Exmª. Senhoras:
Meus caros e distintos patrícios:
Meus companheiros de luta:

Cumpre-me antes de externar as minhas ideias sobre a fundação deste Centro expor os sentimentos que vibram na minha agradecida, porque acima das cogitações áridas do cérebro piram as expansões magníficas do ideal, a única força capaz de guiar os povos para um futuro grandioso.
E neste momento não são ideias que as minhas palavras exprimam, porém o reconhecimento de um coração dos escravizados diante da gentileza dos meus patrícios que concorrem a este sonho prestando um poderoso auxílio à propaganda socialista em Sergipe.
E eu tenho um imenso em confessar que na agitação constante em que se tem convulsionado a minha insistência, neste anelar incontido de aspirações perdidas, de desilusões amargas de tristezas, de revoltas, de desesperos, e no meu longo martíriologia de mais de 30 anos, pela primeira vez me sinto feliz.
Dez anos são já passados, despreocupado eu cursava uma Academia de medicina, onde acabava de prestar os exames da 3ª serie, e o trabalho do proletariado, das vítimas da civilização moderna, transformado em riqueza e em capital, sob a honra de um ordenado, passava dos cofres do governo para as mãos do meu progenitor, e delas para as minhas, a fim de que eu pudesse vencer, nesta luta cruel da existência, – e a quem sabe, talvez se o destino me não fosse adverso, disser inconscientemente que havia subido com os meus próprios esforços, sem me lembrar de que aquele dinheiro vinha de meu pai, que este o recebera do governo e que o governo o havia tirado do povo, deste povo heroico, que morre asfixiado nas fábricas, nos subterrâneos das minas, ou cavando um solo logratíssimo como um eterno condenado…
Mas uma ligeira modificação na política fez meu pai perder o rendoso emprego ao mesmo tempo em que uma moléstia cruel abatia-me o organismo, produzindo lesões nos centros cardíacos, e os mestres da ciência médica ordenavam-me o repouso absoluto, o repouso exatamente no instante em que eu precisava reunir todas as minhas energias a fim de salvar-me do naufrágio a que me levaram as tempestades que agitavam o oceano revolto de minha existência.
O destino me havia vibrado um golpe cruel e desapiedado, a desgraça caia temerosa e trágica sobre a minha cabeça e as trevas impenetráveis de uma noite insondável enegreceram os primeiros raios de aurora do meu futuro destruído.
E eu parei um instante na minha carreira vitoriosa, pela primeira vez havia encontrado um obstáculo que se me aparecia invencível e o abalo psicológico, agitando as camadas mais profundas do meu organismo, deixou traços indeléveis, e uma modificação profunda operou-se então em minha consciência.
A dor levou-me a pensar, e ensinou-me a reagir, porque só o sofrimento será capaz de nos fazer compreender as injustiças, as desgraças e os martírios que são impostos aos infelizes quando eles nos ferem diretamente a alma.
O mais exaltado aristocrata, o mais terrível tirano que se conservava impossível diante da lógica inquebrantável de centenas de livros, cederia convencido se algum dia o destino o obrigasse a suportar os sofrimentos que outrora, com o riso nos lábios e a consciência despreocupada e calma, impôs a milhares de seus semelhantes.
Levam-no sem piedade a uma fábrica, substituem o seu frack elegante pela blusa grosseira do operário e deixem-no trabalhar durante 15 horas com uma alimentação insuficiente, obriguem-no a penetrar em um cano de esgoto onde se escoam repugnantes as podridões hediondas, façam no descer a uma mina de carvão, e lá, muitos metros abaixo do solo, nos subterrâneos temerosos e profundos, de picareta em punho, atacando as camadas enegrecidas da hulha, o nosso tirano, quando sentir enfraquecer-se a existência nesta batalha inglória oculta nas entranhas misteriosas da terra, reconhecerá então que nós temos razão, nós os sonhadores da sociedade futura, porque o sofrimento ensinou-lhe a sentir e a compreender o infortúnio e a tortura dos nossos semelhantes…
E eu preciso confessar, – porque a minha vida nada mais tem sido do que uma longa confissão foi o sofrimento e foram as injustiças inconcebíveis, cruéis e temerosas de que eu tenho sido vítima em minha vida pública, e foram as humilhações a que me atiraram as forças sociais de minha terra, que me levaram a simpatizar com estes novos apóstolos que com a ama invencível da palavra e da lógica tentam retornar a sociedade, prometendo-nos para o futuro uma humanidade mais feliz, mais perfeita e mais moralidade.
E quem poderá afirmar, vivendo nesta época de mercantilismo e injustiças, que os seus lábios nunca foram tocados pelo calix de amarguras que eu tenho sorvido com a resignação de um mártir?
E quem poderá garantir que este veneno sutil e cruel não lhe venha ainda enegrecer a vida, matando-lhe para sempre o riso e a alegria?
Pois bem: quando a felicidade fugir-lhe, quando o martírio aparecer hediondo ante a sua vista aterrada, quando os sonhos de outrora se desvanecerem no seu coração desiludido, quando o amor ceder o seu lugar ao ódio consumidor e selvagem, e a esperança for destruída pela chama devastadora do sofrimento, então estaremos nós os socialistas, como outrora os apóstolos, não para trazer a felicidade do além-túmulo, mas para apontar aqui mesmo na terra, a estrada gloriosa que nos á de guiar para um futuro majestoso, e amparar o seu coração árido e deserto e quase aniquilado pelos golpes do infortúnio com um ideal que o há de novamente povoar de esperanças, de alegria, de felicidade e de sonhos benfazejos.
Então o socialismo o salvará, por que ele é o ideal mais grandioso e mais sublime que desde a sua origem misteriosa tem habitado a alma inconcebível, poderosa e imensa da humanidade.
O ideal socialista é o único capaz de salvar o homem moderno da degradação moral em que caiu é o único capaz de elevá-lo novamente à dignidade humana, porque é ele o mais puro e é um ideal de amor, de verdade e de justiça.
Meus patrícios: – é triste, mas é necessário dizer, neste momento em que vos falo; eu vejo, eu compreendo, eu sinto a necessidade absoluta e urgente de um ideal em nossa terra, capaz de elevar o nosso caráter, de guiar os nossos estadistas na concepção e na direção das forças sociais, de fazer o nosso povo e o nosso operariado reconhecerem os seus direitos convencendo-se finalmente de que são homens e que não são escravos de capitalistas.
Não é a inteligência que nos falta, não é a coragem, é apenas um ideal que possa unir todos os sergipanos, sustentando os ímpetos de prepotência, enfraquecendo as manifestações absurdas da força, acudindo aos gritos de desespero, amenizando os gemidos, diminuindo o sofrimento, trazendo a esperança para todos, e este ideal só o encontraremos no socialismo, porque só ele nos pode prometer para o futuro uma sociedade mais perfeita e mais justa.
E foi com o fim de divulgar este ideal em minha terra que eu pensei na fundação do Centro Socialista Sergipano,
o qual no momento presente eu vejo transformado em realidade, devido ao espírito progressista e ao apoio mora dos meus patrícios que me auxiliaram, concorrendo a esta sessão que há e marcar uma nova fase na historia do socialismo em Sergipe.
E já era tempo de começar a luta; a Rússia ensanguentada, esmagada pela invasão estrangeira, dilaceradas pelas dissensões intestinas, entregues a mais desordenada das anarquias, sacrificou a sua existência secular para salvar a Revolução, e hoje a República Socialista é lá uma realidade, implantando o seu pavilhão vitorioso nos palácios onde outrora a dinastia e a prepotência dos Czares imperavam.
Na poderosa e liberal Inglaterra os partidos socialistas são ouvidos e respeitados como a maior força política do Império; na França revolucionária e heroica eles orientam a ação dos governos e até na Alemanha militarizada a sua influência manifesta e a julgar por alguns autores dignos de fé, o Kaiser não se teria arriscado a esta tremenda ventura, se não contasse com a adesão da maior parte do partido socialista que La se apresenta como uma força disciplinada e formidável.
É esta a maior prova do valor, da influência e do respeito que impõem os partidos socialistas na velha e culta Europa e em alguns países dos mais civilizados da America.
É como poderemos consentir que aqui continuasse esta mesma indiferença, que de há longos anos em enfraquecendo e amesquinhando a alma sergipana?
E porque não trataremos, em um esforço único alevanta estes ânimos, estes corações desalentados, enfraquecidos por uma vida amolentada, de prazeres e de abjeções criminosos?
E é a vos que neste instante me ouvis, cujos corações vibram uni sonhos pela realização do mesmo ideal, em que eu sinto a mesma palpitação universal que neste momento acelera e eleva até a exaltação a tragédia formidável da vida que se desenrola sangrenta desde as estepes geladas da Rússia até solidões misteriosas do oceano; é a vós, meus irmãos de ideias, a quem está entregue o futuro deste ideal magnífico e sublime na pátria sergipana.
Eu bem sei que impossível seria lutar-se contra as leis socais que dirigem e presidem a evolução dos povos, e o socialismo vencerá em toda a Europa, nos Estados Unidos, na Argentina, no Chile no Uruguai, finalmente em toda a America; no Brasil, em Sergipe, em Aracaju, em Laranjeiras, em S. Cristovão e no Socorro…
Porém o que eu sinto profundamente e, o que me abate a alma é pensar que Sergipe tenha ainda que permanecer retrógrado, durante longos anos, sem poder acompanhara nova civilização, mesmo quando ela for uma realidade em todos os povos cultos.
Eu não aconselho o socialismo a ponto de perder-se a pátria e a família, e o exemplo já nos deram os povos que nesta formidável tragédia se dilaceram na Europa.
E quando no momento aflitivo a pátria implorou o sacrifício de seus filhos, um gesto grandioso e sublime de altruísmo encheu o mundo de admiração e espanto, e uma só resposta se ouviu: – seremos primeiro Franceses ou Alemães e só depois socialistas.
Pois bem: imitemos a Europa civilizada e culta; façamos do socialismo a nossa bandeira, o nosso guia para o porvir, mas não abandonemos a pátria e que ela seja com este solo abençoado, este céu estrelado, esta brisa serena, e como tudo o que nos rodeia – um socialismo sergipano.
Patriotismo e socialismo: eis o tema grandioso que vos apresento: o amor pela terra adorada em que nascemos pela família idolatrada, e a admiração pelo futuro que de longe nos arrasta e nos fascina com a sua atração misteriosa.
Eu sua carreira alogadíssima passam os séculos, esboroando com o tempo os continentes, enterrando com o seu pó implacável as grandezas humanas; e o ideal socialista resistirá invencível a todas as hecatombes que possam revolucionar o mundo social, porque a sua força é daquelas que se não destroem, a força da verdade e da justiça.
Agora vou terminar, e o Centro Socialista que já tem a sua história não pode calar os nomes daqueles que foram os seus benfeitores na época agitada de sua fundação, e eu sinto prazer em citá-los, porque com isto pratico um ato de justiça e gratidão.
O talentoso professor José de Alencar Cardoso, espírito esclarecido e culto, verificou desde logo tratar-se de um problema que interessa o futuro da humanidade e o seu auxílio, a sua delicadeza e o seu cavalheirismo não tiveram limites para comigo.
Trabalhou, lutou e defendeu a nova ideia como um adepto fervoroso.
O Sr. Epifânio da Fonseca Dória, o esforçado trabalhador e inteligente diretor da Biblioteca Pública, cedeu a pedido do professor Cardoso, o salão de conferencias do estabelecimento que dirige, prestando deste modo um serviço de real valor à causa que deferido.
Agora outro benfeitor.
É um nome ilustre, outro amigo dedicado e que se tem abatido com denodo pela vitória deste empreendimento.
Este companheiro de lutas é o grande filósofo sergipano Dr. Manuel dos Passos de Oliveira Telles, o sociólogo consciente que reconhece, através das leis da Sociologia, que as sociedades, como todos os seres, nascem, vivem e morrem, cedendo assim à eterna e inexorável lei da natureza.
E eu penso pagar uma dívida de honra de render uma homenagem ao seu talento profundo, à sua ilustração vastíssima, ao seu prestígio político, à sua dedicação pela causa dos oprimidos e, sobretudo, à sua coragem temerária de confessar-se socialista em Sergipe, aclamando o presidente do Centro Socialista Sergipano! (30)
Desde o dia 15, quando Florentino Menezes através do artigo Ao povo de minha terra, publicado no Diário da Manhã, convoca a população em geral para comparecer a sessão do dia 19 de março às 7 horas da noite, no salão da Biblioteca da Loja Maçônica Cotiguiba, para a inauguração do Centro Socialista Sergipano.  Evento vinha sendo bastante divulgado na imprensa, somente na véspera da reunião a população aracajuana foi informada da mudança de local da primeira sessão do CSS, para a Biblioteca Pública,(31) por ser mais adequada para o grande número de participantes esperado:
“Estamos informados de que à última hora, ficou resolvido que a primeira sessão do Centro Socialista Sergipano realizar-se-á no salão da Biblioteca Pública, às 19 horas de hoje. O espaço acanhado do salão da Loja Cotiguiba, onde funciona a biblioteca da Loja, e a afluência enorme de pessoas que se acharão presentes, determinaram este alvitre”.(32)

Florentino Teles de Menezes desde cede se dedicou à matemática, e aos estudos sociais. Apesar de não ter concluído o curso de medicina, tornou-se notável jornalista, mas foi como sociólogo que se torna um mestre, um nome reconhecido nacionalmente, por muito se ocupar com a situação social e política do país. Nas suas obras analisou realidades e tendências, mostrando caminhos, sugerindo soluções para os problemas nacionais.

O jornalista e advogado Sinval Palmeira, cronista do jornal A República, em sua edição de 23 de janeiro de 1935, publica o artigo Florentino Menezes e a Ilusão Comunista, sobre o livro do professor e sociólogo “A ilusão comunista e a realidade soviética”, onde estuda o fenômeno russo, fenômeno asiático na linguagem dos escritores burgueses, à luz da sociologia e conclui que o comunismo é a fórmula mais elevada de sociedade. Registra Sinval Palmeira sobre o livro:

“A sua dialética é poderosa, sua argumentação segura.
Diz Florentino que a Rússia caminha para o Socialismo com classes, com uma aristocracia intelectual, o que já preocupou também o admirável Carlyle. (33) O Socialismo, segundo o marxismo, propõe a extinção das classes. Floriano chama classe à elite dirigente, tirada do próprio operariado, segundo o discurso de Stalin de 23 de junho de 1931”

E prossegue adiante:

“Distingue classe na diferença de salários entre o trabalho qualificado e não qualificado, que, de acordo com Marx e Lenin, persistirá no Socialismo só desaparecendo na etapa final da evolução, no comunismo”.

E conclui o artigo:
“Os acontecimentos dirão com sua eloquência de sempre se acertado o mestre sergipano. Embora não creia no socialismo de classes, serei o primeiro a conclamar a vitória de Florentino se ele vencer”. (34)
Para as comemorações de 1º de maio de 1918, dia consagrado ao trabalhador, coube ao Centro Socialista Sergipano festejá-lo. Após reunião de sua diretoria enviou convite a Redação do jornal Estado de Sergipe, bem como programação para divulgar a população:

“A diretoria do Centro Socialista Sergipano, desejando dar a máxima solenidade à festa do trabalho que terá lugar no Teatro Carlos Gomes no dia 1º de Maio às 4 horas da tarde, tem a honra de convidar esta ilustrada Redação para assistir a referida solenidade quando será realizada uma conferência sobre o socialismo e o trabalho, pelo notável e erudito filósofo Dr. Manuel dos Passos de Oliveira Telles.

Nesta ocasião, o afamado e conceituado Colégio Tobias Barreto, que obedece à sábia orientação do talentoso professor José de Alencar Cardoso, cantará o Hino Socialista Sergipano, obra do mavioso e delicado poeta Arthur Fortes.

Esperamos que a ilustrada Redação do Estado de Sergipe irá honrar a festa do operariado, concorrendo para abrilhantar mais este ato, a diretoria manifesta-se desde já agradecida e aproveita a oportunidade para apresentar os seus protestos da mais alta estima e consideração.
Saúde e fraternidade
A Diretoria” (35)

Vejamos  o poema de Arthur Fortes:

         Hino Socialista Sergipano  (36)
Paladinos do futuro,
Sagrada e imensa
É a nossa Crença:
Do sol do Amor vivo e puro
Seremos na vida
A luz querida.
A nossa alma que em fervor
A tudo excele,
Si nos impele,
É para do sol do Amor
Seremos na vida
A luz querida.
Estribilho
A paz e o amor é o que queremos.
Outro ideal nunca tivemos.
Mas si tanto for preciso,
Tendo no lábio um sorriso
Pela pátria lutaremos.
Marchemos todos
Lançando o grito
Do Universo ao infinito,
Afirmando esta verdade:
Que este ideal
De liberdade,
Tem um fanal:
Fraternidade.

Na senda por nós traçada
Visando o Além,
Somos o Bem;
Somos clarões da alvorada
Consoladora,
Reveladora
Da Justiça que sonhamos
De atos perfeitos,
Sem preconceitos;
E por quem ora lutamos
Como um só crente,
Heroicamente.

Estribilho

A paz e o amor é o que queremos,
etc. etc. etc.
O sonho do Socialismo
Que professamos
E cultuamos,
Tem do vero pacifismo
Emanações,
Cintilações:
Sol do Amo sempre luzindo
Como uma pérola,
Como uma aureola;
E pelo trabalho abrindo
Caminhos novos,
Unindo os Povos.

Estribilho

A paz e o amor é que queremos.
etc. etc. etc.
   Arthur Fortes

Em 19. 04. 1918. (37)

O Centro Operário Sergipano, fundado em 1911 e que todos os anos festejava o 1º de maio, pela primeira vez deixou de fazê-lo para aderir às festividades promovidas pelo Centro Socialista. Em nota divulgada pela imprensa sergipana esclarece o seguinte:

“Não havendo sessão solene no dia 1º de Maio, em virtude de na mesma data a Diretoria desta  sociedade ir tomar parte na festa que em homenagem à gloriosa data do trabalho o Centro Socialista Sergipano vai promover, convido a todos os sócios a comparecerem à sessão extraordinária que terá lugar às 3 horas da tarde de domingo, 28 do corrente, na residência do consocio Raymundo Nunes de Azevedo, à Avenida Niterói, Bairro Siqueira Menezes, a fim de serem pelo Sr. tesoureiro apresentadas as contas do ano social findo.
Aracaju, 24 de abril de 1918.
1º secretário
Domingos Silva” (38)

(27) GILFRANCISCO: jornalista, pesquisador e professor universitário. Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe e do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. http://gilfrancisco.santos@gmail.com

(28) Sobre a criação do Centro Socialista Sergipano, Florentino Menezes publicou anteriormente vários artigos no Diário da Manhã: O Problema Socialista em Sergipe (18/19 de agosto, 1917); Liberdade, Igualdade, Fraternidade (28 de fevereiro, 1918);  A Evolução do Socialismo (26 de abril, 1918); Socialismo e Crítica (17/18 de maio, 1918).
(29)  Diário da Manhã. Aracaju, 21 de março, 1918.
(30)  Diário da Manhã. Aracaju, 23 de março, 1918. Neste mesmo ano publicou O Partido Socialista Sergipano.
(31) A Biblioteca Pública estava localizada na Praça Tobias Barreto, atual Olímpio Campos, no prédio onde hoje está sediada a Câmara de Vereadores de Aracaju.
(32) Estado de Sergipe. Aracaju, 19 de março, 1918.
(33)  Thomas Carlyle (1795-1881), historiador e crítico e escritor escorces, influenciado pelo calvinismo e pelo pensamento alemão, adversário do racionalismo e do materialismo.
(34)  A República. Aracaju, 23 de janeiro, 1935.
(35)  O Estado de Sergipe. Aracaju, 30 de abril, 1918.
(36) Na música da Canção Patriótica Amor Febril, Major Alberto Augusto Martins e P. de Magalhães.
(37)   Cópia do poema gentilmernte fornecida pela professora Sayonara Viana.
(38)  Diário da Manhã, 27 de abril, 1918.

PARA QUEM NÃO LEU O INÍCIO DO ENSAIO:

Parte I, publicada em 02 de Maio. Em: https://.infonet.com.br/claudionunes/ler.asp?id=172068

Parte II, publicada em 04 de Maio. Centro Operário Sergipano. Em: https://.infonet.com.br/claudionunes/ler.asp?id=172098

Blog no twitter: www.twitter.com/BlogClaudioNun  

Frase do Dia
"Para ser um bom conversador, basta seguir uma só regra: aprender a ouvir." Christopher Morley, escritor estadunidense, nasceu em 05 de Maio de 1890 e morreu em 1957.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários