Os 200 anos de Sergipe

0

Hoje é um dia histórico para Sergipe. Em épocas normais, sem pandemia de coronavírus, comemoram-se os 200 anos de Emancipação Política de Sergipe. Em outras épocas, hoje seria uma festa de arromba, um pouco semelhante ao que ocorre no dia 2 de julho em Salvador, na Bahia.  Mas, os 200 anos dessa emancipação política não vão passar totalmente em branco. O professor e historiador Jorge Caralho do Nascimento vai conferir  na sessão remota de hoje, uma palestra sobre a data, mostrando sua importância para o desenvolvimento do Estado. Como a Assembleia vive tempos de recesso, é mais fácil acompanhar a palestra através do canal de televisão do Legislativo Estadual. Sergipe comemora os 200 anos livres do jugo da Bahia. Os estudantes que poderiam acompanhar a palestra de hoje. O professor Jorge Carvalho do Nascimento tem muito a dizer sobre os fatos históricos que antecederam o 8 de julho.

 A morte nos deixa órfãos de Amaral Cavalcanti

É com imensa tristeza  que registramos o passamento do jornalista e poeta Antônio de Amaral Cavalcanti, que nos deixou ontem de madrugada aos 73 anos de idade, vítima de um câncer miserável. Cavalcanti, natural de Simão Dias, veio para Aracaju ainda na pré-adolescência e aqui fixou residência. Trabalhou em diversos setores da vida pública, mas ficou conhecido  como integrante do staff da SCAS (Sociedade de Cultura Artística de Sergipe). No comecinho dos anos 80 legou ao nosso público sua obra-prima, o jornal “Folha da Praia” que, com apenas duas edições, tornou-se o xodó do público leitor aracajuano.  Era impressionante a papelada que ele carregava na hora de editar o jornal. Dono de um bom humor fora de série, Amaral Cavalcanti  carregava o “Folha da Praia” nas costas praticamente sozinho. O jornal, porém, foi um sucesso de público extraordinário. Poucos veículos impressos em Aracaju conseguiram o prestígio do  “Folha da Praia” , embora sob a coordenação de um homem só. O próprio Amaral Cavalcanti. O jornal era um reflexo de sua personalidade, inclusive o retrato fiel do seu bom humor. Naquela época, estava nacendo o pedaço de praia que ficou conhecida como “Praia dos Artistas”.Amaral e mais uns dois ou três amigos chegavam na praia com os inúmeros pacotes contendo a edição daquele domingo.  Mal iniciava a distribuição e uma multidão o cercava em busca de exemplares.  Do “Folha” Poucas vezes se viu coisa parecida em Aracaju. Só não fazia  compor os estos. Pelos próximos 15 anos, Amaral Cavalcanti era o faz tudo do jornal: de editor e revisor, a paginador, repórter e redator de matérias especiais. A ele juntou-se anos depois, um companheiro, chamado Samuel que o ajudava nas tarefas mais difíceis. Nos dias que antecediam a circulação do veículo, Amaral chegava na redação carregando uma pasta cheia de papéis riscados, amarrotados: eram  as colaborações e todos que queriam ver seus textos publicados nas prestigiosas página do jornal “Folha da Praia”. No âmbito  da Praia dos Artistas,Amaral era cercado por amigos e admiradores, todos atrás de um exemplar, que ele entregava com a maior satisfação. Foi uma rotina de quase 30 anos, desde  que o jornal  surgiu e foi apresentado ao pública.Amante das letras, Amaral era também um poeta de primeira linha. Chegar a publicar pelo menos dois livros, mas praticamente fugia das chamadas “tardes de autógrafos”. Geralmente, preferia aguardar os amigos e admiradores  no interior da Livraria Regina, na Rua João Pessoa e ali punha se autografo. Quem, quisesse encontrar Amaral  para troca de idéias agradáveis, era só procurá-lo no segundo andar do edifício da Cultura Artística. Nas noites de sarau, via-se Cavalcanti melhor trajado e recebendo com elegância e bom humor os associados da SCAS. Amaral praticamente conhecia todo mundo em Aracaju. Uma pena que se foi tão cedo, sem se despedir. Soube-se agora que ele era  portador de um câncer  que não largava do seu pé. Dono de um humor ferino, Amaral Cavalcanti, sem dúvida, vai deixar saudades.  Acrescente-se que nos últimos tempos, ele era o editor da revista “Cumbuca”, de caráter cultural, editado pelo Município..

Contaminado

Pegou. O Presidente Jair Bolsonaro foi contaminado pelo Corona Vírus. Até que demorou, diante das facilidades que ele próprio se impôs.

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários