Os problemas da saúde passados a limpo

0

Numa exposição longa que durou quase uma hora, na quinta-feira pela manhã, na Assembleia Legislativa, o Secretário da Saúde, Sr. Almeida Lima, comprometeu-se a não haver demissão em massa em sua pasta, como se fala muito pela cidade. No entanto, revelou que dos 582 cargos em comissão da Fundação Hospitalar de Sergipe, ele já demitiu um pouco mais de 300 servidores. “A FHS tem hoje 287 cargos em comissão e isso é o suficiente para geri-la”, garantiu no plenário. Essas demissões ocorreram entre terça e quinta-feira trazendo uma economia de pouco mais de um milhão e meio de reais. Adiantou que pelo menos 775 servidores do Estado cedido a outros setores da área da Saúde, “estão sendo trazidos de volta. Estes servidores estavam cedidos inclusive a Prefeituras do Estado com custo para o governo do Estado. Por mês, o Estado vai economizar 3 milhões e 800 mil. A Prefeitura que quiser servidores do Estado pode requisitá-los desde que pague as custas dele, nada de espetá-los nas costas do Estado”. Revelou que só trouxe de volta médicos e enfermeiros, “tudo dentro do que prevê a lei”. Almeida também anunciou a compra de três tomógrafos e para tanto já abriu a licitação que deve demorar em torno de 70 dias, que é o prazo para a realização de licitação deste tipo. Esses tomógrafos já estariam em condições de fazer exames em pacientes portadores de câncer. Os tomógrafos serão todos de primeira linha. Em sua última reunião, o Conselho Curador da Fundação determinou a realização de auditoria na FHS. Por seu turno, o dr. Ramiro Rockenbach explicou detalhadamente os três acordos já assinados até agora com o Estado através da Fundação Hospitalar de Sergipe com vistas a pôr em casa em ordem. O terceiro acordo está em vigor no momento e agora as reuniões do Conselho Curador reúne-se todos os meses justamente com vistas a apreciar os resultados obtidos até agora. Pelo tom de sua palavras, o dr. Ramiro Rockenbach do Ministério Público Federal, parece estar se dando muito bem com o Sr. Almeida Lima, gestor da Saúde.

      ***
O Secretário da Saúde volta à Assembleia Legislativa no próximo dia 16, quarta-feira, para nas salas das comissões, apresentar o Relatório do último quadrimestre do exercício de 2016.

AL forma Bloco Parlamentar 

Na Assembleia Legislativa foi constituído o Bloco Parlamentar integrado por representantes de pelo menos dez partidos. Formam o bloco os partidos: PMDB, PT, PSD, PDT, PRB, PEN, PRP, Pros, PHS e PSL. O líder deste Bloco (que é um fato na Assembleia; há muito tempo não se cria um bloco parlamentar no legislativo estadual) é o deputado Zezinho Guimarães, do PMDB e o vice-líder, o deputado Gustinho Ribeiro, do PRP. A comunicação foi feita à Mesa da Assembleia e lida na quinta-feira.

Preço da Construção Civil

O custo por metro quadrado da construção civil no Nordeste, em janeiro, foi o mais baixo entre as regiões brasileiras: R$ 954,49. O valor é 11,38% menor que o encontrado na região mais cara, o Sudeste (R$ 1.075,93). O custo nacional, que em dezembro foi de R$ 1.027,30, subiu para R$ 1.031,21, sendo R$ 531,83 relativos a materiais e R$ 499.28, a mão de obra. O Nordeste foi o que apresentou o menor valor tanto para matérias primas (R$ 516,52) quanto para gastos com funcionários (R$ 437,97). Em Sergipe, a construção civil aparece como a mais barata do país: R$ 905,88. O Estado também registrou a menor variação regional no período de 12 meses, terminado em janeiro de 2017 (+3,53%). Além disso, o menor custo nacional da mão de obra também fica em Sergie (R$ 411,26), 33% inferior ao do Rio de Janeiro, que apresenta o maior gasto nesse quesito (R$ 620,87). Ao contrário da realidade verificada em Sergipe, a construção civil na Paraíba foi registrada como a mais cara da Região: R$ 993,01.

Revogação do decreto da Agrese

Na última 4ª feira, o governador Jackson Barreto anunciou a revogação do decreto da Agrese, que autorizava estudos sobre a viabilidade econômica e jurídica para a privatização da Companhia de Abastecimento de Sergipe (DESO). O deputado Georgeo Passos, porém, entende que isso não extingue a possibilidade de venda da estatal.  “Este não é o momento para abaixar a guarda”, alertou Passos, lembrando que o governador só tomou a atitude de revogar o edital da Agrese após sofrer duas derrotas na Justiça. “Uma ação popular conseguiu uma liminar suspendendo o edital. O governo tentou derrubar duas vezes, mas perdeu, isso apenas demonstra a vontade de vender a DESO”.

A ocupação da Avenida Paulista

Até movimentos de esquerda dão sua colaboração para aumentar o cacife popular do Prefeito de São Paulo, o almofadinha João Dória. Pois o MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) tomou de assalto a Avenida Paulista, talvez a mais importante de São Paulo, e, de mala e cuia, armou ali barracas de moradias  provisórias. João Dória fez valer sua autoridade: “Todos tem que sair até o dia 9”. Não deu outra: ontem, 9/3, de cabeças baixas, os barracos foram desarmados e aquele povaréu foi embora. Vamos e convenhamos: armar barracos no centro de uma metrópole, como na Avenida Paulista chega a ser um pouco demais. Parece uma cidade sem dono. Ou uma piada de mal gosto.

Arrecadação do Governo Federal

A arrecadação do governo federal de janeiro de 2017 totalizou R$ 330,3 milhões, assinalando recuo real de 9,7%, quando comparado com a arrecadação do mês imediatamente anterior, dezembro de 2016. Essa taxa considera o efeito da inflação no período, medido pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). No comparativo com a arrecadação de janeiro do ano passado, observou-se recuo real de 2,9%Em janeiro do ano corrente, a Receita Previdenciária continuou sendo a princial fonte de arrecadação, somando aproximadamente mais de R$ 142,3 milhões, abrangendo 43,1% do total recolhido aos cofres da União. O Imposto de Renda também se destacou, alcançando R$ 81 milhões, compreendendo 24,6% do arrecadado. O recolhimento do Cofins ficou em R$ 37,8 milhões, no mês analisado, enquanto que o recolhimento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido – CSLL – chegou a R$ 21,5 milhões. A Contribuição para o PIS-PASEP ficou pouco acima dos R$ 15 milhões.  Para o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), a soma arrecadada foi de R$ 5,8 milhões.

                                              

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários