Os prós e contras – na queima de gorduras com hormônios tireoidianos

0

Sempre que se busca diminuir a taxa de gordura corporal, é óbvio que se faz necessário um balanço negativo das calorias, diminuindo a ingestão ou aumentando o gasto, ou ambos. Para atingir esse objetivo, o mais comum é que se faça atividade física e dieta. Na atividade física, vale a pena lembrar que não é só o trabalho aeróbico que emagrece. A musculação também gera queima calórica, principalmente por aumentar o metabolismo basal ou metabolismo de repouso. Quanto mais músculo corporal, maior o gasto de caloria. Em termos de dieta, o que mais engorda é a própria gordura, pois não necessita ser transformada em outra gordura. Porém, vários recursos com medicamentos têm sido utilizados. Uns para redução de apetite, outros para aumentar o gasto calórico, que são os chamados termogênicos. No grupo de termogênicos, é comum o uso de derivado da ephedra, de cafeína, de advantra (citrus auratium) e também de medicamentos derivados de hormônios tireoidianos como, por exemplo, o Triac, Trimag, Levoid, Synthroid, Tetroid e outros. Na verdade, realmente os tireoidianos elevam a queima metabólica, aumentando algum consumo de reserva gordurosa, o que durante algum tempo gerou boas expectativas também na classe médica. Efeitos Colaterais e Risco à Saúde O hormônio tireoidianos, a exemplo de vários outros, tem a produção comandada pela hipófise, que é a glândula-mestre da produção hormonal. A hipófise produz o TSH, que é o hormônio estimulador da tireóide. Sempre que o nível tireoidianos diminui, a hipófise aumenta a produção do estimulador para fazer com que a tireóide fabrique os hormônios. Porém, ao tomar hormônios tireoidianos farmalógicos, a hipófise “pensa” que é a tireóide quem está produzindo, e pára de produzir o TSH, ocorrendo um bloqueio similar a de LH e FSH, que ocorre como o uso de esteróides anabolizantes androgênicos. Na verdade, o alerta também vale para quem e obeso e pretende emagrecer utilizando o recurso farmacológico dos tireoidianos. Às vezes, esse bloqueio é de difícil solução, e leva a um quadro de hipotireoidismo. Por outro lado, a administração de altas doses de hormônio tircoidiano acarreta sintomas de hipertireoidismo (excesso), que podem ser tremores, agitação, irritabilidade, nervosismo, taquicardia, arritmias cardíacas, insônia, emagrecimento e perda de massa muscular por catabolismo protéico aumentado. Podemos perceber que não é uma boa opção o uso de tireoidianos para perda de gordura e definição, principalmente se as dosagens utilizadas forem acima do limite ideal. E esse limite ninguém pode precisar ao certo. Além dos efeitos colaterais que podem ser graves, eu mesmo jà vi dois atletas que estavam com um volume muscular estupendo, e na fase de definição, pelo uso de tireoidianos, “secaram” demais. Tenho certeza que teriam ganho o campeonato, mas ficaram em segundo lugar por, apesar de terem sidos alertados por mim, insistirem em usar esses produtos, catabolizando e jogando fora o trabalho de meses de treino pesado e sacrifício. Felizmente, só amargaram o gosto da derrota, mas não tiveram problemas posteriores, porém, eles mesmos concordaram em dizer que fizeram besteira em usar derivados de hormônios tireoidianos. Portanto, você, leitor, que cultiva o seu corpo, cuidado com os Triacs, Trimags, Cynomels e outros, quando algum “guru” disser que é muito bom! Na verdade, o alerta também vale para quem é obeso e pretende emagrecer utilizando o recurso farmacológico dos tireoidianos. Perderá peso, no entanto, perderá mais massa muscular do que gordura, e ao final do emagrecimento estará com o metabolismo basal menor do que quando começou. Haverá grandes chances de engordar tudo de volta e mais um pouco, ficando, também, com aquele aspecto de “magro doente”, flácido e sem resistência física. Os remédios para reposição hormonal tireoidiana destinam-se apenas e tão somente aos indivíduos portadores de algum grau de HIPOTIREOIDISMO, e devem ser prescritos pelo médico após avaliação clínica e laboratorial. * Por Dr. João Alberto de Mattos (endocrinologista) * Araujinho Qualificação: Instrutor Técnico registrado pelo Confef – Conselho Federal de Educação Física – nº 000072/T-SE, CREF – Conselho Regional de Educação Física – e pela FSCMF – Federação Sergipana de Culturismo Musculação e Fitness – reconhecida pelo COB – Conselho Olímpico Brasileiro e filiada a IFBB – International Federetaion Of Body Building -; árbitro de Culturismo e Fitness da FSCMF; vice-campeão sergipano de Musculação, Técnico em musculação pela NABA, Federação Paulista de Musculação, Consultor Fitness em exercícios resistidos e acadêmico do curso de Educação Física pela Universidade Tiradentes – Unit – e ex-acadêmico da Universidade Federal de Sergipe – UFS. Dúvidas e Sugestões: araujinhopersonal@infonet.com.br / (0xx79) 9978-6799. O conteúdo das colunas assinadas no Portal InfoNet são de inteira responsabilidade de seus respectivos autores.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários