Palácio-Museu Olímpio Campos (SE): Turismo e história

0

Palácio-Museu Olímpio Campos
Fachada neoclássica com pitadas do barroco brasileiro

Salões nobres, corredores, sacada com vista para a emblemática praça Fasto Cardoso, cômodos. Mobílias, objetos pessoais de governadores e telas de pintores da década de 20. A volta ao passado está garantida através de uma visita guiada ao Palácio-Museu Olímpio Campos, ex-sede do Governo do Estado de Sergipe restaurado no final de 2010 e reaberto com status de palácio-museu.

Painel do artista Jordão de Oliveira

O casarão localiza-se no Centro de Aracaju (SE), circundando por prédios históricos, ao fundo da praça Fausto Cardoso. Suas obras foram iniciadas em 1859 e concluída em 1863 para ser a sede do governo da província, funcionando com esse patamar até 1995.

O Olímpio Campos é um marco da história de Sergipe e resguarda em seus 154 anos um acervo singular de assinaturas de documentos, de visitas ilustres, dos discursos e desfiles cívicos, além dos fatos históricos de resistência, mudanças e tragédias. Muitos deles com enfática afirmativa de ser emblemáticos para a construção do povo sergipano.

O Tô no Mundo revisitou o prédio sede do governo, hoje museu e edifício fonte de pesquisa, para trazer um pouco dessa história como resgate da curiosidade de sergipanos e turistas, que querem conhecer cada vez mais a história e cultura do mais importante patrimônio público dos sergipanos em Aracaju.

Contam os fatos que o palácio da província foi projetado pela primeira vez pelos engenheiros Francisco Pereira da Silva e Sebastião Pirro, na presidência do então governador Salvador Correia de Sá, em 1856, mas não foi aprovado naquela época. Posteriormente, em outras gestões foram apresentadas novas propostas para a construção do Palácio, mas também não obtiveram êxito. Na presidência de Manuel da Cunha Galvão foi elaborado um novo projeto, também de autoria de Francisco Pereira da Silva, que foi, finalmente, aprovado pelo Governo Imperial. O imperador Dom Pedro II visitou o palácio em obras em 10 de janeiro de 1860 e só em 1863 o palácio foi entregue à população como sede do governo, por necessitar de um local apropriado por conta da mudança da capital de São Cristóvão para Aracaju.

Hall de acesso ao andar superior

Em 12 de julho de 1954, através da Lei nº 575, o governo de Arnaldo Garcez concedeu o nome de Palácio Olímpio Campos, em homenagem ao jornalista, professor e sacerdote monsenhor Olympio de Souza Campos, cuja personalidade política ganhou destaque em todo território nacional, especialmente como deputado federal, presidente do estado e senador, até meados de 1906 – ano do seu falecimento.

Adornos feitos por uma missão italiana

O palácio funcionou como sede estadual até 1995, na gestão do governador Antônio Carlos Valadares, e logo após, na gestão do governador João Alves Filho foi fechado para restauro. Só em 2007 as obras iniciaram no governo Marcelo Déda e foi aberto ao público três anos depois com o status de palácio museu.

Retomando ao palácio provinciano, foi lá onde ocorreram emblemáticas passagens da história de Sergipe, configurando o edifício como o maior símbolo da política e história sergipana, a exemplo das importantes atribuições do governo do Barão de Maruim, da assinatura de construções de prédios importantes da capital sergipana pelo então governador Graccho Cardoso, além de ser lá onde foi travada o crucial marco das batalhas de Olímpio Campos e Fausto Cardoso, esse último morto a frente do palácio ao tentar ocupa-lo junto com o povo.

Escadaria e adornos

Também foi em um dos cômodos onde Seixas Dória foi preso e conduzido ao sistema militar, quando dormia com a esposa dele. Em seus salões adornados com obras de arte, mobiliário em jacarandá, ornamentos palacianos recebeu inúmeras reuniões de Estado como a última entre a presidente Dilma e todos os governadores do Nordeste, sobre a transposição do rio São Francisco e, por fim, o funeral do governador Marcelo Déda.

Escadaria e adornos

Viagem ao passado – Passear pelo Palácio Museu Olímpio Campos é uma viagem no tempo. Instalado no Centro Histórico de Aracaju, reinaugurado em maio de 2010, o Olímpio conta com o acervo documental, mobiliário e louças do século XIX, telas de artistas plásticos sergipanos e de outros estados, totens que permitem acesso à informação com modernidade em alguns pontos centrais e exemplares raros de livros.

Ainda do lado externo, o visitante irá perceber que a primeira construção foi projetada em formas retilíneas e simples. Somente em 1920, o governador Pereira Lobo contratou uma missão italiana composta por artistas e construtores que estavam em Salvador para realizar as mudanças que deram as feições neoclássicas com uma puxada do barroco brasileiro.

Salão nobre

As estátuas localizadas na praça Fausto Cardoso também foram projetadas e adornadas pela missão italiana inspiradas em palácios de Florença, na Itália. Belando Bellandi (arquiteto e escultor), Orestes Cercelli (arquiteto e pintor), Bruno Cercelli (pintor), Orestes Gatti (escultor, fundidor e pintor), Fiori (fundidor), Frederico Gentil (que trabalhava em serviços de assentamento) e Pascoal del Chirico são os responsáveis pela modificação paisagística nas primeiras décadas do século XX.

Detalhes do salão nobre

A viagem começa ainda no hall do palácio quando os visitantes têm o contato com dois painéis de tamanho grandiosos datados de 1962 pelo artista plástico Jordão de Oliveira. Ele conseguiu resguardar nas obras a economia de base do estado à epoca, como a extração do coco e sal, a criação do gado e o cultivo da cana.

Os aposentos do andar térreo foram redefinidos e repaginados para serem abertos à visitação. A primeira sala, da Província de Sergipe, abriga a foto do Barão de Maruim, o busto de Pedro I e a herma de Pedro II, feita por Bené Santana, na década de 80, além de duas fotos recentes do governador Marcelo Déda e de Olímpio Campos.

Salão de refeições 

Na segunda sala, denominada de República de Sergipe, os visitantes acessam fotos e fatos dos governadores até os dias atuais; além da sala Fausto e Olímpio, contando as curiosidades dos embates entre os dois até as suas mortes. Por um corredor, percorre-se toda essa trajetória dos vultos sergipanos até chegar a Sala de Aracaju, na qual se encontra a maquete da capital da década de 20. Criou-se a sala biblioteca Manoel Cabral Machado, e para transcrever a história de forma ilustrativa e artística, há a sala destinada a obras modernas.

Detalhes

Acesso à história – Ao centro e ao fundo do hall de entrada, a escadaria de mármore, ladeada por corrimãos de madeira levam ao andar superior. Na sala de espera, com mobiliário original, fotos homenageiam os ex-governadores Seixas Dórea e Graccho Cardoso. Na sala de despachos, medalhas e documentos pessoais do ex-governador Paulo Barreto. Há condecorações de personalidades com a medalha do Mérito Aperipê e uma cadeira de despachos da década de 20. O salão de festas espera o visitante com tons que envolvem luz e sombra. O mobiliário chama atenção e o púlpito sacada lembra o tempo em que era hábito se fazer discursos para o povo. Também era dali onde os governadores assistiam à passagem das tropas militares.

Todos os ambientes são adornados com mobília da época adquirida ou construída exclusivamente para o palácio, além de obras de artistas sergipano como a ‘Miséria e Caridade’, adquirida em Estância da família de Horácio Hora.

Vista da sacada para a praça Fausto Cardoso

No segundo pavimento ainda está o quarto do governador, o de hóspedes, a sala íntima, os salões nobre e de jantar, além do gabinete do governador. Os cômodos contam histórias e curiosidades sergipanas, por exemplo, no quarto dos hóspedes pernoitou o ex-presidente Castelo Branco.

O palácio também ganhou o quarto feminino em homenagem às mulheres sergipanas na política. Os móveis e eletrodomésticos, além de objetos de decoração foram preservados e valorados com detalhes em rendas irlandesas.

Certamente o palácio museu Olímpio Campos é um marco da história político-cultural sergipana e uma atração turística que não pode deixar de ser visitada.

Quarto do governador

Dicas de Viagem

  • Não deixe de percorrer o entorno do palácio. Há prédios históricos datados da mesma época da construção do casarão, a exemplo do palácio Fausto Cardoso, sede do poder legislativo de outro, situado na mesma praça.

  • Sala do governador

    Veja também os adornos da praça Fausto Cardoso também projetados pela missão italiana, a exemplo das ninfas das estações dos corretos, representando as estações do ano. Veja também a primeira estátua em praça pública de Sergipe: Fausto Cardoso.

  • Pouco conhecido pelos sergipanos, não deixe de observar o painel de cerâmica do artista plástico Jenner Augusto e fabricado pelo ceramista alemão Udo Knoff, em 1957. A obra está localizada na fachada do edifício Walter Franco, situado na esquina do calçadão da rua João Pessoa e praça Fausto Cardoso. O painel com traços cubistas e que traz a economia de Sergipe é tombado pelo Governo do Estado e representa um marco do modernismo em Sergipe, sendo uma das primeiras obras vanguardistas públicas do gênero no Nordeste.

  • A restauração dos adornos, móveis, pinturas e elementos artísticos duraram três anos e foi realizada com o intuito de resguardar os detalhes originais. Mas para acompanhar a modernidade, o palácio ganhou elevadores, além de um café, rede sem fio, monitores digitais, acessibilidade e uma equipe de monitores treinados para visitas guiadas.

  • Sala de reuniões

    Há indícios de que antes da restauração principal de 2007 as pinturas do artista plástico Jordão de Oliveira localizadas no hall do palácio foram completamente modificadas. O crime ocorreu sem nenhuma interferência do poder público até a atualidade;

  • O Palácio Olímpio Campos está aberto de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h, e aos sábados, domingos e feriados, das 9h às 13h. As escolas e excursões terão que agendar previamente através do telefone (79) 3198-1452 ou através de site oficial. A visita é gratuita

*Com informações do professor, pesquisador e historiador Amâncio Cardoso, em visita técnica do Curso de Guia de Turismo do Instituto Federal de Sergipe ao Palácio-Museu Olímpio Campos

Gastroterapia

Dobradinha
Ensopado de frutos do mar

A dica é experimentar as sensações gastronômicas no mercado Augusto Franco em um dos restaurantes populares do centro turístico e de artesanato. No andar superior, às margens do rio Sergipe, a culinária criativa ou regional está presente em alguns dos bares e restaurantes.  No andar térreo, ladeado por artesanato nordestino e cultura popular sergipana, o turista pode degustar da carne de sol com macaxeira, arroz e feijão fradinho com manteiga de garrafa, de uma boa feijoada sergipana acompanhada de verduras, moquecas de pescados, sarapatel, carneiro cozido, arrumadinho, buchada, entre outras iguarias bem tradicional. Uma dica: não deixe de apreciar o suco da mangaba, feito na hora.

Moqueca de Dourado

A segunda dica é o custo/benefício do bar e restaurante do Maroto, com os sabores preparados pela Dona Inês e o bom atendimento da Camila. Os pratos são servidos ao preço único de R$ 15 e o cliente pode pedir bis sem nenhum acréscimo no bolso. Vale a pena apreciar o sabor da moqueca de Dourado.

Na Bagagem

– Agências de turismo se reinventam com o advento das plataformas de vendas on line. Ganham força em Sergipe os roteiros mais próximos, de transporte rodoviário, com menos dia de duração, além do ecoturismo e do turismo de aventura;

– A prefeitura de Aracaju garante que os festejos juninos serão um dos mais atraentes dos últimos anos. A previsão é que a programação seja definida antecipadamente, a fim de que as agências de turismo possam trabalhar na divulgação;

Fausto Cardoso, primeira estátua pública de Sergipe

 A emissora de rádio Jovem Pan tem veiculado um comercial nacionalmente da CVC Turismo com uma oferta de pacotes turísticos para quem deseja passar os festejos juninos de Aracaju. Ponto positivo;

– O governador Jackson Barreto visitou as obras de recuperação do centro de entretenimento de Aracaju e promete entregar à população ainda antes dos festejos juninos. Afinal, será que o tradicional Arraial do Arranca Unha irá acontecer com as competições de quadrilhas juninas? E a rua de São João já está se preparando?

– 

Painel histórico de Jenner Augusto

Eco Privillege Ponta dos Mangues é construído no litoral norte de Sergipe e motivará turistas a conhecerem com conforto o Pantanal Sergipano e as praias paradisíacas de Brejo Grande e Pacatuba;

– Bom potencial turístico Sergipe tem para desenvolver o turismo religioso com a realização das romarias de Divina Pastora e do Senhor dos Passos, além de templos católicos de grande valor artístico e cultural, a exemplo da igreja do Perpétuo Socorro construída pelos jesuítas em Tomar do Geru; da gruta onde Irma Dulce rezava em São Cristóvão, e das tradicionais procissões de penitência que até hoje se perpetuam na Semana Santa;

– Também são poucos explorados turisticamente os engenhos, mas de grande apelo a visitação pública.

Fotos: Sílvio Oliveira

Curta: www.facebook.com.br/tonomundo

Comentários