Partido virou bodega

0

Diferente do que pensam alguns, o povo não é antidemocrático quando enxota os partidos políticos das manifestações realizadas no país. Na verdade, a população reage contra as bodegas em que se transformaram as legendas, condena a malandragem dos políticos e rechaça os acordos espúrios entre legislativo e executivo. Os brasileiros desejam uma verdadeira reforma política, pois os partidos trocaram a ideologia por vergonhosas negociatas chamadas de coligações. Seus ‘donos’ enxergam o eleitor como simples mercadoria, vendida abertamente nas campanhas eleitorais. É contra esses hipócritas que a voz rouca das ruas protesta. Portanto, quem condena a reação popular aos atuais partidos ou é inocente, ou deseja que tudo continue como está para seguir se locupletando com o dinheiro público.

Novo ato

Está programada para hoje a tarde em Aracaju mais uma manifestação popular contra o elevado preço da tarifa dos ônibus. Organizado pelo Movimento Não Pago, o ato terá início acontecer na praça Fausto Cardoso. Os manifestantes entendem que se a Prefeitura tirar as gordurinhas embutidas na planilha de calculo o valor da passagem não passaria de R$ 1,92.

Carona

Afugentados da manifestação popular realizada semana passada em Aracaju, partidos políticos e centrais sindicais prometem tirar uma nota em defesa da democracia e do direito de reivindicar. Ora, não seria mais prático esses “barrados no baile” organizarem um ato paralelo? Ou temem que o povo não prestigie?

PECado 37

É um absurdo querer tirar do Ministério Público a prerrogativa de instaurar procedimento administrativo e conduzir diligências investigatórias. Diferente do que dizem os defensores da PEC 37, ela não ajudará em nada na tarefa de passar o Brasil a limpo. Será que se o Ministério Público tivesse sido excluído das investigações do Mensalão o resultado seria o mesmo? É provável que não.

Boca fechada

A deputada estadual Susana Azevedo (PSC) não se manifestará sobre a decisão da Justiça de barrar a eleição dela como conselheira do Tribunal de Contas do Estado. Ouvida pelo jornalista Eugênio Nascimento, a parlamentar prometeu não conceder entrevista enquanto a Justiça não tomar uma decisão definitiva. “É desgastante. Já venci duas vezes, mas a questão sempre tem ido para o Judiciário”, se queixa Susana.

Grana

O governador Jackson Barreto (PMDB) obteve do secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, a garantia de liberação dos recursos do Proinveste, já aprovados pelos deputados estaduais. Augustin assegurou que o aval para o empréstimo de R$ 567 milhões sairá antes do final deste mês. Do total aprovado, R$ 138,5 milhões destinam-se ao alongamento da dívida. Outros R$ 428,79 milhões vão financiar a melhoria da infraestrutura no estado.

Orações

E o governador licenciado Marcelo Déda (PT), em tratamento contra o câncer em São Paulo, acompanhou a repercussão do VII Fórum de Conselhos de Saúde Estaduais e Municipais das Capitais Norte e Nordeste, realizado em Sergipe. Através da primeira dama de Sergipe, Eliane Aquino, ele agradeceu pela corrente de oração feita durante o Fórum.

Latas velhas

Os vereadores aracajuanos devem votar hoje o projeto de Lei do Executivo reduzindo o preço da tarifa de ônibus de R$ 2,45 para R$ 2,35. Tomada apressadamente pelo prefeito João Alves Filho (DEM), a medida visa acalmar os usuários do sistema de transporte coletivo, invocados com o elevado valor pago para serem transportados em verdadeiras latas velhas.

Deu errado

Os advogados do deputado federal André Moura (PSC) terão que encontrar outro argumento para derrubar a condenação do parlamentar por improbidade administrativa. É que a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), indeferiu a liminar requerida por André alegando que, na condição de parlamentar federal só pode ser processado pelo STF.

Escafederam-se

Cinco bandidos aproveitaram o descuido da vigilância e bateram asas do presídio de Areia Branca. Acusados por vários roubos, os delinquentes cumpriam pena em regime semi-aberto, mas preferiram a liberdade total. Devem ter ficado com vontade de brincar nos animados festejos juninos de Sergipe.

Do baú político

Os líderes políticos do PSD e do PTB nunca engoliram a derrota nas eleições governamentais de 1954, vencidas pelo udenista Leandro Maciel. Em seu livro ‘Júlio Leite, o chefe invisível’, o jornalista Ricardo Leite revela que várias urnas foram trazidas do sertão da Bahia e trocadas nas seções. Antes eram emprenhadas com votos de Leandro. A coisa chegou a tal ponto que uma das urnas foi esquecida num jipe de um udenista. Revoltados, os políticos do PSD e PTB recorreram à Justiça contra as fraudes.  Em seu jornal Folha Trabalhista, de Estância, os petebistas denunciaram que na eleição votaram mais de 100 defuntos. Apesar das queixas dos derrotados, Leandro tomou posse, cumpriu o mandato e, no pleito seguinte, venceu os adversários novamente com a eleição de Luiz Garcia para o governador.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários