Perdendo a infância

0

Pobreza, conflitos armados e Aids são, no início do Século XXI, as maiores ameaças às crianças e adolescentes no mundo, de acordo com o Relatório Anual do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

 

Para ilustrar como “milhões estão perdendo a infância”, o Unicef assim se expressou no primeiro parágrafo do Relatório: “Meninos e meninas revirando pilhas de lixo em busca de alimento em Manila, obrigadas a carregar um AK 47 pelas florestas da República Democrática do Congo, forçadas a se prostituir nas ruas de Moscou, privadas dos pais pela Aids em Botsuana e mendigando no Rio de Janeiro”.

 

No Brasil, dos três problemas, o que mais preocupa o órgão da ONU é a pobreza. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), enquanto atinge 33,5% de toda a população brasileira, a pobreza avança mais sobre as crianças e os adolescentes – engloba 45% deles. A representante do Unicef no Brasil, Marie Pierre Poirier, faz uma comparação para citar uma região onde o índice pode chegar a alarmantes 95%: “Podemos dizer que a pobreza brasileira tem a cara da criança do semi-árido nordestino”.

 

Todos nós sabemos que isto ocorre porque até hoje, muito pouco se fez para mudar este quadro e a conseqüência disto é a existência de um número cada vez maior de crianças abandonadas nas ruas de nossas cidades. A maioria delas, por nada ter recebido da vida e nem ter em vista uma vida melhor, entrega-se ao vício, à prostituição, à droga, ao assalto, à violência, à marginalidade.

 

As principais causas que levam às ruas de nossas cidades um número cada vez maior de meninos e meninas abandonadas são as seguintes: a) A concentração de renda existente no Brasil; – b) O abandono em que vive o campo; – c) A visão destorcida do problema pelo Estado.

 

Portanto, se nós quisermos realmente atacar e resolver o problema do menor carente, teremos que: 1) Fazer o Estado cuidar do que lhe básico – Educação, saúde, justiça e segurança. – 2) Incentivar a verdadeira economia de mercado, onde prevaleça a competência. – 3) Adotar uma política agrária, que estimule o homem permanecer no campo. – 4) Continuar fazendo o que vem fazendo para o país que continue a se desenvolver. – 5) Fazer cessar o privilégio de poucos em detrimento de muitos.

 

São medidas que precisam ser imediatamente adotadas, mas cujos resultados não aparecem da noite para o dia. Há que haver perseverança para que tenhamos amanhã um país mais justo.

 

Na retirada dos meninos e das meninas das ruas, poderão ser chamados para colaborar, dando ocupação, educação e alimentação durante todo o dia, as Igrejas, As Forças Armadas, os Clubes e as grandes Empresas.

 

Todos nós precisamos estar conscientes que o Estatuto do Menor e do Adolescente somente será integralmente implantado quando surtirem efeitos as medidas acima citadas.

 

Edmir Pelli é aposentado da Eletrosul e articulista desde 2000
edmir@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários