Pesquisas e pesquisas

0

Durante o processo eleitoral aparecem novas empresas de opinião pública, para fazer uma avaliação dos candidatos a prefeito da capital e do interior. Isso acontece em todo o país e é exatamente nestas empresas, que geralmente os números mentem. Apesar de um decantado cunho científico e um formulário cheio de itens que insinuam seriedade, essa empresas buscam lucro. Mas, ao tempo que faturam alto cada resultado que manuseiam, elas provocam uma indução no eleitorado, capaz de modificar a opção eleitoral do cidadão. O brasileiro não gosta de votar em quem está teoricamente derrotado. Um instituto de pesquisas de Sergipe fez um levantamento em uma cidade do interior e colocou povoados que sequer existem. Outros tinham número de moradores menor do que o registrado, enfim uma enganação para favorecer a quem pagou.

 

Quem reclamou e provou que tudo estava equivocado, com erros de avaliação crassos, mereceu um editorial que foi dos Tigres Asiáticos até uma raquítica cidade do interior sergipano. Um primor de mentiras…

 

Evidente que uma pesquisa séria faz a diferença, mas quando o instituto é contratado por determinada coligação, usando sempre algum meio de comunicação como responsável pelo pagamento, o resultado é absolutamente direcionado. Tem um instituto que realmente levanta todas as tendências do eleitorado com precisão e responsabilidade. Depois de pronto apresenta o resultado a quem está ganhando, para que o candidato pague as vantagens da divulgação das pesquisas. Caso haja uma recusa o pessoal tenta uma forma de reverter o resultado, forçando um empate técnico, o que põe o eleitorado em dúvida. Ou fazem isso ou simplesmente não divulgam o que foram detectado. Nenhum empresário, nenhum veículo de comunicação, gasta dinheiro com pesquisas para não ter um bom resultado financeiro. E isso é no Brasil do Oiapoque ao Chuí…

 

E esse lucro que dá a pesquisa, vulgariza os seus métodos e resultados. Desacredita os números, exatamente pelo absurdo que se verifica entre duas pesquisas, feitas ao mesmo tempo, nos mesmos lugares…

 

Ainda esta semana, o diretor de um desses institutos de pesquisas, fundado com o objetivo único de ganhar dinheiro, visitou a coordenação de campanha de um dos candidatos a prefeito de Aracaju. Ofereceu os trabalhos e o método quem indicava era o cliente. Principalmente em que bairros ou locais sugeria a consulta. Apesar da insistência do ilustre vendedor de resultados de pesquisas, a coordenação não aceitou, até mesmo porque não tinha os recursos que a empresa cobrava. De qualquer forma, o cidadão deixou o cartão, com endereço e telefones, pra que se houvesse uma mudança de idéia, o procurassem. A mesma empresa que ofereceu serviços ao candidato, tinha feito outra pesquisa antes e ele apareceu como um dos últimos colocados. A intenção era reverter o jogo.

 

A pesquisa realizada pelo Ibope em Aracaju, nos dias 26 e 27 de julho, divulgada amplamente pela Rede Globo, ouviu 800 pessoas em nove bairros da 27ª Zona Eleitoral. Em apenas dois dias chegaram à conclusão que todo Sergipe já sabe. A primeira e segunda zonas têm pessoas de posições completamente diferentes da 27ª, que não dariam para uma amostragem real, dentro dos critérios científicos, de uma pesquisa com um mínimo de credibilidade, embora o nome do instituto até se transformou em sinônimo do produto que executa. Mas esse mesmo instituto, em 2000, exatamente no sete de setembro, colocava o então candidato a prefeito Marcelo Déda em quarto lugar. Ele ganhou as eleições no primeiro turno em menos de 20 dias, tempo muito curto para salto tão alto.

 

Dentro de uma visão ampla do que se está vendo em Aracaju, há uma tendência para a vitória do prefeito Marcelo Déda à reeleição, já no primeiro turno. Não é pelo resultado dessas pesquisas, mas pelo movimento das urnas. Inclusive há uma mudança na campanha e os demais candidatos estão aparecendo bem mais do que antes, o que provoca uma perspectiva de segundo turno, principalmente com a candidata do PPS, deputada Susana Azevedo.

 

Mas, como acreditar nas pesquisas? Talvez fosse simples. Bastaria que o Tribunal Regional Eleitoral exigisse que os institutos convidassem representantes de todos os candidatos pesquisados, para acompanhar os entrevistadores e que, no final, assinassem o resultado do levantamento. Também não permitisse a escolha do local pesquisado, mas o sorteio dos bairros a ser ouvidos. É possível que só assim, nessas pesquisas, os números não mentissem e deixassem de provocar a indução para uma candidatura que aparece à frente…

 

 

REUNIÃO

O governador João Alves Filho (PFL) promoveu uma reunião com todos os seus auxiliares diretos, na noite de segunda-feira passada.

O objetivo foi solicitar a equipe que se empenhasse mais na candidatura da deputada estadual Susana Azevedo (PPS) à Prefeitura de Aracaju.

 

REBELO

O governador João Alves Filho recebeu, segunda-feira pela manhã, em audiência, o ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo (PCdoB). Tiveram uma conversa informal.

Logo em seguida, João viajou a Fortaleza para fechar contrato com a fábrica Grandene, para instalação em Sergipe. Retornou no início da noite.

 

HORÁRIO

Aldo Rebelo obedeceu rigidamente o horário dos ministros fazer política. Só depois das 18 horas que ele esteve em campanha com Marcelo Déda (PT).

O ministro, às 16 horas, foi recebido pelo prefeito Marcelo Déda, na Prefeitura de Aracaju, e conversou sobre a administração. Rebelo jantou com o prefeito.

 

REUNIÃO

Antes do almoço, o ministro Aldo Rebelo teve uma reunião com o pessoal do PCdoB e anunciou que a tendência do Brasil em manter um “crescimento sólido, sustentável”.

O ministro admitiu que o Governo começou a sair do seu período de ajuste e a tendência agora é consolidar o crescimento econômico.

 

FINAL

O prefeito Marcelo Déda (PT), candidato à reeleição, pretende concluir sua campanha dia 29, com um comício que reunirá todas as lideranças.

Marcelo Déda está tentando a presença de uma liderança nacional, mas até o momento não confirmou ninguém.

 

ITAPORANGA

Depois que o governador João Alves Filho (PFL) fez um discurso em Itaporanga D’Ajuda, mostrando o trabalho do prefeito César Mandarino (PPS), o candidato a prefeito Carlão cresceu nas pesquisas.

João Alves reconheceu que Itaporanga desenvolveu-se muito com César e anunciou que mais duas indústrias serão instaladas no município, fora as já existentes.

 

SIMÃO DIAS

O prefeito José Valadares (PPS), candidato à reeleição, parou a campanha desde a morte do ex-prefeito Manoel Matos (Caçulo), pai de sua candidata à vice.

A campanha só será retomada depois da missa de sétimo dia, que ocorreu ontem. José Valadares está bem na disputa em Simão Dias.

 

ASSEMBLÉIA

A Assembléia Legislativa parou. Só estão marcadas duas sessões por semana – uma na terça-feira e outra na quarta – mesmo assim sem acontecer por falta de quorum.

A redução das sessões é porque os parlamentares estão em campanha no interior e não existem projetos para se discutir e votar.

 

SALÁRIO

Apesar da ausência no trabalho, os deputados não deixam de receber os seus salários completos, como se estivesse trabalhado o mês inteiro.

A população não votou em ninguém para fazer campanha. Quer ver trabalho. O Congresso Nacional também está assim e o Brasil deixou de legislar até outubro.

 

CAMPANHA

O sol de setembro trouxe banhistas para a Atalaia. Eles atraíram os trios elétricos dos candidatos à Prefeitura de Aracaju e a panfletagem feita pelos próprios candidatos.

Jorge Alberto e José Renato estavam em esquinas próximas, distribuindo material de campanha e colando adesivo em veículos, desde que os donos permitissem.

 

COCO FOLIA

O presidente da Petrobrás, José Eduardo Dutra (PT) esteve no camarote do Coco Folia, ao lado do prefeito Marcelo Déda, candidato à reeleição e do senador Antônio Carlos Valadares.

No mesmo camarote também estavam a deputada Lila Moura e o prefeito de Pirambu, André Moura. É a política da boa vizinhança.

 

PESQUISA

O Ibope não vai iniciar pesquisa em Aracaju, como anunciou setores da imprensa, já está começando a ouvir pessoas em relação à Prefeitura da Capital.

No bairro Aeroporto pelo menos um jornalista seria interrogado por um funcionário do Instituto, de nome Danilo, se não tivesse dito que votaria em outro município.

 

FABIANO

O deputado federal Jackson Barreto (PTB) admitiu que o deputado Fabiano Oliveira (PTB), em termos de promoção de eventos, faz a diferença.

Classificou o secretário de Turismo, Pedrinho Valadares, como o “turista nº 1”, porque vive em viagens para fora do Estado. Acha que Pedrinho também se acabou politicamente.

 

ARRASTÃO

O prefeito Marcelo Déda, candidato à reeleição, promoveu um arrastão, na orla, com um trio elétrico puxando uma multidão.

Mais atrás vinha o outro trio, da candidata Susana Azevedo (PPS) em um arrastão. Enfim, todas as candidaturas estão nas ruas, isso há menos de 30 dias da eleição.

 

Notas

 

INQUÉRITO

O vereador Antônio Góis (PT) aprovou requerimentos, na Câmara Municipal de, para abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), com o objetivo de apurar abusos e irregularidades cometidas por alguns vereadores candidatos à reeleição, cujas campanhas já ultrapassam o limite de recursos estabelecidos.

A Comissão Parlamentar de Inquérito, segundo o requerimento do vereador Goisinho, também deverá investigar a origem de todos os recursos financeiros aplicados ilegalmente nas referidas campanhas.

 

COMITÊ

O Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco reafirma sua determinação de manter o diálogo e o debate do tema no mais alto nível político e institucional, com o Governo Federal levando em conta os interesses da Nação, lembrando que a bacia do rio São Francisco, também, é da região Nordeste.

O Comitê deixa bem claro e que os problemas que, justificadamente, se pretende resolver no Nordeste Setentrional, também estão presentes no território da bacia e atinge estados como Bahia, Sergipe e Alagoas.

 

AÇÕES

O Ministério Público Eleitoral recebe uma média de seis ações diárias de candidatos, partidos e coligações, questionando discursos nos programas de horário eleitoral no radio e televisão. O promotor Augusto César Lobão, disse que do dia 17 de agosto até 2 deste mês, já tinha sido julgadas mais de 50 ações.

“Os candidatos questionam informações que seus opositores levam ao ar, as quais consideram ofensivas às suas imagens. Já foram punidas as coligações de Marcelo Déda (PT) e Susana Azevedo (PPS)”, disse Lobão.

 

É fogo

 

Funcionários das empresas que foram transformadas em autarquias estão preocupados com o que pode ocorrer até a concretização da mudança.

 

A maioria está nervosa e precavida em relação aos gastos, porque não sabe o que pode acontecer até janeiro.

 

No interior a campanha está começando a pegar fogo, porque os candidatos intensificaram o trabalho na conquista de votos.

 

O deputado federal Jackson Barreto está viajando pelo interior em campanha permanente. Quer eleger um bom número de prefeitos.

 

O deputado federal Mendonça Prado (PFL) assoberbado entre a Secretaria da Administração e a campanha municipal.

 

Candidatos a vereador em São Cristóvão estão começando a ficar desesperados, porque não recebem ajuda dos majoritários.

 

Aracaju teve uma segunda-feira morna. Pouco movimento nas repartições públicas e o comércio praticamente não funcionou.

 

O prefeito de Nossa Senhora do Socorro, José Franco (PPS), está mantendo a sua posição nas pesquisas como candidato à reeleição.

 

O deputado Adelson Barreto (PTB) tem a implicância dos adversários em relação ao domicílio eleitoral. O pessoal alega que ele reside no bairro Manuel Preto.

 

O Brasil não pretende renovar o acordo financeiro com o FMI, cuja última parcela para empréstimo está disponível em março de 2005.

 

O Brasil, entretanto, reivindica do FMI uma linha de crédito emergencial, que seria usada no caso do país enfrentar uma crise financeira.

 

O ministro da Fazenda, Antônio Palloci, disse que o país mantém as mesmas perspectivas que tinha em setembro, quando assinou o atual acordo.

 

 

Por Diógenes Braynes

brayner@infonet.com.br 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários