Pirão aguado

0

A forte estiagem tem sido responsável pela elevação dos preços de vários alimentos consumidos nos centros urbanos do Nordeste. Levantamento do Dieese mostra que o preço da farinha de mandioca vendida em Aracaju aumentou 115,57% no ano passado, chegando a R$ 5 o quilo. Também por conta da escassez, o feijão carioquinha e o arroz, comuns nas mesas dos aracajuanos, aumentaram 43,33% e 46,22%, respectivamente. Como se vê, a seca não causa problemas apenas para os sertanejos, que sofrem com a mortandade dos animais e a falta de água e comida para a família. Quem reside nos centros urbanos paga mais caro para adquirir a cesta básica e, se depender da ninharia que é o salário mínimo, tem que comer pirão aguado.

Seca

O governo federal autorizou repasse de mais de R$ 500 milhões para os agricultores e empreendedores atingidos pela estiagem nos estados do Nordeste. Os recursos fazem parte de uma linha emergencial operada pelo BNB, e o limite de crédito varia de R$ 12 mil a R$ 100 mil, com juros de até 3,5% ao ano. O objetivo do governo é reduzir os prejuízos causados pela estiagem.

Só depois

O empréstimo de R$ 727 milhões que o governo pretende fazer junto à União não foi tratado ontem, durante o encontro entre o governador Marcelo Déda (PT) e o prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM). O demista disse, no entanto, que, quando Déda convocar a Assembléia para apreciar o projeto, os dois devem se reunir para tratar exclusivamente sobre o empréstimo. O DEM possui dois deputados estaduais.

Afinado

E o governador Marcelo Déda reagiu contra as críticas feitas à administração do ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PC do B) por secretários municipais. Segundo o petista, “se querem usar a prefeitura para fazer disputa política, o estado saberá reagir da mesma forma. Tudo depende da musica tocada no Palácio Inácio Barbosa. Se for a valsa do entendimento administrativo, encontrarão um parceiro bom de dança, mas se for a batucada da disputa política, a gente também tem tambor pra fazer barulho”. Uau!

Pré-Caju

Os trios elétricos estão proibidos de tocar no trecho da avenida Beira Mar entre o Iate Clube e o posto Aracaju. Foi o que ficou acertado ontem durante reunião entre a Prefeitura e a Associação de Blocos e Trios. Os vendedores ambulantes também não podem comercializar naquele trecho, pois a pista de asfalto vem sofrendo erosões devido à força das marés. Portanto, o Pré-Caju começa a partir do cruzamento das avenidas Beira Mar e Anísio Azevedo.

Meio a meio

Um empresário da área de alimentos conta ter recebido proposta indecente de um ex-prefeito do interior sergipano. Segundo ele, o caso aconteceu em dezembro, tendo o ainda administrador municipal pedido uma propina de 50% para pagar uma dívida de R$ 1 milhão. A proposta foi recusada.

Concursados

Empossados em dezembro passado, os servidores concursados da Prefeitura de Lagarto temem pelos empregos. É que até agora a nova administração municipal não decidiu onde colocá-los, tendo sugerido que eles esperem em casa por uma solução. Preocupados, os concursados vão hoje pedir ajuda ao Ministério Público visando garantir o direito ao trabalho. Estão certíssimos!

Boquinha

Uma péssima notícia para quem espera conseguir uma ‘boquinha’ na Prefeitura de Aracaju: o secretário de Finanças, Nilson Lima, pretende aproveitar a ‘prata da casa’ em detrimento dos cargos comissionados. Ele disse ao Jornal da Cidade que os postos chaves da Secretaria serão ocupados prioritariamente por servidores da Prefeitura.

Hospitalizado

Com 104 anos de idade, o capuchinho frei Miguel, da Igreja São Judas Tadeu, está internado no Hospital Primavera desde a semana passada. Nascido em 30 de outubro de 1908, em Cingoli, na Itália, Serafim Césare foi rebatizado pelos brasileiros como Frei Miguel. Antes de se estabelecer em Aracaju, o religioso já atuou nas paróquias de Santa Rosa de Lima, Divina Pastora, Rosário do Catete, Maruim e Santo Amaro.

Do baú político

A imprensa sergipana teve forte influência nas eleições de 1985 para a Prefeitura de Aracaju. Apoiado pelo então governador João Alves Filho (PFL), o candidato Jackson Barreto (PMDB) direcionou suas críticas contra a família Franco, que apoiava a candidatura de Gilton Garcia (PDS). Logo no início da campanha, o peemedebista batizou de Rede Cabaú de Notícias os veículos de comunicação pertencentes aos Franco. Sempre que era entrevistado na rádio Jornal/AM, de propriedade de João Alves, Jackson procurava desmoralizar as televisões e rádios dos adversários, a ponto de o eleitorado desacreditar por completo dos noticiários veiculados por essas emissoras. Quando alguém dizia que ouviu determinada notícia naqueles veículos, outro se apressava em dizer que se era da Rede Cabaú, não merecia crédito. Não há estudos mostrando até que ponto essa campanha difamatória influenciou no resultado da eleição, mas o certo é que Jackson foi eleito com facilidade, enquanto Gilton Garcia ficou na terceira posição, perdendo, inclusive, para o ainda imberbe candidato do PT, Marcelo Déda.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais