Pisou na bola

0

O governador Jackson Barreto (PMDB) deve ter ficado muito irritado com a decisão da equipe econômica de só pagar no próximo sábado os aposentados, pensionistas e servidores de autarquias e fundações. Ora, se há recursos para quitar a folha no sábado, porque não fazê-lo na sexta-feira? Foi preciso alguns radialistas abrirem o bocão ontem pela manhã para os burocratas do governo voltarem atrás, antecipando o pagamento para o último dia útil de novembro. Claro que a maldade contra os aposentados e pensionistas foi da equipe econômica, mas quem sofre o desgaste político é Jackson, que além de governar ainda precisa corrigir as burrices de alguns auxiliares metidos a inteligentes.

Tributo menor

Donos de bares e restaurantes de Sergipe querem a redução de 6% para 2% da alíquota do ICMS e que este tributo não incida sobre o percentual da gorjeta. O governo promete analisar a reivindicação dos empresários, mas adverte que dificilmente poderá atendê-la, pois, diante da forte crise financeira, o Executivo não está em condições de renunciar receitas.

Preocupado

O senador Eduardo Amorim (PSC) anda preocupado com a demora do governo em iniciar as obras do Hospital do Câncer. Segundo ele, já existem garantidos R$ 50 milhões, devendo ser liberadas novas verbas federais, porém o governo não demonstra interesse em começar a construção do hospital. O temor de Amorim é que, devido à demora, os recursos já liberados tenham que ser devolvidos ao governo federal. Será?

Sem medo

Denunciado como caluniador pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sintese), o vereador aracajuano Agamenon Sobral (PP) já recebeu cinco intimações judiciais. Mesmo assim, ele promete seguir fazendo duras críticas à entidade sindical e aos educadores que “não cumprem suas funções”. Sobral garante que os processos movidos contra ele pelo Sintese não vão intimidá-lo.

Peladas

E quem saiu em defesa dos peladeiros de fim de semana foi o vereador Dr. Agnaldo (PR). Segundo ele, a Secretaria de Esporte e Lazer de Aracaju deixou de cuidar dos campos de futebol sob sua responsabilidade, a exemplo do campinho existente no Parque da Sementeira. Dr. Agnaldo pede que os campos sejam recuperados para que a galera volte a curtir uma boa pelada nos finais de semana. O vereador está corretíssimo.

Voto aberto

O Senado votou ontem a Proposta de Emenda à Constituição do Voto Aberto. Aprovado em segundo turno, o texto estabelece que as votações de vetos presidenciais e processos de cassação de mandatos de parlamentares não serão mais secretas, tornando públicos os votos dos parlamentares federais. Como os senadores rejeitaram parte do texto da Câmara e aprovaram o restante, o Senado deve promulgar o trecho que é consensual.

Acumulada

Acumulada há mais de cinco concursos, a Lotomania promete pagar hoje o prêmio de R$ 5 milhões para o apostador que acertar os 20 números da sorte. Caso apenas um apostador ganhe os R$ 5 milhões e aplique todo o valor na poupança, receberá mensalmente mais de R$ 29 mil em rendimentos. Ou, se preferir investir em bens, poderá adquirir 16 imóveis de R$ 300 mil cada, ou uma frota de 200 carros populares.

Bota fora

Aproveitando a onda de enxugamento da máquina pública estadual, o governo deu cartão vermelho a 11 comissionados indicados pelo ex-presidente do PT do B em Sergipe, Clóvis Silveira. Depois que perdeu o comando do partido para o deputado estadual Paulinho das Varzinhas, Clóvis ficou sem força política para garantir os empregos dos aliados e amigos.

UFS em festa

O reitor da Universidade Federal de Sergipe, professor Angelo Roberto Antoniolli, inaugura hoje as reformas realizadas em salas de aula dos prédios de didática do Campus de São Cristóvão e o sistema de climatização desses mesmos ambientes. O ato faz parte das comemorações do primeiro ano de gestão Angelo/André Maurício (vice). Amanhã acontecerá visita a obras no Campus de Aracaju.

Do baú político

Em 1989, nas primeiras eleições diretas para presidente da República depois do golpe militar, Sergipe esteve pessimamente representado. O folclórico sergipano José Alcides Marronzinho (PSP) era um dos 22 candidatos. No horário eleitoral gratuito, o presidenciável nascido em Maruim aparecia com uma fita preta na boca, enquanto um locutor avisava: “Cuidado, ele vai falar!”. E, quando falou, disse que iria “obrigar” a Petrobras a usar seu equipamento para procurar água no Nordeste. Seu lema: “Pobre vota em pobre”. Em uma das memoráveis aparições, desafiou o então senador Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para a porrada. Também prometeu que, se eleito, romperia as relações diplomáticas com a Suíça. Mesmo dizendo tantas bobagens, Marronzinho teve os votos de 238.425 brasileiros, sendo o 13º mais votado. Hoje, vive em Osasco (SP) e se dedica a pregar o evangelho sob a alcunha de Jamo Little Brown.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais