Polêmica da pesquisa

0

A pesquisa divulgada pela revista IstoÉ, que dá um percentual de 49,6% ao prefeito Marcelo Déda, candidato à reeleição, não foi digerida pelos demais candidatos à Prefeitura de Aracaju. Todos eles consideraram muito elevada e desproporcional com o que sentem nas caminhadas pela periferia e centro da capital. Os que mais reclamaram foram aqueles que ficaram com uma distância exagerada do primeiro lugar, como foi o caso do advogado José Renato Sampaio, candidato a prefeito pelo PRP, que não se conformou em ter ficado abaixo dos 2%.

 

Desconfiado, Renato Sampaio requereu todos os dados da pesquisa, junto ao Tribunal Regional Eleitoral e constatou que as consultas ao público, se não foram direcionadas para um nome, cometeram um equívoco que podem prejudicar os demais candidatos, porque tem a intenção de privilegiar alguém. O requerimento pra realização da pesquisa foi enviado à juíza da 27ª Zona Eleitoral do Estado de Sergipe, e só nessa região foi toda realizada. Comunica que foram ouvidas 800 pessoas entre os dias 26 e 27 de julho. A empresa responsável pela realização das consultas foi a Databrain, uma empresa de São Paulo, contratada pela Editora Três, responsável pela publicação da revista IstoÉ. Custou R$ 8 mil.

 

Os bairros ouvidos pelas pesquisas foram Orlando Dantas, Augusto Franco, Siqueira Campos, Agamenon Magalhães, Presidente Médice, Castelo Branco, Bairro Industrial, Cidade Nova e Santo Antônio. O candidato José Renato Sampaio considerou um grande absurdo se ouvir uma única zona eleitoral e, mais do que isso, os bairros onde o prefeito Marcelo Déda realizou obras recentes. Para Renato Sampaio, uma pesquisa desse tipo, em localidades que receberam benefícios de um dos nomes que consta da relação para consulta, não dá para fazer uma amostragem real da posição de qualquer candidato. Para ele, o normal seria que a revista também fizesse pesquisas nas outras zonas eleitorais e depois apresentasse os resultados, tirando a média percentual.

 

A pesquisa é quantitativa e tem uma margem de erro de 3,5% para mais ou para menos. A maioria das perguntas aos entrevistados avalia a administração do prefeito Marcelo Déda durante esse período que está à frente da Prefeitura. Quer saber, também, o que acham do Governo do presidente Lula em 2004 – o resultado foi péssimo. E como sentem a administração do governador João Alves Filho. Esse item demonstra uma surpresa: o governador, que se divulga ter uma forte rejeição na capital, está com 5,3% de ótimo, 27.4% de bom e 35.8 de regular, o que dá um percentual total de satisfação igual a 68.5%.

 

A administração do prefeito Marcelo Déda tem um índice de aceitação da comunidade respeitável. Das 800 pessoas ouvidas, 29% acham ótima, 37,3% consideram boa e 19,3% classificam de regular. A satisfação total é de 85,6%. A diferença da popularidade em relação ao governador é de 17,1%, o que não representa muita coisa, em se tratando da capital e levando em consideração o relacionamento direto do prefeito com a comunidade, num período maior de tempo.

 

Segundo informação do advogado José Renato Sampaio, o departamento comercial da revista telefonou para um repórter-fotográfico de Aracaju, pedindo a fotografia de um dos candidatos à Prefeitura. E é o candidato do PRP, Renato Sampaio, quem pergunta: “o que teria o departamento comercial a ver com pesquisa”. Um telefonema dado ontem para a revista, para consultar sobre a possibilidade da realização de uma pesquisa em determinada cidade com 90 mil eleitores, não teve êxito. Quem telefonou queria que transferissem a ligação para o Departamento Comercial, mas ouviu a recomendação: “ligue para o editor (deu o número) que ele julgará se será conveniente para a edição”.

 

Os resultados fazem o candidato José Renato Sampaio desconfiar de manipulação e acha que deveria ser apurada, porque uma pesquisa desse tipo, publicada numa revista nacional, influencia o eleitorado, induzindo-o a votar no candidato que está na melhor posição. No fundo, ninguém quer dá voto perdido.

 

PROJETO

O Governo do Estado já tinha enviado emenda ao projeto de reforma administrativa, extinguindo as empresas que forem transformadas em autarquias ou superintendência.

Era exatamente estas emendas que estavam faltando, porque o Governo precisava dizer qual a destinação que dariam às empresas que seriam transformadas.

 

PRESERVA

Quanto à preservação dos direitos dos funcionários, estão sendo mantidos todos eles. Os projetos ainda estão sujeitos a emendas.

Os funcionários estão estudando o projeto, podem propor alguma emenda e terão uma nova reunião com as lideranças do Governo na Assembléia Legislativa.

 

AUGUSTO

Segundo o vice-líder do Governo, deputado Augusto Bezerra (PMDB), fez-se uma espécie de terrorismo junto aos servidores, anunciando que eles perderiam seus direitos.

Depois que tudo ficou esclarecido, os projetos devem descer para o plenário até quarta-feira, quando serão discutidos e votados pelos parlamentares.

 

CREDORES

O Governo do Estado ainda não se referiu como vai tratar os credores das empresas, principalmente a Emsetur, que tem dívidas feitas com bandas.

Um técnico disse que um mandado de segurança, impetrado por algum desses credores pode complicar o processo de transformação em Superintendência.

 

LIMINAR

Os sargentos da PM que estava em Maceió fazendo curso para oficial, através de liminar, tiveram um problema: a Justiça cassou a liminar, faltando pouco tempo para conclusão.

Ontem, a deputada Susana Azevedo, o secretário da Segurança, Luiz Mendonça, e o procurador Antônio João estavam tentando resolver o problema administrativamente.

 

SAMARONE

O senador Antônio Samarone (PDT) considera que esta eleição é atípica: só tem um lado. Para ele, apenas a oposição ao Governo colocou as suas lideranças nas ruas.

“Essa campanha só tem um lado. As forças políticas que têm densidade e que poderiam trabalhar do outro lado, não estão em campanha”, disse ele.

 

JOÃO ALVES

O governador João Alves Filho (PFL), por exemplo, não está à frente das campanhas municipais. Nem na capital, nem no interior. Deve trabalhar em silêncio.

É possível que o governador entre na campanha para valer, caso haja uma disputa com o prefeito Marcelo Déda (PT) no segundo turno.

 

QUEIXAS

Uma legião de políticos do interior e capital queixa-se de abandono neste período eleitoral. Falta tudo, de material de campanha a recursos para tocar o mínimo necessário.

É que muita gente acostumou a fazer campanhas, contando com o ovo dentro da galinha dos outros. Dessa vez as galinhas não estão abrindo nada…

 

JACKSON

O deputado federal Jackson Barreto (PTB) lembrou, ontem, que a emenda número 9/95, apresentada por Fernando Henrique Cardoso, foi que quebrou o monopólio do petróleo.

Ele disse que na época, de Sergipe, só quem votou contra a emenda foram os senadores José Eduardo Dutra (PT) e Antônio Carlos Valadares (PSB).

 

INDIGNADO

Jackson Barreto está irritado porque já foram realizados os cinco leilões pela Agencia Distribuidora de Petróleo: “só agora, no sexto leilão, é que se faz essa gritaria toda”.

O deputado acha que em Sergipe há uma ação organizada contra José Eduardo Dutra, com o objetivo de atingi-lo politicamente.

 

JANTAR

O senador José Almeida Lima (PDT) jantou, quarta-feira, com o líder do PSDB no Senador, Arthur Virgílio. Almeida já colocou um pé dentro do ninho tucano.

Segundo uma fonte bem avisada, Virgílio teria dito a Almeida que Fernando Henrique Cardoso e José Serra o querem no PSDB.

 

ALBANO

A cúpula do PSDB já admite que o ex-governador Albano Franco está debandando para um partido que tenha vinculação com o presidente Lula e o prefeito Marcelo Déda (PT).

A tendência do ex-governador é ingressar no Partido Liberal, atendendo a convite do vice-presidente da República, José Alencar.

 

CONVERSA

O deputado João Fontes (PSol) conversou com o prefeito Marcelo Déda (PT), em Brasília, e lhe pediu que conversasse com o presidente Lula para suspender o 6º Leilão do petróleo.

Marcelo Déda, que votou contra a quebra do monopólio, no Governo FHC, respondeu a Fontes que “só dependia do partido. Se o PT entrar, eu acompanho”.

 

GRAVAÇÃO

O prefeito Marcelo Déda passou o dia, ontem, em Brasília. À tarde, no Congresso Nacional, gravou depoimento do senador Aloísio Mercadante (PT).

Déda não trás nenhum depoimento de ministro, porque será enviado depois pelo partido. É que as gravações não podem ser feitas no Ministério, mas em um estúdio na sede do PT.

 

Notas

 

VENTINHA

Como vem insistindo Plenário, a Polícia já tem indícios de que outras pessoas participaram do assassinato do vereador José Carlos da Silva (Ventinha) e que o jovem de 16 anos serviu apenas de “avião” para atraí-lo. Já surgiu uma quarta pessoa e o sigilo no depoimento do motorista sinaliza para outra versão do crime.

A fuga do menor do Cenam teria sido programada pelos interessados na morte de Ventinha e é possível que esse crime caia na relação dos insolúveis, assim como aconteceu com o agiota Motinha, assassinado no Parati.

 

PALLOCI

O prefeito Marcelo Déda, acompanhado do secretário das Finanças, Nilson Lima, esteve com o ministro da Fazenda, Antônio Palloci, em busca da liberação de recursos. Conversou também com o ministro da Comunicação Social, Luiz Gushiken, para abrir espaço e divulgar o sesquicentenário de Aracaju na TVE.

O sesquicentenário acontece em Março e Déda diz que não está sendo pretensioso. Apenas já instalou a comissão do evento e está preparando as condições para qualquer candidato que for eleito poder realizá-lo.

 

CARTÕES

Os bares e restaurantes de Aracaju vão suspender o atendimento com pagamento através de cartão de crédito. Os empresários do ramo estão contra ao sistema de Transferência Eletrônica de Fundos – TEF -, alegando que em nenhum outro Estado o sistema entrou e que há provoca demora no atendimento a cartão.

Uma reunião entre donos de bares e restaurantes e técnicos ligados à Secretaria da Fazenda vai tentar resolver o problema. A suspensão do pagamento a cartão vai prejudicar os turistas, que geralmente utilizam essa forma de pagamento.

 

É fogo

 

O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT), que esteve em Brasília fazendo gravações, avisou que os gastos com a equipe foram feitos pelo Comitê de Campanha.

 

Marcelo Déda retornou ontem à noite a Aracaju e hoje recomeça suas atividades como prefeito e como candidato à reeleição.

 

Não foi possível o encontro de Marcelo Déda com o presidente Lula, porque ele estava em viagem e retornou muito tarde.

 

Segunda-feira haverá sessão especial na Assembléia Legislativa, para discutir o sexto leilão do petróleo, que ocorre dias 17 e 18.

 

A sugestão da sessão especial foi do deputado Francisco Gualberto (PT) e contará com a presença de sindicalistas do Sindipetro.

 

A deputada Susana Azevedo comanda, hoje, a caminhada da coragem, pelas principais ruas do centro da cidade. Termina com um show no mercado.

 

João Fontes (PSol) disse que foi uma decisão do partido não se envolver com as eleições municipais deste ano.

 

Belivaldo Chagas (PSB) mantém a tese de que a Assembléia não pode dar um cheque em branco para o Governo acabar com empresas importantes.

 

Um ex-presidente da Emsetur, disse que todos os gastos para transformar a empresa em superintendência, mesmo contratando gente, ainda é muito lucrativo.

 

A deputada Ana Lúcia (PT) quer que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica acompanhe os passos das negociações de compra e venda do G. Barbosa.

 

A Caixa Econômica e o Banco do Brasil começaram a pagar os rendimentos e abonos do PIS/Pasep ano 2004/2005.

 

A Receita Federal liberou, quarta-feira, a consulta ao terceiro lote de declarações do Imposto de Renda de 2004 (ano base de 2003).

 

Por Diógenes Brayner

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários