Pontes de Aracaju – Encurtar, acessar, desenvolver

0

Dentre várias pontes e passagens construídas em Aracaju desde o início da década de 20 até os dias atuais, três se destacam por suas conseqüências e benesses: a ponte ligando o bairro 13 de julho à Coroa do Meio, denominada Godofredo Diniz; a ponte José Rolemberg Leite sobre o rio do Sal, ligando Aracaju a Nossa Senhora do Socorro e a ponte Construtor João Alves, ligando Aracaju a Barra dos Coqueiros. A partir desta terça-feira, 30, mais uma obra entra no seleto grupo das que fazem à história de Sergipe: a ponte Joel Silveira.

 

Se voltarmos ao passado, a ponte sobre o rio Poxim foi projetada e executada na então gestão do prefeito de Aracaju João Alves Filho, em meados de 1977, com a aposta que iria interligar a Coroa do Meio ao centro de Aracaju, acreditando que ali seria uma área de expansão habitacional. O objetivo foi cumprido e 33 anos depois a ponte é um canal de escoamento e principal meio de se chegar à zona litorânea da Atalaia. Liga os principais bairros da capital a shopping, hotéis, restaurantes, sendo seu traçado arquitetônico um marco para a capital e demonstrando significativa relevância para o trânsito da cidade.

 

Não foi diferente com a ponte sobre o rio do Sal, denominada ponte José Rolemberg Leite, inaugurada em 2004, mas projetada anos antes na gestão do governador Albano Franco. Apostou-se que a ponte seria o elo de integração entre os dois municípios (Nossa Senhora do Socorro/ Aracaju) e, através dela encurtaria distância com a passagem do transporte público regular. Dito e feito. A ponte é um marco no tráfego de veículos daquela região e facilita o acesso à capital, criando mais uma via de desenvolvimento.

 

No mesmo ano, exatos 27 de setembro de 2004, iniciou-se mais uma obra de importância para os aracajuanos. Começa o primeiro bate-estaca da ponte Construtor João Alves, avançando em três frentes sobre o rio Sergipe: uma na Barra dos Coqueiros, outra em Aracaju e a terceira, no leito central do rio.  Pensou-se inicialmente em fazê-la na embocadura do rio Sergipe, nas proximidades do shopping Riomar, mas os estudos identificaram a área como instável para a obra, devido à forte inconstância geográfica e presença do mar. Logo o bairro Industrial foi o local encontrado para sediá-la. A ponte foi inaugurada em 2006, em emaranhado de polêmica sobre sua necessidade e custo/benefício. Controvérsias a parte, há um desenvolvimento imobiliário em ascensão em pouco menos de quatro anos de inaugurada e, através de um olhar visionário, iniciou-se o tão propagado interligamento do litoral de Sergipe.

 

Quatro anos após a inauguração da ponte Construtor João Alves, os aracajuanos se rendem a mais uma obra marcante na história do Estado: a ponte Joel Silveira. Como encurtar, acessar e desenvolver são as premissas básicas, a Joel Silveira não foge a regra e encurta 70km entre Aracaju e Salvador, deixando os baianos e turistas bem mais próximos da capital sergipana. Só para se ter uma ideia, entre os dias 26 e 28 de março, Sergipe recebeu 160 agentes de viagem da Bahia, que vieram conhecer a ponte e os principais pontos turísticos, sendo considerado o maior famtur já organizado para o Estado. O que dizer do acesso facilitado ao Litoral Sul de Sergipe? Caueira, Abais e Saco além da “baiana mais sergipana” Mangue Seco, todas ficaram bem mais próximas dos sergipanos e turistas. Imagine só o litoral nordestino totalmente interligado por uma rodovia litorânea? Bom para o turismo.

 

A história das pontes de Aracaju já confirmou que aspectos positivos (facilidade de acesso, aporte de novos equipamentos turísticos, criação de novos roteiros, expansão imobiliária e desenvolvimento sustentável) se sobressaltam aos negativos (impacto ambiental, crescimento desenfreado e o denominado “boom” imobiliário). Turisticamente falando, não há o que questionar: pontes são sobresselentes, bem-vindas, sem contar quando se constrói num local privilegiado pela natureza, como o Mosqueiro. Ali fica a novíssima orla por do sol, o novo destino para apreciar o por do sol na Croa do Viral e a rústica e agradável Croa do Goré.

 

A ponte Joel Silveira é inaugurada cumprindo dois dos seus papeis: encurtar distância e facilitar o acesso. Desenvolvimento, só o tempo irá dizer, mas é fato: ganha o povo sergipano.

 

Na bagagem

ü      A Estrada Real – Caminho dos Diamantes é uma boa pedida para quem gosta de história e ecoturismo. O trecho da estrada percorre cidades e vilas entre Ouro Preto e Diamantina, nas Minas Gerais. Caso queira percorrer a Estrada Real em sua totalidade, o Caminho Velho vai até a cidade de Paraty, no Rio de Janeiro.

 

ü      Um grupo de 160 agentes de viagem da Bahia passaram por terras sergipanas nos dias 26, 27 e 28. O famtur  foi promovido pela Emsetur, em parceria com a operadora IberoService. Com o mote “Aracaju mais perto de você”, o famtur mostrou para os vendedores baianos o potencial do destino Sergipe, a estrutura de Aracaju e os principais roteiros turísticos do Estado, além de apresentar as instalações da ponte jornalista Joel Silveira, encurtando o acesso à Aracaju.

 

ü      Aracaju foi destaque do quadro “Tô de folga”, no jornal Hoje/ Rede Globo. A reportagem mostrou as belezas e a histórias da capital sergipana. A matéria foi resultado de uma votação aberta no site do jornal, na qual Aracaju ganhou com mais de 20 mil votos da cidade de Ilhéus, na Bahia.

 

ü  Depois de Salvador (BA), Natal (RN) é a segunda capital do Nordeste a receber linhas de ônibus dois andares especialmente para turistas. A empresa que ganhar o edital terá concessão para operacionalizar as linhas dos ônibus e custará R$ 25 o ticket com direito a passar pelos principais pontos turísticos da capital riograndense.

 

ü  Caruaru (PE) já se prepara para começar a divulgação dos festejos juninos. Em ano de Copa do Mundo e eleição a disputa pelos turistas nesta temporada será bem acirrada.

 

ü      O ministro do Turismo, Luiz Barreto, assinou um elenco de obras para Sergipe, a exemplo de mais de R$ 30 milhões para a conclusão da ponte Indiaroba/Estância; R$ 10 milhões para a reforma do estádio Lourival Baptista; reforma do Cacique Chá, da construção da rodovia entre a sede do município de Santa Luzia do Itanhy e a praia do Povoado Crasto e melhorias estrutural para a Emsetur.

 

 

Passaporte

 

A Catedral de St. Paul, em Londres, na Inglaterra, domina o horizonte no bairro City e tem uma curiosidade: foi a primeira catedral protestante propositadamente construída para tal. Também tem o maior sino da Europa, que bate todas as 13h e seu dômo tem 110m de altura, perdendo apenas para o dômo da Basílica de São Pedro, no Vaticano. Diferente das igrejas católicas da Europa, a catedral é paga e fecha aos domingos para visitação, mas vale a pena uma visita.

 

Fotos: Silvio Oliveira, Luiz Carlos Moreira, Emsetur e Infonet

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais