Por dentro do Hospital J.Alves

0

    A coluna recebeu alguns e-mails solicitando uma análise sobre a situação do Hospital Governador João Alves Filho – HJAF, por conta da audiência realizada na última segunda-feira com representantes de diversos segmentos e o Ministério Público. As primeiras informações mostram que a audiência foi conduzida com objetividade pela promotora Euza Missano, do Ministério Público Estadual com o apoio da procuradora do Ministério Público Federal, Gicelma Santos. Os problemas do HJAF são tão complexos que serão necessárias outras audiências. Como vem fazendo em diversas áreas, este jornalista conversou com vários profissionais que trabalham no hospital, como médicos, enfermeiros e administrativos. Destas conversas, saiu esta avaliação.

  A verdade é que os problemas vêm se agravando há muito tempo na unidade hospitalar e nos últimos anos, por conta do fechamento de vários hospitais no interior do Estado a situação se agravou profundamente. O novo governo encontrou uma situação difícil, herdando um monte de irregularidade que não pode acabar de uma hora para outra porque pode provocar a inviabilidade do funcionamento do hospital.

 Um dos problemas herdados é a empresa MBA, que há mais de um ano administra o hospital. Existe pessoal competente para fazer este gerenciamento no Estado, mas o governo anterior optou pela consultoria, que na realidade trouxe apenas benefícios próprios e não coletivos. Segundo informações seguras, a MBA custou em um ano a bagatela de R$ 4 milhões. O contrato acabou em dezembro e o governo anterior fez o “favor” de renová-lo antes de sair por mais três meses. A nova gestão do hospital já comunicou ao MP que está decidida em rescindir unilateralmente este contrato, que muitos consideram vergonhoso. O leitor não se assuste: tinha diretor da empresa recebendo em torno de R$ 17 mil para “gerir” o HJAF. Um detalhe: é só fazer uma pesquisa com os servidores para confirmar que a antiga direção foi a considerada a mais desrespeitosa e tirana que já passou pelo local.

   A empresa MBA recebia mais de R$ 300 mil por mês do governo estadual e era responsável até pelo almoxarifado da unidade. Pois bem, pelo que saiu no MP, parte daquelas medicações encontradas naquele pátio mês passado é prova de um processo que está sob responsabilidade da Vigilância Sanitária do Estado e a outra foi descarte do hospital. Alguma coisa aconteceu e eles terão que explicar, pois muita coisa perdida, muita coisa a perder em breve no almoxarifado/farmácia central do hospital. Quem comprou? Qual critério? Por que comprou? Por que foram perdidas? Quem controlava o estoque? Por que não devolveram ao almoxarifado geral da Secretaria de Estado da Saúde para distribuição nas unidades do Estado para serem aproveitadas? Enfim, dinheiro público no ralo. O almoxarifado tem coisa demais…

  A procuradora federal, Gicelma Santos, foi clara ao questionar o que a empresa contratada – sem licitação – fez em um ano no hospital. A verdade é que terceirizaram o hospital na cara dura e ainda querem rebater as evidências. A justificativa de  fazer um diagnóstico da situação do HGJAF não vale. Não era preciso, pois existem relatórios e mais relatórios de cada diretor que entrou constatando os problemas. Pagar para repetirem o que todos já sabem… É ridículo!

   E quais as soluções que a empresa trouxe para o hospital. Os profissionais médicos reclamam que não são em número suficiente, mas reduziram a carga horária dos mesmos indiscriminadamente, sem ser feito um levantamento do impacto desta ação para o hospital. Por outro lado tem alguns profissionais que querem convencer ao povo, a imprensa e ao Ministério Público que ganham vencimentos de R$ 300 e poucos reais. Não dá para acreditar. A coluna teve acesso aos salários e só a gratificação chega a R$ 3 mil, fora os acordos. E ninguém venha dizer que não é verdade. A antiga direção, segundo profissionais administrativos daquele hospital, colocou a maioria dos médicos na “escala de plantonistas” para que estes recebem a maior gratificação, mesmo que efetivamente este profissional não esteja de plantão e sim de sobreaviso, como sempre foi.

  Já o hospital pediátrico, embora inaugurado, não existe. Por conta disso a nova gestão vem utilizando o espaço para alojar adultos do pronto socorro de forma emergencial. O hospital pediátrico foi inaugurado numa total falácia sem ter nada, nem mesmo pessoal suficiente para colocá-lo em funcionamento e se torna inviável sem a finalização da área de apoio onde funcionará lavanderia, nutrição, etc.  Além da falta de funcionários (que não poderão ser mais chamados os que foram aprovados no concurso, que expirou), o hospital como a maternidade tem vários erros estruturais. Quem o projetou não tem noção de nada sobre hospital. Deveria ter sido acompanhado por uma pessoa da área de saúde hospitalar. Outro detalhe, enquanto no hospital João Alves a pediatria  dispõe de 52 leitos de enfermaria e no novo hospital apenas 50. O que fizeram? A UTI pediátrica terá apenas 8 leitos, não mudando quase nada do quadro atual.  

   Há várias denúncias ingressadas no MPE e MPF sobre o HGJAF que podem culminar com a comprovação de improbidade administrativa da antiga direção. Isso é só o começo nestes 10 dias úteis de governo. Uma das pessoas que ingressou com as denúncias relatou que tem documentos já entregues ao Ministério Público Federal comprovando que um diretor recebida indevidamente por duas portarias cada uma de R$ 2 mil.

  Espera-se que os novos gestores possam achar uma luz no fim do túnel, mas está claro que a situação é difícil, complicada e precisa não apenas de recursos, mas determinação e compromisso com a sociedade, deixando de lado as questões políticas-partidárias. Espera-se também que a nova direção tenha “peito” para encarar e não ceder às pressões de alguns poucos grupos corporativistas (a coluna está disposta a divulgar tudo e todos, sem medo) e não queira colocar as coisas para baixo do tapete. A avaliação é que se este novo governo não conseguir ordenar a saúde em Aracaju, principalmente no Hospital Governador João Alves Filho restará aos profissionais sérios que atuam naquela unidade que não existe mais salvação para o HGJAF.

 

Trabalho técnico continuará sendo exercido

O leitor que acompanha diariamente esta coluna já percebeu que estão sendo abordados diversos temas importantes, como Banese, SSP, Deso e hoje o Hospital João Alves, tendo  como ponto de partida conversas com profissionais extremamente técnicos que trabalham nestas áreas. Este jornalista agradece a confiança depositada por estes técnicos que na maioria das vezes prefere ficar no anonimato por conta de possíveis retaliações, não só no ambiente de trabalho, mas dos colegas. Este jornalista tira suas conclusões e escreve um artigo que representa a opinião de um profissional de imprensa. Tanto é que os leitores que discordam sempre tiveram e terão espaço nesta coluna. Por conta deste trabalho alguns estão ficando “enciumados”. Resta apenas lembrar aquele velho ditado: quem tem competência se estabelece, quem não tem…

 

Movimento do “Trem da Tristeza”

Ontem este colunista tomou conhecimento de que foi um grande rebuliço dos cargos comissionados exonerados pelo ex-governador no dia 29 de dezembro. Alguns chegaram a consultar advogados porque consideram a medida irregular. É mole? Exonerar comissionados é direito de qualquer administrador. Já pensou se eles forem para justiça? Seria bom porque a maioria não trabalhava e mostrará a cara para a sociedade. Já para o novo governador Marcelo Déda, o ex-governador fez um grande favor, já que todos os 1.258 seriam exonerados. Poupou tempo e tinta da caneta.

 

Diretor da Degrase explica impressão de diário

O diretor-presidente da Degrase, Luiz Eduardo Oliva, ligou para esta coluna informando que assumiu a direção na semana passada e está no momento de ajuste, dando prioridade para o diário oficial que terá uma política especifica. Ele disse que pela primeira vez foi informado por alguns servidores que um diretor-presidente (no caso ele) e o diretor industrial, Milton Alves, estiveram assistindo toda feitura do diário. Oliva informou que o objetivo da nova direção será mudar este procedimento, para ajustar o diário oficial e que o mesmo seja publicado diariamente. Oliva disse que a nova direção vai buscar experiências junto ao Diário Oficial da União e em alguns estados onde existir um procedimento mais avançado. Ontem, por conta da publicação do artigo, foi um corre-corre muito grande na Degrase estourando a venda dos jornais.  Não existe mais jornal da administração anterior para ser publicado.

 

Leitor alerta para problema grave no Diário do dia 29/12

Este jornalista pede desculpas aos leitores. Preocupado com os cargos comissionados exonerados fez um levantamento minucioso, mas esqueceu de ler na última página um problema grave. Um leitor mais atento, que comprou o jornal ontem, lembrou que foi publicada uma errata justificando a mudança de toda numeração dos jornais de 30 de junho de 2006 para cá. Uma errata do governo anterior que mostra o descaso como vinha sendo tratada algo sério como é o diário oficial que é o retrato da administração estadual, através dos seus atos.

 

Peixinhos podem ficar divididos na eleição da AL

Embora a liderança maior do PSC tente passar para a imprensa que os sete deputados estarão unidos para votarem em apenas um único candidato nos bastidores a realidade é outra. O certo é que três, dos sete deputados, já fecharam questão com a candidatura de Ulices Andrade a presidente da Assembléia e não mudam o voto. É mais fácil saírem da sigla, deixarem de ser “peixinhos”, que é o símbolo do partido, do que serem comidos pelo “tubarão”.

 

Coletiva sobre Justiça e Cidadania

O governador Marcelo Déda concede entrevista coletiva hoje às 10h, no auditório do Palácio dos Despachos. Deda vai falar sobre as ações do Governo do Estado nas áreas de Justiça e Cidadania.

 

 

Aperipê terá um novo modelo de comunicação

Durante a posse de Indira Amaral, como diretora-superintendente da Fundação Aperipê, ontem, o governador de Sergipe, Marcelo Déda, anunciou que vai recuperar a função educativa da Fundação, valorizar a cultura sergipana e colocar a emissora de TV e as duas rádios a serviço de um novo modelo de comunicação, com qualidade para a população. Acompanhado da primeira-dama, Eliane Aquino, Déda afirmou também que quer atualizar a tecnologia das emissoras de rádio e da TV e ampliar o sinal da Fundação para todo o Estado. “Essa instituição é uma prioridade do Governo. Acredito que a Fundação tem enorme potencial de servir ao povo de Sergipe. Por isso, vamos transformá-la num instrumento fundamental e indispensável da política de comunicação, de educação e de cultura do Governo do Estado”, afirmou o governador, ao apontar o tripé fundamental que irá sustentar a nova gestão na Fundação.

 

Aperipê continua com programação arcaica

Uma das primeiras providencia da nova diretoria da Fundação Aperipê é acabar com alguns programas – tanto nas rádios como na tv – que estão fora da linha da entidade e eram usados politicamente. Tem alguns programas que seus titulares bradavam em bom tom, durante a campanha eleitoral, denegrindo a imagem de Marcelo Déda e chamando José Eduardo de forasteiro. É melhor deixar apenas música na programação do que continuar com estes “profissionais”. Por falar em profissionais, a coluna recebeu um e-mail de um colega de imprensa que sentiu-se constrangido na PM, ao tentar falar com o comandante Péricles. Foi recebido pelo assessor de comunicação, Fred Ferreira (aquele mesmo que ia para as emissoras denegrir a imagem do atual governador, então candidato) e disse que a partir daquele momento “ninguém da imprensa fala diretamente com o comandante sem passar por ele”. É mole! E viva ao alvistas que estão mais vivos do que nunca.

 

PT enfrenta problemas graves em Estância e Itabaiana

A nomeação do novo dirigente da Diretoria Regional da Educação da região Sul, que fica em Estância, vem criando sérios problemas dentro das correntes petistas. Todos querem. A briga ocorre também em Itabaiana onde petistas denunciam que estão sendo desprestigiados. Para contar todos os problemas a direção estadual já colocou o vice, Rômulo Rodrigues para visitar os municípios e colher as reivindicações dos militantes. Vai encher a mala com tanto pedido. Ainda bem que o Natal já passou e Papai Noel está descansando…

 

Banco do Nordeste anunciará resultados

O presidente do Banco do Nordeste do Brasil, Roberto Smith, concederá entrevista coletiva amanhã, 18, às 10 horas, em sistema de videoconferência para a imprensa de todos os Estados nordestinos, a partir de Fortaleza.  Na pauta, o anúncio dos resultados operacionais da instituição em 2006, principalmente as aplicações do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste – FNE. Em Sergipe, a imprensa será recebida num café-da-manhã pelo superintendente do Banco do Nordeste em exercício, Nilo Meira, que divulgará os resultados do balanço 2006 no Estado e as perspectivas de aplicação do Banco para 2007. A coletiva acontece no auditório da Superintendência Estadual de Sergipe (Rua Itabaianinha, 44, 3º andar-Centro).

 

Denúncia grave sobre policiais com táxis clandestinos

O superintendente da SMTT, Antônio Samarone, durante entrevista ao telejornal SETV 1ª Edição, da TV Sergipe, anunciou que o Sindicato dos Taxistas denunciou que existe uma linha de táxis lotação clandestina do bairro Santa Maria até o centro da cidade, que os agentes de trânsito não podem fazer nada. Tudo porque dos cerca de 100 veículos, aproximadamente 80% são de policiais. E agora? Resta apenas uma ação conjunta com a Secretaria da Segurança Pública para acabar com essa irregularidade.

 

Show de Marisa Monte

Excelente o show de Marisa Monte ontem no Teatro Tobias Barreto. A produção local resolveu baixas o preço do ingresso para R$ 100,00 (inteira) e R$ 50,00 (meia). Estava cobrando R$ 200,00, um preço muito alto para Sergipe. Nesta turnê dela pelo Nordeste o preço em outros estados estava pela metade. Aliás, no Rio de Janeiro o preço foi de R$ 120,00. Não foi culpa da cantora, mas da produção local. Detalhe: o show tem patrocinio da Natura e da Petrobras. Nesta área de shows em Sergipe tem alguns meadros interessantes, mas depois a coluna conta…

 

Instituto comemora quatro anos I

No próximo dia 23, o Instituto Luciano Barreto Junior comemora quatro anos realizando a formatura dos 912 jovens e adolescentes que participam do Projeto ‘Conectando com a Vida’. O Instituto representa a responsabilidade social da construtora Celi e já atendeu a mais de 2000 jovens que encontram nesta ação a oportunidade de um futuro melhor através da conquista e aprimoramento de conhecimentos multidisciplinares. Constituído em 2003, no dia do aniversário de Luciano Junior, o Instituto é fruto do sonho do jovem empresário. Desde o início de sua jornada empresarial ele defendia a necessidade de construir uma entidade sem fins lucrativos para sistematizar e ampliar as ações sociais já realizadas pela Construtora Celi.

 

Instituto comemora quatro anos II

 Segundo a presidente do ILBJ Maria Celi, o instituto promove cidadania através do conhecimento e não apenas uma entidade meramente assistencialista. “Perdemos nosso Luciano Junior num acidente automobilístico. Sofremos muito e choramos amargamente a nossa dor. Mas, seguindo os princípios defendidos pelo próprio Junior, procuramos aprender sempre, até nos momentos mais difíceis. Então, enxugamos o nosso pranto, buscamos aceitar os propósitos de Deus e assim nasceu o Instituto, através do qual estamos concretizando os projetos que ele tinha em mente”, disse Maria Celi.O ILBJ possui dois núcleos e oferece cursos gratuitos através projeto “Conectando com a Vida” de Informática, Português, Matemática, Leitura Cultura e Cidadania, Relações Inter-pessoais (palestras com Dr. Jácome Góes) e quem se destaca com as melhores notas, faz também o curso de inglês no Yázigi. Todos os cursos têm duração de um ano.

 

 Frase do Dia

“A vitória tem mil pais e a derrota é órfã”. Napoleão Bonaparte.

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários