Pré-Caju afronta a lei

0

As inúmeras queixas dos aracajuanos contra a permanência do Pré-Caju na avenida Beira Mar, bairro 13 de Julho, não sensibilizaram o prefeito da capital, João Alves Filho (DEM). Ontem, durante reunião com os empresários ‘donos’ da festa para autorizar a realização da próxima prévia carnavalesca, o demista disse que “está fora de cogitação mudar o local do Pré-Caju”. Aqui, João comete um grande equívoco, pois ninguém neste país está acima da Lei e, como é sabido, o Pré-Caju afronta o artigo 42 da Lei das Contravenções Penais, que proíbe “perturbar alguém, o trabalho ou o sossego alheios”. Portanto, se os insatisfeitos com o barulho ensurdecedor dos trios elétricos baterem na porta da Justiça, poderão conseguir o cumprimento da legislação federal. Em isso acontecendo, os cantores do axé baiano colocarão a viola no saco, enquanto o prefeito terá que encontrar outro local para colocar a incômoda fuzarca particular.

Turismo

A política de turismo praticada pelo governo de Sergipe é discriminatória, pois trabalha apenas com a região Norte, desprezando as belezas do Litoral Sul. Pelo menos é assim que pensa o deputado federal André Moura (PSC). Segundo ele, ao retirar vários voos de Aracaju, a TAM confirmou que o turismo sergipano não vai bem. Com a palavra, o secretário estadual de Turismo, Elber Batalha.

Aeroporto

O vice-governador Jackson Barreto (PMDB) assinou ontem a ordem de serviço para a reforma dos sistemas de cobertura dos terminais de passageiros do Aeroporto de Aracaju. Orçada em mais de R$ 5 milhões e com recursos da Infraero, a obra deve ficar pronta em 270 dias. O serviço inclui desmontagem do telhado e reposição de telhas, instalação de novas calhas, melhorias da infraestrutura de sustentação e reforço de toda cobertura, numa área de aproximadamente 12.306 m².

Condenada

E a Prefeitura de Aracaju terá que proibir o trabalho infantil nas feiras livres. A determinação é da juíza do Trabalho, Silvia Helena Martins, que acatou Ação Civil Pública impetrada pelo Ministério Público. A municipalidade ainda foi condenada a pagar R$ 200 mil a título de dano moral coletivo pela lesão já cometida.

Inelegível

Acusado de comprar votos nas últimas eleições, o ex-prefeito de Capela, Manoel Messias, o ‘Sukita’ (PSB), teve os direitos políticos cassados pela Justiça Eleitoral. Segundo o site Nenotícias, ao ser informado da inelegibilidade pelo jornalista Gilmar Carvalho, o ex-prefeito disse que a decisão judicial era “uma esculhambação”. Cruz,
credo!

Latas velhas

A SMTT espera que até amanhã a VCA recoloque em circulação nas ruas de Aracaju os 42 ônibus apreendidos pela Justiça para garantir um empréstimo bancário. Segundo a assessoria da SMTT, caso a empresa não cumpra o acertado, serão adotadas medidas legais. Portanto, vamos aguardar se os coletivos voltarão a circular e, caso contrário, se a VCA será punida.

Desrespeito

O vereador aracajuano Adriano Taxista (PSDB) garante ser vergonhoso o tratamento que as empresas de ônibus dão aos empregados. Segundo ele, algumas concessionárias não estão recolhendo o FGTS dos trabalhadores, além de obrigá-los a trabalhar acima da carga horária. O parlamentar tucano disse ainda que os rodoviários da capital podem decretar greve como forma de protestar contra o desrespeito das empresas.

Carestia

Comprar hortaliças e legumes está mais caro. Nos dois primeiros meses do ano, a variação acumulada do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou aumento de 30,14% no preço desses alimentos. Levantamento divulgado pela Fundação Getúlio Vargas mostra que, no acumulado dos últimos 12 meses, os preços das hortaliças e legumes subiram 74,82%. O tomate foi o que apresentou maior alta: 50,21%.

Concurso

O Pleno do Tribunal de Justiça de Sergipe considerou legal o concurso público promovido no ano passado pela Prefeitura de Japoatã. Segundo o ex-prefeito Telmo Guimarães (PSC), a decisão “joga por terra as acusações infundadas e até levianas do prefeito Gimarcos de Alcântara (PSD), que apontou supostas irregularidades no concurso”. Então, tá!

Do baú político

As eleições de 1994 foram uma das mais disputadas de Sergipe. De um lado, Jackson Barreto (PDT) tentava ampliar para o resto do Estado a popularidade conquistada em Aracaju. Do outro, Albano Franco (PSDB) contava com o apoio do governo João Alves Filho (PFL) e das tradicionais lideranças políticas interioranas. Itabaiana era o único grande reduto eleitoral do interior que Jackson liderava. Para tentar reduzir a dianteira do adversário, Albano não perdia uma oportunidade de fazer campanha no município serrano. Num certo sábado, ele e a comitiva chegaram cedo para um corpo-a-corpo na feira. Tapinhas nas costas, apertos de mão, distribuição de ‘santinhos’, e por aí vai. Ao perceber o tucano entrar no mercado das carnes, um vendedor cortou um fígado bovino ao meio e colocou a mão dentro, empapando-a de sangue. Quando Albano estendeu a mão, o rapaz a apertou e o sangue, ainda quente, começou a escorrer. Terminando o sujo cumprimento, o candidato tirou do bolso o lenço branco, enquanto reclamava baixinho: “Para fazer uma coisa dessas, esse cidadão só pode ser eleitor de Jackson”. A eleição foi para o segundo turno e Albano venceu com pequena diferença.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários