Presidente do STF recebe o advogado de Lula

0

O advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, finalmente conseguiu a audiência pretendida com a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmen Lúcia. A reunião na sexta-feira durou cerca de uma hora. Assim que deixou o gabinete da presidente do STF, Sepulveda foi cercado pela Imprensa mas demonstrando profunda irritação, não quis falar com ninguém. Os jornalistas insistiram, perguntando se Carmen Lúcia teria manifestado uma previsão de quando seria pautado o habeas-corpus de lula. Secamente, o colega de Zanin disse “Não”.  Parece que deu ruim…

            ***

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, Sepulveda Pertence foi questionado sobre os honorários cobrados de Lula, o nobre jurista conta uma  grande lorota. Afirma textualmente que está trabalhando de graça e sustenta a mendacidade argumentando que não cobra nenhum centavo de presidenciáveis e ex-presidentes e cita os nomes de seus outros clientes: José Sarney, José Serra e Marina Silva. A mentira cai por terra quando ele próprio se lembre que também advoga para Aécio Neves e que este justificou os dois milhões emprestados de Joesley, seriam para pagar o advogado, no caso, o próprio Sepulveda. Aí, nesse caso, o advogado esclarece que só para Aécio não advoga de graça, porque havia conflito. Para acreditar, somos obrigados a crer que, no caso de Lula, não há conflito. Reina a paz.

Só pode ser um surto

Pode-se imaginar que a ex-presidente Dilma Rousseff não anda bem da cabeça. Instada pelos repórteres a dar sua opinião sobre o caso da vereadora do PSOL  que foi assassinada há poucos dias no Rio, numa ação criminosa que comoveu o país, ela diz que os autores do crime são os mesmos que patrocinaram o “golpe” contra seu governo, levando a cabo o “impeachment” que a tirou do governo.

A dívida interna e externa do Brasil

Quando Lula assumiu o seu primeiro mandato em 2002, a dívida externa era de R$ 212 bilhões, enquanto a dívida interna era de R$ 640 bilhões. Ou seja, o total, dívida externa mais interna, chegou aos inacreditáveis R$ 852 bilhões. Em 2008, quando Lula assumiu ter pago a dívida, a dívida externa caiu para zero, já a interna chegou a – pasme! – R$ 1,4 trilhão. Total da dívida: R$ 1,4 trilhão – 65% do PIB do Brasil. Agora em 2013 passou de R$ 2 trilhões.  Para pagar ao FMI, Lula captou dinheiro junto aos banqueiros que compraram os títulos da dívida (pagaram ao FMI). O Brasil que pagava 4% de juros ao ano para o FMI, passou a pagar 19,5% ao ano pra os banqueiros, beneficiando-os.

Albano prega continuidade das reformas

Em artigo publicado na Imprensa nacional (via jornal “O Globo”) e local (pelo “Jornal da Cidade’) o ex-governador Albano Franco defende que futuros governos continuem perseguindo o combate à inflação e ao desemprego. “Para tanto será imprescindível a adoção de urgentes reformas estruturantes,  que sejam capazes de recolocar o país nos trilhos do desenvolvimento continuado e sustentável”, diz ele. E continua: “O fato é que a grave crise fiscal que vem se acumulando de forma exponencial ao longo dos últimos anos, é, definitivamente, o maior empecilho para o Brasil voltar a crescer a taxas razoáveis e de forma continuada.  Despesa pública (e de má qualidade), próxima de 40%  do PIB e receita em torno de 33% sintetizam uma perversa relação absolutamente contrária a qualquer política de crescimento. E o pior é que essa diferença vem sendo coberta pelo acelerado endividamento público, atualmente em torno de 75% do PIB. Isso significa também que parte considerável da poupança nacional, que já é muito baixa, cerca de 15% do PIB está sendo drenada para financiar um setor público  que praticamente não investe”. Antes de finalizar seu artigo, o Sr. Albano Franco  comenta a importância da reforma da Previdência Social, que teve que ser abandonada por causa da situação carente da segurança pública no Rio de Janeiro. “Caberá, poranto, ao opróximo governo, remetê-la a um parlamento renovado, que, se3 espera, tenha a sensibilidade em aprova-la. Protelar essa decisiva reforma para a retomada do crescimento é o mesmo que condenar o Brasil à ingovernabilidade e à estagnação. Urge seguir adiante”.

Audiência Pública

Um requerimento da deputada Ana Lucia foi aprovado pelo plenário da Assembleia Legislativa, para a realização de uma audiência pública sobre “rede de distribuição de energia, proteção dos consumidores e da população”. A audiência pública leva em conta os casos de acidentes envolvendo a rede de distribuição de energia, inclusive com vítimas fatais. O requerimento da deputada Ana Lúcia enumera as autoridades que devem ser convidadas: a dra. Eusa Missano, Promotora de Justiça de Defesa do Consumidor;  o dr. Ramiro Rockenbach, Procurador Regional dos Direitos do Cidadão; a Energisa; o CREA-SE;  a Universidade Federal de Sergipe e representante da Agência Nacional de Energia Elétrica.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários