Processo Político

0

Segundo notou, ontem, um parlamentar, o governador João Alves Filho (PFL) ficou muito animado com o resultado dos encontros ocorridos, quinta-feira, em Brasília. Está satisfeito com a sugestão oferecida pelo relator da Comissão de Reforma Tributária, da cobrança de 2/3 do ICMS no destino e 1/3 na origem. Embora se trate apenas de proposta que precisa ser consultada junto aos demais Estados, João Alves Filho está otimista quanto o êxito da receptividade da emenda. Ontem ele se comunicou com outros colegas do Nordeste e sentiu entusiasmo do pessoal, embora a maioria tenha recuado na “hora de preparar a feijoada”. João foi o primeiro a se manifestar sobre os equívocos da ainda proposta de Reforma Tributária, e deixou isso claro quando esteve em Brasília, para acompanhar o presidente Lula da Silva, na solenidade de entrega das propostas ao Congresso. João disse ao ministro José Dirceu que, como estava a Reforma Tributária, ele não votaria. De qualquer forma, essa perspectiva só chegará ao fim quando for apresentado o relatório e a sugestão estiver posta. Mesmo assim, depende do plenário… Mas não são nas reformas do Governo Federal, que um grupo de aliados do governador João Alves Filho está pensando. Um pessoal bem enfronhado no interior e capital se preocupa com a questão política. Acha que João Alves Filho deve começar a se movimentar nesse sentido, porque os adversários estão bem fortalecidos e correndo atrás do prejuízo. Um parlamentar revelou, ontem, que ficou animado porque viu o governador conversando com um grupo de prefeitos. Mas, ao mesmo tempo, se preocupa porque não existe um tratamento político dentro do Governo. Enquanto a oposição começa a falar em nomes no interior e se volta para as filiações partidárias, cujo prazo termina em setembro, ninguém está sabendo o que vem ocorrendo entre a coligação que dá sustentação ao Governo do Estado. Um dos deputados estaduais disse que há uma certa dispersão em alguns segmentos que estiveram com João Alves Filho em 2002 e sugeriu que algum estrategista político começasse a trabalhar novas adesões e o fortalecimento do grupo. Na capital, principalmente, o quadro já começa a preocupar. Ninguém está sendo preparado para disputar a Prefeitura de Aracaju, com um nome como o de Marcelo Deda (PT). O senador Almeida Lima, que já anunciou a possibilidade de candidatar-se a prefeito, dá a impressão que pretende seguir uma carreira solo, para ampliação de um comando dentro de mais alguns anos. Entre os parlamentares e auxiliares nota-se um destaque apenas para a deputada Susana Azevedo, que demonstra interesse – e disposição – em sair candidata. Mas, para isso, é necessária uma ação de Governo já, porque é suicídio indicar candidaturas às vésperas da campanha. É preciso levar em consideração que a candidatura de Marcelo Deda à reeleição tem o apoio do presidente Lula. Se estiver em posição ascendente será um trunfo importante para o nome petista. Além disso, estão com ele lideranças expressivas do Estado, como o ex-governador Albano Franco, o deputado federal Jackson Barreto, o senador Antônio Carlos Valadares, além do Partido Liberal. Dessa vez o PSDB não será rejeitado numa composição de esquerda para disputar Aracaju, até porque não há possibilidade de diálogo com o PFL. O deputado Fabiano Oliveira, que esteve muito próximo do Governo, foi para o PTB na perspectiva de ser o vice na chapa do PT, embora Jackson Barreto deseje o ex-prefeito João Augusto Gama. Esse detalhe, inclusive, é importante: para as legendas que estarão vinculados à oposição. Nenhuma delas está muito interessada na reeleição de Marcelo Deda, mas na disputa pela indicação de um nome para ser seu vice. É que Deda pretende disputar o Governo e, se reeleito, sai 16 meses depois. O vice será prefeito por mais de dois anos e pode disputar a reeleição em 2008. A composição do Governo tem PFL, PMDB, PP e PPS, mas sem nomes para um confronto com a oposição na capital. A não ser que, a partir do próximo ano, João Alves mude a face de Aracaju. O que não será fácil. FONTES O deputado federal João Fontes (PT) fará palestra, segundo feira, no Tribunal de Contas e na Assembléia Legislativa, sobre as reformas. João Fontes é integrante da ala dissidente do Partido dos Trabalhadores e mostrará a deputados e membros do judiciário as razões de suas posições. DESMONTE João Fontes diz que vai mostrar que a fala dos chamados radicais do partido é em defesa dos princípios que sempre nortearam o Partido dos Trabalhadores. Diz que a proposta central da Reforma da Previdência vai prejudicar as camadas mais pobres, que serão penalizadas porque precisam de segurança, educação e saúde. RELATÓRIO O TCU apresentou relatório preliminar, através do ministro Ubiratan Aguiar, de requerimento de João Fontes e Babá, que pedia um levantamento da situação da Previdência de 1995 a 2002. Mostra que há superávit na Previdência em 2002 e que existe em caixa, caso não seja utilizado, a importância de 669 milhões de reais. NEGA TESE Segundo João Fontes, isso nega a tese de que a reforma do Governo é para recuperar o rombo existente na Previdência Social. Na realidade, segundo o deputado, a reforma é para beneficiar banqueiros que querem ficar com o filé dos Fundos de Pensão. RELATOR O relator da reforma Tributária, Virgílio Guimarães (PT), que chega hoje a Aracaju, revelou que proposta de 2/3 do ICMS no destino e 1/3 na origem é pensamento dele. Acrescentou que ainda vai conversar muito. Lembrou que são quatro Estados contra 23, entre os quais São Paulo e Minas. PASSEATA Durante a manifestação feita em Brasília contra o aumento dos servidores, o presidente Lula estava no Palácio sendo consolado pelo presidente do banco Santander. Nas ruas, os milhares de trabalhadores cantavam uma constatação: “você pagou, com ingratidão, a quem sempre lhe deu a mão”. JACKSON Jackson Barreto fez discurso enfático, quinta-feira, na Câmara, em defesa da cobrança do ICMS para o petróleo. Quer que a cobrança seja na origem de produção. O deputado avalia que a cobrança do petróleo e energia em Sergipe dará um ICMS estimado na ordem de 30 a 40%, o que representa R$ 200 milhões. ROSINHA A unanimidade dos deputados que acompanharam os governadores em Brasília é de que a presença da governadora Rosinha Matheus, do Rio, vem sendo fundamental para as conquistas. Rosinha Matheus declarou que “para mim, a reforma é necessária. Precisa ser feita. Mas precisa ser a reforma que o país precisa e não a reforma do ICMS”. AMOROSA O secretário de Comunicação de Aracaju, Milton Alves, disse ontem que o prefeito Marcelo Deda em nenhum momento vetou o nome da cantora Amorosa para o Forrocaju. Segundo Milton, a relação dos cantores e atrações é apresentada ao prefeito, ele olha e assina, porque confia no pessoal que organiza o evento. POLÍTICA Milton Alves acha que estão usando a ausência de Amorosa como um motivo para criação de um fato político: “o Forrocaju não será manchado por fofocas políticas”, disse. O secretário pergunta: “Por que Amorosa não acusa o governador João Alves Filho de estar contra ela”?. E responde: “Amorosa não foi contratada por Prefeituras do PFL” MITTIDIERI O deputado suplente Luiz Mittidieri pode assumir o mandato por quatro meses, caso o deputado Walmir Monteiro se afaste para tratamento médico. Valmir já está preparando para entrar de licença médica pelo prazo de 120 dias, porque precisa fazer uma cirurgia. GRAÇA O deputado João das Graças, que se elegeu pelo PMN, já está se entendendo bem com o Governo do Estado. Ainda não oficializou a adesão. João está começando a sofre o processo de apuração do episódio ocorrido em Gracho Cardoso, quando ele disparou alguns tiros contra um adversário. CADASTRO O deputado federal Heleno Silva (PL) lamentou, ontem, que Sergipe tenha deixado de registrar 10.300 pequenos agricultores no programa Seguro Safra. O Ministério do Desenvolvimento Agrário disponibilizou 25 mil vagas para Sergipe, mas apenas 14.700 foram cadastrados. Ele disse que vai levantar os motivos. RECURSOS O Seguro Safra paga uma média de 50% do que for perdido no plantio, que é equivalente a 75 reais a cada agricultor. Sem o cadastramento, 10.400 pequenos agricultores deixam de receber, o que equivale a R$ 4.7 milhões por ano. Notas REAÇÃO Quando os dois governadores de Sergipe, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro começaram a discursar na Comissão Especial de Reforma Agrária causou um certo constrangimento a deputados de São Paulo, que quiseram usar da palavra. Foram impedidos pelo presidente da Comissão, Mussa Demes (PI). A reação da bancada paulista é sinalização de que os Estados produtores de petróleo terão problemas para impor mudanças no projeto original da Reforma da Previdência. A emenda não será acatada com facilidade. CONFERÊNCIA O senador José Almeida Lima (PDT) fez uma vídeo conferência para correligionários de Aracaju, ontem, das 15 às 18 horas, para dar conhecimento ao pessoal – e até discutir com eles – da proposta de Emenda Orçamentária que apresentou ao Senado e já provocou algumas reações de parlamentares em Sergipe. Almeida diz que a proposta não é apenas a redução de mandatos, como tentam ridicularizar alguns políticos de Sergipe, “ela é muito mais ampla”. Almeida sabe que vai sofre muitas criticas no plano regional e nacional. DEBATE Depois da discussão da proposta de Emenda ‘a Constituição, o pessoal considerou que o senador Almeida Lima deveria passar a discuti-la com segmentos importantes da sociedade e se propôs que a sala de vídeo conferência na Assembléia Legislativa ficasse aberta para que se debatesse com políticos, empresários e a intelectualidade. Almeida já foi para programas de debates no Sul sobre o problema e disse que está sempre à disposição para tratar da PEC apresentada por ele no momento em que for convocado. Diz que se trata de propostas profundas. É fogo A deputada Susana Azevedo está animada porque conseguiu incluir casas para os escrivãs e agentes policiais. Há expectativa com a chegada do relator da Reforma Tributária, Virgílio Guimarães, que vai debater hoje sugestão para emenda. Ainda haverá muitas novidades sobre a prisão do ex-deputado Antônio Francisco, que ainda não se apresentou. O advogado do ex-deputado, José Cláudio, está esperando o resultado do hábeas corpus e vai trabalhar para que Antônio Francisco seja encaminhado imediatamente a uma clínica. Mesmo com todo esse burburinho de reformas, o ex-governador Albano Franco se mantém no mais absoluto silêncio. Em razão do feriado da próxima quinta-feira, todos os parlamentares federais estarão em Brasília na segunda-feira. O secretário da Fazenda, Max Andrade, diz que não dá para fazer qualquer avaliação de qual seria a arrecadação de Sergipe em caso da aprovação da emenda. O deputado suplente Luiz Mittidieri não continua satisfeito com o tratamento que recebe do seu partido. O deputado José Carlos Machado teve atuação importante nos contatos para a emenda à Reforma Tributária. O deputado estadual Francisco Gualberto (PT) e o senador José Almeida Lima (PDT) estão se estranhando. O deputado federal João Fontes também já conversou com o relator da Reforma Tributária, Virgílio Guimarães (PT). O governador João Alves Filho resolveu lançar seu livro no próximo dia primeiro de julho próximo, ainda na ressaca dos festejos juninos. Os festejos juninos de Aracaju vão abafar todos os outros organizados em cidades do interior. brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários