PRONTOS PARA CAMPANHA

0

Há uma movimentação em Sergipe para a disputa presidencial em segundo turno. Na leitura que se faz nos jornais de todos o país, há uma certa unanimidade de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se assustou com o crescimento do candidato tucano Geraldo Alckmin e a mobilização que o PSDB e PFL estão fazendo para o enfrentamento de 29 de outubro. O governador João Alves Filho (PFL) esteve em São Paulo ontem e conversou longamente com Alckmin sobre a campanha no Nordeste. Viajou atendendo a um chamado do candidato. Deixou o gabinete onde se encontraram para retornar a Sergipe e iniciar hoje o trabalho de coordenação na região.

João Alves Filho vai conceder uma entrevista à jornalista hoje, às 15 horas, no Palácio dos Despachos. Responderá a perguntas sobre as eleições estaduais, em que perdeu para o concorrente Marcelo Déda (PT), e aproveitará para relatar o seu encontro com Geraldo Alckmin e a estratégia de campanha. Com certeza os movimentos que o apoiaram retornarão às ruas com a intensidade dos dias que antecederam o primeiro de outubro. Mudarão apenas de número. Trocam o 25 por 45. Ainda hoje à noite, João Alves Filho terá um encontro com deputados estaduais e federais eleitos e reeleitos, com prefeitos dos municípios e lideranças do interior. Vai convocá-los para a campanha do segundo turno. Quer retornar às ruas já…

O presidente Lula da Silva (PT) também começou a se preparar. Quer disputar para ganhar as eleições e se manter no Planalto por mais quatro anos. Convocou o que ele chamou de “bons de voto”. Entre eles estava o governador eleito de Sergipe Marcelo Déda, que participou de uma longa reunião, na manhã de ontem, realizada no Palácio da Alvorada. A princípio informa-se que Déda será um dos coordenadores nacionais da campanha e acompanhará o presidente por todos os estado, mas também ficará em Sergipe para comandar o seu grupo. Marcelo Déda tinha projeto de passar de três a quatro dias com a família em uma praia do Nordeste, mas o próprio presidente pediu que todos suspendessem o período de descanso. Deixassem para depois de 29 deste mês.

Durante o encontro, Marcelo Déda garantiu seu empenho na reeleição do presidente Lula: “diferentemente da situação tradicional de eleições, em que o governo representa uma força conservadora e a oposição representa a renovação, o que temo agora é um governo que equilibrou a economia e deu um passo à diante na justiça social e do outro lado a tentativa de um modelo que quer voltar à antiga situação de diferenças regionais”, disse Déda, que já convocou os aliados para uma reunião em Aracaju, a fim de traçar diretrizes para colocar o bloco na rua e reabrir a campanha como se fosse uma disputa estadual.

A campanha de segundo turno será acirrada. Como se trata de uma outra eleição, não se pode imaginar que o vitorioso no primeiro turno repita a performance no segundo. Começa do zero e é por isso que o presidente Lula da Silva está convocando pessoas que não foram atingidas pela mácula da corrupção e se destacaram em seus estados.

Hoje pela manhã o deputado federal eleito Albano Franco e o deputado estadual Fabiano Oliveira, ambos do PSDB, também viajam a Brasília para tratar sobre o segundo turno. Vão reunir-se com o presidente do tucanato nacional, senador Tasso Jereissati (CE), e com Sergio Guerra (PE), coordenador geral da campanha de Alckmin. Além de tratar sobre a campanha do segundo turno, voltarão a relatar a situação do PSDB em Sergipe. Deputados e candidatos que não conseguiram eleger-se não demonstram compromissos com Alckmin, o que vai prejudicar o partido. O deputado Fabiano Oliveira acha que chegou a hora de reorganizar os tucanos em Sergipe, mas o indicativo é que eles estão mais para integrar uma legenda vinculada ao governador eleito Marcelo Déda, do que pensar em oposição.

Indiferente ao que existe no PSDB daqui, a campanha terá o sabor de uma nova disputa que movimentará os mesmos grupos que estiveram na campanha estadual. Será uma eleição que voltará a mexer com todas as tendências políticas do estado, da mesma forma que aconteceu a uma semana atrás.

 

 

ANUNCIO

O governador João Alves Filho (PFL) vai anunciar hoje aos jornalistas, em entrevista às 15 horas, que será um dos coordenadores da campanha de Geraldo Alckmin no Nordeste.

Ontem à tarde, o João Alves Filho esteve com o candidato tucano para tratar da participação na campanha para presidente neste segundo turno.

 

REUNIÃO

Depois da entrevista, o governador João Alves vai se reunir com deputados, lideranças políticas e recomeçar a campanha em favor de Alckmin.

João quer que todos os movimentos que o apoiaram voltassem às ruas e tudo que era 25 passará a ser 45.

 

BRASÍLIA

O deputado federal eleito Albano Franco, ao lado do deputado estadual Fabiano Oliveira (ambos do PSDB) viajam hoje para reuniões em Brasília.

Terão encontro com o presidente do partido, senador Tasso Jereissati, e o governador geral da Campanha, senador Sérgio Guerra.

 

QUESTÃO

Albano e Fabiano vão conversar sobre a campanha de Alckmin em Sergipe, que será feita ao lado do governador João Alves Filho (PFL).

Os dois acham que o PSDB tem que resolver a questão dos seus membros que se rebelaram em Sergipe: “esse pessoal não vota em Alckmin”, vão comunicar.

 

ENCONTRO

O que Déda e os demais governadores eleitos ouviram de Lula ontem: “se vocês pensaram que terminada a campanha iam tirar férias, podem entender que estão em campanha”.

O presidente continuou: “depois do dia 30, vocês podem descansar à vontade. Agora é campanha e cada um tem papel excepcional nos seus estados”.

 

CAMPANHA

Terça-feira à noite, ao se encontrar com parlamentares que integraram a sua coligação, o governador eleito Marcelo Déda avisou que vai convocar os aliados para a campanha.

Durante o encontro que teve com o presidente Lula, Déda exortou: “presidente vamos às ruas, o povo quer lhe ver”. Déda será um os coordenadores da campanha de Lula.

 

JACKSON

O deputado federal Jackson Barreto (PTB), entrevistado pelo radialista George Magalhães, se transformou em uma metralhadora giratória e só salvou Albano Franco (PSDB).

Ao contrário de Marcelo Déda (PT), que desceu do palanque, Jackson detonou o Tribunal de Contas e disparou com muita violência, sem olhar para frente.

 

DURO

Dirigindo-se ao deputado estadual Fabiano Oliveira, o deputado Jackson Barreto disse que iria fazer a “Festa do Duro”, já que ele realizara a “Festa do Mole”.

Ontem pela manhã, Fabiano Oliveira respondeu: “esse negócio de duro eu não entendo”, e levou na chacota tudo que Jackson falou.

 

ANDRÉ

O deputado estadual eleito André Moura (PSC) disse que está absolutamente tranqüilo com os fatos que estão acontecendo, em relação à Justiça Eleitoral.

André viajou ontem para descansar com a família e retorna sábado para viajar aos municípios e agradecer os votos recebidos.

 

ENOQUE

O ex-prefeito de Poço Redondo, frei Enoque, condenado pelo TCU a devolver R$ 4.500, ganha uma aposentadoria de apenas R$ 1.200,00 e mora em uma casa modesta.

Esse problema aconteceu em razão da compra de alimentos que fazia a uma empresa que apresentou certidões falsas.

 

VALADARES

O Diap fez uma relação, por partido, dos parlamentares que despontam como os 100 mais influentes do novo Congresso a partir de 2007.

Apesar de nomes importantes de Sergipe, aparece apenas o senador Antônio Carlos Valadares (PSB), está entre este seleto grupo.

 

HELENO

O deputado federal Heleno Silva (PL) está animado com o número de votos que conseguiu transferir para Marco Jony (PMDB) no sertão.

Foram 12.500 votos em praticamente dois meses de campanha. Marco foi candidato em lugar de Heleno, que desistiu de disputar a reeleição.

 

LAMENTA

Heleno Silva lamentou que tivesse ficado afastado da disputa, para provar que é inocente sem mandato, no caso das Sanguessugas.

“Todo mundo perdeu e os grandes mensaleiros, que receberam milhões, foram eleitos e retornaram à Câmara”, disse.

 

 

 

Notas

 

MÍNIMO-1

O relatório do senador Paulo Paim (PT-RS) aprovado, ontem, propõe o reajuste do salário mínimo em abril de cada ano pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) dos últimos 12 meses e aumento real equivalente a, no mínimo, o dobro do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do ano anterior.

Os recursos para o pagamento desse reajuste virão do aumento da carga tributária para empresas mais lucrativas, que contribuiriam para a previdência com alíquota progressiva e proporcional aos resultados financeiros.

 

MÍNIMO-2

O relator-geral do projeto do Orçamento da União para 2007, senador Valdir Raupp afirmou ontem que as primeiras análises do projeto mostram que o governo “superestimou o crescimento da economia” e, com isso, também trabalhou com uma previsão de impostos que pode não se concretizar.

Assim, vai perdendo força a idéia inicial de que o Congresso poderia aumentar o salário mínimo além dos R$ 375,00 previstos pelo governo, admitida antes pelo próprio relator-geral, senador Valdir Raupp.

 

GARAGEM

A Comissão de Desenvolvimento Urbano vai votar Projeto de Lei do Senado Federal, que impede o aluguel de garagens de edifícios residenciais e comerciais para terceiros, que sejam estranhos ao condomínio. O parecer do relator, deputado Ademir Camilo (PDT-MG), é favorável à proposta.
O deputado Celso Russomanno (PP-SP), tem projeto que permite parcelamento de débitos das pessoas que ocupam imóveis da União, mas detêm preferência e inscrição na Secretaria de Patrimônio da União (SPU) para a compra.

 

 

 

É fogo

 

O ex-prefeito de Poço Redondo, Enoque Salvador, foi condenado pelo TCU a devolver R$ 4.500 de sua gestão anterior.

 

O governador eleito Marcelo Déda (PT) não é favorável ao sistema de eleição, mas acha que o mandato tem que ser de cinco anos.

 

Na realidade é muito pouco quatro anos para administrar um estado ou o país. A reforma política que será feita este ano deve rever tudo isso.

 

Em Brasília, a capital das decisões políticas, Lula da Silva e Geraldo Alckmin estão organizando o seu pessoal para reiniciar a campanha de segundo turno.

 

O momento dos eleitos e reeleitos é agradecer os votos recebidos e mostrar que já desceram do palanque. É a posição mais correta de quem sabe vencer.

 

O deputado federal Jackson Barreto avisou: “Marcelo Déda é educado, mas eu não”. E já disse que não aceitará adesões ao novo governo. Na realidade, Déda é quem decide isso.

 

O deputado Jorge Araújo não tem dúvidas de que cumpriu o seu papel de parlamentar e atribui sua derrota à ausência na televisão.

 

A deputada Celinha Franco (PFL) já avisou que as eleições para ela não terminaram, porque está engajada no segundo turno para presidente da República.

 

A presença de produtos importados nas prateleiras dos supermercados será mais forte neste ano. Conseqüentemente chegará também à casa do consumidor.

 

O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) mostrou a força eleitoral que tem ao eleger o filho a deputado federal com uma larga margem de votos.

 

brayner@infonet.com.br

Comentários