Quando a Polícia não podia bater

0

De 1946 a 1947, Sergipe foi governado pelo interventor federal e coronel do Exército Antônio Freitas Brandão. Na divisão dos cargos entre as lideranças políticas que o apoiavam, coube ao Partido Republicano a indicação do chefe de Polícia. Para a função, equivalente hoje à de secretário da Segurança Pública, o PR indicou o jovem advogado Armando Rollemberg, posteriormente eleito deputado federal e deputado estadual. Em 1963, foi nomeado ministro do Superior Tribunal de Justiça, onde permaneceu até 1991.

Pois bem, ao assumir a chefia da Polícia, Armando Rollemberg proibiu qualquer agressão física aos presos, prática até então muito comum em Sergipe e no resto do Brasil. A determinação do jovem advogado foi cumprida quase à risca, apesar da contrariedade da maioria dos subordinados. Claro que, aqui e acolá, o sujeito levava um ‘sapeca Iaiá’ daqueles, principalmente quando os velhos policiais queriam arrancar confissões nem sempre verdadeiras.

Certo dia, um policial foi ao gabinete de chefe de Polícia comunicá-lo sobre a prisão de nove ladrões, todos de outros estados. Interessado em saber a origem dos marginais, Armando Rollemberg dirigiu-se até à cela, instalada no porão do prédio da Chefatura de Polícia, alí na praça Tobias Barreto. Um dos bandidos lhe disse que eles eram da Paraíba: “Ficamos sabendo que aqui não se bate mais em preso e mudamos pra cá”. Desde então, Armando manteve a ordem de não espancar a “rapaziada”, porém, determinou que todo bandido de outro estado fosse colocado no trem com destino a Salvador, onde a Polícia descia a madeira sem dó nem piedade.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários