QUESTÃO DO IMPEACHMENT

0

Setores mais radicais da oposição trabalham para incriminar o presidente Lula, a ponto de chegar ao seu impedimento. Todos acham que Lula da Silva sabia das transações bancárias que foram feitas para a sua campanha, com pagamento através de recursos públicos, e da continuidade de toda essa dinheirama que se derramou pelo país, através de uma cúpula corrupta que veio do grupo majoritário do Partido dos Trabalhadores e que foi operado na Casa Civil da Presidência, através do seu chefe José Dirceu, praticamente nas barbas do presidente. Como já há indícios incontestáveis de que essa prática foi utilizada para eleger a chapa comandada por Lula, que tinha o empresário José Alencar (PL) como vice, a oposição acha que cabe um processo de impeachment. É muito difícil fazer acreditar que o presidente ignorava a ação do PT para a formação de um bloco de apoio na Câmara Federal, porque tudo foi feito com membros da cúpula que estavam mais próxima ao Planalto. Mais cedo ou mais tarde, esse processo pode ir adiante, porque cada vez mais a lama chega a Lula.

 

O presidente Câmara, deputado Severino Cavalcanti (PP-PE), chegou a se entusiasmar com o impeachment, talvez pelas evidências que percebe.  Em entrevista no Rio de Janeiro, onde participava de um encontro com empresários da Federação das Indústrias (Firjan), Severino disse que está preparado para ocupar a Presidência da República caso o presidente Lula e o vice-presidente José Alencar sejam impedidos. “Estou pronto para assumir se for preciso”, entusiasmou-se Severino. Destacou, inclusive, que pretende permanecer um mês como presidente e convocar novas eleições, que seriam indiretas, como determina a Constituição. A possibilidade do impeachment se fortaleceu após o marqueteiro Duda Mendonça admitir que houve pagamento com caixa dois na campanha de 2002. Parlamentares da oposição, como o senador Álvaro Dias (PFL-PR), começaram a levantar a hipótese de afastamento do presidente Lula. 

 

Ontem, o deputado Severino Cavalcante esclareceu o que disse: “se eu sou presidente da Câmara, estou preparado para assumir a República. Mas não estou pensando em ser presidente da República. Eu quero continuar presidente da Câmara e vou fazer tudo para que não haja o impeachment do presidente Lula”.

Mesmo que as CPMI`s cheguem à conclusão de que há provas suficientes para se chegar ao impedimento do presidente Lula e do vice José Alencar, não dá para imaginar o Severino presidente. Talvez seja melhor um Lula “banhado” de lama, do que um Severino “lustrando” de seriedade. Agora falando sério, pode até existir indícios suficientes que se chegue a um impeachment, entretanto não há clima para isso e nem se encontra respaldo na sociedade. Primeiro porque não se enxerga no Congresso condições morais para votar no impedimento de nenhum presidente e, segundo, não há nomes confiáveis para substituir o presidente. A razão é simples: ninguém pode arrogar virgindade em relação ao recebimento de ajuda financeira para campanha, através de caixa dois. Mesmo aqueles que querem o impeachment certamente receberam recursos de empresas a título de ajuda de campanha, sem a devida declaração contábil. Talvez seja esse aspecto, praticamente uma generalidade, que pode inibir um movimento que parte de segmentos também defeituosos da oposição.

 

Fora essa canalhice, não existem bons nomes à disposição. Talvez apenas dois estejam em condições de chegar à presidência, com serenidade e humildade: os senadores Pedro Simon (PMDB) e Jefferson Perez (PDT) que são comedidos, mesmo que demonstrem total indignação com o que vem acontecendo no país, patrocinado pela cúpula do Partido dos Trabalhadores e participação ativa da direção de alguns partidos aliados. Como o impeachment é uma decisão radical, o melhor mesmo é deixar o presidente Lula respirando por aparelhos, até a falência múltipla de suas forças políticas e eleitorais.

 

Que o próximo presidente volte a sair da vontade do povo, mas não se deixe seduzir pelos galanteios das elites e abandone seus compromissos com o país.

 

 

BANESE

A foto que gerou a notícia de que o Banese seria citado pelo CPMI dos Correios, foi publicada para ilustrar matéria da revista Carta Capital, fornecida pela Agência Estado. Na foto aparece um documento onde se percebe a anotação “AFC – Jardins Aracaju”. O papel tem o timbre da ECT e se refere às Agências dos Correios Franqueadas (ACF). Há uma instalada no shopping Jardins.

 

CORREIOS

Segundo informou uma fonte dos Correios, a CPMI está fazendo um levantamento de todas as agências franqueadas no Brasil. O objetivo é apurar se por trás das agências franqueadas existe alguma influência por indicação parlamentar.

 

RELATOR

O relator da CPMI dos Correios, deputado Osmar Serráglio, disse ao seu colega José Carlos Machado que não pediu absolutamente nada ao Banco do Estado de Sergipe (Banese). Confirmou o levantamento nas principais Agências dos Correios Franqueadas (ACF) e dará documento declarando que não há nada em relação a Sergipe.

 

PROCESSO

O processo do ex-deputado Antônio Francisco, acusado de mandar matar o ex-deputado Joaldo Barbosa, está para chegar do Superior Tribunal de Justiça. Assim que isso acontecer, será marcado imediatamente o júri dele e do filho. Antônio Francisco cumpre prisão domiciliar.

 

ARQUITETADA

Segundo revelação de pessoas ligadas à polícia, a fuga do “Compadre” teria sido arquitetada, com o objetivo de criar um fato novo no crime de Joaldo. Esse fato novo não se sustentou porque o fugitivo acusou pessoas mortas e a promotoria não tinha condições de se pronunciar.

 

CALHEIROS

As mesmas fontes policiais acreditam que por trás da fuga do “Compadre” tem o dedo do foragido Floro Calheiros. Aliás, a polícia tem informado que está em busca de Floro e já chegou próximo a ele, embora se tenha confirmação que ele tem visitado uma cidade na grande Aracaju.

 

AUGUSTU`S

O leilão do Augustu`s Empreendimentos Turísticos S.A., já tem data marcada: 19 de setembro. O preço determinado é de R$ 1,3 milhão. Já há um importante grupo interessado na aquisição, com o objetivo de fazer um complexo comercial, com ampliação do shopping Riomar.

 

PROCESSO

O advogado do Augustu`s Empreendimento, Eduardo Ribeiro, já está tomando as providências para sustar o leilão marcado para setembro. Fabiano Oliveira, um dos sócios do Augusto, diz que o caso está nas mãos do seu advogado e que acredita na justiça.

 

PARCERIA

O ex-prefeito de Lagarto, Jerônimo Reis, disse ontem que “o nosso grupo político em Lagarto age sempre em parceria e de forma harmoniosa”. Não quis a revelar ações políticas, disse apenas que “estamos amadurecendo as coisas, sem que haja resistência de nenhum dos membros do grupo”.

 

RACHA

Jerônimo Reis deixa claro que “se alguém estiver imaginando que vai promover um racha no grupo político em Lagarto está perdendo tempo”. “Nem rompo com o prefeito Zezé Rocha e nem Zezé Rocha rompe comigo”, garantiu Jerônimo e informou: “nosso vinculo com Zezé não é apenas político”.

 

IMPEACHMENT

O deputado federal Cleonâncio Fonseca (PP) reconhece que um segundo processo de impeachment será traumatizante para o Brasil. Cleonâncio reconhece que há uma gravidade política e acha que todas as denuncias devem se apuradas, como vem sendo feito. Para ele, nada foi encontrado contra o presidente.

 

ALMEIDA

O senador José Almeida Lima (PMDB) disse ontem que poderá ser candidato ao governo do estado em 2006, mas depois de uma discussão ampla. Lembrou que na convenção nacional do PMDB ficou decidido que o partido teria candidato a presidente da república, a governador dos estados e não compor com o presidente Lula.

 

COMANDO

Para mostrar que não pretende o comando do PMDB, Almeida Lima lembrou que há um ano esteve na casa de Benedito Figueiredo, convidando a assumir a presidência do PDT. O senador disse que retornou ao PMDB muito confortável e vai trabalhar para ampliação e fortalecimento da legenda em Sergipe.

 

PAIXÃO

O deputado federal Ivan Paixão (PPS) acha que o impeachment do presidente Lula não dá: “até porque o Congresso não está em condições de votar isso”. Admite, entretanto, que o governo ficará refém de um grupo de partidos, que passará a ditar as pautas de votação.

 

 

Notas

 

VALADARES

O senador Antônio Carlos Valadares disse que o deputado Miguel Arraes deixou uma lacuna na política brasileira, “num momento cruciante, abalado pelos escândalos oriundos de um grupo que não quis honrar 25 anos de história de um partido nascido para fazer a diferença politico-administrativa”. O senador Valadares entende que “há muita gente séria no partido, que não merece ser execrada e ter a sua oportunidade de continuar lutando pelos ideais éticos e morais que fundamentaram a existência do PT”.

 

REFORMA-1

O relatório sobre a reforma eleitoral deverá ser apresentado quinta-feira. O projeto obriga os partidos e candidatos a abrirem conta bancária para o registro de todo o movimento financeiro da campanha. A doação máxima será de 50 mil UFIRs por pessoa física e de 150 mil UFIRs por pessoa jurídica ou conglomerado. Os candidatos e os partidos ficarão proibidos de receber, direta ou indiretamente, doação em dinheiro, inclusive por meio de publicidade de qualquer espécie procedente de pessoa jurídica sem fins lucrativos.

 

REFORMA-2

O projeto proíbe ainda a participação de artistas e músicos em comícios. Determina que a propaganda eleitoral somente será permitida após o dia 16 de agosto do ano da eleição. E estabelece que apenas o candidato poderá participar dos programas de rádio e televisão destinados à propaganda eleitoral e gratuita. Nos programas partidários poderão figurar apenas logotipo do partido, o nome e o número do candidato, além de fundo musical. O objetivo é reduzir gastos e levar para o eleitor apenas o programa do candidato.

 

 

É fogo

 

Sexta-feira a Secretaria de Turismo de Pirambu terá um novo secretário: Antônio Leite, que Já tem projetos para incrementar o turismo na região.

 

O governador Albano Franco (PSDB) viajou ontem a São Paulo e não fez qualquer referência à posse do senador Almeida Lima no PMDB.

 

O deputado estadual Augusto Bezerra (PFL) se mostrou ontem contrário a recursos públicos para campanha eleitoral.

 

Augusto Bezerra acha que empresas devem financiar campanhas regularmente e se manter sob vigilância em relação ao seu crescimento.

 

A deputada estadual Susana Azevedo (PPS) está trabalhando sua reeleição e ainda não quer falar na questão partidária. É possível que se mantenha onde está.

 

O deputado Fabiano Oliveira participou da procissão em Campo do Brito, domingo, e esteve na casa do prefeito “Main”, onde também estava o governador João Alves.

 

Um jantar em casa do senador Almeida Lima, segunda-feira, comemorou a filiação do parlamentar ao PMDB.

 

O presidente da OAB Nacional, Roberto Busato, chega a Aracaju amanhã para receber a Medalha da Ordem Parlamentar.

 

O deputado estadual Marcos Franco (PMDB) está trabalhando duro na campanha de filiação do partido, para fortalece-lo, visando as eleições de 2006.

 

O empresário Luiz Mittidieri (PFL) está trabalhando firme para tentar retornar à Assembléia Legislativa.

 

A Receita Federal do Brasil, que unifica os trabalhos da Receita Federal e da Secretaria da Receita da Previdência, começou a sair do papel ao entrar em vigor a medida provisória.

 

A Varig reportou prejuízo de R$ 342,4 milhões no segundo trimestre de 2005. A perda é 13,44% menor do que a registrada em igual período de 2004.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais