RETA FINAL

0

A disputa eleitoral entrou na reta final. Agora é só aguardar o domingo para decidir. Dentro de mais cinco dias, por volta das dez horas, estará definido o destino do país e do estado. Ou não. Há uma tendência visível para o segundo turno. Tanto para governador de Sergipe, quanto para presidente da República. Ontem o publicitário Antônio Leite fez um comparativo que identifica o momento: “estamos em uma corrida de cavalos. Quem ganhar será por um nariz”. Os aliados do governador João Alves Filho, candidato a governador pelo PFL, incluindo a sua equipe de marketing, tem certeza que a vitória será no primeiro turno. Há um ânimo que se evidencia também nas ruas, com o crescimento de movimentos que passaram a trabalhar pró-João.

O ex-prefeito Marcelo Déda, candidato do PT ao Governo do Estado, estava tão bem no início da campanha que poucos duvidavam da sua vitória já no primeiro turno. Evidente que o páreo é muito duro, mas o pessoal que acompanha Déda não recua desse pensamento de sair eleito domingo. Os dois são bons candidatos, trabalham com muita intensidade e estão num páreo difícil para que se tenha grande otimismo. O programa político de Marcelo Déda realmente fez uma mudança de rumo e talvez não tenha dado continuidade à posição que ele vinha mantendo no estado. Não há culpa do marketing, porque o conselho político atua nestas horas e às vezes coloca a perder o projeto traçado pelo marqueteiro.

Daí o perigo do desvio de rota…

O candidato João Alves Filho, quando falou sobre a luta contra a transposição do rio São Francisco, a princípio seria apenas mais um viés dos seus programas. Um fato a mais para mostrar o trabalho em defesa de Sergipe. Talvez mudasse de assunto logo nos programas seguintes. Mas o São Francisco foi à arma mais forte, casualmente utilizada, que passou a ser tema permanente do programa. A princípio não foi levado muito em consideração, mas depois que o interior reagiu, mereceu respostas da oposição. O colunista se atreve a opinar de forma mais direta: “esse foi um grande equívoco. Marcelo Déda jamais deveria assumir a defesa, de forma tão contundente como fez, do rio São Francisco, declarando a todos os pulmões que era contra a transposição”. Talvez fosse melhor levar o programa para outro rumo, porque não dava para remar contra a maré.

Marcelo Déda não fala inverdades quando diz que é contra a transposição do rio São Francisco, principalmente no período que a obra era de interesse do ex-presidente Francisco Henrique Cardoso (PSDB). Mas o presidente Lula, que à época criticava a transposição, resolveu fazê-la a qualquer custo. O ex-prefeito Marcelo Déda chegou a confidenciar a sua posição favorável à revitalização e até a comparecer a atos de fechamento da ponte que liga Sergipe a Alagoas. Não passou daí. Certa vez declarou que não poderia fazer da transposição “um cavalo de batalha para se colocar em oposição ao que desejava o presidente Lula”. Outro equívoco grave: jamais poderia acontecer aquele discurso no palanque armado na praça Dom José Tomaz, em que o candidato Marcelo Déda foi enfático em sua posição contra a transposição, olhando nos olhos do presidente.

Lula ria muito, outras pessoas que estavam ao lado também esboçaram sorrisos, e o confronto entre o que o presidente disse em Sergipe e o que falou duas horas antes em Natal, talvez tenha sido a gota d’agua. Logo no começo, quando se começou a falar em transposição, o conselho político da oposição deveria ter buscado um tema forte para a discussão de propostas. Marcelo Déda recuou e permitiu o avanço do governador João Alves Filho. Ele ficou na defensiva. Mesmo assim o candidato da oposição se mantém bem na disputa e ninguém pense que será fácil vencê-lo. O seu nome é doce na boca do povo. Sem dúvida é o candidato mais difícil que João Alves já enfrentou. A recíproca é absolutamente verdadeira.

O candidato a governador pelo PDT, João Fontes, tem certeza do segundo turno: “João avançou, mas não chega aos 50% e Marcelo Déda não vai recuperar o que perdeu”. Disse.

 

 

TÍTULOS

Está havendo uma compra louca de títulos de eleitor, junto a outros documento que podem levar o cidadão a chegar até às urnas.

O assunto foi tratado ontem em um restaurante no shopping.Um cabo eleitoral diz que a prática está acontecendo no interior do estado.

 

ANTIGA

Esta não é uma prática nova em pleitos eleitorais, mas este ano o TSE se esmerou em incentivar o voto e advertir a população de votar consciente.

Além disso, entidades ligadas a magistrados também fizeram campanha pelo voto limpo. Mas o estômago ainda fala mais alto.

 

ALMEIDA

O senador Almeida Lima (PMDB) perguntou à líder do Governo no Senado, senadora Ideli Salvatti (PT) quem dirige a Polícia Federal, se a oposição ou o governo?

Investigar autoria, compra e conteúdo do dossiê é óbvio. E, portanto, se o governo não está investigando “os dois lados da moeda”, só pode ser por irresponsabilidade ou por omissão.

 

PERGUNTA

“Por que o presidente Lula não toma essa medida em relação a si próprio? Todos sabemos que ele não gosta de trabalhar”, pergunta Almeida.

Como pretende compatibilizar a sua agenda de candidato com as explicações que dá a todo o momento”? – insistiu.

 

TÍTULO

O deputado estadual Silvio Costa (PMN-PE) explicou porque propôs o titulo de cidadão para o ex-presidente da Petrobrás, José Eduardo Dutra, candidato ao Senado pelo PT-SE.

“Sequer o conheço pessoalmente. Mas ele foi uma peça fundamental na vinda da refinaria para Pernambuco” (Inaldo Sampaio – Jornal do Comércio).

 

CAMPANHA

O Partido dos Trabalhadores não perdeu tempo. Ontem, depois do meio-dia, do lado da Barra dos Coqueiros, a militância estava panfletando na descida da ponte.

Isso é mais um fato natural que sequer deveria ser notícia, porque a ponte não é privativa de ninguém e nem apresenta partidos. A ponte é para todos.

 

ALTO-FALANTES

Um dia antes da eleição (sábado) termina o prazo para realização de carreatas e de propaganda eleitoral que utilize alto-falantes e amplificadores de som.

Dessa forma os candidatos têm até sexta-feira para fazer propaganda em carros de som até a sexta-feira. A data fixada no calendário eleitoral.

 

PELELLA

O procurador Regional Eleitoral Eduardo Pelella, propôs representação  contra João Alves Filho, candidato à reeleição ao governador do Estado.

Pelella quer a cassação do registro de sua candidatura. Alega utilização das ambulâncias do Samu-Estadual com fins eleitoreiros.

 

ANÁLISE

Segundo análise publicada pelo site Congresso em Foco, a oposição em Sergipe deve fazer três deputados federais: Jackson Barreto, Valadares Filho e Nilson Lima.

A coligação que apóia João Alves fará cinco deputados federais: Albano Franco, Eduardo Amorim, José Carlos Machado, Mendonça Prado. Tem outros nomes fortes na coligação.

 

MAIS UM

Na avaliação de candidatos a deputado federal da coligação do governador, a expectativa é que se chegue a seis candidatos.

Tudo vai depender do percentual de votos que terá o ex-governador Albano Franco (PSDB) e o médico Eduardo Amorim (PT), que devem ser bem votados.

 

DEBATE

O governador João Alves Filho (PFL), candidato à reeleição, passou o dia de hoje com assessores, para tratar do debate que se realiza hoje na TV-Sergipe.

Hoje o governador também continuará revendo algumas coisas para o debate, que contará com a presença de todos os candidatos.

 

DÉDA

O candidato do PT, Marcelo Déda, teve compromissos pela manhã em Capela, onde fez comício, mas à tarde se recolheu para tratar sobre o debate.

Hoje será a mesma coisa. Marcelo Déda vai descansar e repassar alguns dados, para ficar bem na discussão de temas com outros candidatos.

 

TRANQÜILO

O deputado federal João Fontes, candidato a governador pelo PDT, diz que está tranqüilo e lamenta que as regras do debate estragam de confrontar qualquer coisa.

Acrescenta que os candidatos têm muita coisa a discutir, mas terão que se submeter ao pouco tempo para falar e aos sorteios para perguntas.

 

 

 

Notas

 

PRISÃO

A partir de hoje até o dia 3 de outubro, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido no país. Isso é o que determina o Código Eleitoral. A medida tem por objetivo garantir que nenhuma pessoa seja impedida ou atrapalhada no direito do cidadão de votar. O leitor deve ficar atento aos crimes eleitorais.

Ocorrendo crime durante a votação, por exemplo, se o eleitor estiver comprando votos, aliciando eleitores, fazendo propaganda indevida, ele pode ser preso, em razão da situação de flagrância avisou um membro do TSE.

 

PROPAGANDA

A propaganda eleitoral gratuita em cadeia nacional de rádio e TV termina quinta-feira. Também nesta quinta não podem mais ser realizados comícios, reuniões públicas e debates entre os candidatos. As datas são definidas por diretriz que define o calendário eleitoral das eleições gerais deste ano.

A propaganda eleitoral paga, na imprensa escrita, é permitida até sexta-feira. O espaço, por edição, para cada candidato, partido ou coligação é de um oitavo de página de jornal padrão e um quarto de página de revista ou tablóide.

 

DOAÇÕES

Está pronto para ser votado, em regime de prioridade, na Câmara dos Deputados, projeto oriundo do TSE e patrocinado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, que estimula o financiamento lícito das campanhas eleitorais, mediante doações que poderão ser deduzidas no imposto de renda.

A proposição altera legislação do imposto de renda para que empresas façam doações a partidos políticos ou candidatos em campanha, até o limite de 2% do lucro operacional por elas registrado, antes de computada essa dedução.

 

 

 

É fogo

 

O comércio abriu o período de contratações de temporários para o Natal com a expectativa de que o desempenho da melhor data do varejo cresça modestamente este ano.

 

“Se o crescimento do comércio empatar com o resultado de 2005, já está bom”, avalia Rodrigo Eboli, economista da Mellon Global Investment.

 

Bandeiras da candidata à deputada estadual Ana Lúcia tremularam numa boa durante a Festa do Mole, domingo pela manhã.

 

Piadinha que corria ontem pela manhã em Aracaju: “tem gente da oposição com tanta raiva da inauguração da ponte, que vai continuar atravessando de balsa”.

 

Não estava na testa de ninguém que participou da Festa do Mole, domingo, se votava em João Alves, Marcelo Déda, João Fontes, Adelson Alves e outros.

 

Todos os candidatos majoritários passam o dia de hoje simulando um debate com assessores diretos. Todos vão responder a perguntas inconvenientes.

 

O debate acontece hoje à noite na TV-Sergipe e já foram confirmadas a participação de todos os candidatos.

 

O vereador Fábio Henrique está fazendo a sua parte na campanha a governador de Marcelo Déda, à frente do Movimento Muda Sergipe-13.

 

Amanhã será realizado o último programa eleitoral dos candidatos majoritários a governo do Estado. A partir de quinta-feira a publicidade é proibida.

 

O ex-prefeito Marcelo Déda (PT) cancelou seus compromissos para hoje, a fim de se preparar para o debate. Também quer estar descansado.

 

brayner@infonet.com.br

  

Comentários