Rever posições

0

Um forte aliado do governador João Alves Filho (PFL) admitiu que a vitória estrondosa do prefeito Marcelo Déda (PT) em Aracaju e o crescimento das oposições em cidades estratégicas do interior, principalmente no alto sertão sergipano, devem provocar uma reformulação no procedimento político, que vem sendo posto em prática pelo grupo governista. Sugere que se instale um conselho político que integre as principais lideranças do bloco, a fim de discutir acertos e erros do bloco. Lembrou que na primeira e segunda administração de João Alves, um grupo experiente que integrava o Governo, se reunia, periodicamente, para esse tipo de discussão, a fim de dar um rumo à estratégia adotada e decidir sobre posições: “isso precisa retornar urgentemente, porque já está na hora de se estabelecer uma unidade, em torno de um projeto ainda indefinido”.

 

A vitória estrondosa do prefeito Marcelo Déda em Aracaju assustou muita gente vinculada ao governador João Alves Filho, principalmente lideranças do interior. Está começando a se perceber uma unidade perfeita entre os membros da oposição, para conseguir chegar ao que está traçado pela liderança maior, que é chegar ao Governo do Estado. Embora o grupo do governador esteja animado com a eleição de prefeitos em 52 municípios – 28 do PFL e o restante de partidos aliados – é preciso enxergar que foram perdidas cidades eleitoralmente importantes como Itabaiana, Lagarto, Itaporanga D’Ajuda, Canindé do São Francisco, Poço Redondo, Monte Alegre, Porto da Folha, Gararu enfim, o sertão sergipano, que sempre votou maciçamente no governador João Alves Filho. Tudo isso deve ser analisado por políticos influentes da composição de Governo, para que se definam estratégias de disputa nestes próximos dois anos.

 

A cidade de Estância, por exemplo, elegeu um candidato indicado pelo governador João Alves Filho: Ivan Leite. Mas é um político filiado ao PSDB, que também tem vínculos com o ex-governador Albano Franco. Propriá é uma das únicas cidades de grande porte que o PFL retomou e vai administra-la por quatro ou mais anos. Enquanto os políticos aliados ao governador João Alves Filho comemoram a eleição de mais de dois terços das cidades do interior sergipano, a oposição se anima porque a soma de votos dos municípios que ela elegeu supera à das cidades que foram conquistadas ou mantidas pelo composição que apóia o Governo do Estado. A partir de janeiro já se iniciam as discussões em torno da sucessão estadual e o assunto vai esquentar para valer a partir de junho, quando começam a surgir algumas alterações políticas, que sinalizam para fortalecimentos de tendências político partidárias. Por tudo isso, o experiente aliado do governador, amigo pessoal, insiste que há necessidade de um conselho político, que se mantenha unido e independente para convergir ou divergir de posições adotadas.

 

Na opinião de um dos políticos com mandato, ninguém obteve vitória significante nas eleições municipais. Foi o único que não aceitou a votação do prefeito Marcelo Déda como uma coisa fenomenal: “ele não teve adversário à altura e nem um grupo forte para enfrentar as oposições”. Trata-se de um homem próximo ao Palácio dos Despachos, mas que o freqüenta com raridade. Fez o mesmo relato sobre as 52 cidades mantidas pela coligação que apóia o Governo, lamentando a perda de cidades estratégicas do alto sertão, principalmente Canindé do São Francisco. Acha que o Partido dos Trabalhadores fez apenas mais duas cidades – Barra dos Coqueiros e Porto da Folha – e analisa que o deputado federal Jackson Barreto, com o seu PTB, fez apenas uma cidade – São Cristóvão – porque o restante tem maior influência do presidente do Sebrae, José Guimarães. Em Nossa Senhora da Glória, o candidato do PTB que foi eleito está vinculado ao governador João Alves Filho e ao presidente do Partido Liberal, deputado federal Heleno Silva.

 

Esse ilustre político conhece bem todos os segmentos da política sergipana. Para ele, quem estava em silêncio e saiu fortalecido, foi o ex-governador Albano Franco (PSDB), que ganhou Itabaiana, Canindé do São Francisco – o prefeito eleito é sobrinho do deputado estadual Ulices Andrade (PSDB) – além de ter influência em Estância. Isso sem contar com algumas cidades pequenas, como Moita Bonita, que o seu partido manteve por força da liderança do presidente regional do PSDB, deputado federal Bosco Costa. Um fato interessante: Albano Franco, a partir de janeiro, dará passos largos para a conquista de um mandato.

 

Com todas essas análises, fica praticamente evidenciado que o prefeito Marcelo Déda está com fôlego para disputar o Governo e passou a ser a voz do povo nesse momento. O governador João Alves Filho, que tentará a reeleição, tem que mudar toda a sua estratégia nestes próximos dois anos, para reduzir essa impulsão petista, que está com um grupo disposto a lutar para cumprir o projeto traçado para chegar ao Governo do Estado. João Alves Filho precisa retornar aos colégios e faculdades, como fez anteriormente, para proferir palestras e abrir todos os flancos para ouvir aliados experientes, que têm alternativas inteligentes. Sem isso ficará difícil, porque os seus adversários vêm montado numa popularidade ímpar do prefeito Marcelo Déda. Com tantas deduções e constatações, percebe-se que as eleições de 2006 pinta como uma das mais disputadas dos últimos 20 anos. E, com certeza, não será fácil para ninguém.

 

ENCONTRO

O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT) teve encontro ontem com o presidente Lula da Silva, no Planalto, ao lado de mais cinco prefeitos petistas eleitos no primeiro turno. Junto ao prefeito do Recife, João Paulo, Déda manifestou a disposição de se engajar na campanha em São Paulo, onde Marta Suplicy disputa com José Serra (PSDB).

 

POPULAÇÃO
Ao defender a tese de se engajar na campanha de Marta, o prefeito Marcelo Déda observou que boa parte da população da cidade de São Paulo é nordestina.
“Seria para este grupo de eleitores que os prefeitos petistas nordestinos trabalhariam em São Paulo, para tentar reverter a vantagem de José Serra no primeiro turno”, disse Déda.

 

INSÔNIA

Muitos prefeitos derrotados já estão sem dormir, porque têm que organizar as suas Prefeituras até dezembro, principalmente em relação aos gastos. A maioria deles não imaginava perder o pleito. Agora, já em dezembro, tem à frente a Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

EXCESSO

Quem gastou em excesso para reeleger-se ou eleger candidatos de sua confiança, utilizando recursos da Prefeitura, terão que comprovar e deixar o município sem débito. Como houve excesso do uso do dinheiro municipal, nas campanhas eleitorais, alguns deles para pagamento depois, quem ainda não recebeu será difícil ver a cor do dinheiro.

 

DIGNIDADE

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), desembargador Artêmio Barreto, achou o gesto do governador João Alves Filho em pedir desculpas, muito elegante. “Quem pede desculpas, tem dignidade para isso”, considerou. Acrescentou que está fazendo essa avaliação, mas em nenhum momento citou nomes de pessoas: “não me caberia atingir o governador e nem a ninguém”, disse.

 

AMIZADE

O desembargador Artêmio Barreto disse que é amigo pessoal do governador João Alves Filho e nada disso abalaria a sua amizade. Deixou claro que, o lado institucional tem que ser separado da amizade: “se há algum culpado em relação à segurança, caberá ao Governo apurar”.

 

PRISÕES

Vários membros da polícia foram detidos pelos juizes de comarcas do interior e a relação será enviada ao Tribunal Regional Eleitoral. A maioria era militar, que ficava à paisana, mas mantinha a arma e trabalhava para candidaturas em algumas cidades.

 

BENEDITO

O presidente regional do PMDB, Benedito Figueiredo, admitiu que o resultado geral do seu partido em todo o Estado, não foi satisfatório. O partido fez seis prefeituras, quando esperava eleger dez prefeitos. Além disso, perdeu uma cidade como Itabaiana. O PMDB elegeu vários vices-prefeito.

 

ROMPE

Pessoalmente, Benedito Figueiredo acha muito difícil manter o relacionamento com o Governo do Estado. Acha que o partido não teve qualquer apoio… Antecipa que está falando por ele e não pelo partido: “na minha avaliação fica difícil manter o relacionamento”. O PMDB fará uma reunião para tratar do assunto.

 

VERDES

O presidente regional do Partido Verde, Gilmar Carvalho, lembra que o seu partido nunca elegeu um vereador em Aracaju. Dessa vez fez Sandro de Miro. Gilmar acrescenta que o Partido Verde elegeu 13 vereadores em todo o estado. Até então só havia três. “Estou satisfeitíssimo”.

 

RECADO

Para Gilmar Carvalho a grande renovação que aconteceu na Câmara de Vereadores pode ser um recado aos deputados estaduais. Ele acha que a partir de agora os parlamentares vão ter mais cuidado na votação contra os trabalhadores, nos projetos enviados pelo executivo.

 

JANTAR

O ex-governador Albano Franco (PSDB) jantou, segunda-feira, em Brasília, com o deputado federal Jackson Barreto (PTB). Conversaram sobre as eleições no estado. Jackson estava animado porque a soma dos votos de cidades em que a oposição elegeu prefeitos é maior que a dos eleitos pelos partidos do Governo.

 

SAMARONI

O vereador Antônio Samaroni (PDT), não reeleito, disse ontem que o partido agora vai depender do senador Almeida Lima. Se ele fica ou não na legenda. Segundo uma fonte, Almeida Lima, que já deixou de lado o PSDB, teria revelado que não ficaria mais no PDT.

 

ALMEIDA

O senador José Almeida Lima (PDT) disse ontem que vai se reunir com os membros do partido no próximo final de semana, para discutir as eleições. Almeida acrescentou que está levantando alguns fatos, analisando os resultados, para levar em pauta durante o encontro.

 

ARRECADA

Segundo uma fonte da Secretaria da Fazenda, a arrecadação no mês de setembro bateu recorde, em relação aos demais meses dos quase dois anos de Governo. A mesma fonte diz que o secretário Max Andrade está animado, porque o ICMS tem apresentado um aumento a cada mês, o que é muito bom para Sergipe.

 

Notas

 

MARCÉLIO

O vereador Marcélio Bomfim (PDT), não reeleito, disse ontem que vai fazer uma avaliação do resultado das eleições: “talvez eu não tenha sido capaz de reagir à força do poder econômico”. Admitiu que o político deve estar preparado para quaisquer circunstâncias, inclusive a de saber perder e ganhar. Fez uma observação: “os vereadores que faziam oposição real ao prefeito de Aracaju, Marcelo Déda, não conseguiram se eleger. Só é verificar se quem combatia as grandes empresas e os parquímetros permaneceram lá”.

 

CONCLUSÃO

O vereador Marcélio Bomfim conclui que o povo concorda com “o mandonismo das empresas de construção civil, com a força das empresas de transportes e com os parquímetros”. Acha que foi julgado pelo eleitor, porque não pedia votos, mas que julgassem o seu trabalho na Câmara. Marcélio Bomfim disse que passou o tempo todo denunciando tudo isso, inclusive no Ministério Público, “e terminei não sendo reeleito”. Acha que isso demonstra que o prefeito Marcelo Déda é intocável em Aracaju.

 

PALESTRA

O secretário de Estado da Justiça e Cidadania, Emanuel Cacho, foi um dos palestrantes  do IV Congresso Tributário do Nordeste Brasileiro & II Congresso Internacional de direito tributário “Tributação num Período de Mudança”. Cacho proferiu palestra sobre o chamado crime do colarinho branco. O evento acontece no Teatro Tobias Barreto e será encerrado na sexta-feira. Na visão de Emanuel Cacho, dificilmente quem comete este tipo de o crime é punido, o que chega a ser até um certo estimulo para que novos crimes aconteçam.

 

É fogo

 

A Plamed, empresa de plano de saúde sergipana, teria sido vendida a um grupo pernambucano. O seu diretor presidente é Luiz Mittidieri.

 

O vereador Antônio Samarone considera que o ex-governador Albano Franco também saiu fortalecido nas últimas eleições.

 

A maioria da bancada federal retornou a Brasília ontem, depois de quase um mês em recesso branco para as eleições municipais.

 

O ex-governador Albano Franco manteve uma rápida conversa com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, ontem.

 

O delegado da Agricultura em Sergipe, Jorge Araújo, prepara-se para assumir a Assembléia Legislativa por dois anos.

 

O deputado Luiz Garibaldi deve retornar à Assembléia Legislativa como oposição. Ele continua chateado com atos do Governo.

 

O senador José Almeida Lima (PDT) se manteve em silêncio sobre as eleições municipais. O seu partido fez um único vereador: Fábio Henrique.

 

O vereador eleito Fábio Henrique já anunciou que vai se manter no partido é que é amigo do senador José Almeida Lima.

 

O prefeito Marcelo Déda ainda vai realizar a passeata da vitória em Aracaju, depois de retornar da viagem a Brasília.

 

Uma repórter da “Veja” entrevistou o governador João Alves Filho por telefone. Ela estava em Aracaju, mas o governador se encontrava em São Paulo.

 

A mesma repórter da revista continua em Aracaju, esperando o prefeito Marcelo Déda para entrevista-lo. Ele estava em Brasília.

 

Depois de mais de 20 anos ocupando uma cadeira na Câmara Municipal, o vereador Jidenal dos Santos (PL) perde as eleições.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais