RICARDO SURPREENDE

0

O advogado Pedro Barreto (Pedrinho) produziu um fato político novo, terça-feira, em Sergipe, ao declarar que o empresário Ricardo Franco (PSDB) estava disposto a colocar o seu nome à disposição do partido, para ser indicado como candidato a vice do governador João Alves Filho (PFL). A maioria dos políticos não acreditava no que ouvia e lia. Uns acreditaram, outros estranharam, alguns duvidaram e apareceu até quem procurasse desqualificar a informação, como foi o caso do deputado federal Jackson Barreto (PTB), que anunciou desconhecer procuração concedida a Pedrinho Barreto para falar em nome do ex-governador Albano Franco e do filho Ricardo. O advogado reconheceu que não podia falar em nome do PSDB e de Albano, “mas em nome de Ricardo eu posso”.

É verdade que Ricardo Franco autorizou ao amigo Pedrinho Barreto a fazer o anuncio à imprensa. Foi escolhido um programa de radio de boa audiência, como o do vereador Fábio Henrique. O assunto invadiu páginas de jornal e colunas políticas.

Na realidade o ex-governador Albano Franco (PSDB) está em boa posição política e é cobiçado para fazer composição com partidos políticos que têm candidatos ao governo do estado. O grupo majoritário do Partido dos Trabalhadores o quer aliado, assim como os partidos que formam o bloco de oposição a João Alves Filho e seu grupo. Sabe-se, também, que lideranças próximas ao governador querem reatar um entendimento com Albano Franco, embora um forte segmento do PFL contesta uma aliança. A base tucana se divide entre lançar candidato próprio, sugerindo que o partido lance um nome para o governo do estado. O mais indicado é o próprio Albano. Mas alguns dos seus correligionários acham mais correto um acordo com o PFL, sob argumento de que muita gente influente dentro do PT não vota no ex-governador, como já declarou abertamente o deputado estadual Francisco Gualberto. No campo do PFL, a senadora Maria do Carmo Alves lidera um grupo que recusa uma composição com os tucanos.

Tudo vai depender de muitas conversas dos dois lados. Certamente a posição de Ricardo Franco será encarada como uma sinalização para um entendimento com o PFL, assim como faz o PSDB a nível nacional.

Evidente que existem muitas mágoas a serem vencidas. De todos os lados. O ex-governador Albano Franco sempre formou um grupo político ao lado do governador João Alves Filho (PFL) e do senador Valadares (PSB). Iniciou-se em 1982 e já em 1986 aconteceu a primeira separação: Albano apoiou José Carlos Teixeira ao governo do estado, enquanto João Alves ficou com Valadares, contando com a fervorosa participação do deputado Jackson Barreto (PTB). Em 1987, como prefeito da Capital, Jackson é descartado através de uma intervenção na Prefeitura, que o fez deixar o mandato. Desse período até 1990, Jackson fez as pazes com João Alves e se voltou contra o então governador Valadares e o então senador Albano Franco que, em 1990, já estavam todos no mesmo grupo – escanteando Jackson Barreto – e fecharam um novo acordo com João Alves Filho para cumprir a palavra de Valadares, que garantiu passar-lhe o governo. Albano continuou senador e, poucos meses depois, mesmo sem mandato, Valadares se afastou e foi fazer oposição, juntando-se a Jackson Barreto, João Augusto Gama e Marcelo Déda em 1994, para derrotar o candidato de João Alves Filho ao governo, senador Albano Franco.

Eleito, Albano rompeu com o governador João Alves Filho e aliou-se ao seu adversário eterno: Jackson Barreto, para ser reeleito enfrentando exatamente quem o indicou em 94. Jackson perdeu para o Senado e se afastou de Albano porque considerou que os seus eleitores não aprovaram o acordo, mostrando isso nas urnas. Em 2002 João Alves retorna ao governo ao derrotar José Eduardo Dutra no segundo turno, mesmo que Dutra tivesse apoio de Déda, Valadares, Albano e etc…

Hoje aliados e adversários de ontem procuram Albano Franco, que ainda não definiu posição, embora o seu partido, o PSDB, esteja unido ao PFL a nível nacional, para derrotar o PT. O imbróglio não está muito longe de chegar ao fim.

 

 

RICARDO

O empresário Ricardo Franco (PSDB) reafirmou ontem tudo o que foi divulgado pelo advogado Pedrinho Barreto. Não muda uma única virgula.

Acrescentou que a partir de janeiro está disposto – e vai faze-lo – a aprofundar as conversas políticas visando uma candidatura sua.

 

DESQUALIFICA

O deputado federal Jackson Barreto (PTB) considerou que Pedrinho Barreto não era procurador do ex-governador Albano Franco (PSDB), nem do empresário Ricardo Franco.

Aconselhou a Pedrinho Barreto a procurou uma ocupação porque está há muito tempo ocioso: “ele precisa trabalhar”, acrescentou.

 

EXPLICA

Pedrinho Barreto diz que sai de casa todos os dias às 8:30 horas e retorna às 19 horas e “não uso esse tempo para enganar o povo”.

Diz que Ricardo Franco o autorizou a divulgar que colocará o seu nome à disposição do PSDB para ser candidato a vice-governador na chapa liderada pelo governador João Alves Filho (PFL).

 

CONSELHO

Pedrinho Barreto aconselho o deputado Jackson Barreto a se envolver nas questões do PTB e dos seus agregados e não procurar desqualificar o posicionamento de Ricardo Franco.

Segundo Pedrinho, Jackson quer Albano Franco indique o vice de Déda (PT) e seja candidato a deputado federal para dar legenda. Jackson quer José Eduardo Dutra candidato ao Senado.

 

ALBANO

O ex-governador Albano Franco reconheceu que Pedrinho “é o melhor amigo de Ricardo. Entendo que ele quis estimular Ricardo a participar da política”.

Albano entendeu também que o seu filho Ricardo “quis deixar claro que não temos compromisso com ninguém em 2006”.

 

DISCUSSÃO

Albano Franco disse que “esse suposto acordo pregado por Pedrinho nunca foi discutido com o governador João Alves ou com o PFL”.

Franco deixou claro, entretanto, que o PSDB não tem compromisso firmado com o PT e que foi à inauguração da sede da prefeitura. “Acho a obra importante e fui convidado por Déda, com quem tenho uma boa relação”.

 

CONVITE

O ex-governador Albano Franco revelou que iria convidar o governador João Alves Filho para participar do ato que o PSDB realiza no próximo sábado

Não o fez porque o deputado federal Bosco Costa entendeu que não deveria convidar nenhum presidente de partido.

 

BOSCO

O presidente regional do PSDB, deputado federal Bosco Costa, considerou legítimo o empresário Ricardo Franco tentar disputar um mandato nas próximas eleições.

Quanto a ser vice na chapa do governador João Alves Filho considerou que não sabe se isso pode acontecer: “mas em política tudo é possível”.

 

PREOCUPAÇÃO

Bosco Costa disse que se preocupa muito com o eleitor, que hoje está politizado: “qualquer coligação é preciso analisar como o eleitor vai se comportar”, disse.

Acha que para uma composição ter sucesso é preciso avaliar e pesquisar o que o eleitor quer. Lembra que está falando isso no geral.

 

PRÓPRIO

Na realidade o deputado Bosco Costa prefere que o seu partido tenha candidato próprio e quer que Albano Franco (PSDB) dispute o governo do estado.

Diz que desde 2003 se fala em Déda e João como candidatos, sinalizando para uma polarização, “mas isso não impede um novo candidato”, conclui.

 

BRASÍLIA

O governador João Alves Filho passou a terça-feira em Brasília. Esteve com os ministro Jaques Wagner, da Coordenação Política, e com Dilma Rousseff, da Casa Civil.

João esteve também com ministros do STF, com o vice-presidente José Alencar e ontem viajou a Belo Horizonte para uma conversa com o governador Aécio Neves.

 

CONVITES

O objetivo dos encontros em Brasília e Belo Horizonte foi convidar a todos para participar da Cúpula Mundial da Família, que acontece em Aracaju sábado.

João Alves passou parte da manhã de ontem convidando parlamentares e governadores de todos os Estados para participarem “do maior evento mundial já sediado por um governo sergipano”.

 

NONÔ

O deputado federal José Thomás Nonô (PFL-AL) fará palestra, hoje, em Aracaju, sobre a conjuntura política e econômica brasileira atual.

Será no auditório da CDL, às 19 horas, durante o lançamento do cartão Banese Card de afinidade com a Federação das Câmaras de Diretores Lojistas (FCDL).

 

COMPARAÇÃO

Durante conversa que teve com amigos, ainda em Brasília, o deputado Thomás Nonô disse que o Partido dos Trabalhadores tinha um novo símbolo.

Em tom de brincadeira anunciou: “trocou a estrela por uma lagosta – tem casca grossa, bosta na cabeça e vive nas costas do Brasil”.

 

 

Notas

 

FONTES

O deputado João Fontes (PDT) foi um dos que usou da tribuna para apoiar a cassação. Disse que o deputado José Dirceu (PT-SP) não é tão inocente quanto alega ter. “Tem várias almas, inclusive a alma chorosa que mostrou hoje aqui; mas o que vamos julgar é sua alma como ministro-chefe da Casa Civil”, afirmou.

Para João, não é possível acreditar que as irregularidades no governo Lula se devem apenas a assessores do PT, como Delúbio Soares. “Dirceu sempre foi homem superpoderoso. Dizer que ele não sabia das irregularidades é ingenuidade”.

 

SÃO FRANCISCO

Desde ontem a cidade de São Francisco tem nova prefeita: Maria Acácia Costa de Araújo (PFL), que, como suplente, assumiu o mandato, elegeu-se presidente da Câmara e assumiu a Prefeitura, em lugar do prefeito afastado Altamiro Nascimento (PPS). Ela é aliada o ex-prefeito e terá que marcar nova eleição para 90 dias.

Altamiro, entretanto, está otimista com o julgamento, pelo Tribunal de Justiça, do agravo que, se acatado, derruba o seu afastamento. Mas o caro não deve parar aí, porque a questão pode ser levada a instâncias superiores.

 

MEDÍOCRE

O senador Almeida Lima (PMDB), em discurso ontem, acusou o governo de medíocre, devido a sua “incapacidade de perceber a importância das universidades públicas federais na construção da cidadania, de uma sociedade livre e de uma nação autônoma”, ao se recusar a negociar com os professores em greve.

Almeida disse ter recebido denúncia segundo a qual professores de ensino médio das escolas técnicas tiveram suas reivindicações atendidas porque seus sindicatos permanecem vinculados à Central Única dos Trabalhadores(CUT).

 

 

É fogo

 

O TRE suspende o atendimento os eleitores na rua de Itabaianinha e no Ceac (shopping Riomar) com vistas aos procedimentos de inscrição, revisão, transferência e 2ª via de título.

 

O motivo da transferência é criação de uma nova Zona Eleitoral, a 36ª, o que ocupara a Secretaria de Informática do TRE no Banco de Dados do Cadastro Eleitoral,

 

O Tribunal de Contas do Estado entregou ontem um Uno, em termo de comodato, a Almir do Picolé, conhecido por sua atuação em favor de famílias carentes.

 

O presidente do TC, Hildegards Azevedo, através dessa iniciativa, ajudar Almir a manter uma creche com 52 crianças, instalada no bairro Piabeta, em Nossa Senhora do Socorro.

 

De um lado, consumidores endividados. Do outro, vendas fracas a menos de um mês do Natal. O cenário fez com que supermercados recorressem ao crédito na hora de estimular a compra de alimentos.

 

No Extra é possível pagar produtos da cesta de Natal em quatro meses, no cartão do próprio supermercado. O G. Barbosa sempre parcelou compras em qualquer época do ano.

 

A deputada Goretti Reis (PFL) pode recorrer ao Ministério Público Federal para que a Funasa em Sergipe dê explicações sobre mudanças no programa de investimentos no final de 2005.

 

O professor Acrísio Gonçalves de Oliveira foi agredido violentamente a socos no interior da Escola Municipal Jamil Elias Jasmin, em Estância.

 

O aumento da violência nas escolas assusta pais, alunos e professores e tem servido de base para discursos do vereador Iran Barbosa e da deputada Ana Lúcia.

 

Para o deputado Ulices Andrade, alguém dizer que o PSDB não tem quadros para disputar o governo é desconhecer a realidade de Sergipe.

 

O Palácio da Justiça e o Fórum Gumercindo Bessa terão momentos de músicas natalinas, organizados pelo programa Bem-estar.

 

O Brasil está saindo da rota de atração de investimentos de grandes projetos siderúrgicos devido a valorização do real frente ao dólar e ao aumento de custos de equipamentos, serviços e tributos.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários