Ruim, porém mais caro

0

O aracajuano começa a semana pagando 7,14% mais caro pela passagem de ônibus, embora o serviço permaneça ruim, pois os coletivos só andam lotados e vivem quebrando. Está enganado quem pensa que a ‘gracinha’ feita às concessionárias pela Prefeitura afeta apenas o bolso dos usuários do sistema: o aumento da tarifa prejudica a todos indistintamente, inclusive quem anda de carro importado. É que os 7,14% serão repassados aos preços dos produtos pelo comércio varejista. Segundo o presidente da Federação das Câmaras de Diretores Lojistas, Gilson Figueiredo, não há como não fazer o repasse, já que os empresários arcam com 94% do custo do vale-transporte, que representa 50% do faturamento das empresas de ônibus. Tomara que as reações da sociedade contrárias ao reajuste não cessem, para forçar a Prefeitura a exigir um serviço de melhor qualidade e que justifique a cobrança da segunda passagem mais cara do Nordeste.

Posse na Assembléia

Esta será uma semana de posses no Parlamento. Amanhã, assumirão seus mandatos os deputados estaduais, federais e senadores. Em Aracaju, a festa será às 15h na Assembléia Legislativa, que empossa 15 deputados reeleitos, três que estão retornando à Casa após um período sem mandatos, e seis estreantes no Parlamento. Logo após a posse, os deputados elegerão a nova Mesa Diretora, que será presidida pela deputada Angélica Guimarães (PSC), tendo na 1ª Secretaria a petista Conceição Vieira.

Mudança no TJ

Na quarta-feira, a festa será no Tribunal de Justiça de Sergipe. Em sessão solene marcada para as 17 horas, no auditório do Palácio da Justiça, tomará posse a nova Mesa Diretora daquele Poder. Os desembargadores José Alves Neto, Osório Araújo Ramos Filho e Netônio Bezerra Machado serão empossados, respectivamente, nos cargos de presidente, vice-presidente e corregedor Geral da Justiça. José Alves Neto, que entrou para a magistratura em 1970, substituirá na presidência do TJ o desembargador Roberto Porto.

Desafio porreta

Instigado por comentário de um advogado discordando de sua decisão contrária à exigência de exame da OAB, o desembargador federal Vladimir Carvalho municiou-se para a luta. Em carta enviada ao jornalista Ivan Valença, ele revela que se debruçou sobre a matéria ligada ao tema e escreveu um livro. Agora, o desembargador espera que o advogado também produza um livro defendendo a constitucionalidade do exame, para que os dois trabalhos literários sejam lançados ao mesmo tempo, engrandecendo assim o debate jurídico que a matéria reclama. E aí, doutor causídico, vai topar o desafio?

Luto

Sergipe perdeu ontem um ilustre sergipano: o professor João Costa, que morreu vítima de câncer. Aposentado da Universidade Federal de Sergipe, ele lecionou também em vários cursinhos, tendo sido precursor do teatro em nosso Estado e um dos fundadores da Sociedade Sergipana de Cultura e Arte. O mestre foi sepultado no final da tarde de ontem, no cemitério Colina da Saudade.

‘Seo’ Josias

Foi sepultado ontem, o velho e bom garçon do restaurante Cacique Chá, ‘seo’ Josias. Ele era pai do desportista Ramon Barbosa e do conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Clovis Barbosa. Figura descente e torcedor roxo do Flamengo, ‘seo’ Josias cativava a todos com a sua simpatia. Em dias de jogo do Mengão, o simpático garçon circulava pelo Cacique com o radinho de pilha colocado ao ouvido. Enquanto servia a cerveja, informava o resultado do jogo, principalmente se o Flamengo estivesse vencendo. Os sentimentos da coluna à família deste ilustre cidadão.

Vaga do partido

A coluna aposta uma mariola como, se assumir a vaga a ser aberta pelo deputado Zeca da Silva (PSC), Gilmar Carvalho (PR) não esquentará a cadeira por muito tempo. Basta o suplente do PSC, Vitor Mandarino, recorrer ao Supremo para substituí-lo na Assembléia. Exemplo disso foi dado, a semana passada, quando o presidente do STF, Cezar Peluso, determinou que a Câmara Federal empossasse Francisco Escórcio (PMDB-MA), sexto suplente da coligação que elegeu Pedro Novais (PMDB-MA). A decisão de Peluso segue o entendimento do Supremo de que o mandato pertence ao partido e não à coligação.

Bar eclético

O Bar de Abelzinho, ali na agradável varanda do Iate Clube de Aracaju, está se transformando num local eclético, onde é possível encontrar políticos governistas e situacionistas em mesas quase coladas. Sábado passado, disputavam o mesmo espaço e esbanjavam fidalguia o secretário estadual Bosco Mendonça, os deputados José Carlos Machado (federal) e Augusto Bezerra (estadual) e o ex-deputado Pedrinho Valadares. Apesar do forte calor que fazia, as conversas foram amenas, naturalmente temperadas à cerveja gelada e saborosos quitutes. E viva a democracia!

Dá-lhe, Mengão!

E aí, gostou do clássico Flamengo e Vasco? Pois é, o Mengão atropelou o time da cruz de malta, que não tem mais chance de conquistar a Taça Guanabara. O Vasco foi a quarta vítima seguida do nosso rubro-negro, que está pintando como o próximo campeão carioca. Quer apostar uma mariola?

Do baú político 

Os líderes políticos do PSD e do PTB nunca engoliram a derrota nas eleições governamentais de 1954, vencidas pelo udenista Leandro Maciel. Em seu livro ‘Júlio Leite, o chefe invisível’, o jornalista Ricardo Leite revela que várias urnas foram trazidas do sertão da Bahia e trocadas nas seções. Antes eram emprenhadas com votos de Leandro. A coisa chegou a tal ponto que uma das urnas foi esquecida num jipe de um udenista. Revoltados, os políticos do PSD e PTB recorreram à Justiça contra as fraudes.  Em seu jornal Folha Trabalhista, de Estância, os petebistas denunciaram que na eleição votaram mais de 100 defuntos. Apesar das queixas dos derrotados, Leandro tomou posse, cumpriu o mandato e, na eleição seguinte, venceu novamente com a eleição de Luiz Garcia para o governador.

Resumo dos jornais


 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários