Sem pular de palanque

0

O prefeito Marcelo Déda (PT), apesar de cansado pela campanha para a reeleição, está despachando normalmente de seu gabinete, na Prefeitura de Aracaju, acha que a partir de agora é continuar o ritmo de trabalho administrativo, para fechar o ano sem problemas, seguindo as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal. Na reunião que terá, hoje, com todo seu secretariado, vai transmitir o que pensa sobre as mais diversas especulações em torno de sua candidatura ao Governo do Estado em 2006. Pedirá tranqüilidade sobre comentários de mudanças na equipe e praticamente exigir que ninguém antecipe nada em relação ao seu futuro político. Acha que tem de planejar a nova administração e, pessoalmente, pensa apenas em iniciar um trabalho que seja digno dos votos que recebeu: “desci do palanque e não vou pular em outro”, disse ele.

 

Apesar da tranqüilidade que vai transmitir, hoje, à sua equipe, porque acha que a eleição não pode interromper o que fora traçado para estes últimos meses é absolutamente certo que haverá mudanças no secretariado. O prefeito Marcelo Déda, durante conversa com um político do bloco aliado, disse que seria impossível não haver algumas alterações no grupo que administra o município, porque faz parte de uma coligação e “preciso ouvir as pessoas que estiveram comigo e refletir onde pode ser colocado auxiliares que satisfaçam a segmentos desse bloco”. O prefeito não deseja criar expectativas nem desânimo na atual equipe em torno do “Quem vai ficar! Quem vai sair!” Porque a administração continua e não pode ficar sob a tensão da dúvida, naturalmente provocada por um clima de mudança que ele não deseja deixar se espalhar pela Prefeitura.

 

Quanto à uma possível candidatura ao Governo do Estado ou qualquer outro mandato, o prefeito Marcelo Déda evita fazer longos comentários. Mas revela que, por mais que digam que ele exerce o comando, “sou disciplinado e o Partido dos Trabalhadores é que vai definir candidatos em 2006”. Acha que a legenda tem outros nomes, como o próprio presidente da Petrobrás, José Eduardo Dutra (PT), e todos devem ser ouvidos na hora das definições: “não darei cotovelada em ninguém”, garante.

 

Para Marcelo Déda, política não é aritmética, mas sensibilidade para conquistar novos aliados e consolidar um bloco. O seu desejo é manter as oposições unidas, coesas e disposta sempre a ir à luta. O prefeito reeleito acredita que a sua coligação e o Partido dos Trabalhadores está melhor do que antes, porque conquistou um maior número de prefeituras. Lembra que na eleição de José Eduardo Dutra, em 2002, contava com apenas 15 prefeitos e, a partir de agora, pretende reunir muito mais. Ensina que “o alicerce não é só pedra, mas também o cimento”. E esclarece: “o cimento é o diálogo, a ajuda, a conquista, a unidade. É o que junta para erguer o prédio”. Marcelo Déda disse que sabe da responsabilidade como prefeito, principalmente agora com o percentual de votos que obteve. Vai manter uma boa relação e o respeito com o Governo do Estado: “afinal, todos nós descemos dos palanques e sei diferenciar campanha de convivência administrativa”.

 

Evidente que esse relacionamento do município com o estado sempre aconteceu de forma civilizada, porque também é do estilo do governador João Alves Filho (PFL), mas não há dúvida que o ano de 2005, apesar de não ter eleição e ser favorável à realização de projetos, será prenhe de especulações, que são naturais, e de algumas provocações em torno de uma possibilidade política possível de acontecer ou não. Claro que o governador vai se articular para ir em busca de fortalecimento e o mesmo acontecerá com o prefeito e seus aliados, numa ação preliminar à consolidação de uma tendência política ainda indefinida. Já se pode avaliar que João Alves Filho é candidato à reeleição e conhece bem os caminhos das pedras, com a experiência de seis eleições, cinco das quais vitoriosas. Também sabe que uma ação junto às Prefeituras Municipais, o Governo do Estado tem maior rapidez do que o Federal e certamente essa eficiência será posta em prática, também para a consolidação de um projeto de poder.

 

Nessa visão de habilidade, sem somar a experiência, qualquer previsão é precipitada, porque caracteriza picos de euforia por um momento de vitória que repercute em todos os recantos do estado.

 

VIAGEM

Na última semana deste mês, o prefeito Marcelo Déda (PT) vai tirar dez dias de licença, sem remuneração, para viajar à disposição do partido e ajudar no segundo turno. O presidente do PT, José Genoino, telefonou para Deda ontem e sugeriu que ele viajasse a Maceió, Natal, Fortaleza, Cuiabá e São Paulo, onde o partido disputa o segundo turno.

 

EQUIPE

O prefeito Marcelo Déda vai reunir hoje todo o seu secretariado, para tratar sobre o fechamento do ano e retomar a administração, como já o fez desde quarta-feira. Com os secretários vai deflagrar todo o processo de autorização de projetos que serão executados no próximo ano.

 

SATISFEITO

O líder do PFL na Câmara, José Carlos Aleluia (BA) sentou ao lado do governador João Alves Filho, quarta-feira, durante almoço na embaixada da Espanha. Disse que João Alves estava muito satisfeito com o resultado das eleições municipais em Sergipe, principalmente pelo crescimento do seu bloco político.

 

BORNHAUSEN

O governador João Alves Filho (PFL) esteve com o presidente nacional do partido, Jorge Bornhausen e fez um relato das eleições municipais em Sergipe. João estava satisfeito, afinal, proporcionalmente, Bahia e Sergipe elegeram o maior número de prefeitos do PFL, proporcionalmente. Os dois fizeram 38% dos eleitos.

 

ANÁLISE

O deputado federal Jorge Alberto (PMDB) percebeu uma mudança no perfil sócio-político brasileiro, ao analisar a força do poder econômico nas eleições. Diz que no passado, estava no poder a chamada elite de direita. Hoje está a elite da esquerda: “essa mudança é uma realidade”.

 

PESQUISAS

Jorge Alberto também fez observação crítica a respeito das pesquisas eleitorais: “não são pesquisas de opinião. São pesquisas para formar opinião e induzir o eleitorado”. O deputado disse, em discursos na Câmara, que há necessidade de regulamentar as pesquisas eleitorais, estabelecendo critérios para evitar que induzam os eleitores.

 

CONVERSA

Atendendo a um chamado, o deputado federal João Fontes (Psol) fez uma visita ao ex-deputado Antônio Francisco, na Penitenciária de São Cristóvão. Conversaram muito e Antônio Francisco reafirmou que é inocente e, politicamente, se declarou decepcionado com o ex-governador Albano Franco (PSDB), porque não fez nada por ele nesse processo.

 

OPINIÃO

Na opinião de João Fontes, o eleitorado de Itaporanga elegeu Gracinha, filha de Antônio Francisco, porque não acreditou que ele participou do crime. O deputado também lembrar que a população de Tomar do Geru elegeu Eliseu porque também não acredita que ele mandou assassinar o ex-vereador Carlos Gato.

 

PÓLO

O deputado João Fontes vê, claramente, que o prefeito Marcelo Déda (PT) se transformou em um pólo forte das oposições para 2006. Na avaliação do parlamentar, não aconteceu uma eleição apenas para eleger o prefeito de Aracaju, mas para indicar o candidato ao Governo do Estado.

 

LICITAÇÃO

O Governo Federal já vai lançar o edital de licitação para as obras de transposição do rio São Francisco. Vão transpor um terço da vazante do rio. Apenas 10% da água serão utilizados para consumo humano e animal. Os 90% restantes vão incentivar o criatório de peixes e camarões.

 

MOVIMENTO

Hoje, em Penedo e Neópolis, pescadores vão impedir a travessia das balsas que levam carros e caminhões de Sergipe para Alagoas e vice-versa. Dia 14 haverá uma audiência pública em Propriá sobre a transposição do rio São Francisco. Logo após, os participantes vão fechar a ponte que liga Sergipe a Alagoas.

 

REUNIÃO

O senador José Almeida Lima (PDT) deve reunir o partido, esse final de semana, para discutir as eleições municipais desse ano. Almeida defendia que o partido saísse com candidato à Prefeitura e, segundo comentário, não está satisfeito com a queda de vereadores em Aracaju.

 

MACHADO

O deputado José Carlos Machado (PFL) telefonou para o prefeito Marcelo Déda para cumprimentá-lo pela vitória. Ontem, Déda lhe deu o retorno e ouviu: “não lhe apoiei, não sou seu aliado, mas você merece os meus aplausos”. São amigos desde quando eram deputados estaduais.

 

PAIXÃO

O deputado federal Ivan Paixão (PPS) reconheceu que, se não fosse o problema de Itaporanga, “que é lamentável”, o partido saiu-se bem nas eleições municipais. Disse que o PPS fez cinco prefeitos e seis vices. Está fazendo o levantamento do número de votos, para avaliar o crescimento em Sergipe.

 

Notas

 

ENCONTRO

O presidente da República, Lula da Silva (PT), quer se reunir com governadores do Nordeste, para voltar a discutir a reforma tributária. Os governadores desconfiam que o Governo Federal que criar os mecanismos de compensação da unificação do ICMS, que é o principal imposto estadual. O governador João Alves Filho (PFL) considera que o Governo Federal terá grande dificuldade em tentar um novo acordo. a partir do momento em que quebrou a confiança ao não cumprir o que tratou com os estados.

 

PREFEITOS

Os prefeitos de várias capitais foram ao Congresso Nacional, quarta-feira passada, para pressionar os parlamentares a aprovar, até o final do ano, a emenda constitucional que trata da reforma Tributária. O prefeito Marcelo Déda (PT) disse que os municípios precisam da aprovação da reforma até o final do ano. Para Déda, se o Congresso não aprovar e promulgar as mudanças tributárias, os pequenos municípios terão dificuldade de cumprir a lei de responsabilidade fiscal. Os prefeitos de pequenos municípios serão os mais prejudicados.

 

MARCOS

O deputado estadual Marcos Franco (PMDB) reconhece a vitória do prefeito Marcelo Déda em Aracaju, mas lembrou a importância do seu partido ter lançado um candidato próprio à Prefeitura de Aracaju. Há muitos anos que um partido que sempre foi a bandeira da oposição em Sergipe, não encabeçava chapa majoritária. Marcos Franco comemorou a vitória de doutor Gonzaga para a Câmara Municipal, que foi bom para o PMDB. Alertou aos políticos que o eleitor é inteligente, sabe em quem votar e que seus representantes devem trabalhar mais.

 

É fogo

 

Tem gente fazendo perspectivas para a candidatura do prefeito Marcelo Déda a presidente da República, em 2010, enfrentando Aécio Neves.

 

A sessão na Assembléia Legislativa tem servido apenas para os deputados exaltarem a vitória de alguns candidatos dos seus partidos.

 

O Governo do Estado já tem um levantamento político de como ficará Sergipe depois das eleições deste ano.

 

O ex-prefeito Jerônimo Reis deve sair candidato a deputado federal nas eleições de 2006. Trabalha para isso.

 

O pleito de 2006, aliás, será um dos mais difíceis para deputado federal, porque terão nomes fortes da política sergipana.

 

O governador João Alves Filho acha que para uma nova rodada de conversa com o Planalto é preciso cumprir o acordo anterior, a começar do FDR.

 

A maioria dos municípios sergipanos, principalmente depois das eleições, está em situação extremamente difíceis.

 

Na avaliação do deputado estadual Garibalde Mendonça (PDT) o partido melhorou sua performance no interior do Estado.

 

Os deputados federais estão se manifestando, em Brasília, sobre as eleições em Sergipe. Todos eles se acham vitoriosos.

 

A partir do dia 15 de outubro serão liberadas mais de 1,6 milhão de restituições do imposto de renda.

 

A Receita Federal liberou a consulta ao quinto lote de restituições do Imposto de Renda. Está no site desde as 15 horas de ontem.

 

As cadernetas de poupança registraram captação líquida negativa em R$ 361,232 milhões em setembro.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais