Senado 2010: complicações eleitorais

0

A disputa pela vaga de senador em 2010 deve consumir muitas horas de articulação em todos os partidos e de todos os pretensos candidatos, mas serão horas de extrema turbulência, porque embora o projeto do agrupamento político coordenado pelo governador Marcelo Déda esteja funcionando perfeitamente, fica difícil conduzir um grupo que contém lideranças expressivas, onde num momento declaram obediência ao projeto macro, noutro, atuam com tanta desenvoltura em relação aos acordos futuros, que explicitam-se como descompromissados com o projeto piloto.

 

O que  acabou-se de presenciar no último dia 05 de outubro, foi à eleição para prefeitos e vereadores, mas o mundo político sabe que os apoios ofertados nos diversos municípios, pelas lideranças mais expressivas de cada agrupamento, objetivaram amarrar a reciprocidade eleitoral. Sendo que alguns fizeram questão de esboçar determinadas composições como foi o caso de Jackson Barreto, que talvez, por acreditar numa lenda do conforto financeiro de quem segue ao lado do PSC, permitiu que se ganhasse corpo uma possível dobradinha para 2010 entre ele e atual deputado federal Eduardo Amorim.

 

É exatamente desse comportamento que surge a complicação, em determinada oportunidade, como se para adoçar os lábios de Déda, afirmam publicamente que seguirão à coordenação dele, minutos após se antecipam na formação de chapas e na criação de parcerias eleitorais que contrariam a orientação do projeto. Mas a pergunta que se faz é: Se tal situação é boa para Jackson. Que grau de dificuldade ela traria para Marcelo Déda?

 

É preciso se buscar essa resposta considerando que Déda precisará contemplar o desejo de Jackson em disputar um mandato de senador. Mas terá que administrar sua base de apoio, na qual já possui, como representante de Sergipe no Senado, o simãodiense Antonio Carlos Valadares que sempre foi fiel aos compromissos assumidos, e que tem no histórico o fato de ter conduzido Zé Eduardo para o Senado num momento eleitoral muito difícil. Por isso a declaração de Déda na última quarta-feira reafirmando o apoio a Valadares e a Jackson, mas não fechando as portas para Amorim se o peemedebista optar por uma candidatura a vice-governador e tiver o referendo de todas as lideranças da base governamental. 

 

Confiança distribui 550 “cortesias”

Um absurdo! A diretoria do Confiança parece que não precisa de dinheiro. Todo jogo são 550 cortesias distribuídas: 300 nas cadeiras e 250 nas arquibancadas. Nas cadeiras os ingressos vão para familiares dos jogadores e os patrocinadores. Na arquibancada os ingressos vão para as promoções da imprensa. A diretoria devia acabar com isso. Só ceder alguns ingressos para os familiares dos jogadores e ponto final. Quem quer ajudar o Confiança deve comprar e não virar “biguzeiro”.

 

Veículos na maioria dos policiais

O presidente da FSF, Carivaldo de Souza, explicou ontem, 23, que os carros que ficam estacionados na parte interna do Batistão, entrando pelo portão da Federação são em sua grande maioria dos policiais militares que estão trabalhando no local e de alguns dirigentes. Disse que tem sérios problemas para barras policiais que insistem em levar familiares para assistir aos jogos e querem entrar de graça. Reconheceu que o atual comandante, coronel Magno, vem tentando mudar essa realidade, mas muitos policiais não entendem.

 

Ameaça a dirigente do Confiança

Já o dirigente do Confiança, Aurélio, a quem este jornalista conhece há muito tempo, disse que a pedido da diretoria vem ficando no portão de acesso da torcida do dragão e vem sentindo na pele a falta de compreensão de alguns policiais militares que querem entrar de graças com acompanhantes. Citou o exemplo, na última quarta-feira de um sargento que queria colocar duas pessoas e como ele barrou recebeu ameaças do mesmo no tom de “você me paga” e provocou um grande tumulto. Ontem, 23, Aurélio iria fazer a denuncia ao coronel Magno. É preciso que a Assembléia aprove um projeto de lei, como já tem em outros estados, proibindo a entrada gratuita dos policiais, imprensa e tudo mais que não estiverem trabalhando nos jogos.

 

Eunice Dantas rebate afirmativas de Mendonça

A procuradora da República, Eunice Dantas, ofereceu esclarecimentos à imprensa a respeito da ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-secretário de Estado da Administração, Mendonça Prado. Segundo a procuradora, o pronunciamento foi motivado por “inverdades” que teriam sido ditas por Mendonça em entrevista coletiva concedida na quarta-feira, 22. O deputado é acusado de improbidade administrativa por irregularidades em licitação de dezembro de 2005, época em que dirigia a Secretaria de Estado da Administração (Sead). Na ocasião, ele teria movimentado irregularmente o processo de compra de computadores, no valor de R$ 4 milhões, da empresa Itautec.  De acordo com Eunice Dantas, não foi constatado indícios de enriquecimento ilícito nem de prejuízo ao erário público. Porém, foram desrespeitados princípios da administração pública, como o da imparcialidade, o que também caracteriza a improbidade.

 

“Houve um direcionamento à Itautec”, diz promotora

Como informa a procuradora, o MPF confirmou cinco irregularidades na licitação. Não aconteceu pesquisa de preços para averiguar os benefícios do contrato. Eunice informa que a tramitação do ato licitatório na Agência de Tecnologia da Informação de Sergipe (Agetis) também não ocorreu de forma regular. Houve também posicionamentos contrários à contratação da Itautec dentro da própria agência. A ordem de fornecimento dos computadores, segundo a procuradora, foi anterior à assinatura do contrato. Além disso, na época da licitação, a Itautec estaria em situação irregular com a Receita Federal, o que a impossibilitava de participar da disputa. “Houve um direcionamento à Itautec”, afirmou Eunice Dantas.

 

“Inverdades”

A procuradora contestou afirmações do deputado Mendonça Prado. O parlamentar teria dito que a ação contra a licitação irregular teria sido representada por um primo do assessor de Eunice Dantas, responsável pelo caso. Ela informa que a ação foi representada por uma associação de fornecedores de equipamentos de tecnologia. O primo de seu assessor teria figurado na ação apenas como testemunha.  “Mesmo que não houvesse a participação dele, a ação teria sido instaurada, pois quatro das cinco irregularidades não necessitariam de sua intervenção”, alega Dantas. Ela acrescenta que tudo o que foi dito foi comprovado por provas documentais. De acordo com a procuradora, caso Mendonça prado seja julgado culpado, ele poderá sofrer perda da função púbica, perda dos diretos políticos de três a oito anos, além de pagar multa. “A Justiça deverá fazer a dosagem correta”, declara Dantas (Infonet).

 

“É tudo mentira”, afirma Amorim sobre seu apoio a Luciano

Deu no portal ITnet: “O Deputado Federal Eduardo Amorim, em conversa com a  ITnet, falou muito triste dos boatos que espalharam, no intuito de prejudicar a relação entre os Amorins e a Prefeita Maria Mendonça. “Nunca procurei o ex-prefeito  para parabenizá-lo, nunca mandei fogos para campanha, muito menos pedi apoio político, isso é tudo armação de um grupo de fofoqueiros de plantão, que vivem em função de prejudicar a vida alheia.”.

 

Concurso: 300 vagas para agentes de saúde e de combate às endemias

Aracaju deverá contar em 2009 com mais 300 profissionais para cuidar da saúde da população. O prefeito Edvaldo Nogueira lançou na manhã de hoje, quinta-feira, os editais de concursos públicos com 200 vagas para agentes de combate às endemias e 100 para agentes comunitários de saúde. Durante a coletiva à imprensa, Edvaldo também anunciou a decoração natalina da cidade e toda a programação para o réveillon na orla de Atalaia. Segundo o prefeito, o edital de seleção para este cargo de nível fundamental será publicado no Diário Oficial do Município no dia 28 deste mês, estabelecendo o período de inscrições de 3 a 16 de novembro. “A data de aplicação das provas é 7 de dezembro, enquanto a divulgação do resultado final está prevista para 30 de dezembro. Todo o processo será coordenado através da Universidade Federal Fluminense”, acrescentou. (PMA).

 

Feriado do “Dia do Servidor Público”

O Governo do Estado antecipou para a próxima segunda-feira, 27, o feriado alusivo ao “Dia do Servidor Público” do dia 28 de outubro (terça-feira). Esta é uma das datas previstas pelo decreto 25.116/A, publicado em 6 de março de 2008 para otimizar a promulgação freqüente de decretos instituindo os feriados e pontos facultativos na administração pública estadual. No documento, consta a relação de todos os dias de feriado nacional, estadual e pontos facultativos em 2008. Os demais feriados constantes do decreto são 2 de novembro (Dia de Finados), 15 de novembro (Proclamação da República), 24 de dezembro (Véspera de Natal), 25 de dezembro (Natal), e 31 de dezembro (Véspera de Ano Novo). Excetuam-se dessas datas os serviços considerados essenciais. (ASN).

 

Termina greve dos bancários da Caixa e do BNB 

Na assembléia de ontem, 23, noite, os bancários da Caixa Econômica e do Banco do Nordeste – BNB -, que permaneceram na greve durante o dia de hoje, decidiram aceitar a proposta e votar ao trabalho amanhã. Nos demais bancos (BB, Banese e privados), os bancários já haviam aceitado a proposta apresentada pela Federação Nacional dos Bancos.   Entre as propostas aceitas: Reajuste de 10% para os bancários com remuneração atual de até R$ 2.500 e de 8,15% para os trabalhadores com remuneração atual acima de R$ 2.500,00. Para as demais verbas, o reajuste seria de 8,15%, da seguinte forma: – Auxílio alimentação/refeição de R$ 323,84 por mês para R$ 350,23 – Auxílio cesta alimentação de R$ 252,33 por mês para R$ 272,89 – 13ª cesta alimentação de R$ 252,23 por mês para R$ 272,89 – Auxílio creche de R$ 181,40 para R$ 196,18.

 

Adepol questiona lei que aplica norma militar para PMs I

Chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF) Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 4164) ajuizada pela Associação dos Delegados de Polícia Civil (Adepol) contra a Lei 9.299/96. A norma alterou dispositivos do Código Penal Militar. A entidade quer evitar que, a partir de interpretação da norma, os membros das Polícias Militares dos estados e do Distrito Federal, em tempos de paz, sejam considerados militares para efeitos penais. E que se considere as Polícias Federal e Civil dos estados competentes para a instauração de inquérito policial.

 

Adepol questiona lei que aplica norma militar para PMs II

A Adepol sustenta que a norma questionada, que alterou dispositivos do Decreto-Lei 1.001/69 – Código Penal Militar -, “atenta flagrantemente contra o inciso IV do parágrafo 1º e parágrafo 4º, ambos do artigo 144 da Carta da República”. Isso porque nos crimes militares dolosos contra a vida, a investigação da polícia tem no inquérito policial, e não no IPM, o instrumento de sua formalização, argumenta a associação. No entender da associação, o inquérito policial seria a peça constitucionalmente adequada para a investigação dos crimes militares dolosos contra a vida, em tempos de paz. Seus elementos instrutórios permitem, depois de instruída a competente ação penal pública, o devido julgamento pelo Tribunal do Júri, conclui a Adepol. O relator da ação é o ministro Cezar Peluso. (STF).

 

DO LEITOR

 

Turismo sexual

Da  leitora Aparecida: “Li num jornal hoje (23/10) que Sergipe está participando de uma feira de turismo no Rio de Janeiro.. É bom que se divulgue as nossas belezas, mas tem que ser bem feito. Segundo o texto do jornal um dos materiais distribuídos é um folheto de cordel que um dos seus versos diz: “Temos a mais bela Orla/ A passarela do caranguejo/ Mais tudo que se procura / Pra saciar seu desejo/ Tem até mulher bonita / Pra gente roubar um beijo”. Em tempo de combate à exploração sexual a nossa publicidade diz ao turista que “pra saciar o desejo tem até mulher bonita para ROUBAR um beijo”. Precisa dizer mais? Já sei que vão tentar dizer que é a linguagem simples do cordel, que é coisa de feminista com mente poluída, etc. mas o fato é que houve no mínimo um descuido. Se para atrair turistas para a nossa terra precisamos cometer o mesmo erro que outros estados fechando os olhos para a exploração sexual, é melhor ficar sem turistas”.

 

Nepotismo no Judiciário e omissão da imprensa

Do leitor Paulo Cesar: “Sempre acompanho seu blog, como funcionário publico, vejo com indignação que você, como jornalista, não fala nada nem comenta sobre o nepotismo no Tribunal de Justiça de Sergipe. Você tem conhecimento dentro dos gabinetes de desembargadores a farra que é, com salários que chegam até a R$ 12.000,00 (cargos comissionados) e filhos lotados dentro do gabinete dos pais.  Um absurdo como a imprensa sergipana (pelega) teme o Judiciário”. Obs: caro Paulo Cesar, é só enviar a denúncia para que a mesma seja investigada. Este espaço não deixará de divulgar, quando comprovada.

 

Conivente? Quem não é conivente com erros na sociedade atual? I

 Do leitor Marcos Oliveira: “Acho que seus pareceres são meio convenientes com a situação e os objetivos de quem direciona na verdade sua coluna, e você continua escrevendo, dizer o que da FSF? A exemplo disso a sua proposta de demolir o Batistão, você quer convencer a quem que não foi já uma tendência de especulação imobiliária, porque o Estádio, pelo menos por enquanto, não necessita de grandes reformas, o campeonato sergipano é pequeno para tanto, a euforia da torcida é legal e se cobrarem os ingressos verdadeiros a todos, o estádio se paga. Por outro lado, a iniciativa privada não levaria um futebol, por ora,  sem representatividade, apenas iria demolir um símbolo, que com alguma modernização atende a todos, para fazer condomínio de luxo, e quiçá construir algo, sem muita expressão. E digo mais, não sejamos sínicos, o poder público não deveria privatizar bancos a preço de banana e depois investir nosso dinheiro para estatizá-los pagando a conta de especuladores, inclusive construtoras, que o senhor chama de iniciativa privada,  e não tem o papel de administrar o esportes e seu patrimônio público? tem sim, deve e pode continuar, o problema não é ser da iniciativa privada, que lesa o Estado em arrumações licitatórias, ou com desvios da iniciativa de administradores brasileiros em geral, salvo raríssimas exceções, que, ou se omitem ou desviam mesmo….”

 

Conivente? Quem não é conivente com erros na sociedade atual? II

Continua Marcos Oliveira: “Não se esconda atrás de um sítio de web, seja transparente, se não com os outros, mas com você mesmo. A propósito da sua entrevista em rádio, ou manifestação, como queira, muito sem nexo, falar dos cambistas, associar à federação… negativo, isso tudo é fruto da omissão dos que devem agir para a ilusão da moralidade, que, com a atuação do nosso MP, às vezes pirotécnico, às vezes coerente, diminuiu bastante, e é assim mesmo. Porque a educação do brasileiro é que criou tudo isso, e a roda viva os mantém assim para o bem da classe política e daqueles que, mesmo podendo, só se interessam no interesse do particular ou de ex-partidos populares…. pobre massa, sem chances..”

 

Opinião contrária as privatizações I

Do leitor Franklin Ribeiro: “O mundo está mudando em uma velocidade incrível. Há cerca dê um mês estamos vivendo o aprofundamento de uma crise anunciada: o “mercado”, esse deus do capitalismo pósmoderno descobriu que precisa do governo para sobreviver; o Estado não pode deixar de intervir nas mais diversas áreas porque a busca pelo lucro fácil é tão desmedida que o capitalismo acaba por se autodestruir. Pois bem, está-se inaugurando uma retomada daquele que, nos anos 80/90 do século passado, chamavam de paquiderme e, sob a imagem difundida de um pesado elefante,  cuidaram em lhe dissolver. Privatizaram tudo, ou quase tudo, dando especial cuidado à privatização de empresas. A alegação primordial: ganhar-se-ia em eficiência. É verdade  que vários serviços ficaram mais ágeis e que houve avanços tecnológicos em várias áreas, mas a que custo? E com o dinheiro de quem? Não são poucas as notícias de sérios desvios morais na própria privatização, a exemplo daquelas noticiadas em relação a Daniel Dantas, bancos comprados sem que os seus adquirentes desembolsassem um só centavo, dentre tantas outras; no financiamento das  empresas privatizadas – é o BNDES, usando dinheiro público, o maior financiador das  antigas empresas públicas; no gasto dos dinheiros arrecadados com as vendas – nem  Sergipe escapou ileso de tais denúncias e no relacionamento das empresas compradoras com  os governantes. Mas o fato é que o “antigo paquiderme” está ganhando corpo e os impérios bancários de ontem estão sendo estatizadas, muito embora a imprensa pátria esteja, envergonhada, dizendo que estão sendo nacionalizados – confesso que até fiquei em dúvida num primeiro momento: como um banco inglês pode ser nacionalizado na própria Inglaterra? Ele já não é nacional?”.

 

Opinião contrária as privatizações II

Continua Franklin: “Na contramão da atualidade, entretanto, algumas pessoas estão propondo privatizações: Sérgio Cabral pede a privatização do Galeão e de outros aeroportos; você a do Batistão…A sua justificativa é bem interessante – lembrou-me a de FHC quando resolveu extinguir a  SUDENE por haver sido detectada corrupção na gestão da entidade. Lê-se no artigo: se o Estado continuar a administrar a praça de esportes, a evasão de rendas vai continuar. É aquela crença de que o governo é, por natureza, corrupto; a iniciativa privada não. Nela não há privilégios a pessoas ou grupos, ela é o grande exemplo de comportamento ético a  ser seguido. É a crença no deus mercado, mesmo depois de descoberto que ele tem os pés de barro. Disse também que gerir praças de esportes não é atividade fim do Estado. Mas eu pergunto: de qual Estado? Do Estado mínimo, seguramente não é. Para os ideólogos de tal ente, a ele somente cabe segurança, justiça e arrecadação, como muito bem disse o ex-governador João Alves – um dos defensores em Sergipe do Estado mínimo. Aqueles que discordam, acham que o Estado deve, sim, fomentar o esporte, enquanto elemento importante na formação humana e, no Brasil, especialmente o futebol, um viés marcante na nossa identidade cultural – o engraçado é que grande parte dos defensores do Estado mínimo acabam criticando o desempenho brasileiro em eventos esportivos como Olimpíadas atribuindo ao fracasso a falta de investimentos do Estado(!). Faço outra confissão: coloco-me entre os que são contrários ao Estado mínimo e pelas razões ditas antes e por achar privatização uma desgraça, defendo a manutenção do  Batistão sob a gestão do poder público. Uma gestão que precisa ser repensada,  seguramente publicizada, aberta ao controle do público, mas que garanta que no Batistão não aconteçam apenas eventos lucrativos, nem que aqueles deficitários tenham que ser suportados pelo Erário em benefício da empresa privada que adquirir a praça de esportes. Basta de entregar o patrimônio público!”.

 

Frase do Dia

“Quando um gênio verdadeiro aparece neste mundo você pode conhecê-lo pelo seguinte sinal – os ignorantes estão todos unidos contra ele.” Jonathan Swift.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários