Show de incoerências

0

O Brasil que votou em Luiz Inácio Lula da Silva para presidente da República, ainda tem muita esperança de que haja a mudança prometida. O operário, o intelectual, os excluídos, a elite política e econômica. Enfim, o povo brasileiro não torce pelo pior. Acha que Lula é bem intencionado. Mas há quem desconfie que alguns dos seus assessores e conselheiros foram mordidos pela mosca azul que zumbe nos luxuosos gabinetes do Planalto. A grande maioria dos brasileiros está literalmente escorregando na maionese, enquanto uma juventude, mais equilibrada, ainda não percebeu a razão de ter levantado a bandeira vermelha do “lulismo”, em qualquer recanto do país. Os empresários, a intelectualidade, os profissionais liberais, todo o povo, está absolutamente conscientes que neopetismo é realmente um vexame para o Brasil. Só quem não percebe isso são aqueles que estão integrados ao poder e participando desse clima de prepotência e arrogância, em que se transformou uma legenda que sempre foi o símbolo das mudanças, a bandeira do basta às oligarquias, a barreira que incomodava as elites. O vermelho amarelou e o Partido dos Trabalhadores exibe um show de incoerências para brasileiros estupefatos. Evidente que existe alguma coisa estranha no ar. Quando se olha para o Congresso e se assiste os senadores José Sarney e Antônio Carlos Magalhães integrados ao comando de Lula da Silva. O ex-governador Paulo Maluf chamado de companheiro, o deputado federal José Carlos Martinez agarrado, com unhas e dentes, no projeto petista e, pasmem, o homem que comandava o pelotão de choque do ex-presidente Fernando Collor de Mello, deputado Roberto Jefferson, na linha de frente em defesa do programa que o Governo do PT pôs na mesa. É muito estranho que todo esse pessoal, que freqüentou o Planalto na ditadura militar, na Nova República, no neoliberalismo de FHC, também esteja exibindo uma reluzente estrela vermelha no peito. Essa gente, o Lula esganava em seus discursos, enquanto todos eles procuravam chutar-lhe os “bulhões”. Atualmente, disputa a melhor posição ao seu lado, discursa com violência ao seu favor e cai ao chão quando Lula tropeça. Só para não descer muito o nível do comentário, vamos esquecer o pessoal que está pendurado “naquilo roxo” do presidente. Recentemente foi exibida, nas redes de televisão e nos jornais de maior circulação no país, declarações tão conflitantes quanto inoportunas. O todo poderoso ministro chefe da Casa Civil, José Dirceu, fingindo que não sabia que estava sendo gravado, fez críticas contundentes à alta das taxas de juros. Combateu firme a definição do superávit em 4.6 ao ano, mostrando que isso sempre foi combatido pelo Partido dos Trabalhadores e não constava de compromissos de campanha. Chegou a dizer que “o Governo estava querendo dar um cavalo de pau na economia”. Lamentavelmente esta reviravolta no modelo econômico não está se vendo. Aliás, o que se constata é um prosseguimento superado do neoliberalismo que, possivelmente, o próprio Fernando Henrique Cardoso já contesta. Mas não só foi isso. Numa reunião em que participou na poderosa Federação das Industrias do Estado de São Paulo (Fiesp) o ministro Mantega disse aos empresários que fora cobrar “nossa fatura”. E acrescentou que estava cumprindo o combinado – que beleza de entendimento com a elite econômica – “agora peço a vocês que nos ajudem a combater as taxas de juros”. O presidente Luiz Inácio da Lula da Silva, num encontro em São Paulo, também com empresários, revelou que o seu Governo estava no fim da transição. A genialidade global interpretou como um aceno à baixa de juros e um dos seus mais competentes analistas políticos admitiu que a luz no final do túnel está mais próxima. Tudo isso é muito confuso, principalmente quando um deputado chama o vice-presidente José de Alencar de “abilolado”, só porque ele defende a queda dos juros, numa argumentação técnica de quem tem experiência empresarial. Esta é a fotografia de um Governo que pretende um projeto avançado para a economia, mas que não consegue a unidade de pensamento entre seus mais próximos aliados. Também não chegou a empolgar a sociedade, que continua ansiosa por um novo Brasil. JOÃO O governador João Alves Filho viajou, ontem, a Brasília para conversar com os deputados da bancada de Sergipe, sobre a Reforma Tributária. João Alves Filho sugere que os deputados trabalhem contra a reforma da forma como foi concebida pelo Governo, porque ela prejudica o Nordeste e favorece ao Sul. PLENÁRIO A Reforma Tributária já foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça e agora depende do plenário e a bancada do Nordeste deve unir forças. A reforma força a tributação do ICMS na origem, o que favorece Estados do Sul, mas exclui petróleo e energia prejudicando o Nordeste. A reforma é feita para os Estados ricos. DEDA O prefeito Marcelo Deda estava, ontem, em Brasília e, pela manhã, participou de uma reunião da frente de prefeitos, para agendar a pauta do novo encontro. No período da tarde, Marcelo Deda vai conversar com parlamentares e participar da movimentação para aprovação das reformas da Previdência e Tributária. ALMEIDA O senador Almeida Lima (PDT) defende a necessidade de uma decisão transparente sobre a instalação da refinaria de petróleo, levando em conta o interesse nacional. A ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, disse que o Governo não pretende fazer a obra sozinho e que é difícil divulgar o processo de negociações, a não ser que o investidor autorize. DISCURSO O deputado federal João Fontes fez discurso, ontem, na Comissão de Constituição e Justiça, contra a Reforma da Previdência, em que mantém a taxação de inativos. João lembrou as posições do presidente Lula e até do então líder do PT na Câmara Federal, Marcelo Deda, que acusou a reforma, na época de FHC, de ser feita para encher os bolsos dos banqueiros. NELSON O ex-deputado Nelson Araújo (PST) está querendo descobrir aonde algum instituto de pesquisa chegou aos índice de 80% de popularidade para o presidente Lula da Silva. Nelson disse que tem conversado com empresários, profissionais liberais, trabalhadores e, até o momento, não ouviu ninguém dizer que está satisfeito com Lula. FOME ZERO A questão do Programa Fome Zero também é debatido. Nelson pergunta: “Em Sergipe, aonde é que a pessoa sabe sobre o programa Fome Zero?” Acrescentou que nas cidades do interior a população permanece faminta e até o momento não chegou um único incentivo para solucionar o problema. ESPERANÇA O prefeito de Poço Redondo, Frei Enoque, não perdeu a esperança em relação ao Programa Fome Zero e tomou todas as providências solicitadas pelo Ministério da Segurança Alimentar. Enviou para Brasília todo o programa do leite, fez cadastramento do pessoal e contatou com o empresário Pedro Ângelo Repazonne, que foi indicado pelo ministro José Grazziano. PADARIA O empresário Pedro Ângelo vai montar uma panificadora-escola em Poço Redondo, para que pessoas da cidade aprendam a fazer pão e similares. Enoque acha que essa é uma forma de capacitar mão de obra e incentivar a abertura de outras padarias na região. SEMENTE Está chovendo no sertão, mas o Incra não distribuiu uma única semente para os trabalhadores assentados, que estão sem trabalhar. Já o Governo do Estado enviou 30 mil quilos de sementes (metade milho e metade feijão), para os pequenos agricultores da região. MARCÉLIO O vereador Marcélio Bomfim pediu, ontem, que “Deus iluminasse o presidente Lula, para que ele tirasse da gaveta o programa do PT, para coloca-lo em prática”. Marcélio diz que o povo acreditou nesse projeto e votou em Lula, “mas o presidente o colocou na gaveta e manteve o programa de FHC em prática, o qual está superado até para o ex-presidente”. ALMOÇO O vereador Antônio Samarone (PT) surpreendeu, ontem, alguns parlamentares de Sergipe, ao ser visto almoçando com o senador Almeida Lima (PDT). Samarone é membro do PT há anos, mas está rompido com o prefeito Marcelo Deda e tem se sentido incomodado dentro do partido. REGISTRO A delegada regional do Trabalho, Lourdes Correia de Almeida Neves, está criando uma comissão para concessão dos novos registros de jornalistas. O conselho também terá um representante do Sindicato e fará avaliação do requerente, com analise da participação profissional. Só depois do parecer é que se dará ou não o registro. Notas FIDA Em Brasília, além de tratar do assunto da Reforma da Previdência, o governador João Alves Filho esteve com o presidente do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida), Lenart Bagé, para liberar recursos com o objetivo de viabilização de programas e projetos para o desenvolvimento de Sergipe. O governador vai incorporar novos projetos, como um plano para desenvolvimento do baixo São Francisco, um reconhecido bolsão de pobreza, de fruticultura irrigada, para assistência a 160 agricultores e 132 médios empresários. REFINARIA A decisão sobre a localização no país de uma nova refinaria de petróleo vai depender da avaliação técnica do investidor que assumir o empreendimento em parceria com a Petrobrás. Segundo a ministra das Minas e Energia, Dilma Rosseff, a decisão terá peso político, mas será integrada a avaliação técnica. A ministra considerou “legítimos pleiteadores” os Estados do Nordeste, que estão na disputa pela refinaria, entre eles o Maranhão, Ceará, Pernambuco, Piauí e Sergipe. A refinaria é importante instrumento de desenvolvimento. CONDIÇÃO A ministra Dilma Rosset disse que localizar a refinaria no Nordeste não é torna-la menos rentável, menos atrativa ou menos competitiva, pois a região oferece boas condições, tanto quanto o Sudeste. Um dos pré-requisitos básicos para ter a refinaria é infra-estrutura portuária e de energia elétrica. Os dois pré-requisitos básicos apresentados pela ministra favorecem bem ao Estado de Sergipe, que tem um forte potencial energético e um porto que cobra as menores taxas do país, além de se colocar em condição estratégica para escoamento. É fogo O advogado Gilton Garcia estava, ontem, circulando no Congresso Nacional, que nestes dias passa por um grande movimento. A Polícia começa a intensificar as diligências para tentar prender o ex-deputado estadual Antônio Francisco. O ex-deputado Antônio Francisco não deixou Sergipe e está apenas esperando o momento certo para se apresentar, obedecendo à orientação do seu advogado. Segundo informação de um político influente, o deputado Antônio Francisco estaria hospedado na fazenda de pessoa importante no Estado. O deputado estadual Antônio dos Santos (PDT) está preocupado com o crescimento da violência, em Sergipe, dentro e fora dos presídios. O deputado federal Jackson Barreto está de acordo com as emendas da Reforma Tributária que beneficiem Estados do Nordeste. O deputado José Carlos Machado acha que Sergipe deve acompanhar emendas de Estados maiores, como é o caso do Rio de Janeiro, que também quer cobrar imposto sob petróleo na origem. José Carlos Machado diz que o Congresso Nacional não tem muita diferença das Assembléias Legislativas. Lá a maioria também segue o Governo. Segundo informou o ex-deputado Nelson Araújo, a oposição ao Governo em Sergipe será pequena, porque alguns parlamentares têm empresas que trabalham para o Estado. O PSDB, sempre em comum acordo com o ex-governador Albano Franco, está procurando se organizar em cidades do interior. O pessoal dissidente do PPS ainda não definiu qual rumo tomará. Apenas o prefeito de Propriá, Renato Brandão, está a caminho do Partido dos Trabalhadores. O vereador Marcélio Bomfim continua sem partido e ainda não tem definição para que rumo deve tomar. Com certeza não será o PTB. Os senadores Antônio Carlos Valadares e José Almeida Lima fizeram discurso sobre o centenário de nascimento do ex-senador sergipano Heribaldo Dantas Vieira. brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários