Silêncio e ação

0

O senador José Almeida Lima (PDT) silenciou depois da reunião que ocorreu em Brasília, com a alta cúpula do PSDB. Até mesmo os seus aliados e pessoas mais próximas ainda não conseguiram um contato com ele. Há quem diga que Almeida está tirando um tempo para repensar e colocar as coisas em ordem. Um dos membros do grupo em formação admitiu, até com um ar de lamentação, que o resultado do encontro de terça-feira passada não favoreceu ao projeto político que eles vêm construindo. Ontem, de Brasília, havia informação de que o senador Almeida Lima já comunicou à Direção Nacional do PDT que pretende deixar o partido dentro de mais alguns dias, mas com o quadro que se definiu, é possível que haja um recuo nessa intenção.

Também de Brasília informa-se que a reunião ocorrida na terça-feira, não definiu a posição partidária. Foi uma decisão informal, em que se busca uma alternativa para acomodação de todos no ninho tucano, principalmente de um senador da república. O PSDB nacional está preocupado em fortalecer os seus quadros representativos, preparando-se para uma disputa à Presidência da República, em condições de enfrentar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que vai para a reeleição. Segmentos da cúpula tucana, que não tem ligações fortes com o governador Albano Franco, defendem a filiação do senador Almeida Lima, porque sabem que ele é candidato a governador do Estado. E a legenda precisa de uma chapa majoritária em todos os estados.

O pessoal tem conhecimento que a tendência do ex-governador Albano Franco e seu grupo é abraçar o projeto político das oposições, liderada em Sergipe pelo prefeito de Aracaju, Marcelo Deda (PT). Albano, inclusive, embora anuncie que esteja afastado de qualquer movimento político, tem conversado com segmentos influentes do bloco oposicionista. O último deles foi o senador Antônio Carlos Valadares (PSB), que foi acompanhado do filho, Valadares Júnior, e do vereador Elber Batalha. O encontro aconteceu em um dos restaurantes da orla e o assunto foi variado, mas girou em torno do atual momento político e do quadro que se vislumbra para as eleições de 2006. O senador Valadares, que fazia oposição a Albano, informou que só voltou a conversar sobre política com o ex-governador porque ele tem demonstrado boa vontade com a oposição em Sergipe.

Na realidade, o PSDB no estado passou a acompanhar o bloco de oposição, porque sempre teve esse comportamento em relação ao governador João Alves Filho (PFL). Faz parte do processo histórico de Sergipe, acentuado depois do pleito de 1994, quando os dois estiveram juntos pela última vez. Há dez anos que os dois grupos estão em confronto e é praticamente impossível que voltem a atuar juntos na disputa política em Sergipe. Dentro de uma análise fria, o grupo liderado pelo ex-governador Albano Franco não é a favor da ala oposicionista, mas contra João Alves, deixando de lado qualquer sentimento ideológico ou partidário.

A questão de Almeida Lima, entretanto, com esse breque que aconteceu no início da semana, em Brasília, paralisar um pouco o projeto da formação de uma nova tendência política dentro do estado, que acomode os excluídos de todos os lados. Evidente que haverá uma continuidade do diálogo, mas agora com uma perspectiva diferente do que fora traçado, quando havia certeza absoluta da filiação no PSDB e do comando geral da legenda. Baseado em informações de Brasília, houve apenas um adiamento no processo de filiação do senador, mas é preciso jogar com os pés no chão, para que não se conte com o ovo antes da galinha pôr. O grupo em formação vai reexaminar o que aconteceu, buscar outras alternativas e partir para uma definição concreta, mas sem abandonar a possibilidade de ocupar o ninho tucano. Evidente que o pessoal está consciente de que o caminho através de outras legendas é tortuoso, exatamente em razão das dificuldades que terão os pequenos partidos, mas vão adiante com o projeto para formação de uma opção diferente para o Estado.

De todo esse episódio, uma coisa apenas está definida: o senador Almeida Lima vai disputar o Governo do Estado e se incorporar a um novo bloco político…

MUDANÇA
Uma fonte do Governo revelou que o projeto de mudança administrativa, previsto para o inicio de 2005, vai alterar a importância de algumas pastas e extinguir outras. Uma coisa já está certa: uma importante secretaria vai perder o DARF (Departamento Financeira) o que a transforma em uma pasta especial.

 

EXTINÇÃO
Será extinta uma Secretaria recém criada e o seu titular passar a ocupar uma das mais importantes Secretarias do Estado. A mesma fonte diz que o governador João Alves Filho vai começar a trabalhar mais politicamente, com uma equipe mais dinâmica.

SECA
O coordenador da Defesa Civil, Adalberto Figueiredo, constatou a longa estiagem que começa a provocar problemas em cidades do alto sertão sergipano. Admitiu que a situação é preocupante, porque a água está ficando cada vez mais escassa para a população rural.

EMERGÊNCIA
Adalberto Figueiredo já entregou ao governador João Alves Filho o decreto de situação de emergência em Poço Redondo, que será homologado. A homologação segue para a Secretaria da Defesa Civil que a envia ao Ministério de Integração Nacional, que reconhece ou não a situação de calamidade.

ALBANO
O ex-governador Albano Franco (PSDB) disse que não se opõe à filiação do senador Almeida Lima (PDT) em seu partido. Acha que, em setembro do próximo ano, ele poderá iniciar um trabalho para ser o candidato tucano ao Governo do Estado.

CLIMA
Depois da reunião que aconteceu em Brasília, não há mais clima para o senador Almeida Lima ingressar no tucanato. Apesar dessa demonstração de receptividade, no fundo a maioria dos membros do PSDB não deseja ter o senador ao seu lado.

MANTÉM
Ontem, em Brasília, um deputado que pediu omissão do nome porque não queria se intrometer em outros partidos, garantiu que o senador José Almeida Lima vai para o PSDB. “Almeida vai para o PSDB e será candidato a governador”, insistiu a fonte. Acrescentou que isso ainda não foi resolvido pra evitar traumas dentro do partido.

PROJETO
O mesmo parlamentar acrescentou que a reunião ficou para uma conversa mais adiante, porque Tasso Jereissati e Eduardo Azeredo mantêm uma boa relação com Albano Franco. “Entretanto, a cúpula do PSDB sabe que o senador Albano Franco trabalha para viabilizar o projeto do prefeito Marcelo Deda (PT) e isso não interessa a nível nacional”, disse.

CLÁUSULA
Os partidos pequenos que têm tímida representação na Câmara Federal, estão trabalhando para modificar a cláusula de barreira que consta da reforma política. É que, com a cláusula de barreira, o partido que não tiver 5% do eleitorado e não contar com nove deputados na Câmara será extinto.

SECRETARIADO
O prefeito de Aracaju, Marcelo Deda (PT), disse ontem que ainda não conversou com ninguém sobre a formação do novo secretário. Diz que ainda vai conversar com seus aliados e adianta que as mudanças serão pequenas, para se ajustar ao novo perfil administrativo.

HOLANDA
Dia 30 o prefeito Marcelo Deda fará a viagem a Holanda, a convite da empresa ICCO, para a reciclagem de lixo. Deda vai permanecer na Holanda apenas cinco dias, em visita a três cidades. Retorna rápido porque tem compromissos em Aracaju.

CÂMARA
O prefeito Marcelo Deda também teve um almoço com os vereadores eleitos que integram a coligação que o apóia. Manifestou o desejo de que todos eles procurassem escolher um nome do bloco para eleger presidente da Câmara Municipal.

FONTES
O deputado federal João Fontes (sem partido) está em Belo Horizonte, onde participou de um debate sobre a reforma sindical e trabalhista. Há uma preocupação generalizada da classe em relação às mudanças. Já está certo que os trabalhadores vão invadir Brasília para protestar contra a reforma.

REUNIÃO
O PPS realizou uma ampla reunião da direção do partido, terça-feira passada, quando ficou decidido que o partido vai trabalhar por uma fusão com o PDT. Em Sergipe, o deputado federal Ivan Paixão (PPS) integra a ala do ministro Ciro Gomes (PPS) e que o partido vinculado ao Governo. Já os históricos, tende a seguir a orientação para fusão.

Notas

REDUÇÃO-I
O Partido Progressista (PP) ingressou, quarta-feira, com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), no Supremo Tribunal Federal, contra a Resolução, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que fixou o número de vereadores de maneira proporcional à população dos municípios. O partido alega que a decisão do STF somente poderia valer entre as partes que integraram o RE 197971. Sustenta, também, que a Resolução do TSE tem força de lei federal, podendo ser objeto de controle de constitucionalidade por meio de ADI.

REDUÇÃO-II
O PP diz que a resolução ofende a Constituição em três artigos –  o 2º,  que estabelece o princípio da harmonia e independência dos Poderes; o 16º, que define prazo para a eficácia de lei que altere o processo eleitoral, no caso, um ano após a publicação da norma; e o 29º, “caput” e  inciso IV. Os advogados do PP sustentam, também, que a “regulamentação do número de Vereadores em cada Município seria a alteração da própria Constituição de 1988, através de Emenda Constitucional que, no entanto, até hoje não foi levada a efeito”.

REDUÇÃO-III
Marco Arlindo Tavares, eleitor de Ponte Nova (MG), ajuizou uma reclamação no Supremo Tribunal Federal (STF), contra a Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que ajustou o número de vereadores em todo país. Pede que o STF determine a inaplicabilidade dessa resolução nas eleições deste ano. Argumenta que a resolução afronta o artigo 29º, da Constituição Federal, que “imputa ao próprio município, por lei orgânica, ditar o número de vereadores que irão compor a sua respectiva banca legislativa municipal”.

É fogo

O leitor Rafael Melo Tavares constatou um “pequeno erro”, em Plenário de ontem e conserta: “hoje quem comanda a Funcaju, é Estela Mares”.

Plenário disse ontem que o nome de Chico Buchinho estava aparecendo para ocupar a Funcaju em lugar da vereadora eleita Tânia Soares.

Rafael aproveita para sugerir: “será que Deda não irá mantê-la devido ao belo trabalho que ela está desenvolvendo e a sua competência?”

Israel também pergunta: “será que Deda não manterá os auxiliares que estão administrando bem suas pastas para que a prefeitura melhore com a visão na disputa para governador?”

O deputado federal Ivan Paixão (PPS) esteve na Casa Civil da Presidência da República, tratando da liberação de recursos em torno de R$ 5 milhões para o estado de Sergipe.

Paixão esteve em audiência com o ministro-chefe da Secretaria de Coordenação Política, Aldo Rebelo, junto com o secretário de Turismo de Sergipe Pedro Valadares.

Paixão pediu que os recursos solicitados fossem para ao museu do Cangaço, à reforma do colégio Atheneuzinho e construção de dois diques no complexo turístico de Xingó.

O governador João Alves Filho esteve ontem com o presidente Lula, para receber recursos destinados à Educação, a fundo perdido.

O prefeito eleito de Canindé do São Francisco esteve na Assembléia Legislativa e conversou com o deputado Ulices Andrade.

A Assembléia Legislativa, por sugestão do deputado Francisco Gualberto, apresentou moção de apoio ao povo palestino e de repúdio aos norte-americanos.

A Inflação medida pela IPCA avançou para 44% no mês de outubro, de acordo com dados fornecidos pelo IBGE.

O avanço da inflação interrompeu uma trajetória de desaceleração que vinha mantendo há  dois meses seguidos.

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários