Só de sacanagem, mais honesto ficarei

0

Meu coração está aos pulos!

Quantas vezes minha esperança será posta à prova?

Por quantas provas terá ela que passar? Tudo isso que está aí no ar, malas, cuecas que voam entupidas de dinheiro, do meu, do nosso dinheiro que reservamos duramente para educar os meninos mais pobres que nós, para cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus pais, esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e eu não posso mais.

Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança vai ser posta à prova?

Quantas vezes minha esperança vai esperar no cais?

É certo que tempos difíceis existem para aperfeiçoar o aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus brasileiros venha quebrar no nosso nariz.

Meu coração está no escuro, a luz é simples, regada ao conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e os justos que os precederam: "Não roubarás", "Devolva o lápis do coleguinha", "Esse apontador não é seu, minha filha". Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido que escutar.

Até habeas corpus preventivo, coisa da qual nunca tinha visto falar e sobre a qual minha pobre lógica ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao culpado interessará. Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear: mais honesta ainda vou ficar.

Só de sacanagem! Dirão: "Deixa de ser boba, desde Cabral que aqui todo mundo rouba" e vou dizer: "Não importa, será esse o meu carnaval, vou confiar mais e outra vez. Eu, meu irmão, meu filho e meus amigos, vamos pagar limpo a quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês. Com o tempo a gente consegue ser livre, ético e o escambau."

Dirão: "É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, desde o primeiro homem que veio de Portugal". Eu direi: Não admito, minha esperança é imortal. Eu repito, ouviram? Imortal! Sei que não dá para mudar o começo mas, se a gente quiser, vai dar para mudar o final!

(texto de Elisa Lucinda Mar lido por Ana Carolina em seu show)

Os cães ladram e a caravana passa…
Em respeito aos leitores deste espaço o blog não responderá algumas agressões e insinuações maldosas por parte de poucas pessoas incomodadas com os debates levantados neste espaço. Aliás, ultimamente a assessoria jurídica deste espaço vem ganhando ações judiciais, principalmente em questões relacionadas as redes sociais. Há três anos o titular deste espaço deixou de prestar assessoria de comunicação (já passou pela AL, pela CMA, pelo TJ, entre outros. além de vários meios de comunicação) para se dedicar exclusivamente ao blog, através da consolidação do espaço com um número de acessos diários que extrapola a circulação dos jornais locais. E isso incomoda a muita gente.

Redes sociais e a Justiça
Em todo país são várias ações ajuizadas por conta das redes sociais, principalmente o twitter onde os magistrados estão dando sentenças favoráveis a usuários atingidos por calúnias, injúrias e até xenofobia.  Alguns esquecem que pelo IP todo usuário é identificado. Quem acusa tem o dever de provar. E em Sergipe alguns pensam que o twitter está imune a lei.

Nome de Cleomar Brandi na Orla Por do Sol I
Muitas pessoas andam cobrando do prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, o cumprimento de uma promessa feita no ano passado à família do jornalista Cleomar Brandi, falecido em julho de 2011. Na ocasião, Edvaldo sugeriu e a Câmara de Vereadores aprovou a colocação do nome de Cleomar na belíssima Orla Por do Sol, no Mosqueiro.

Nome de Cleomar Brandi na Orla Por do Sol II
Agora falta justamente a colocação de placas indicativas para que não somente os familiares e os amigos de Cleomar, mas toda a sociedade e turistas fiquem sabendo da homenagem. Além disso, há a promessa da colocação de uma estátua do jornalista, o que incrementaria ainda mais a justa homenagem ao baiano mais sergipano que já viveu por essas terras. Está feita a cobrança.

Ministro confirma que Dutra ocupará diretoria na Petrobras
Valor: O ministro Minas e Energia, Edison Lobão, disse ontem que o ex-presidente da Petrobras José Eduardo Dutra deverá assumir a recém-criada diretoria corporativa da empresa. Ele disse que Dutra é um "nome qualificado" para o cargo da unidade que será responsável pelo quadro administrativo e por questões internas da estatal. Dutra fez parte do núcleo de direção da campanha presidencial da presidente Dilma Rousseff e assumiu a presidência do PT no início do governo. Licenciou-se e, posteriormente, deixou o cargo por problemas de saúde.

Qualificação
"Ele [Dutra] tem toda a qualificação para isso, porque foi presidente da Petrobras e da BR Distribuidora. É um executivo muito bom, tem qualificação de sobra para isso", disse Lobão antes de participar de reunião preparatória para o Rio+20, no Itamaraty, atribuindo caráter técnico à nomeação.

Reunião em Brasília I
A secretária de Cultura e o Governador Marcelo Déda, estiveram reunidos com a Ministra da Cultura, Ana de Hollada na tarde da última quinta-feira, 09. Na pauta, assuntos como o Teatro Atheneu; Pontos de Cultura; liberação de kits do Cine Mais Cultura; reforma do Complexo Cultural Gonzagão e Cine Vitória, além da apresentação do Projeto Orquestra Jovem e do Plano de Recuperação das Unidades Culturais.

Reunião em Brasília II
Durante o encontro, a ministra deliberou que alguns projetos fossem encaminhados a secretarias específicas do Ministério. O projeto Orquestra Jovem, por exemplo, que visa oferecer formação musical a jovens do Santa Maria, foi encaminhado às Secretarias da Cidadania Cultural e Secretaria de Incentivo e Fomento à Cultura para que sejam destinados recursos.

Agendamento CEAC em SE vai virar realidade
A propósito das notas publicadas ontem, 09, neste espaço sobre o agendamento pela Internet para renovar CNH em São Paulo,  a Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão informou que o agendamento pela Internet no atendimento do CEAC, não apenas para serviços do DETRAN,  será implantado em breve, dependendo apenas de ajustes dos sistemas informatizados.  A solução conta, inclusive, com a parceria do DETRAN.

EJA em Socorro
Na próxima segunda, 13, serão iniciadas as aulas do programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA) em Nossa Senhora do Socorro. Aqueles que passaram da idade escolar regular e desejam retomar os estudos na rede municipal de ensino devem se apressar para efetuar a matrícula.

Vagas ofertadas
Estão sendo ofertadas vagas no Ensino Fundamental (do 1º ao 4º ano) e no Ensino Médio (do 5º ao 8º ano) disponibilizadas em sete Unidades de Ensino espalhadas em todas as regiões do município.

Márcio Macêdo discursa em homenagem aos 32 anos do PT
O aniversário de 32 anos do Partido dos Trabalhadores (PT) foi tema do discurso do deputado federal Márcio Macêdo, nesta quinta-feira, 9, no plenário da Câmara. Ocupando o tempo destinado à Liderança do PT, o parlamentar sergipano relatou como se deu a criação da sigla, destacou sua importância na vida política do país e reforçou o caráter transformador das ações da administração petista do ex-presidente Lula e da atual presidente, Dilma Rousseff.

Processo
De acordo com o deputado, o ato de fundação legal do partido em 10 de fevereiro de 1979 foi a formalização de um processo que teve início no ano anterior, a partir da ação do novo movimento sindical, sobretudo, dos grupos formados nas greves do ABC, da participação de militantes de esquerda de diferentes origens, de setores que se organizavam a partir da Igreja Católica, de intelectuais e do movimento estudantil.

Deputado quer rodoviária recuperada
A reestruturação da Estação Rodoviária de Estância vem sendo cobrada há muito tempo pelos estancianos. “Essa situação de abandono em que se encontra aquele patrimônio público não pode continuar. Seus espaços físicos estão ociosos, a iluminação é precária e existe uma total falta de segurança no local”, alerta o deputado estadual Gilson Andrade (PTC).

Patrimônio depreciado
Há muito ele se preocupa com as lastimáveis condições da rodoviária, já tendo apresentado uma Indicação na Assembléia reivindicando ao Governo do Estado que recupere aquele terminal.  “Lamentavelmente, aquele patrimônio vem sendo depreciado ao longo do tempo e hoje se encontra largado ao abandono”, lamenta o deputado.

Recuperação
O deputado disse esperar que o governo, através da Secretaria estadual da Infraestrutura, inicie o quanto antes as obras de recuperação da Estação Rodoviária. “Estamos fazendo esta reivindicação em nome da população de Estância, particularmente daquelas pessoas que utilizam transporte coletivo para sair e chegar no município”, afirma Andrade.

Audiência pública
O Ministério Público Estadual realizou esta semana uma audiência pública justamente para tratar sobre a recuperação da Estação Rodoviária de Estância. Durante a reunião, os comerciantes informaram que os banheiros públicos estão em petição de miséria, os bancos quebrados, sem contar com a completa falta de segurança.

Campanha ambiental no Orlando Dantas
A partir desta sexta-feira, 10, a Prefeitura de Aracaju, por meio da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), dará início ao projeto “Cidadão Consciente, cidade limpa!”, que tem como objetivo conscientizar os cidadãos sobre o descarte correto de resíduos. O projeto conta com o trabalho de 36 agentes ambientais.

Mapeamento e trabalho educativo
Durante a ação, os agentes ambientais irão distribuir material educativo, aplicar um questionário e conversar com os moradores. O projeto prevê ainda o mapeamento do bairro para o trabalho educativo junto às escolas, condomínios, empresas, comércio, instituições, associações, carroceiros.

Benefícios
Dentre os vários benefícios estão a redução dos problemas ambientais causados pelo descarte inadequado do lixo e a melhora das condições ambientais e de saúde e, com isso, a qualidade de vida da população.

Caju na Rua prorroga inscrições até a próxima sexta
Na última sexta-feira, 3, o prefeito Edvaldo Nogueira lançou oficialmente a 2ª edição do projeto Caju na Rua. A seleção começou na última segunda-feira e foi prorrogada até o próximo dia 17. O edital e o formulário de inscrição podem ser acessados na página principal do site da Prefeitura de Aracaju. É só acessar: http://www.aracaju.se.gov.br

CGE discute plano de políticas públicas com Banco Mundial em SE
O secretário-chefe da Controladoria Geral do Estado (CGE), Adinelson Alves, se reuniu na última quarta-feira, 8, na sede da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), com o coordenador financeiro do Banco Mundial (BM), Joseph Mubiru Kizito, para apresentar as ações de Controle Interno desenvolvidas pelo Governo de Sergipe que servirão para a elaboração do Development Policy Lending (DPL), ou Empréstimo para Políticas de Desenvolvimento.

Transparência
Durante a reunião, o secretário-chefe da CGE fez uma breve explanação das atividades de fortalecimento da transparência, de controle social, de orientação da Administração Pública, e da busca da prevalência dos interesses da sociedade sergipana executadas nos últimos anos. As ações de reestruturação e modernização da Controladoria Geral do Estado no âmbito do Controle Interno e do sistema financeiro de Sergipe foram alguns dos pontos abordados no encontro.

Apoio
Segundo o representante do Banco Mundial, Joseph Kizito, a orientação e o apoio da gestão dos recursos públicos, além do entendimento do papel da CGE na regularidade do sistema financeiro Estadual estão dentre as missões da instituição financeira em Sergipe.

Comprometimento
“Nós, como organização internacional de financiamento, estamos interessados em saber e conhecer o papel que julga à Controladoria Geral do Estado. Vejo a CGE como uma instituição que está muito comprometida com o fortalecimento do seu papel em sintonia com o compromisso do Banco Mundial no acompanhamento e apoio das políticas de crescimento econômico”, observa Joseph.

CPMI para investigar violência contra a mulher
A senadora Maria do Carmo Alves (DEM) foi a responsável por instalar, no Congresso Nacional, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que vai investigar a violência contra mulheres no Brasil. A comissão, também, irá apurar denúncias de omissão por parte do poder público com relação à aplicação de instrumentos instituídos em lei para proteger as mulheres em situação de violência.

Mecanismos
Para Maria do Carmo, a CPMI terá um papel fundamental no sentido de estabelecer mecanismos para que mais mulheres não continuem sendo vítimas da violência, especialmente dentro dos seus lares. "Temos visto inúmeros casos onde as mulheres procuraram os órgãos competentes, denunciam o caso, mas são obrigadas a retornarem para a mesma casa onde estão os seus agressores e, infelizmente, acabam morrendo", afirmou a parlamentar sergipana.

Folders sobre Certidão Negativa
O TRT de Sergipe tem distribuído folders que divulgam informações sobre a  certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT). O material, produzido pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) e impresso pelo TRT, traz perguntas e respostas sobre a  Certidão e informações úteis a advogados e às partes envolvidas.

Inadimplência
A CNDT foi instituída através da Lei 12.440/2011 e passou a vigorar desde 4 de janeiro. A partir dessa data, não será admitida a participação de  empresas/empresários que se encontrem inadimplentes com suas obrigações perante a Justiça do Trabalho em licitações públicas.

Seleção Brasileira chega nesta sexta-feira
Falcão e companhia estarão desembarcando em solo sergipano nesta sexta-feira, 10, às 14h30, no Aeroporto de Aracaju para o confronto entre Brasil e Seleção Sergipana marcado para sábado, 11, às 20hs no Ginásio Constâncio Vieira.  Os hexacampeões mundiais treinam no sábado às 10h00, com o comando do técnico Marcos Sorato e logo mais a noite acontece o grande duelo que deve reunir cerca de 5 mil pessoas.

Ingressos
Os ingressos estão se esgotando e quem não quiser perder esse grande jogo deve correr logo e adquirir o seu nas Lojas Competir dos Shoppings Jardins e Riomar. Contatos através dos fones: 3211.1915 e 9978.7023.

CVT abre seleção para Instrutor de Inglês e Informática em Cedro
Favor enviar os currículos para  processoseletivo@sergipetec.org.br  no período de 01/02/12 até 10/02/12. Não esquecer de informar a vaga desejada.Para maiores informações consulte o site: http://sergipetec.org.br/

Entre Amigos – Entretenimento
Quem realmente conhece de música haverá de concordar que, João Ventura filho do músico João Alberto e Neto do também músico cantor e compositor o saudoso João Melo, autor de "Sambou, Sambou e Sergipinho, não poderia ser outra coisa senão a grande virtuose com diversos instrumentos, (uma espécie de Hermeto Pascoal, não estou exagerando!) foi o nosso entrevistado em janeiro de 2011 no Entre Amigos e que utilizamos como cenário a Academia Sergipana de Letras. Clique no link abaixo e confira:
http://www.entreamigosnatv.com.br/Paginas/Videos_Programa/Programa_85/Joao_Ventura-Ludwig_Oliveira/Joao_ventura.html

PELO TWITTER

www.twitter.com/LGustavoCosta13  A maioria dos Policiais são Pessoas de bem , que zelam pela vida dos membros da sociedade , mas tem alguns que não merecem o nosso respeito

www.twitter.com/@MarceloJaas  Marcelo Jaas Como assim? RT "@capsamuel: (…) será que a sociedade precisa sofre como foi na Bahia para governos inicie a soluções."

www.twitter.com/MarceloJaas  @capsamuel e se o governo não der o que os manifestantes querem quem paga sou eu e os meus filhos?

www.twitter.com/RomarioOnze  E Espero que na minha próxima vinda a Brasília tenha alguma porra pra fazer. Ou será que o ano só vai começar depois do carnaval?

www.twitter.com/juliobatista_  A todos os Amigo(a)s do TT, antes de ir pular o Carnaval vamos doar sangue!! E' um pequeno Gesto que tem Grande Valia pra todo folião!!

www.twitter.com/binnaduarte : Simpatia para ganhar dinheiro : acorde as 6 tome banho e vá trabalhar kkkk”

www.twitter.com/fredsonnavarro  Não sei como existem pessoas que amam vender uma 'falsa felicidade' e vivem no mundo da ilusão, eu hein? acorda!

www.twitter.com/Adalberto_Prof  Quem cedo e bem aprende, tarde ou nunca esquece.Quem negligencia as manifestações d amizade, acaba por perder esse sentimento.#Impressionado

ARTIGOS

Arqueologia Pública – Por Raquel Batista

O artigo que se inicia tem seu teor puramente informativo e conceitual, seu intuito não é de projeção acadêmica e científica, ainda que imbuído de preceitos tais dos quais não se desvencilha por razões que ficarão claras posteriormente, mas tem a pretensão de projeção social para a Arqueologia em Sergipe, especificamente, mas em seu aspecto geral.

Vista a necessidade de maior interação e comunicação entre nosso curso e a sociedade, para que se corrijam equívocos conceituais causados pela carência de diálogo, queremos aqui minimizar esse distanciamento e causar um maior entendimento da área. Primeiramente, não estudamos dinossauros, não somos caçadores de tesouros e não há nada de sobrenatural em nossas pesquisas.

Pretendemos aqui tentar esclarecer alguns fundamentos básicos da Arqueologia, em visão e palavras de uma aluna, sob convite e incentivo do Centro Acadêmico de Arqueologia da UFS (Universidade Federal de Sergipe), Campus de Laranjeiras, abrindo as portas do nosso curso e Campus, para que se veja  além das nossas paredes de pedra. Em definição moderna, Arqueologia é o estudo sistemático, metodológico e interpretativo (mas não arbitrário) das sociedades humanas através da cultura material.Mas como falar em cultura material sem falar em patrimônio? Toda cultura é patrimônio e todo patrimônio que remote valor social comum é considerado patrimônio público.

O patrimônio arqueológico se inclui no conceito de patrimônio público cultural, por isso se faz importante a participação social em pesquisas e trabalhos arqueológicos. Sem a valorização social não tem sentido algum estudar sociedades. Uma ciência social que é desconhecida da maioria da sociedade se sente no mínimo frustrada em seu objetivo primário. Sem diálogo não há aceitação e muito menos interesse comum.

Esse é o motivo pelo qual, como dito no início do artigo, os motivos de interesse em intercâmbio cultural com a sociedade, ainda que não seja, nesse caso, atividade diretamente acadêmica, não se desvencilha desse ideal, posto que nós, alunos de Arqueologia da UFS, através do C.A.A., precisamos promover melhorias na questão pública da Arqueologia.

A Arqueologia pública, acessível, é uma necessidade urgente e constante que não pode ser manifestada em casos isolados ou apenas quando remuneradas por notas ou certificados acadêmicos, tem de ser algo contínuo, dinâmico e recíproco, para que se satisfaça em nós essa necessidade de aceitação e participação pública e para que a sociedade possa ver-se espelhada em nossos trabalhos de forma ativa e consciente.Em últimas palavras, peço que se promova identificação por parte da sociedade, sobretudo Sergipana, em se tratando de um curso de Sergipe, reconhecido e renomado nacionalmente, mas da sociedade no geral, pois se somos ciência social, sem sociedade, o que somos?

Agradeço ao Centro Acadêmico de Arqueologia 26 de Julho pela iniciativa e empenho na divulgação e promoção do curso, agradeço a amigos que direta ou indiretamente me auxiliaram na organização de idéias que, não de hoje, vêm sendo formuladas em nossas "prosas arqueológicas". E claro, obrigada ao leitor.

O que impede o soerguimento do futebol sergipano -Joseilton Nery Rocha*

Há poucos dias, num prédio de consultórios médicos em Aracaju, me encontrei com Queiroz (para o mundo futebolístico) ou simplesmente Veveta (para os propriaenses), ex-atleta do EC Propriá, Vasco EC e CS Sergipe, na década de 70. Numa rápida conversa sobre o futebol, esperando o elevador, ele me disse uma coisa interessante: “o investidor no futebol, em Sergipe, quer ver o dinheiro primeiro, bem antes do resultado do investimento”. A assertiva do Veveta possui suas razões. Isso pode ser apenas uma das explicações para o questionamento “Futebol sergipano: o que o impede decolar e ser bom para o estado e para o Brasil?”, tema central do debate promovido pelo semanário Cinform, na  última terça, 07.

Todavia, sem pretender fazer a defesa dos investidores, empresários e patrocinadores, não podemos generalizar. Pondero. Ainda existem os abnegados e aqueles que colocam dinheiro no fogo por paixão, pois racionalmente, se fossem atuar como exige o mercado, não arriscariam. Senão vejamos.

Primeiro: como investir no futebol sergipano, onde até há pouco tempo um grande clube guardava o dinheiro da folha de pagamento numa caixa de sapatos? Segundo: como acreditar num futebol profissional, onde sua entidade mater é regida por um estatuto enfadonho e obsoleto que permite, entre outras bizarrices, várias associações que não lidam com futebol escolherem os dirigentes da entidade, por meio do voto, influenciando nos destinos do futebol sergipano? Estou até pensando em filiar o Club Amigos do Buraco “Prof. Robson Oliveira”, sediado no Bar do Bernardo, lá no Santa Lúcia, para ter direito a escolher o próximo presidente da FSF! Terceiro: como um patrocinador vai entender sério um futebol que não respeita nem as normas que regulamentam o exercício de profissões que lidam diretamente com o futebol? Ou como explicar que o técnico e o fisicultor de uma grande agremiação sejam contratados para atuar sem o competente registro profissional no CREF? Seria o caso de o advogado, para atuar na defesa do seu cliente perante um juízo, sem o registro da OAB. Ou do arquiteto, assinar um projeto urbanístico, em situação irregular perante o CREA. Ou o administrador, como eu, elaborar e assinar pareceres e relatórios acerca de normas e processos organizacionais (rotinas, fluxogramas, organogramas), sem o competente registro no CRA. Quarto: como uma empresa de âmbito nacional empreender ações de marketing em nosso futebol, se ele não é visto, nem lido nos grandes portais e agências de notícias? Nesta segunda, 06, li notícias do futebol alagoano e do potiguar no portal Terra. Por lá podemos ler também as novidades do futebol amazonense, paraibano, capixaba e mato-grossense. Só para mencionar os mais próximos sob o ponto de vista técnico, numa forma mais geral. Mais específico, de ranking, nem pensar, pois brigamos com Rondônia, Roraima, Tocantins e Piauí. Então, o que faz o futebol sergipano não está inserido naquele portal de notícias? Tudo isso pode explicar a ausência de potentes investidores no nosso futebol e que contribui para impedir o seu decolamento. A imagem de uma empresa deve estar sempre associada a um produto que cause impacto, êxito, sucesso, resultado de uma organização. Pelo contrário, o investidor não arrisca.

Contudo, temos muitas outras respostas para o questionamento em tela. Sobram críticas também para a própria imprensa e para nós os torcedores. Por que os diários e semanários, em suas páginas de esportes, regularmente não apresentam as prováveis escalações das equipes, antes dos jogos, nem o seu resumo, no dia seguinte, com escalações, substituições, artilheiros, cartões, arbitragem etc? Faça um teste. Pesquise o campeonato de 2011 e o deste ano. E quando publica a escalação da equipe, o faz não demonstrando exatamente como o time atuou, em relação ao sistema de jogo empregado. Quando uma equipe adota o 3-5-2, o zagueiro que jogou como líbero ou na sobra é disposto como se tivesse atuado como volante. Ou que tal uma emissora de rádio transmitindo um jogo todinho da silva e um seu narrador chamando Betão em vez de Almir Sergipe e Almir Sergipe em vez de Betão. Um – Betão – é lateral e negro. O outro – Almir Sergipe – é meia-atacante e branco. Em outro jogo, a troca foi Cirilo por Zé Raimundo. O equívoco é da equipe esportiva ou do clube? O futebol cresce com riqueza de detalhes, mais dados, mais informações precisas. Entretanto, admito, aqueles que fazem a imprensa esportiva são verdadeiros baluartes, principalmente os que atuam no rádio, dadas as condições oferecidas pelas empresas de comunicação, FSF e clubes.

Quanto aos torcedores falta aquele bairrismo que localizamos em Pernambuco. A autoestima do torcedor sergipano é baixíssima. Por que a AD Confiança, a AO de Itabaiana e o CS Sergipe não são os nossos primeiros times? Por que não mirar-se em Fernando Pessoa, por meio do heterônimo Alberto Caeiro, “o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia”? Por que não termos como exemplo a torcida do Santa Cruz que, mesmo na Série D, batia recordes de público praticamente em todas as rodadas, incluindo os jogos da badaladíssima Série A com Flamengo e Corinthians? Por que não ensinarmos aos nossos filhos, desde cedo, a torcer pelo time do seu lugar? Por que ao invés de presenteá-lo com uma camisa do Palmeiras, sendo um baita buraqueiro oferecer-lhe uma do Guarani? Futebol, além dos bastidores, é paixão.

E onde entra o poder estatal? Claro que aos gestores públicos é dever contribuir para o engrandecimento do futebol profissional. O futebol gera emprego e renda. Mas não sou daqueles que entendem que deva ser prioridade estatal o desembolso de recursos financeiros para o desporto profissional. Afinal os recursos são escassos e a prioridade de um governo deve ser a educação, a saúde e a segurança. É na área de infraestrutura que a administração pública pode ajudar o decolamento do nosso futebol. Preservando e mantendo os estádios em perfeitas condições para a prática do futebol e o conforto dos torcedores e da imprensa. E, lamentavelmente, o que testemunhamos em Sergipe é lastimável, exceto raras situações. Do gramado aos vestuários. Dos sanitários às gabines de rádio. Afinal, como o patrocinador casar a imagem de sua empresa com um estádio acanhado e feio que nem local apropriado para aposição de uma placa publicitária o estádio possui? Admito também o uso de recursos públicos destinados ao futebol, numa relação de troca. Num certame nacional, ações de merchandising. O clube e os atletas divulgariam, país afora, os pontos turísticos sergipanos, sua cultura, suas tradições. Portanto, a valorização da imagem do produto estado de Sergipe. O governo estadual ou as prefeituras arcariam com as despesas de hospedagem e transporte. Em termos locais, as secretarias estadual e municipais de Educação poderiam promover um programa de premiação aos seus melhores alunos das séries iniciais, transportando-os aos estádios de futebol, a fim de estimulá-los a torcerem pelo time de sua cidade. Poderiam envolver e fazê-los acompanhar os professores de Educação Física, em atividades lúdicas, e os de Português, que cobrariam uma redação sobre o jogo. Foi indo ao outrora José Neto, desde cedo, que em minha casa aprendemos a amar o América FC e olhe que nosso segundo time – o Botafogo FR – na época era toda a linha de  ataque da seleção nacional de Rogério a Paulo César, sem esquecer o técnico Zagalo. Nossas primeiras referências foram nosso primo Carlos Silva, Enário, Vílson, Bobô, Geraldo e Tiquinho.

Em suma, o que impede o futebol sergipano a decolar são: a) a estrutura arcaica da FSF e dos clubes; b) a ausência de profissionalismo e prática de métodos científicos na gestão do futebol; c) a falta de confiança de investidores, empresários e patrocinadores; d) a baixíssima autoestima dos torcedores sergipanos; d) a ausência de divulgação do futebol sergipano, no cenário nacional, por meio das agências  e portais eletrônicos de notícias; e) as precárias condições oferecidas aos torcedores e à imprensa, nos estádios públicos e privados; f) as precárias condições oferecidas aos  profissionais da imprensa esportiva, pelas empresas de comunicação e gestores do futebol, necessitando-se uma maior profissionalização (salários dignos e compatíveis com seu mister e aprimoramento de conceitos vinculados ao jornalismo esportivo).

Porém, creio que o futebol sergipano tem jeito. Algumas medidas poderiam ser adotadas com vistas a incrementar o soerguimento do nosso futebol. Destacaria: a) diagnóstico integral do futebol sergipano, por meio de um seminário (não como aquele meia-boca recentemente realizado) envolvendo a FSF, clubes, imprensa, torcedores, árbitros, governos e empresas, com a participação de expositores de reconhecida capacidade, nos campos de gestão do futebol, legislação, técnicas e táticas de futebol, preparação física, medicina, fisioterapia, nutrição, arbitragem etc, logo após o final do atual certame; b) Imediata elaboração de um novo estatuto da FSF e revisão dos estatutos dos clubes, adequando-os aos novos paradigmas e conceitos do futebol profissional; c) transporte coletivo confortável e horários preestabelecidos de ida e retorno, ligando bairros/estádio/bairros; d) torneio início, “de verdade”, integrado ao campeonato, garantindo-se pontuação ao campeão e ao vice; e) programa de incentivo fiscal, com gerenciamento da Secretaria de Estado da Fazenda e participação das secretarias municipais de Finanças e Tributos, com premiação atraente para os torcedores, com acesso aos ingressos e estádios sob critérios rigorosos (nada de cambistas e outros oportunistas); f) programa de incentivo ao jovem torcedor, transportando aos estádios os melhores alunos das redes pública e privada de educação, numa parceria envolvendo as secretarias estadual e municipal de Educação e Esporte e Lazer, escolas particulares, empresas e imprensa; g) isenção do pagamento do ingresso para o público feminino, envolvendo a parceria com empresas. Quem sabe aquelas que fabricam ou comercializam produtos destinados às mulheres (cosméticos, lingerie etc); h) promoção de jogos noturnos, nas sextas e sábados, casados com shows musicais (muitos jovens apreciadores de música também adoram o futebol).

Enfim, é o que penso.

*Torcedor do futebol sergipano

PARA DEBATE/BARRA DOS COQUEIROS

“Falta um prefeito na Barra dos Coqueiros”, afirma José Montalvão

por Lays Millena (http://sergipe-noticias.blogspot.com/2012/02/falta-um-prefeito-na-barra-dos.html)

Na manhã dessa quinta-feira (9), em entrevista ao jornalista André Barros durante o Sergipe Notícias, exibido na TV Atalaia, José Carlos Montalvão, superintendente da Câmara de Mediação e Arbitragem da Associação Comercial de Sergipe, falou sobre o trabalho desenvolvido no estado. Orientando às pessoas em relação aos serviços oferecidos pela Câmara, Montalvão explica qual deve ser o procedimento. “Caso alguém queira solicitar a arbitragem, deve procurar a Associação Comercial que, inclusive, vai completar 140 anos. É uma instituição de confiança e credibilidade”, ressalta.

No entanto, Montalvão não se limitou a falar de arbitragem e expôs seu ponto de vista em relação à Barra dos Coqueiros, município bastante conhecido por ele. Questionado sobre os investimentos no município, o superintendente reclama da atual administração. “Graças a Deus a Barra dos Coqueiros existe independente da prefeitura. O que falta lá é um prefeito, mas algumas coisas funcionam. Tanto é que somente esse ano, a iniciativa privada está investindo R$ 700 milhões em grandes empreendimentos. Além disso, cerca de 2.800 apartamentos estão sendo construídos”, revela.

De acordo com o superintendente, o prefeito Gilson dos Anjos (DEM) não faz o papel que lhe cabe. “Existe um prefeito de direito, que é Gilson, e existe um prefeito de fato, que é o governador Marcelo Déda (PT)”, ironiza.

Ainda durante a entrevista, Montalvão listou problemas como falta de iluminação pública e ruas sem calçamento, indicando a irresponsabilidade do gestor. Segundo ele, houve um concurso público que foi anulado pela justiça e, enquanto recorre, “a prefeitura faz o que bem deseja”. “Nem devolve o dinheiro aos concursados, nem faz outro concurso”, afirma.

Conhecedor da região há cerca de 25 anos, Montalvão mostra interesse em candidatar-se nas próximas eleições. “Estou filiado ao PSB e, no partido, existem outros nomes que estarão à disposição da população. Através de pesquisas, vai ser identificado o melhor nome para disputar a eleição. Será uma decisão do povo”, finaliza.

Sistema falido da segurança pública nacional. Hoje, os cidadãos são reféns das polícias.

Reflexão – diante da crise que o Estado Brasileiro passa em face de suas polícias, vale a pena reler entrevista que William Bratton deu à revista VEJA, em dezembro de 2009, sobre o sistema falido da segurança pública nacional. Hoje, os cidadãos são reféns das polícias.

Dossiê: Sim, pode dar certo – Edição 2141 – Revista VEJA

Entrevista o William Bratton
O STEVE JOBS DA POLÍCIA

A crônica americana de grandes feitos empresariais, como a virada da General Electric promovida por Jack Welch, ou a da Apple, de Steve Jobs, tem agora seu similar no ramo da segurança pública. William Bratton, 62 anos, já era famoso quando conseguiu vencer o crime em Nova York, na década passada. Sua mais recente empreitada foi recolocar o Departamento de Polícia de Los Angeles no trilho. Graças a seu talento para estruturar polícias, alcançou fama inigualável entre os policiais do mundo inteiro. No mês passado, ele trocou o comando do LAPD, que ocupou por sete anos, pela carreira de consultor. Suas lições nesse ramo são preciosas. Bratton falou ao editor Ronaldo França, pouco antes de se aposentar, sobre o que falta às polícias brasileiras para que ganhem em eficiência.

SEGURANÇA NO BRASIL
Quando estive no Brasil, em 2002, o país começava a se tornar uma força econômica. Nessa área, o Brasil teve avanços enormes, que não se refletiram na segurança. Eu não sairia do hotel para andar pelas ruas do Rio de Janeiro, como faço nos Estados Unidos. A reputação do Rio é terrível. Eu não iria lá nem a negócios nem como turista.

SALÁRIOS X CORRUPÇÃO
A polícia brasileira, como acontece em diversos países latino-americanos, é terrivelmente mal paga, o que encoraja a corrupção. Os policiais ficam muito suscetíveis a receber propostas de suborno para sustentar sua família. Nos Estados Unidos, os policiais ganham muito bem e pertencem de fato à classe média. No Brasil, os soldados
da Polícia Militar ou os agentes da Polícia Civil são parte da classe social mais baixa. Isso cria uma distância em relação à classe média e aos ricos, provoca grandes dificuldades e frustração.

"Comecei a carreira como policial. No Brasil, seria um soldado de polícia. Eu jamais conseguiria ascender e me tornar chefe de polícia. Seria, no máximo, capitão ou major"

POLÍCIA DESMOTIVADA
Vocês têm uma divisão na Polícia Militar em que os policiais são de uma classe social diferente da dos oficiais. Os soldados não podem chegar ao topo. E os policiais civis e investigadores são uma outra classe. Os delegados são advogados. É um sistema extraordinariamente complexo, que não tem a equidade existente na polícia dos Estados Unidos. Eu comecei minha carreira como policial. No Brasil, seria um soldado de polícia. Jamais conseguiria ascender ao cargo de oficial e, depois, ao de chefe de polícia. Seria no máximo capitão ou major. Eu teria de ir a uma faculdade de direito para me tornar delegado. Em meu departamento, todo investigador pode chegar ao posto mais alto da carreira policial. Não ter chance de ascender é algo desestimulante em qualquer carreira. Não haveria por que ser diferente na polícia.

TECNOLOGIA
Ainda há muitas delegacias com aparelhos de fax velhos e máquinas de escrever. Os equipamentos também são muito precários, com veículos em condições terríveis. Esse atraso é extremamente prejudicial. A tecnologia faz parte do coração de um departamento de polícia, claro que operada por pessoal capacitado e bem treinado.

JUSTIÇA
É muito, muito importante que as corporações se relacionem com a Justiça, a promotoria, o sistema penitenciário, todos os elementos que compõem o sistema de justiça criminal. No Brasil, isso não acontece. Já estive no Ceará prestando serviços para o governador Tasso Jereissati, que estava muito empenhado nisso e trabalhando com muita seriedade. Despendemos muito tempo lá, implantamos alguns sistemas e fizemos algumas recomendações. Mas a Justiça é extremamente ineficiente. O sistema de justiça criminal brasileiro é tão desconectado que nem sequer pode ser chamado de sistema. É preciso promover uma profunda mudança, ou não se terá nunca uma boa polícia no Brasil.
http://veja.abril.com.br/021209/sim-pode-dar-certo-p-168.shtml

DO LEITOR

Detran-SE X Burocracia
E-mail do leitor Hugo Maia: “Dirigi-me hoje, 09, ao CEAC Riomar para entrar com o processo de renovação da minha habilitação. O atendimento foi bom e até que não foi demorado. O que me deixou chateado é que agora estão exigindo além da cópia da CNH, cópia também da carteira de identidade. Não houve argumento que fizesse o funcionário arredar pé da exigência, mesmo eu explicando que na CNH tinha o número do RG, CPF etc. e tal. Quando a gente reclama é porque é do contra. Só gostaria de saber o argumento para essa exigência descabida já que a CNH é documento legal por lei” .

Blog no twitter: www.twitter.com/BlogClaudioNun

Frase do Dia
"O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo." – poema "O Analfabeto Político", de Bertolt Brecht, dramaturgo e poeta alemão, que nasceu em 10 de Fevereiro de 1898.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários