Sucessão e delírios

0

A leitora Flávia Santana envia e-mail a Plenário dizendo que foi informada que o partido do ex-governador Albano Franco, o PSDB, poderá lançar um nome novo para o governo do estado. Dentre esses nomes estariam o deputado Fabiano Oliveira e o advogado Pedrinho Barreto. Segundo a mesma fonte, “no entendimento de alguns membros do partido é que, como o governador João Alves Filho (PFL) e o prefeito Marcelo Déda (PT) não empolgam mais o eleitorado, tanto um como outro não são novos e ambos têm mais de 20 anos no poder”. Trata-se de um delírio que fez sorrir membros do ninho tucano. O deputado estadual Fabiano Oliveira (PSDB) estranhou esse tipo de comentário sem lógica e rebateu: “sou candidato a deputado estadual, que é onde meus passos podem alcançar”. Já o advogado Pedro Barreto não foi encontrado para falar sobre o assunto. Entretanto, em outra ocasião, ele afirmou que pensa em disputar uma vaga na Assembléia Legislativa, mas precisa de um aceno – e apoio – do ex-governador Albano Franco.

 

Na realidade o tucanato está paciente, à espera de uma decisão do ex-governador Albano Franco em relação ao seu destino político nas eleições de 2006. Um velho aliado do líder tucano, que o conhece de várias eleições, acha que ele será candidato a deputado federal, porque sabe que não terá dificuldade em se eleger. Além disso, com o potencial eleitoral que detém, o ex-governador poderá fazer mais um parlamentar. Tem quem acredite que leve até dois. Mas a maioria o vê na chapa majoritária, como é o caso do deputado Jorge Araújo (PSDB): “na pior das hipóteses, Albano tem que ser candidato ao Senado”. Mas, na realidade, o quer disputando o governo do estado, assim como também deseja o deputado federal Bosco Costa, presidente regional do PSDB, que não vê o seu partido sem disputar a sucessão estadual. Albano apenas ri discretamente e admite que é cedo para uma decisão. Se ouvir a família, o ex-governador segue direto para a Câmara Federal.

 

Ontem, entretanto, uma liderança política que trocou um partido de oposição no estado por outro, declarou que conversou demoradamente com o líder da sigla que abandonara, para explicar a decisão da transferência: “não tenho condições de votar em nenhum candidato do Partido dos Trabalhadores”, decidiu. Perguntado pelas razões, respondeu: “não dá atenção a ninguém, nunca nos convidou para nada e só que o nosso voto”. Não voltou atrás e está mais animado com seus novos aliados, embora mantenha a amizade e admiração pelo líder que deixou para trás. Ao ouvir as razões da liderança política que deixou o partido que integra o bloco vinculado ao prefeito Marcelo Déda, principalmente na questão de que “não recebia atenções”, um parlamentar do PSDB foi imediatamente perguntando: “mas quem recebe”? E fez um comentário: “querem apenas que a gente sirva de escada para eles”.

 

Não fez nenhum comentário sobre a posição que deseja para o ex-governador Albano Franco, porque o acompanha em qualquer decisão, mas antecipou que setores fortes do Partido dos Trabalhadores não votam nele em uma chapa majoritária: “Os deputados Francisco Gualberto e Ana Lúcia (ambos do PT) já avisariam que não votariam em Albano caso ele fosse candidato ao lado do prefeito Marcelo Deda”, denunciou. O deputado estadual Jorge Araújo confirmou que também ouviu isso. Os tucanos não escondem que há um grupo significante que defende um entendimento com o governador João Alves Filho e que já existem conversas freqüentes entre amigos comuns, que fazem intermediação: “uma aproximação está mais próxima”, comemorou um desses cidadãos, hábil na arte de fazer “casamentos” impossíveis. Albano e João, entretanto, não fazem comentários sobre isso, enquanto correligionários dos dois desaconselham um acordão: “a sociedade não aceitaria mais isso”, diz um parlamentar vinculado ao governador que, entretanto, adverte: “Se Albano fizer uma composição com o PT, certamente haverá o voto camarão”.

 

Indiferente a tudo isso, o prefeito de Aracaju, Marcelo Déda, inclui Albano Franco como um dos nomes que podem integrar a chapa majoritária que o tem candidato a governador…

 

 

ELBER

O deputado federal João Fontes (PDT) disse que o vereador Elber Filho veio para o partido e se colocou à disposição do PDT, sem fazer nenhuma exigência.

Fontes acha que Elber Filho é um político sério, competente e tem tudo para ser o candidato ao governo do estado pelo PDT.

 

CHAPÃO

O deputado federal Ivan Paixão permaneceu no PPS e será candidato em 2006. Diz que o bloco de apoio ao governador João Alves Filho (PFL) fará um “chapão”.

Ivan disse que sua situação não é diferente dos demais candidatos, porque o deputado Roberto Freire (PSB) não será candidato a presidente caso se mantenha a verticalização.

 

REBELO

Na opinião de Ivan Paixão, o ano legislativo se encerrou com o deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB) como presidente da Câmara Federal.

Paixão explica: “é que a base de governo foi reaglutinada e os deputados envolvidos com o mensalão acreditam que serão salvos da cassação”.

 

CANDIDATO

O prefeito Marcelo Déda (PT) revelou que esse ano vai terminar sem candidato a vice-governador e ao Senado Federal.

Para Déda, esse processo de formação de chapas majoritárias só vai se afunilar depois de sua desincompatibilização em abril.

 

MUDANÇAS

Sobre esse jogo de troca de partidos, o prefeito Marcelo Déda admite que isso afetou os parlamentares, porque têm que procurar a melhor coligação.

Essa transferência de partido todos os anos que antecedem as eleições retrata o jogo de sobrevivência para quem quer manter mandato proporcional.

 

IRRITADO

O deputado federal Jackson Barreto (PTB) está chateado com o deputado estadual Adelson Barreto, que deixou o partido e ingressou no PSB.

A chateação é porque Adelson não conversou antes com Jackson para informar sua decisão de deixar o PTB.

 

RODOVIA

O deputado federal João Fontes está animado porque conseguiu arrancar do Ministério dos Transportes R$ 5 milhões para recuperação da BR-101 em Sergipe.

João Fontes explicou que o recurso é referente à emenda de sua autoria à MP 256, que liberava dinheiro para a Paraíba.

 

PERDEU

João Fontes também disse que Aracaju perdeu R$ 6 milhões para obras, cortados pelos então ministros José Dirceu e Aldo Rebelo.

Acrescentou que foi o próprio prefeito Marcelo Déda quem lhe contou esse fato. “Ou Déda não tem prestígio em Brasília ou esse pessoal não gosta dele”, disse o deputado.

 

ENOQUE

Frei Enoque declarou que a atitude de dom Luís Cappio é uma “interpelação à sandice do governo Lula, que não é capaz de ouvir o clamor da população”.

Já o bispo de Propriá, dom Mario Sivieri, entende que a Lula restam duas opções: recuar, num gesto de humildade e nobreza, ou manter o projeto, “o que será péssimo”.

 

VALADARES

O senador Valadares (PSB) fez apelo ao presidente Lula para que abra o diálogo com o bispo de Barra, dom Luiz Flávio Cappio.

Segundo Valadares, Cappio está em greve de fome contra a obra de transposição do Rio São Francisco e a favor de sua revitalização.

 

CONVERSA

O senador Valadares diz que o bispo “está trocando sua vida por um ideal”, e sugeriu que o presidente peça à CNBB que converse com dom Cappio.

Entende o parlamentar que com isso abre uma negociação que envolve a igreja e entidades não-governamentais para que se encontre uma solução que atenda a todos.

 

ALMEIDA

O senador Almeida Lima (PMDB) manifestou “irrestrita solidariedade” a dom Luiz Flávio Cappio, pela greve de fome contra a transposição das águas do rio São Francisco.

Para Almeida Lima, esse projeto é um crime contra Deus, porque fere de morte a natureza e contraria sua harmonia.

 

FISCALIZA

O TCU fará, em caráter urgente, fiscalizações nos órgãos e entidades envolvidas em denúncias investigadas pelas comissões parlamentares de inquérito.

As fiscalizações abrangem vários órgãos do Governo Federal, entre eles a Petrobrás, ontem citada pelo senador Tasso Jereissati.

 

INVESTIGA

O promotor de Canindé do São Francisco, Etélio de Carvalho Prado Junior, todos os fatos denunciados pela leitora Heloisa Teixeira, em relação à Prefeitura.

Etélio também vai procurar identificar a identidade da pessoa que passou e-mail fazendo as denuncias, publicadas nesta coluna terça-feira.

 

Notas

 

D. MARIA

A senadora Maria do Carmo (PFL) pediu que o governo federal adie o projeto de transposição das águas do Rio São Francisco e solidarizou-se com dom Luiz Flávio Cappio, da diocese de Barra (BA), que está a 10 dias na cidade de Cabrobó (PE), onde faz greve de fome para protestar contra o projeto.

“Dom Luiz coloca a vida em risco, como fez Jesus, para evitar o sacrifício de muitos. É um ato de amor e esperança para alguns e de desespero para outros” – observou a senadora, lembrando que o bispo é um estudioso do rio.

 

VERTICALIZAÇÃO
Não há consenso sobre a queda da verticalização. O PFL, por exemplo, está dividido sobre a questão: “parte da bancada é a favor do fim da verticalização. A outra parte não é. Um grupo pensa que o Brasil é um país continental e que a verticalização gera necessidade de vinculação. Outro grupo não”.

Quem relata isso é o líder do PFL na Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia (RJ) que vê necessidade de uma maior discussão sobre o tema dentro dos partidos, porque a questão da verticalização é polêmica.

 

SEM CONSENSO
Já lideranças do PT acham que não há consenso em torno desses pontos, a discussão deve acontecer independentemente do prazo para que essas mudanças passem a valer. Toda a bancada defende a reforma política e quer discuti-la com profundidade. O país quer mudar o seu sistema político-eleitoral.

Para o PT, o que vai valer para 2006 ou valer para 2010 pode ser um segundo momento. Primeiro, todos têm que se reunir e votar no plenário da Câmara aquilo que será o melhor sistema político para o país no momento.

 

 

É fogo

 

A partir de agora começam os primeiros passos para a campanha eleitoral, em razão das definições partidárias.

 

A maioria das lideranças políticas acha que as decisões sobre candidaturas só serão tomadas depois da desincompatibilização do prefeito Marcelo Déda (PT).

 

O Partido dos Trabalhadores está realizando, a nível nacional e estadual, neste domingo, o segundo turno das eleições diretas para os Diretórios.

 

Em Sergipe será fundamental para Marcelo Déda a vitória de Márcio Macedo, que é o candidato que tem o seu apoio.

 

O vereador Daniel Fortes tem sido permanente fiscal das lei aprovadas e não colocadas em vigor, daí a realização do Fórum “Aracaju com Lei”.

 

O deputado Venâncio Fonseca ficou no PP. Na última hora ele desistiu de se filiar ao PFL, depois que o partido resolver ficar independente de coligação para presidente.

 

O deputado estadual Belivaldo Chagas (PSB) ficou chateado com o seu colega Valmir Monteiro (PSC), que tirou uma vereadora de apoio à sua reeleição.

 

O vereador Elber Filho filiou-se ao PDT, mas ontem teve uma longa conversa com o senador Antônio Carlos Valadares (PSB).

 

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, está se recusando a falar sobre a greve de fome do bispo Luís Cappio.

 

O governo federal deverá escolher até fevereiro o padrão de TV digital que será adotado pelo Brasil. A afirmação é do ministro da Comunicação, Hélio Costa.

 

O ritmo da indústria automobilística continua acelerado, embora o volume de licenciamentos de carros e de comerciais leves em setembro tenha ficado abaixo do total de agosto.

 

Pesquisa da CNI mostra que a maioria dos trabalhadores do mercado formal brasileiro tem baixa escolaridade, ganha de um a três salários e estão na faixa etária entre 30 e 49 anos.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários