TÁTICA DE GUERRILHA

0

O Primeiro Comando da Capital (PCC) se transformou numa sigla que trás o medo à sociedade e provoca o pânico em São Paulo. A polícia se mostra impotente para combater o crime organizado e a população está a mercê de bandidos que dão ordens para os ataques de dentro das penitenciárias. Aparentemente não existe um motivo político para os ataques, mas há uma consciência – já por parte dos marginais – de que provocam uma troca de acusações entre candidatos, governos, militares, enfim, implantavam a sizânia entre as chamadas autoridades. Acusações, recusas de reforço para a segurança por parte do governo federal, além do pandemônio em que vive a sociedade, temerosa de que alguém da família seja o próximo. Alguns até o foram…

Percebe-se, entretanto, que há uma cabeça privilegiada por trás de um grupo bem armado, que resolveu enfrentar a polícia ou o governo, contra-atacando exatamente quem tem obrigação de dar segurança à sociedade. Não deve ser de dentro das penitenciárias que sai a estratégia de ataque. Dos celulares que servem ao crime podem até sair as ordens para os ataques. O início deles. Mas do lado de fora certamente tem alguém, bem treinado na tática de guerrilha urbana, que colocou em prática a caseira bomba Molotov e traça um esquema inteligente de ataques a locais que deixam loucos os policiais, tudo dentro bem cronometrado e com uma perfeição que realmente assusta. Há sim, alguém que sabe mapear bem a capital paulista e passa as ordens para que pessoas vinculadas ao crime pratiquem a destruição.

Fala-se que Marcola, o líder do PCC, cuja transferência de penitenciária fez eclodir essa prática de confronto, é um sujeito que lê muito, principalmente grandes clássicos e que tem uma consciência política avançada. Mas não o suficiente para mapear os ataques e dar um tom de guerrilha a uma ação criminosa. Não há o menor sinal da presença algum partido político por trás da criminalidade, porque seria rapidamente identificável. Em algum momento um desses homens diria alguma coisa que se chegaria a uma dedução do tipo. Mas, aparentemente, existe uma percepção de momento para promover ataque, a ponto de deixar em dúvida a questão política. Até nisso percebe-se que há por trás alguém bem preparado em guerrilha urbana. É preciso levar em consideração que o grupo de choque, que sai para incendiar ônibus, explodir agências bancárias, atirar em postos policiais e criar o clima de pânico no estado, são bandidos comuns que apenas obedecem a ordens.

Mais uma ação de estratégia de guerrilha: o seqüestro do repórter Guilherme Portanova e do técnico Alexandre Calado, ambos da rede Globo, exatamente para a divulgação de um manifesto de protesto sobre a questão carcerária. A estratégia foi tão perfeita, que as pessoas responsáveis por mantê-lo no cativeiro sequer sabiam que os dois eram funcionários da maior empresa de comunicação da América do Sul. Quem escreveu o manifesto? Quem o leu? Outra marca do estilo guerrilheiro é que a paralisação de uma cidade do porte de São Paulo dá um imenso prejuízo ao tráfico de drogas, que são o produto que mantém o crime organizado no estado. Outro detalhe importante: não se fala mais em violência no Rio de Janeiro, hoje uma cidade tranqüila em relação a uma capital como São Paulo, que sofre com os ataques bem coordenados da guerrilha. É preciso que o sistema policial vá a busca de quem projeta os ataques na capital, porque os mandantes já estão nas penitenciárias.

 

Debate – A ausência do presidente Lula (PT), candidato à reeleição, esfriou o debate. Lá debatiam apenas adversários de Lula e as perguntas e respostas tinham o objetivo de levantar a bola para que alguém “batesse” firme no presidente. Apenas dois candidatos polemizaram com uma certa rispidez, Heloisa Helena (Psol) e Geraldo Alckmin, que aparecem com chances nas pesquisas e disputam melhor posição.

 

 

GRAVAÇÃO

O governador João Alves Filho (PFL) viajou ontem para o povoado Saramen, povoado de Brejo Grande, e de lá seguir de catamarã até próximo a foz do rio São Francisco.

O governador fez o seu programa de televisão de uma pequena canoa, para mostrar as condições precárias de um rio que está moribundo.

 

TEMA

Um dos temas dos programas do governador João Alves Filho será a luta contra a transposição do rio para o Nordeste Setentrional.

A obra era de interesse eleitoral do presidente Lula e do ex-ministro Ciro Gomes, mas não foi realizada através de ações jurídicas lideradas por João Alves.

 

ELEIÇÃO

Benedito Figueiredo (PMDB) candidato a suplente de Zé Eduardo (PT) defende que as eleições sejam em duas fases distintas em cada dois anos.

Primeira, eleição para presidente, senador e deputado federal. Segunda, governador, prefeito, deputado estadual e vereador.

 

POLÍTICA

Benedito Figueiredo concorda com o presidente Lula (PT) ao sugerir uma reforma política em termos de constituinte: “há uma grande necessidade de fazer isso”.

Benedito acha que o momento não foi adequado em razão da disputa política em que se vive, “mas isso terá que ser feito”.

 

IVAN

O prefeito de Estância (PSDB) confirmou ontem que há conversas para que ele assuma a presidência do partido em Sergipe.

Ivan considera que a posição é honrosa, mas não existe nada definido e nem decidido. Deve acontece logo após as eleições.

 

DIFERENTE

Um dos candidatos a deputado federal disse que as eleições de hoje são diferente de antigamente: “não se discute política, mas finanças”.

Considerou isso lamentável, porque o voto virando mercadoria jamais se pode ter uma assembléia ou uma Câmara representativa da sociedade.

 

RETORNO

Pior do que isso, a mesma fonte diz que o investimento para compra do voto, como manda o comércio, tem que ter retorno e lucro.

Como não se dá para fazer retornar a aplicação em quatro anos, muitos parlamentares desandam para o crime, como mensalão, sanguessugas e outros de menor porte.

 

UNIVERSAL

O bispo Edir Macedo, chefe maior da Igreja Universal do Reino de Deus, dirigiu reunião no Rio de Janeiro, na semana passada, com candidatos a eleições deste ano.

Ficou decidido que os integrantes da igreja universal citados em escândalos não poderão se candidatar.

 

HELENO

A medida do bispo Macedo atingiu ao deputado Heleno Silva (PL) em Sergipe, que foi comunicado antes, por um intermediário do bispo.

A igreja universal foi quem pôs um ponto final na carreira política de Heleno Silva, em razão da inclusão do seu nome na relação dos sanguessugas.

 

INOCÊNCIA

Abatido com todo esse clima que o envolve, uma das preocupações de Heleno é trabalhar para ser um dos primeiros a depor no Conselho de Ética.

“Não desejo encerrar meu mandato sem ter tido oportunidade de comprovar minha inocência”, disse Heleno Silva.

 

PROGRAMA

Começa hoje o programa de televisão. Para muitos um sacrifício, para todos uma necessidade de ouvir propostas e escolher o melhor.

Claro que existe muita gente despreparada para apresentação na televisão, mas uma grande parte tem o que falar, mostrar proposta e colocar em suas mãos a melhor decisão.

 

ALBANO

O ex-governador Albano Franco (PSDB) está animado com a campanha e conquistando muitos votos no interior.

Admite que será uma disputa acirrada, mas acha que João Alves Filho é um predestinado e trabalha muito para reconquistar o mandato.

 

MACHADO

O deputado federal José Carlos Machado (PFL) está, definitivamente, com o bloco na rua para se manter na Câmara Federal.

Machado mantém um bom grupo de aliados e conta com prefeitos que o apóiam sempre. É certa a sua reeleição, embora ainda requeira de muito trabalho.

 

 

Notas

 

CARTILHAS

Os cadernos de folhas de votação do primeiro turno das eleições federais este ano já começaram a ser distribuídos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O tribunal tem até o dia 15 de setembro para terminar o envio dos documentos aos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) de todo o país.
De acordo com a Coordenadoria de Infra-Estrutura do Tribunal Superior Eleitoral, deverão ser utilizados 1.276.096 cadernos nas 400 mil zonas eleitorais de todo o Brasil, nos dois turnos das eleições.

CARAPUÇA

O diretório paulista do Partido dos Trabalhadores apresentou ontem, ao Ministério Público Eleitoral, uma notícia-crime contra a associação Transparência Brasil que, em campanha publicada em seu site na internet, “exorta o eleitor a não votar em mensaleiros, sanguessugas e implicados em outros escândalos”.
Por que será que o PT acha isso uma notícia-crime? Será que o movimento bateu na carapuça petista? Será que a ação não é uma confissão de que o partido tem mensaleiros, sanguessugas e implicados em outros escândalos?
 

CONTRATO

A Câmara analisa Projeto de Lei, da deputada Laura Carneiro (PFL-RJ), que institui o contrato de união homoafetiva. A proposta altera o Código Civil estabelecendo que duas pessoas do mesmo sexo poderão constituir união homoafetiva por meio de contrato que disponha sobre suas relações patrimoniais.

Assim como ocorre no Direito de Família, cujos processos são protegidos por segredo de Justiça de forma a garantir a privacidade, é garantido o segredo no âmbito cível para as cláusulas do contrato.

 

É fogo

 

Carros circulam em alta velocidade na avenida Beira Mar e um deles atropelou uma garota, que atravessava o posto para a boate. A menina está em coma…

 

Tem tudo para ser aprovado o projeto de lei que determina bar e restaurantes fecharem a uma hora da madrugada.

 

E bom prestar atenção no que dizem os candidatos na televisão. O programa começa hoje e ninguém deveria perder, para votar com responsabilidade.

 

A coligação da oposição fará a abertura do programa com a participação de todos os candidatos majoritários e proporcionais.

 

Todos os candidatos passaram parte do domingo dando um toque final nos programas gratuitos de televisão.

 

Algumas pessoas evitam assistir programas políticos, mas é muito importante que escutem com atenção o que os candidatos têm a dizer.

 

A deputada Celinha Franco fechou com o ex-governador Albano Franco para deputado federal. O prefeito Zé Franco vai dar a maior força.

 

Nilson Lima também tem trabalhado muito para em busca de apoio de voto. Nilson está no páreo e é o único do PT que está com maior chance.

 

Benedito Figueiredo (PMDB), primeiro suplente de vereador de Zé Eduardo (PT) está trabalhando firme para conquistar voto.

 

As empresas que forem aderir ao novo parcelamento de débitos da Receita Federal e Procuradoria Geral da Fazenda terão que fazer pedidos nos sites. Começou ontem.

 

A medida provisória 303, que contempla também os débitos com a Previdência Social, permitiu o parcelamento em até 130 meses.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais