TCE pode ficar na mira Federal

0

  O número de conselheiros do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe citado nas gravações da Polícia Federal está levando uma importante entidade sindical a elaborar um documento endereçado ao procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, solicitando orientação de como proceder em relação ao órgão auxiliar da Assembléia e fiscalizador.

   A entidade entende que é preciso se tomar alguma providência em nível nacional e tem esperança de que a situação de Sergipe acabe abrindo um grande debate sobre a nomeação política de conselheiros em todo o país. Um dos seus dirigentes chegou a afirmar que acredita que Sergipe poderá servir de modelo para o país, e citou como exemplo a histórica campanha de

Paulo Maluf à Presidência da República que vinha conseguindo enganar ao povo brasileiro até visitar Sergipe quando saiu daqui debaixo de ovos podres e daí em diante só fez despencar.

  O colunista até concorda como já disse um dia o saudoso Augusto Franco: “Sergipe é outro País”, mas não posso deixar de atestar que a disposição dos que atiraram ovos em Maluf, hoje é muito menor que em passado recente.

  O deputado federal Jackson Barreto (PMDB) começa a buscar aliados para este intento em nível nacional. Depois das gravações da Polícia Federal, alguns veículos de comunicação estão dispostos a abrir espaço para que Jackson Barreto revele o que faz cada um dos conselheiros no interior do Estado. Pelo menos foi essa a promessa feita pelo parlamentar sergipano, no Jornal do Estado exibido na última terça-feira, 19, pelo Sistema Atalaia de Comunicação, onde acusou os

conselheiros de tentarem extorquir o governador Marcelo Déda.

 

MPF está transcrevendo todos os trechos usados na acusação

Na Folha de São Paulo de hoje, 21: “No detalhe. A denúncia da Operação Navalha, anunciada diariamente, está demorando porque o Ministério Público decidiu pedir à PF a transcrição integral dos trechos usados na peça de acusação. Quer evitar que os advogados aleguem que a ação utilizou material fora de contexto”.

 

Coluna não publicará nada envolvendo a vida pessoal

A coluna vem recebendo e-mails informando sobre algumas gravações da Operação Navalha que envolve a vida pessoal. Nada será publicado neste espaço. Não interessa a vida pessoal, mas a vida pública com o envolvimento de recursos oriundos dos impostos dos sergipanos.

 

Gravações estão servindo como objeto de barganha

Corre nos bastidores que as gravações estão servindo de objeto de barganha. O certo é que as emissoras TV Atalaia e TV Sergipe, conseguiram as gravações com a Record e a Globo respectivamente. Talvez  esteja na hora do procurador Eduardo Pelella repensar a decisão de não entregar cópias do material a imprensa. Talvez seja melhor para acabar com as especulações, as barganhas e até mesmo a venda de cópias.

 

Pão dormido, não vale

Houve muita especulação sobre uma grande pressão de bastidores para que as gravações exibidas nos telejornais tivessem fim, falou-se até em aprofundar as denúncias sobre o financiamento concedido aos investidores da rede hoteleira em Sergipe como instrumento de intimidação da família Franco. O certo é que as gravações continuam, porém coincidentemente, alguns veículos começam a repetir as gravações já divulgadas por outros órgãos, enquanto que a sociedade estava gostando mesmo era do ineditismo. Afinal de contas quem trabalha com comunicação não pode desconhecer a informação que circulou no dia anterior, mesmo que em outro veículo, o nome disso é matéria dormida. O colunista aprendeu isso quando ia cedo demais comprar o pão para o café da manhã e a menina da Padaria dizia: “O pão não saiu ainda, só tem pão-dormido”, ela referia-se ao pão duro, feito no dia anterior.

 

 

JC continuará publicando matérias sobre a Navalha

Ao contrário do que estão tentando alguns setores, o Jornal da Cidade continuará com a série de matérias sobre a Operação Navalha. A tentativa de calar o jornal está clara numa determinada rede que manda recados diariamente, mas o tiro saiu pela culatra. Em respeito ao fundador Antônio Carlos Franco, o jornal continuará com a linha vem descrita na frase da primeira página: “Sem liberdade de criticar, não existe elogio sincero”. Beaumarchais.

 

Ontem não teve nem TV Atalaia, nem TV Sergipe

E a população sergipana ficou sem o capitulo da novela “Navalha”, ontem, 20. Nem a TV Atalaia, nem a TV Sergipe veicularam alguma gravação. Já virou rotina depois da apresentação do Pica-pau, a TV Atalaia apresentar a hora da madeira. Não tem lombo que agüente! Como a TV Atalaia tem gravações para mais um mês é só aguardar…

 

Autenticidade das certidões da Gautama

Ao tomar conhecimento da gravação que foi veiculada na Milenius FM – 90.3 MHz emissora localizada em Itaporanga D”juda, um advogado informou que vai provocar a Polícia Federal para que investigue minuciosamente junto aos órgãos municipais, estaduais e federais, a autenticidade das certidões apresentadas no momento dos recebimentos das faturas. Ele achou estranha a

informação passada pelo empresário Zuleido Veras que ao tomar conhecimento de que o recebimento estava dependendo de “certidões”, avisou que as “certidões” ele resolveria com o Flávio do mesmo jeito (de que jeito?). Se o jeito for um jeito não muito legal, isso se transformará num outro crime, até porque em Sergipe muitos pequenos empresários sofrem para receber

pequenas quantias exatamente por falta de certidão negativa.


Déda fala sobre reforma política para Jornal O Globo I

Passou despercebida em Sergipe a coluna de Tereza Cruvinel – do jornal O Globo – destacando a posição do governador Marcelo Déda (PT) sobre a reforma política em tramitação no Congresso Nacional, com o título “Saturno devora”. “Eu até compreendo as cautelas do Planalto. Afinal, esta é uma tarefa de todo o Congresso, de todos os partidos, e não da coalizão governista”, disse.  “Nada é mais perigoso do que nada mudar neste sistema. A reforma política é o PAC da democracia, vacina contra estas crises que ameaçam a governabilidade e a saúde democrática”.

 

Déda fala sobre reforma política para Jornal O Globo II

Em outro trecho: Se algum muito serve à comparação com nosso sistema político-eleitoral, diz ele, é o de Saturno, aquele que devorava seus filhos tão logo nasciam. – Há pouco tempo foram devorados importantes quadros do PT, tão logo o partido chegou ao governo. Agora, o dragão ameaça um grande nome do PMDB. Outros partidos já deram ou darão sua cota de sangue, ninguém se iluda. O monstro, diz Déda, sofre de patologias múltiplas: indisciplina e infidelidade nos partidos, individualismo exacerbado dos candidatos, usufruto pessoal dos mandatos, dependência química de financiamento privado, distanciamento do eleitor, desrespeito à sua vontade. Resultado: descrédito para o Legislativo, instabilidade para o Executivo.

 

Déda fala sobre reforma política para Jornal O Globo III

Continua a matéria: Defensor da lista partidária fechada, Déda estranha o argumento de que o sistema fortaleceria os caciques, que teriam poder para nela pôr e tirar nomes. – E no voto distrital, quem escolherá os candidatos nos distritos? Nos partidos oligárquicos serão os caciques. Nos mais orgânicos, serão os filiados ou os convencionais. A lista pura, creio, traria vida inteligente e participativa aos partidos. Mas meu ponto agora é evitar o colapso da reforma. Quando partidos ideologicamente distintos com o DEM e o PT se unem pela reforma, é sinal de que ela se tornou imperativa. Para dar um passo grande esta semana, os partidos precisam tomar como premissa o fim do vício no dinheiro privado – receita o governador de Sergipe. Mas também isso, que já foi consenso, começa a não ser.

 

Quadras devem ser usadas por estudantes carentes

Cresce o apoio à mudança na utilização das quadras de tênis da orla da Atalaia, que hoje está privatizada visando apenas o lucro, que vai todo para a Federação de Tênis. Cresce no governo estadual a idéia de ceder o espaço para uma espécie de cooperativa de professores de educação física que reverterão o lucro com horários diversos para aulas dos alunos carentes da comunidade do bairro Santa Maria. Será um gol, ou melhor, um ace, de campeão do novo governo.

 

Placa de segurança usada por pessoa comum

No Detran, a placa HZW  – 5406 está como de segurança e foi cedida a um importante poder de Sergipe. Porém, a placa está sendo usada num fusion preto, em nome de um particular que não é autoridade. O leitor ficou de enviar a foto para comprovar o delito. Com a palavra o secretário Kércio Pinto que disse que acabaria com os abusos.

 

Uso de armas na sala de aula

A coluna vem recebendo e-mails sobre o uso de armas por militares nas salas de aula, depois que publicou uma denúncia de um professor universitário de uma faculdade particular. A pergunta é: se o policial está fora do horário de serviço, qual o motivo de levar a arma para a sala de aula? No caso do policial militar não é porte ilegal? Este colunista tem amigos na PM, desde soldado até coronel, mas entende que é preciso encontrar uma solução para o problema, não só na PM, mas na policia civil e outras categorias.

 

Silêncio sobre os números financeiros da saúde

Este colunista está analisando alguns números interessantes sobre as finanças na área da saúde de Aracaju de Julho do ano passado até o presente momento. Vai jogar por terra muitas coisas.

 

Apartamento de R$ 250 mil em Salvador

A coluna está investigando a denúncia de que um parlamentar recebeu R$ 250 mil para apoiar algumas candidaturas nas eleições do ano passado. Com o dinheiro foi comprado o apartamento em Salvador, para não levantar suspeitas.

 

 

OAB/SE entrega pedido de CPI da Deso

Hoje, 21, às 11h30, o presidente da OAB/SE, Henry Clay estará reunido em audiência com o presidente da Assembléia Legislativa, deputado estadual Ulices Andrade, oportunidade em que será entregue ao parlamentar requerimento solicitando a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) destinada a apuração dos contratos firmados entre a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) e empresas privadas.Henri Clay esclarece que, no início do ano a DESO deixou de realizar uma auditoria interna para apurar tais contratos por acatar a decisão do Tribunal de Contas do Estado que se posicionou contrário à contratação de empresa especializada em auditagem, sob o argumento de violação ao princípio da economicidade. Porém, diante dos fatos divulgados pela Operação Navalha, que culminou com a prisão do conselheiro do TCE, Flávio Conceição, a OAB/SE entende que a CPI é uma necessidade. “Principalmente diante das graves denúncias de corrupção em contratos firmados por órgão do Poder Executivo, a Assembléia Legislativa não só tem o direito e a legitimidade de instaurar a CPI, como um dever ético, ainda mais quando há indícios fortes de envolvimento de Conselheiros do Tribunal de Contas, órgão diretamente vinculado ao Poder Legislativo”, comenta Henri Clay.

 

 

Nota de repúdio do Sindicato dos Jornalistas I

A coluna publica na integra a nota de repúdio do Sindicato dos Jornalistas contra a acusação do deputado André Moura de que a imprensa contribuiu para que ele perdesse o mandato. Será que a liberdade de imprensa dele começa apenas nos veículos que no dia da votação tentaram induzir o voto da desembargadora? Será preciso lembrar? A nota, que este jornalista assina concorda plenamente: O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de Sergipe (Sindijor/SE), publicamente, manifesta seu repúdio às declarações do deputado estadual André Moura (PSC) que tenta, de forma atabalhoada e desesperada, culpar a imprensa sergipana por sua cassação na semana passada no Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE/SE).É profundamente lamentável que o deputado estadual e seus apoiadores de plantão ainda não tenham compreendido que a sociedade brasileira e sergipana mudaram, mesmo que de forma lenta e com certos atropelos. Acreditamos que muito ainda se tem a avançar para não permitir que políticos corruptos e inescrupulosos, seja ele de qual legenda for, consolidem seus mandatos de forma condenável, ética e moralmente, e ainda posem como honestos na mídia e, o que pior, como vítimas.

 

 

Nota de repúdio do Sindicato dos Jornalistas II

Continua a nota:Tentar responsabilizar a imprensa, com suas reportagens, artigos e charges sobre o caso, pela cassação de um mandato é uma ação infantil, pouco inteligente e que atenta contra a inteligência dos julgadores do TRE/SE, especialmente contra quatro mulheres, que em seus votos, na melhor técnica jurídica, mostraram que jamais levariam em conta as charges ou matérias de jornal, mas sim as substanciais provas. O pronunciamento do deputado na Assembléia Legislativa se tornou uma grave ofensa aos julgadores do TRE/SE e ao Ministério Público Federal.Quanto a imprensa, ela faz a sua parte. Noticiou os fatos como eles são. Será que parte da elite política sergipana não suporta sequer a divulgação real dos fatos? Lamentavelmente o nobre deputado se esqueceu de agradecer a setores da imprensa que, contrariando a divulgação correta dos acontecimentos, sempre fez a sua cega defesa, inclusive no dia do julgamento. Em nenhum momento se tentou dizer que estes setores estavam tentando influenciar no julgamento no TRE/SE”.

 

  

Nota de repúdio do Sindicato dos Jornalistas III

Prossegue  o Sindjor: “Em lugar de debater a essência do seu julgamento, isto é, a compra de votos e o uso da máquina administrativa estadual, o deputado em pronunciamento, preferiu atacar jornalistas. Na certa, torcia para que a imprensa se calasse diante dos fatos. Ou invertesse os fatos em seu favor. Ou ainda impedir, como se tentou, a notícia do fato. O recado é para todos e todas: chega de querer controlar, manipular e censurar as informações para atender a interesses outros que não o da sociedade.Não é culpa da imprensa que a Polícia Federal tenha apreendido, dois dias antes das eleições, um carro locado pelo Governo do Estado e com combustível também pago com recursos público à disposição do então candidato André Moura. Não foi a imprensa quem colocou neste carro material de sua campanha, mais de R$ 146 mil e listas com nome de eleitores e relação de benefícios que seriam trocados por votos. A imprensa não colocou este carro na porta de uma escola onde estava acontecendo uma reunião com pessoas adultas de vários bairros de Aracaju. Não foi a imprensa quem levou os eleitores para lá. Não foi a imprensa quem disse que o carro era público e o combustível pago pelo Estado, mas o motorista dele, assim que foi preso. A imprensa cumpre seu papel quando noticia, informa. Caso o senhor recorra da decisão e ganhe, este fato certamente merecerá a divulgação correta e justa também por parte dessa mesma imprensa. O que não é correto é atacar a imprensa por conta de uma decisão não favorável, por esta cumprir justamente sua missão, numa sociedade livre e democrática. Oxalá que os últimos ares por parte da imprensa local ganhe força e se tornem permanentes para a construção de uma sociedade mais consciente, livre e justa”.

 

Adesivos Leitor Vip

Os leitores que pediram através de e-mail os adesivos da coluna para carros começaram a receber ontem em suas residências via correio. Mais uma vez obrigado a todos pela confiança e a credibilidade na coluna. O adesivo é pequeno, tem letras brancas e o fundo transparente. O leitor que desejar receber em casa é só enviar o endereço para o e-mail: claudionunes@infonet.com.br

 

 

 

 

 

 

Frase do Dia

“É muito melhor arriscar coisas grandiosas, a alcançar triunfos e glória, mesmo expondo-se a derrota, do que formar fila com os pobres de espírito que nem gozam muito nem sofrem muito, porque vivem nessa penumbra cinzenta  a que se conhece como nem vitória nem derrota.” – Roosevelt.

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários