Tempo de Lagartixas

0

A sociedade nunca foi tão acomodada. O trabalhador brasileiro sem atuação dos sindicatos, nem das centrais sindicais, que movimentavam multidões em defesa dos direitos de cada cidadão que era vilipendiado em seus salários, na falta de emprego, na ação contra o massacre dos excluídos. Que falta faz o PT fora do poder! Sinceramente, havia mais mobilização, a CUT infernizava a vida das empresas e do Governo. O trabalhador brasileiro tinha uma ação sindical atuante, vigilante, exigente e que cobrava dos seus representantes, na Câmara e no Senado, os projetos aviltantes, que beneficiavam as elites econômicas dos Estados e do país. Sinceramente, como é ruim o PT no poder. É que o partido dos barbudinhos tinha uma ação permanente para evitar os abusos que eles próprios hoje praticam contra os trabalhadores. E, como é tempo de lagartixas, toda essa gente que antes fazia um barulho infernal contra as injustiças sociais, hoje balança a cabeça, aprovando tudo que combatia antes. Lógico que isso é muito mais lamentável do que se qualquer outra legenda tivesse agindo da mesma forma. Um exemplo: o crime praticado por um magistrado, tem repercussão mais ampla e provoca maior indignação à sociedade, do que o cometido por um cidadão comum. O PT, que era o juiz dos Governos de partidos anteriores, não podia errar tanto, cometer tantos crimes morais e nem usar das mesmas mazelas das legendas que considerava lesivas à sociedade. Um exemplo, de como era o PT de luta, é exatamente a votação do salário mínimo no Senado. A esta altura do campeonato, com a grande possibilidade de uma derrota do governo, principalmente contra uma proposta que beira ao desrespeito, todas as centrais sindicais estavam na área externa do Congresso e nas galerias do Senado, balançado suas inconfundíveis bandeiras vermelhas, pressionando para que os senadores derrubassem um salário que jamais poderia ser a cara do presidente Lula. Não apenas isso, faziam publicar fotografias dos traidores em todos os jornais e, em cada Estado, um out door com a cara dos traidores. Sempre foi assim que o PT e seus organismos funcionavam, quando ainda pensavam no povo. Hoje o PT pisa no calo do trabalhador e essas entidades ainda pedem desculpas e até acham correto. Evidente que essa ausência de mobilização dá saudades do PT de antigamente. Aquela foto imensa, publicada nos jornais, com deputados petistas mostrando, com a aproximação do indicativo ao polegar, a insignificância do Salário Mínimo sugerido pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que tinha percentual maior do que o oferecido pelo atual presidente Lula da Silva, o noivo caipira do Arraiá da granja do Torto. Esse estilo é bem característico dos partidos de esquerda. Hoje, com um Governo caótico, não existe mobilização, ninguém vai as ruas, os sindicatos não se mexem e o povo engole tudo calado, balançando a cabeça, como lagartixas. A questão é que partidos como PFL, PSDB e outros insatisfeitos e descompromissados com o poder atual, nunca promoveram manifestações populares e nem movimentaram a opinião pública, porque participavam das decisões palacianas da época e, como lagartixas, também balançavam a cabeça. A diferença é que havia uma coerência entre a ação do Planalto e a dos Estados. Os partidos conservadores balançavam as cabeças em todo o país. Nesse Governo decepcionante assiste-se um contraditório hipócrita: combate-se nos Estados o que se aplaude no Planalto, como se a ação de um fosse diferente da do outro, em que o trabalhador é sempre quem entra com a parte avessa e parece que foi jogado à terra como um ovo. Está faltando um PT neste Brasil. Mas um PT coerente com as suas convicções e que tenha vergonha na cara. Afinal o que está no poder, de nada se diferencia de tantos outros que já passaram por lá e deram continuidade ao pensamento burguês da ditadura, sem, evidente, a censura e a tortura. Nasceu o PSOL – Partido do Socialismo e da Liberdade – com uma proposta avançada, voltada para a esquerda. É realmente bom que ele venha a todo o vapor, assim, como o sol do meio dia, que bota para ferver contra as injustiças sociais e atue como o PT de antigamente. É bom rever a fotografia dos traidores da sociedade, daqueles que votam contra os trabalhadores e os camaleônicos, que mudam de cor e postura quando chegam nos Estado. É bom mostrar a face suja dessa gente, porque o Brasil precisa de Governo e de uma representação digna e forte, para que a sociedade retome a vontade de ir às ruas, cobrar a traição das urnas e expor quem praticou o maior estelionato eleitoral já visto na história da República. ADELSON O deputado Adelson Barreto (PTB) explicou que não há ainda uma candidatura definida, das oposições, em Nossa Senhora do Socorro. Foi contratada uma pesquisa do Ibope para fazer consulta eleitoral naquela cidade, o preferido do eleitorado será o candidato com o apoio do bloco oposicionista. ENTENDIMENTO A pesquisa saiu de um entendimento entre as lideranças da oposição, aceita pelos pré-candidatos Aélio Argolo (PT) e Adelson Barreto (PTB). Adelson esclareceu que não desistiu da candidatura, lembrando que ainda não a anunciou, mas que continua à disposição do partido para isso. PROBLEMAS O vereador Marcélio Bomfim (PDT) diz que existem problemas entre candidatos a vereador do PV e do seu partido, para consolidar uma coligação. Acha que ainda tem muito que conversar e que o PDT ainda pode oferecer uma grande surpresa. Possivelmente uma candidatura própria. ALMEIDA O senador José Almeida Lima (PDT) que só terá uma definição na próxima semana, porque o partido está conversando com os dois candidatos. Acrescentou que já está certo que o PDT não terá candidato próprio e nem pleiteia a vice. “A não ser que alguém nos convoque para isso”. VEREADORES Segundo Almeida Lima, há uma discussão que gira mais em torno da candidatura de vereador, do que a prefeito. Na realidade, o pessoal que disputa a Câmara pretende fazer uma composição proporcional pra manter as cagas no legislativo. CONVERSA O deputado Francisco Gualberto e Rômulo Rodrigues (ambos do PT) tiveram uma conversa com o senador Valadares (PSB) sobre as eleições em São Cristóvão. A tese é unir a oposição no Estado, para apoiar um único nome e coligar-se para vereador. Na atual situação podem ser candidatos os nomes do PT, Betão, ou do PL, Wanderley. CRÍTICA Francisco Gualberto fez críticas ao ajuste salarial concedido pelo Governo, denunciando que houve incorporação da gratificação de atividade ao piso salarial. Acrescentou que, como houve um congelamento das gratificações em janeiro, os servidores terão um aumento zero. VENÂNCIO O líder do Governo, Venâncio Fonseca (PP), não entende a matemática do aumento zero, ao dizer que o salário base saltou de R$ 167,00 para R$ 260,00. Lembrou que as vantagens agora vão incidir sobre R$ 260,00 e “é lógico que o Governo não poderia manter as gratificações sobre esse novo piso”. COMISSÃO A Comissão de Ética concluiu ontem por uma advertência ao deputado Gilmar Carvalho (PV), baseado em suas desculpas. O relator Venâncio Fonseca diz que a Comissão agiu com coerência ao cassar Antônio Francisco, suspender João das Graças e advertir Gilmar Carvalho. ATUAÇÃO A partir de agora o deputado Gilmar Carvalho (PV) retoma todas as conversas para disputar a Prefeitura, mas a decisão final sai até o dia 28. O Partido Verde já está próximo ao Partido Liberal e as lideranças dos dois partidos devem conversar a partir de segunda-feira. PROBLEMA Existem problemas entre Partido Liberal e o PT em relação a uma composição proporcional ampla, para amparar os candidatos a vereador. O PL vai esperar pela pré-convenção do PT, sábado, para ver qual a decisão petista em relação a isso. Se não houver coligação proporcional, o relacionamento fica difícil. JORGE O senador José Almeida Lima (PDT) avisou ontem ao pré-candidato do PMDB, Jorge Alberto, que o seu partido ainda não havia fechado composição com ninguém. Amanhã o deputado Jorge Alberto terá uma conversa com os vereadores do PMDB, para ver a possibilidade de um entendimento, inclusive em termos proporcionais. MAJORITÁRIO O deputado Jorge Alberto (PMDB) disputa a Prefeitura este ano, mas também está pensando em eleições futuras tanto para o Governo, quanto para o Senado. Deputado pela terceira vez, ele acha que está na hora de imaginar o salto mais alto, que pode ser dado em 2006 ou em 2008. Notas CONCURSO O promotor Rony Almeida, de Estância deu entrada ao pedido de anulação do concurso feito para a Prefeitura daquela cidade e para o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), por várias ilegalidades, entre elas a falta de licitação para elaboração das provas. O processo já está com o juiz Walter Ribeiro. A empresa contratada foi a Maciel e Cia, Ltda, sediada em Aracaju, sob alegação de notória especialização. Domingo passado, parte dos inscritos não fez as provas, porque houve problema no veículo que transportava os quesitos. DÉBITOS Segundo o promotor Rony Almeida, que acha importante a sociedade se manifestar para evitar fatos dessa natureza, a empresa tem problemas de ordem fiscal, com um débito na Secretaria da Fazenda, o que lhe tirava o direito até mesmo de concorrer a uma licitação, em razão da sonegação fiscal. Além disso, de acordo com o edital do concurso, os inscritos deveriam ser submetidos a entrevistas, sem que fosse dado o tema para as perguntas. Há um clamor na cidade e o promotor espera que a anulação seja feita. AUMENTO O deputado federal João Fontes considerou, ontem, o aumento do preço do combustível um abuso para a sociedade brasileira, em razão dos lucros exorbitantes da Petrobrás. O parlamentar lembra que a estatal tem uma reserva de 20% para criar um colchão, que sustente um aumento do barril de petróleo. João Fontes diz que a Petrobrás poderia esperar mais de um ano para conceder este novo aumento nos combustíveis, porque produz 90% do petróleo utilizado no país, não provocando prejuízo na importação de apenas 10%. É fogo João Fontes continua com a disposição de fazer funcionar um grupo que denuncie o comportamento dos parlamentares no Congresso. João Fontes diz que as centrais sindicais estão em silêncio, quando há condições do Senado derrubar o salário mínimo de R$ 260,00. O governador João Alves Filho teve uma prolongada conversa com o deputado José Carlos machado, ontem, em Brasília. O prefeito de Aracaju, Marcelo Deda, também não está perdendo tempo e passa todo o dia cuidando da formação de sua chapa para a reeleição. Por enquanto o nome do vice Edvaldo Nogueira é que sustenta o consenso da coligação majoritária com o Partido dos Trabalhadores. O PT pode ter duas mulheres na Câmara Municipal: vereadora ConceiçãoVieira e Rosângela Santana, ex-secretária municipal da Educação. PFL e PTdoB deverão fazer alianças em São Miguel do Aleixo, para a disputa das eleições majoritárias. O presidente da Assembléia Legislativa, Antônio Passos (PFL), já está se preparando para uma maratona de convenções. Dificilmente algum projeto importante será aprovado a partir de agosto, até as eleições de 3 de outubro. O prefeito de São Cristóvão, Armando Batalha (PSDB) ainda não definiu quem vai apoiar nas próximas eleições. O empresário Alcides de Zé de Dona, ex-presidente da CDL de Itabaiana, será o companheiro de chapa de Carlinhos da Atlética. O Brasil e a Turquia foram os paises que se mostraram mais vulneráveis ao fluxo de capitais em direção a mercados desenvolvidos, que marcou o segundo trimestre. Por Diógenes Brayner brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais