Tempo perdido

0

Tempo perdido

O governador Marcelo Déda (PT) poderá pagar um preço muito alto por conta da forma centralizadora como administra o Estado. As negociações salariais com os servidores públicos são um bom exemplo. O petista autorizou o secretário de Relações Sindicais Chico Buchinho a negociar, porém este não tem qualquer poder para apresentar contraproposta. Cabe-lhe apenas ouvir as reivindicações e levá-las ao governador que, de posse de balancetes financeiros, diz não poder atendê-las e tudo volta à estaca zero. Esse vai e vem improducente de Chico Buchicho só tem aumentando a tensão entre as partes e o resultado é a decretação de greves pelos servidores. Várias categorias já cruzaram os braços e outras devem fazer o mesmo nos próximos dias. Enquanto isso, o governador deverá anunciar amanhã um reajuste linear de 5,7%. Ora, se não tem recursos para atender as reivindicações e se já decidiu repassar apenas o índice acumulado da inflação, então por que se gastou tanto tempo negociando?

Ruim de jogo

Os servidores estão pensando em pedir a primeira dama Eliane Aquino para intermediar as negociações salariais dos servidores com o governo. Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores Estaduais, Valdir Rodrigues, a decisão de procurar a ajuda da esposa do governador Marcelo Déda foi tomada porque o secretário da Administração, Oliveira Júnior, é ruim de diálogo. “Ele acusou o sindicato de precipitação, mas até hoje não deu qualquer resposta sobre as nossas reivindicações”, se queixa Valdir.

Maratá

A Sara Lee, que tem 22,3% do mercado de café do país, negocia a compra das operações de café da sergipana Maratá ou uma fusão com a empresa nordestina. A informação foi divulgada ontem pelo jornal Valor Econômico. No caso de uma aquisição, o valor do negócio seria de R$ 1 bilhão e envolveria uma das sete fábricas da Maratá, em Itaporanga d'Ajuda. A unidade produz café, refresco em pó e chás de infusão. Conforme as fontes, a receita da unidade é de R$ 600 milhões ao ano – quase metade das vendas da companhia. Procuradas pelo Valor, Sara Lee e Maratá não comentaram o assunto.

Jogo duro

É arriscado fazer qualquer prognóstico sobre o resultado do julgamento da aposentadoria de Flávio Conceição, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. Até agora quatro desembargadores votaram pela revogação do ato que mandou Flávio para caso, enquanto outros três se posicionaram pela manutenção da aposentadoria. Ainda faltam quatro votos, que só serão conhecidos na próxima semana, pois o desembargador Osório Ramos pediu vistas do processo na sessão de ontem.

Mais empregos

Sergipe registrou um crescimento de 0,98% no número de empregos formais nos últimos quatro meses, o que representam mais 2.542 novos postos de trabalho. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Nos últimos 12 meses, Foram criados em Sergipe 20.818 novos postos de trabalho, um acréscimo de 8,61%, maior do que a média nacional, que é de 6,65%.

Cachaça de bolso

Será lançada na Feira da Indústria e Inovação Tecnológica (Fitec) a nova Cachaça de Bolso. Genuinamente sergipana e produzida no município de Capela, a cachaça é fabricada com frutas e tem o tamanho ideal para ser carregada no bolso quando se está indo para uma balada. O produto tem uma embalagem de 40 ml e pode ser levado no para ambientes que não permitem a entrada de garrafas de vidro. Pense!

Cédulas marcadas

Para combater furtos a caixas eletrônicos, a rede bancária tem introduzido dispositivos que marcam as cédulas do Real em casos de violação dos dispositivos. A população e o comércio devem recusar o recebimento de notas do Real marcadas. Segundo o Banco Central, caso alguma cédula marcada seja recebida inadvertidamente, ela deve ser encaminhada a um estabelecimento bancário, que entregará um recibo ao cidadão.

Fica no ninho

É quase certo que o ex-deputado federal Albano Franco permanecerá no ninho tucano. Depois de ter recebido um telefonema do governador paulista Geraldo Alcknin pedindo para continuar na Executiva Nacional do PSDB, Albano ficou mais calmo e não deve trocar de partido. Resta saber se para atender a cúpula nacional tucana, o ex-deputado vai romper politicamente com o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PC do B), e apoiar uma possível candidatura de João Alves Filho (DEM) para a Prefeitura da capital.

Férias merecidas

Os jogadores do Confiança estão de ‘férias’ até dezembro. Derrotado mais uma vez ontem pelo Sergipe, o time proletário está fora do campeonato e não terá outro compromisso oficial até o final do ano. Quem assistiu ao jogo ontem no Batistão deve concordar que o Confiança chegou longe demais neste campeonato. O time é muito ruim. O consolo da torcida é que, sem participar de qualquer competição oficial até dezembro, a equipe proletária lhe fará tanta raiva.

Do baú político

No final da década de 80, o radialista Laércio Miranda foi derrotado para a Câmara Municipal de Aracaju por um criminoso boato espalhado, no dia da eleição, pelo radialista Paulo Brandão. Tido como eleito por todas as pesquisas, Laércio quase morreu ao ouvir, logo cedo, Brandão afirmar na rádio Atalaia/AM: “Tenho duas notícias: uma boa e outra ruim. A boa é que o competente Laércio Miranda recebeu um convite irrecusável da rádio Sociedade da Bahia para apresentar um programa policial. A ruim é que, diante de sua transferência imediata para Salvador, ele renunciou a candidatura”. Desesperado, o candidato tentou reverter o boato, que corria nos bairros de Aracaju igual a rastilho de pólvora. Não conseguiu e perdeu a eleição. Quando era indagado sobre o que pretendia fazer com o fofoqueiro Paulo Brandão, Laércio afirmava simplesmente: “Vou fazer o que? Não se mata o que não se come.”

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais