Terra de interinos

0

Desde ontem Sergipe tem um governador interino. Para dedicar mais atenção ao tratamento do câncer no estômago, o titular Marcelo Déda (PT) transmitiu o cargo por 15 dias ao vice Jackson Barreto (PMDB). Ao comunicar a substituição, a Secretaria de Comunicação apressou-se em avisar que o peemedebista cumprirá apenas a agenda de inaugurações oficiais. Em outras palavras, o peemedebista “reina, mas não governa”. Será apenas o substituto de Déda para ‘comandar’ secretários, quase todos interinos e impossibilitados de tomar decisões temendo vê-las desfeitas ao serem substituídos. Este é o caso de várias pastas importantes, como Fazenda, Casa Civil, Saúde e Governo, sem falar no 2º escalão. Portanto, Sergipe seguirá parado enquanto espera a recuperação do governador.

Surpreso

E o deputado estadual Zeca da Silva (PSC) apressou-se em negar que tenha sido consultado para disputar a vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado em substituição à deputada Susana Azevedo (PSC). Ele disse ter ficado surpreso e ao mesmo tempo feliz com os rumores sobre a indicação do seu nome para disputar o cargo do TCE. Zeca considera injustiça a substituição de Susana. Então tá!

Beneficiado

E quem deve estar gostando da briga entre Susana Azevedo e Belivaldo Chagas pela vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado é o auditor Rafael Fonseca. Servidor concursado do TCE, ele está atuando como conselheiro substituto da corte de contas desde a aposentadoria de Izabel Nabuco D´Ávila, em março do ano passado.

Meia verdade

A Prefeitura de Aracaju colocou uma placa na avenida Beira Mar avisando que o trecho ali no bairro 13 de Julho está interditado por ordem judicial. Na mesma placa está escrito o seguinte: “Início das obras: aguardando licença ambiental da Adema”. Faltou dizer que a obra não foi licenciada porque a Prefeitura não fez os estudos de impacto ambiental, necessário para se evitar mais um crime contra o meio-ambiente.

Contra Déda

“Estamos acostumados a ver o Senado Federal servir de aposentadoria para ex-governadores”. A afirmação foi feita pelo professor petista Joel Almeida ao ser entrevistado pelo colega Joedson Teles. Integrante da tendência Articulação de Esquerda, Joel disse que não defenderá o nome do governador Marcelo Déda como candidato a senador, pois no partido existe gente nova e capaz de dar uma grande contribuição a Sergipe.

Pernas pro ar

Está pensando em resolver alguma coisa sexta-feira próxima nas secretarias e órgãos do 2º escalão da Prefeitura de Aracaju? Pois pode tirar o cavalinho da chuva. É que, por conta do feriado de Corpus Christi na próxima quinta, o prefeito João Alves Filho (DEM) decretou ponto facultativo no dia seguinte. A expectativa é que o governador interino Jackson Barreto (PMDB) faça o mesmo no estado.

Obras paradas

As 22 obras realizadas no campus da Universidade Federal de Sergipe em São Cristóvão estão paralisadas devido à greve dos operários da construção civil. Por conta disso, a UFS adiou de ontem para a próxima segunda-feira o reinício das aulas. A maioria dos canteiros de obras de Sergipe também está parada em função da paralisação deflagrada a semana passada pela turma da pá e da colher.

Desrespeito

O deputado estadual Capitão Samuel (PSL) exigiu ontem o comparecimento à Assembléia da cúpula da Secretaria de Segurança Pública. Segundo ele, a convocação dos dirigentes da SSP foi aprovada há quase um ano e até agora ninguém apareceu para apresentar aos deputados o planejamento estratégico da segurança para sergipanos. E olhe que o servidor público convocado tem somente 30 dias para comparecer ao Legislativo.

Sem acordo

Em greve há 15 dias, os servidores estaduais promoveram ontem mais um ato em frente à secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão. Eles querem reajuste salarial e a implantação do Plano de Cargos e Salários prometido há anos pelo governo. Apesar de a data base da categoria ser janeiro, até agora o Executivo ainda não tem pronto um estudo sobre os índices de reajuste. Por conta da greve, várias escolas estaduais estão paralisadas.

Do baú político

Está é da lavra do amigo Luiz Eduardo Costa: No segundo governo do engenheiro José Rollemberg Leite, um prefeito do interior sergipano, muito conhecido e também cercado por fama nada recomendável, foi ao palácio convidar o governador para a festa da padroeira do município. Depois da procissão e da missa na Igreja Matriz, o anfitrião convidou José Rollemberg para jantar. Casa cheia, centenas de pessoas, mesa farta e muita bebida rolando, o prefeito faz sinal para um homem. Este chega e o prefeito sorridente o apresenta: ‘Governador aqui é o meu contador, homem muito competente. Ele é quem faz essa arrumação com o dinheiro para mostrar ao Tribunal de Contas. Por isso sempre sobra alguma coisa para fazer festas, um jantar como este, para tanta gente’. José Leite, sem mudar o tom manso de voz que sempre tinha, disse: ‘Me desculpe prefeito, lembrei-me que tenho um compromisso agora em Aracaju e preciso voltar’. No retorno, o governador apenas fez um comentário com o auxiliar que o acompanhava: ‘Aquele jantar ia ser indigesto’.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários