TODOS PODEM

0

Muito se tem indagado sobre o porquê de uns conseguirem tanto sucesso e outros patinarem sempre no mesmo lugar, não indo além da mediocridade ou da estagnação.

Por que existem os que às vezes, até com pouco esforço, conseguem uma projeção, enquanto outros andam em círculo, e não saem do lugar comum?

É claro que a resposta mais cômoda é a de que “isso é o destino” ou ainda, “é a sorte” ou a falta dela.

Há também aqueles que debitam todos os seus inconformismos e insucessos nas condições de origem, local e tempo.

Se as minhas origens fossem outras, eu certamente teria mais oportunidade de acertar do que as condições que tenho hoje. Não duvido, portanto, que eu seria um vencedor.

Mas, de onde vim… Família pobre, pais analfabetos, cidadezinha pequena, local de gente provinciana. Como poderia ser hoje uma pessoa de expressão. Criado que fui naquele fim de mundo?

Ou ainda choramigam que os tempos estão mudados, que ninguém hoje consegue com a mesma facilidade aquilo que “fulano”. – Aí, citam alguém que enriqueceu no passado, creditando todo aquele sucesso às condições que havia naquele tempo: ele só conseguiu porque, naquele tempo a fiscalização não era tão severa, porque o governo era outro, porque não existia muita competição, porque ele teve muita sorte, porque ele foi ajudado por sicrano, porque e porque…

Chegam mesmo a pôr em dúvidas aquelas realizações, às vezes até, enxovalhando o nome dos vencedores do passado com “causos” escusos.

Ouso afirmar que nada do que alegarem nesta direção poderá valer para afastar uma pessoa de sua realização plena.

Debitar o insucesso à falta de sorte ou dizer que foi o destino quem quis assim, ou mesmo alegar que os tempos são outros, que não tiveram uma fortuna de berço e que seus pais não lhes deram uma educação para a riqueza, é o mesmo que querer justificar a falta de esforço, de boa vontade, de querer e fazer a coisa certa. É, enfim, tentar justificar o comodismo, a preguiça, o vício ou outra dormência qualquer.

Acredito, e todas as evidências confirmam a minha crença, que tais alegações não passam de desculpas esfarrapadas ou autodesculpas despudorada, numa tentativa vã de justificar erros cometidos no passado. A realização pessoal de cada um depende cem por cento deste “cada um”. Já diz a máxima: “quem quer faz, quem não quer manda fazer”. Nada mais correto.

 

Quem quer vencer tem que iniciar logo, fazer a primeira vez e continuar. Seguir fazendo, cada vez mais bem feito e melhor. Com o foco e o esforço dirigidos para a realização; acertando sempre e errando, de vez em quando, mas, seguindo em frente, plantando boas sementes e regando com a melhor água, adubando com o melhor adubo.

 

Não esquecendo nunca que quem planta colhe. Plantou bem? Terá boa colheita. Se semeou uma semente ruim, é com o fruto dela que haverá de conviver no futuro.

 

E ninguém, é culpado da semeadura que você fez. Só você mesmo. Então não culpe o tempo, seus pais, seu lugar, o governo e nem o Papa. O problema é seu. Só seu. Resolva-o. Ainda há tempo. Nunca é tarde.

 

PENSE, FAÇA O CERTO E FAÇA LOGO. SUCESSO

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais