TRANSPOSIÇÃO E EMPREITEIRAS

0

O projeto de transposição das águas do rio São Francisco, que se iniciou no Governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), sempre suscitou a suspeita de que se tratava de uma obra para favorecimento das empreiteiras. Dentro da lógica da sociedade, em se tratando de beneficiar empresas construtoras de grande porte, ler-se, nas entrelinhas, um retorno financeiro para o que se chama “ajuda de campanha” o que, na realidade, serve para engrossar as contas bancárias de quem participa de esquemas corruptos. O então eterno candidato a presidente a República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), acusou o projeto de levar água do rio São Francisco para o Nordeste Setentrional, de tentativa de favorecer a empreiteiras. Já agora, nesse mesmo projeto de transposição, imposto pelo Governo Lula, o senador Antônio Carlos Magalhães (PFL), no dia do movimentado debate entre o ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, e o governador João Alves Filho, fez a mesma acusação que Lula fizera antes: “esse projeto é para beneficiar empreiteiras”. 

 

Essas acusações de beneficiamentos de empreiteiras, que antes eram feitas como mera presunção, concretizam-se agora, no meio do lamaçal em que se constituiu o terremoto que abala o governo, cujo epicentro se localiza no Planalto. Ontem, em entrevista ao Jornal do Brasil, o deputado federal Nelson Marquezelli (PTB) disse que o presidente do seu partido, Roberto Jefferson, tem uma fita, já exibida para a bancada, que comprova a manipulação da concorrência do projeto de engenharia da transposição do rio São Francisco. Marquezelli fez as declarações durante almoço na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), na segunda-feira passada. Na conversa, o parlamentar contou que no segundo semestre do ano passado, Jefferson se dirigiu ao gabinete de Ciro Gomes, no Ministério da Integração, acompanhado dos deputados petebistas Luis Antônio Fleury (SP), José Múcio (PE) e do senador Fernando Bezerra (RN). A intenção do presidente do PTB era interceder na concorrência ao projeto de engenharia, viabilidade econômica e consultoria da obra de transposição. Jefferson teria sido claro durante conversa com Ciro: queria emplacar a empresa de consultoria CNEC Engenharia, uma subsidiária da Camargo Corrêa, no projeto.


Segundo escreveu o repórter Sérgio Pardellas, do JB, “o ministro da Integração, embora reticente, teria aberto uma brecha à pretensão do PTB. Afirmou que, em princípio, não poderia atendê-los no pleito, pois já havia acertado com duas empreiteiras num acordo envolvendo ele, Ciro, e o chefe da Casa Civil, José Dirceu. As empresas, segundo Marquezelli, seriam a Construtora OAS, de propriedade do genro e hoje inimigo político do senador Antônio Carlos Magalhães (PFL), César Mata Pires, e a Odebrecht. Foi quando, do seu celular pessoal, Jefferson ligou para a Casa Civil e obteve a autorização do ministro Dirceu.”.


Ontem, o deputado federal João Fontes (PDT) disse que as afirmações do petebista não representam nenhum fato novo. “Na reeleição do presidente Fernando Henrique Cardoso, Lula já dizia na época que essa era uma obra para encher o bolso das empreiteiras e
financiar as campanhas políticas pelo país. A gente já vem dizendo isso há muito tempo no Congresso Nacional”, relata. O parlamentar lembrou que no final de março foi acompanhado do deputado José Carlos Machado (PFL) conversar com o presidente do TCU, ministro Adylson Motta, para levar a preocupação dos dois com o andamento do processo licitatório das obras de transposição. “O resultado foi a suspensão da licitação para as bombas, que já havia sido iniciada pelo Ministério da Integração”.

 

O deputado federal João Fontes faz requerimento hoje para solicitar a apuração das denuncias junto ao Tribunal de Contas da União e ao Ministério Público Federal. Com os novos e graves fatos é possível que – só assim – a transposição seja evitada.

 

 

ACUSAÇÃO

O prefeito do Rio de Janeiro, César Maia (PFL), fez uma acusação grave, ontem, em jantar no Palácio de Veraneio, na presença de aproximadamente 300 pessoas. Disse que “as grandes estrelas do PT estão envolvidas no mensalão, inclusive o prefeito de Aracaju, Marcelo Déda, que recebe mensalão da Petrobras”. Disse isso duas vezes.

 

PRESENÇA

A denuncia foi feita na presença de membros da executiva do PFL, inclusive o presidente Jorge Bornhausen, os senadores José Agripino Maia, Romeu Tuma e o deputado Tomas Nonô,

Participavam do jantar deputados estaduais, federais, prefeitos e vereadores. Uma presença chamou atenção: a do secretário de Saúde de Lagarto, Sérgio Reis (PTB).

 

TELEFONEMA

Plenário tentou falar com o prefeito Marcelo Déda e os telefonemas não foram atendidos. A mesma coisa aconteceu com o secretário de Comunicação, Milton Alves. O chefe e Gabinete da Prefeitura, Oliveira Júnior, taxou as declarações de César Maia de irresponsáveis. Tentou um contato com Déda, mas até o fechamento da coluna não houve retorno.

 

EDVALDO

O vice-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) também foi contatado e ficou estarrecido com a denuncia feita pelo prefeito do Rio de Janeiro, César Maia. Considera que esse tipo de denuncia tem objetivos meramente políticos, para macular a imagem do prefeito em Sergipe.

 

LANÇAMENTO

Na Festa do Caminhoneiro, sábado em Itabaiana, a prefeita Maria Mendonça (PSDB), pediu a seu colega de Aracaju, Marcelo Déda, (PT), que disputasse o Governo do Estado. Ao lado de Marcelo Déda estava o ex-governador Albano Franco (PSDB), que aplaudiu a iniciativa de Maria Mendonça.

 

DEPUTADO

O pessoal do PT está querendo chapa puro sangue e já começou a incentivar Albano Franco a se filiar ao PL e disputar o mandato de deputado federal. Argumenta que seria bom para a coligação e melhor para Albano Franco, porque ele poderia disputar o mandato de senador em 2006, que terá duas vagas.

 

LICENÇA

O senador José Almeida Lima (PSDB) está de licença médica e não participa das sessões plenárias do Senado Federal esta semana. Almeida sentiu-se mal em plenário e foi detectada crise de hipertensão pelo setor médico do Congresso, para onde ele foi levado.

 

SILÊNCIO

Almeida Lima está em silêncio, não atende a telefonemas e descansa. Não trata sobre a questão do PSDB, porque acha que esse assunto estacionou. Almeida está com stress e alguns dos seus aliados consideram que é resultado do trabalho diário e das preocupações com a indecisão da legenda.

 

FASCHION

O prefeito de São Cristóvão, Zezinho da Everest (PTB), está recebendo orientação de sua assessoria para vestir-se diferente, dentro de um estilo faschion. Comprou 12 pares de tênis e circula pela cidade e em solenidades calçado com um tênis vermelho em um pé e um azul no outro, por exemplo. Tem sido motivo de risos.

 

DESMENTE

O deputado federal Heleno Silva (PL) desmentiu ontem que estivesse mudando de legenda. Reafirma que permanecerá na bancada liberal. Confidencia, entretanto, que ficou decepcionado com o Partido Liberal: “primeiro, com o caso do ex-governador Albano Franco e depois com o cão do mensalão”.

 

CONVERSA

Uma fonte bem avisada informou que a conversa entre setores políticos do governo e uma liderança firme da oposição está muito avançada. Apesar disso, vai durar ainda algum tempo para uma decisão definitiva, porque se discute posições na chapa majoritária.

 

PERDEDOR

Na opinião de um experiente político de oposição no Estado, o grande perdedor foi, nas denuncias de corrupção, o Partido dos Trabalhadores. Admitiu, entretanto, que o governo petista também foi para o meio do lamaçal e previu que, quem contava com o Lula forte para influenciar em Sergipe, já acabou.

 

VENDA

Em Nossa Senhora da Glória, uma liderança política pediu ao ex-deputado Nelson Araújo, que arranjasse um candidato a deputado federal que tivesse dinheiro para ele apoiar. Nelson tentou mostrar que isso não era correto e o líder respondeu: “por que os grandes se vendem e a gente não pode se vender? O senhor acha que vamos votar e graça”?

 

PICHAÇÃO

No muro do aeroporto, bem na esquina de quem vem da avenida Melício Machado, está a pichação: “CorruPTos”. Abaixo uma estrela vermelha. Um político de oposição comentou: “é muito triste ver um partido que sempre lutou contra tudo isso, perder a esperança e o respeito que a sociedade tinha por ele”.

 

EXAME

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) examina amanhã substitutivo do senador Valadares (PSB), que estabelece normas para as eleições. Pela proposição, a proibição legal à chamada “compra de votos” passa a valer “desde a escolha do candidato na convenção partidária” e não a partir do registro da candidatura.

 

Notas

 

ENCONTRO-1

O prefeito do Rio de Janeiro, César Maia (PFL), comandou ontem a reunião que a direção nacional realizou em Aracaju. No encontro fechado, sem acesso à imprensa, César Maia conduzia as medidas e declarou que vai planejar uma ação de combate sistemática ao Governo Lula, através do PFL Nacional. Depois da reunião, os membros do PFL foram para a Assembléia Legislativa e lá lançaram o nome do prefeito César Maia como pré-candidato do partido a presidente da República. A proposta foi recebida com euforia.

 

ENCONTRO-2

Durante a reunia da Executiva Nacional do PFL em Aracaju, dirigida pelo presidente nacional do partido, senador Jorge Bornhausen, discutiu-se a grave crise política que agita o país. Ficou decidido, por todos os membros, que as últimas denuncias contra o PT vão ser fortemente debatidas pelo PFL. Depois de um levantamento da gravidade da situação, onde denuncias de corrupção aparecem todos os dias, a Executiva Nacional do PFL decidiu que vai assinar qualquer CPI para investigar atos de corrupção no governo.

 

ENCONTRO-3

O governador João Alves Filho,que foi o anfitrião do encontro pefelista, apresentou o Plano Estratégico de Governo, quando demonstrou ações que estão sendo implementadas para modernizar a máquina, além de um volume de obras na capital e interior, as quais serão inauguradas até o final do próximo ano. O deputado federal Tomas Nonô, de Alagoas, ao acompanhar a exposição feita por João Alves Filho, declarou: “quisera que o governador de Alagoas (Roberto Lessa) fosse igual a João Alves”. O Plano foi elogiado.

 

 

É fogo

 

O então deputado federal Benedito Figueiredo (PMDB) aparece em foto publicada na Isto É – Dinheiro, ao lado dos também deputados José Genoino e Antônio Palocci (PT)

 

A oposição trabalha hoje para Lula continuar presidente e disputar a reeleição. Acha que se o candidato for José Alencar (PL) fica mais difícil.

 

Vários políticos se deslocaram, ontem, para Itabaiana para acompanhar a procissão de Santo Antônio, padroeiro da cidade.

 

Itaporanga D’Ajuda não vai deixar cair o animado São João que realiza todos os anos. Várias atrações vão estar presentes.

 

O ex-prefeito de Capela, Manuel Messias Santos (Sukita) entrou com recurso especial no TSE n tentativa de mudar a decisão do Tribunal Regional Eleitoral, que cassou o seu mandato. 

 

Com o objetivo de fazer uma auditoria no projeto de transposição do rio São Francisco, o TCU enviou uma equipe técnica a Aracaju.

 

O Ministério Público também está movendo ações na Justiça para barrar o processo de licitação que dá início ao projeto de execução da obra de transposição.

 

O deputado Mardoqueu Bodano (PL) quer que o Governo do Estado pare de multar as camionetas que fazem transporte de passageiros e mercadorias entre os povoados e cidades do interior.

 

O ex-presidente Fernando Collor de Melo, em entrevista à Isto é – Dinheiro – dá conselhos ao presidente Lula.

 

Com a maior demanda dos Estados Unidos, as exportações brasileiras de suco de laranja concentrado devem ser recordes no ano comercial 2004/2005.

 

Foi revogada a liminar que suspendia os efeitos do leilão do controle acionário da Nossa Caixa Seguros e Previdência, realizado em 24 de maio.

 

Mais uma legislação coloca sob suspeita a Receita Federal por editar regras tributárias para favorecer empresas ou setores. Dessa vez a suspeita recai sobre a indústria de cigarros.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais