Transposição, Greenpeace e João

0

O leitor sabe que este jornalista é contra o projeto de transposição de águas do rio São Francisco. E continuará sendo porque entende que existem outras maneiras mais viáveis tecnicamente e baratas para levar água a diversos locais do Nordeste. Porém, na semana passada o espaço publicou um artigo do ex-governador João Alves Filho (publicado na Folha de São Paulo) onde ele defende a tese dele, mas deixa alguns pontos para discussão.

  Para começar o ex-governador diz que é contra ao atual projeto,mas tem outro, que também retirar água do rio São Francisco. Apenas não é chamado de transposição da bacia. Esse “projeto alternativo”, custa R$ 3,5 bilhões. A coluna não entrará no mérito do beneficio dos dois projetos, que parecem iguais, apenas mudam o valor e os locais que passarão, com várias obras divididas.

  O Greenpeace, foi procurado por assessores do ex-governador para que pudessem encampar a luta do pefelista contra a transposição. Depois de uma pesquisa minuciosa, a entidade internacional entendeu que deve ter uma posição firme sobre o projeto, mas não deve ser usada politicamente por nenhum político que posa como “paladino do ambientalmente correto”, que nunca fez nada pelo meio ambiente quando teve oportunidade nos cargos que passou como ministro do Interior e governador por 12 anos.

  Essa preocupação do Greenpace tem sentido. Não é justo gestores públicos pregarem a preocupação ambiental, quando na verdade não combatem os desperdícios (água) de suas companhias de saneamento  (mais de 60%) ou realizam obras indiscriminadas (sem recursos suficientes, exemplo, projeto Água em toda casa). Sem falar o esgoto in natura e o desvio de finalidades da Deso.

  Existem também, dentro da polêmica da transposição – equívocos (de alguns bem intencionados) farsas, sofismas e mentiras de outros com interesses meramente político. Este jornalista sempre publicou que o projeto é desnecessário (tem outras alternativas) e será mais um elefante branco da administração pública. Porém, não pode ser considerado um crime ambiental ( o próprio João Alves tem um projeto alternativo de transposição), ou um desastre ecológico com impacto ambiental. Sem falar na idéia plantada de que pode afetar os recursos hídricos de Sergipe, levando ao colapso o uso das águas do rio São Francisco. E o pior: pode levar o rio a morte. Se pode, porque o ex-governador tem um projeto que também retirar água do rio? Se o “Velho Chico” desaparecer um dia não será por este projeto, que não ocasionará a extinção do mesmo. Talvez por um cataclismo climático ou evento extremo como o aquecimento global.

   O que se vem em diversos discursos, principalmente em Sergipe, são sofismas jogados para a sociedade. Nada de objetivo é apresentado. O próprio ex-governador que é contra o atual projeto do Governo Federal, tem um alternativo, apresentado ao então candidato José Serra, que custa menos, mas também retirar água do rio São Francisco para o Nordeste Setentrional.

   Por isso o Greenpeace, pode até fazer atos contra ao atual projeto de transposição, mas com certeza fará também contra o projeto apresentado pelo ex-governador. Ou seja, é coerência. Esta claro que este espaço é contra o projeto de transposição, mas não aceita as chamadas “meias-verdades”.  O diálogo com a sociedade deve ser aberto e franco. Basta o que foi feito na campanha eleitoral de 2006, onde 90% dos marqueteiros levaram apenas inverdades para a população sobre a transposição. Para defender o rio São Francisco é preciso ter legitimidade e pelo que se vê poucos em Sergipe tem. É preciso desmistificar os chamados “paladinos do ambientalmente correto”.

 

 

 Incorporações para todos os gostos

Esta semana vai pipocar mais um caso de incorporações. Desta vez num importante órgão do governo estadual. Em outra secretaria foi descoberto que servidores de carreira, que recebem salários justos, estão usando deste artifício ainda na ativa. É uma bola de neve que se não for detida comprometerá as finanças do Estado em pouco tempo.

 

 

Diário Oficial explica o “aperreio” do ano passado

Quem acompanha o Diário Oficial do Estado desde a posse do novo governador até o presente momento entende agora porque o desespero de muitas pessoas da chamada  “sociedade” sergipana que estavam na campanha eleitoral em algumas esquinas da Zona Sul, principalmente na 13 de Julho, ao lado de um posto de gasolina que fechou. Eram jovens, senhores e até senhoras que nunca tinham ido para esquinas no contato direto no chamado corpo a corpo. O motivo era válido: cargos em comissão, muitas vezes com várias pessoas da família, que vinham de anos e anos. E o pior: a grande maioria sem trabalhar. Basta da uma lida em qualquer Diário Oficial onde foram publicadas exonerações para saber porque eles estavam “aperriados”. Justiça seja feita: nem todos foram nomeados pelo ex-governador João Alves, mas tinham cargos que passaram por muitas administrações.

 

Aperreio continua para alguns profissionais da imprensa

E esta coluna é lida até mesmo porque faz questão de escrever e dizer nos bastidores que este jornalista é ruim e não sabe escrever. São alguns masoquistas. A verdade é que estes “profissionais” da imprensa (são poucos), estão “aperriados” por dois motivos: o primeiro deixaram de “receber” cerca de R$ 30 mil mensais de serviços que muitas vezes não valeriam nem 10% deste valor. O segundo, porque o novo governo resolveu acabar com a política de cotas e pagar pelo que publicar. É um Deus nos acuda. Tem gente que tem uma empresa que tem apenas dois funcionários registrados, mas ganhava muito de várias secretarias, órgãos e  sugou bastante do Banese. Agora, “aperriado” está com sem dormir, tomando remédio controlado e xingando este jornalista por todos os lados. Tudo porque a coluna, para desespero dele, manteve um grande índice de acessos e onde o “profissional” chega, todos falam da coluna. Enquanto isso os textos chulos dele são para mandar recados…Haja lexotan…

 

Kércio vai acabar com os chamados “cabritos”?

O secretário da Segurança Pública, Kércio Pinto, já mostrou que tem coragem e determinação ao acabar com a indústria da chamada “placa de segurança” que vinha sendo usada excessivamente e até mesmo com vários números idênticos. Mas, se Kércio mandar fazer um levantamento nas delegacias tem também os chamados “cabritos” na linguagem da polícia, onde veículos e motos aprendidos são usados por policiais. Sem falar nas placas frias que são usadas por vários policiais…

 

Alguém lembra da CPI do Ipes?

E o Ipes, é um órgão que passa por sérios problemas, com péssimo atendimento e com poucos recursos para investimentos. Alguém lembra da CPI do Ipes, criada na Assembléia há alguns anos? Foi um Deus nos acuda e apareceu até uma lista com pessoas de renome que receberam dinheiro para tratamento de saúde que não eram servidores públicos e não contribuíam para o Ipes. Teve até jornalista na lista. O leitor vai ficar com uma pulga atrás da orelha: esse colunista vai à procura cada coisa. No dia que acordar com tudo pelo averso a coluna promete lembrar do nome que saiu na lista. Eitá que o “aperreio”, vai aumentar.

 

Deputados do PSC tranqüilos

Num bate papo neste final de semana um deputado estadual do PSC, que faz parte da bancada do governo na Assembléia Legislativa disse que está intrigado porque no jornal da família do ex-governador João Alves diariamente publicam notícias sobre o PSC e a divisão da bancada na AL.

 

Shopping sem ar condicionado

Há aproximadamente sete dias o Shopping Jardins está sem ar condicionado que quebrou. No último final de semana alguns clientes e trabalhadores das lojas passaram mau por conta do calor excessivo. A direção explica que está esperando uma peça da central de ar condicionado, porém nos dias atuais existem vários meios de transporte para que essas encomendas cheguem rapidamente. A demora é inexplicável.

 

Eleição na associação dos servidores da Sefaz

Na próxima semana, no dia 27, será realizada a eleição da Associação dos Servidores Técnicos e Administrativos da Secretaria da Fazenda. Alguns servidores criticam o atual presidente que já tem dois mandatos e, segundo eles, não vem administrando corretamente a associação. A oposição, que lançou a chapa dois, denuncia que nos últimos quatro anos a associação arrecadou cerca de R$ 50 mil e hoje só tem em caixa o saldo de R$ 14,14.

 

Sergipano é destaque nacional

Sob o título “Empresário de sucesso”, Laércio Oliveira, presidente da Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e Conservação – Febrac -, é o primeiro citado da coluna “Gente em Foco”, na mais recente edição da bem conceituada revista Foco. A diretora presidente da publicação é a jornalista Consuelo Badra, persona gravíssima nos mais altos círculos brasilienses.

 

Comissão Provisória do Baixo São Francisco

A primeira dama de Sergipe, Eliane Aquino, secretários de Estado e diretores de órgãos públicos participaram na sexta-feira, 16 de março, em Japoatã, da 9ª reunião ampliada da Comissão Provisória do Território do Baixo São Francisco, para receber a pauta de reivindicações por projetos de desenvolvimento na região. Representando 15 municípios da área próxima à foz do São Francisco, a comissão é formada por representantes das prefeituras, entidades sindicais rurais, pela igreja católica, o Governo de Sergipe através do Departamento Estadual de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Deagro), os conselhos comunitários e a ONG Cáritas.

Os integrantes têm se reunido periodicamente desde janeiro de 2006 para criar formalmente e obter o reconhecimento oficial do território junto à União, o estado e os municípios. Em suas reuniões, produziu uma extensa pauta de demandas por ações de melhoria em todas as 15 cidades na educação, segurança, meio ambiente, saúde, assistência social, infra-estrutura, atividades econômicas, emprego e previdência.

 

 

 

 

Cartilha do ABC para cinco vereadores em TB I

João Felipe Neto, hoje conhecido como João do ABC, um Senhor de 65 anos, natural de Jeremoabo – BA, que com apenas (dois) anos de idade mudou-se para o povoado Campestre do Abreu, município de Tobias Barreto – SE a 131 KM da Capital Aracaju. Em companhia de seus pais foi em busca de emprego no Estado da Bahia dentre outros Estados, aposentado por tempo de serviço voltou a sua terra de criação a qual ama e passou boa parte de sua infância a cidade de Tobias Barreto. Eleitor deste município é um cidadão comum, freqüentador assíduo das sessões da câmara municipal e diante da democracia que vivemos fez um ato de manifesto distribuindo Cartilhas de ABC para 5 (cinco) vereadores que fazem sustentação à administração municipal dos 9 (nove) vereadores que formam aquela Casa do Povo.

 

Cartilha do ABC para cinco vereadores em TB II

Declara Sr. João: “assinou e não leu, o ABC comeu, e continua, fiz isso porque achei um desrespeito com nós eleitores e habitantes dessa cidade que demos o voto de confiança a eles, e tais vereadores além de ficarem como uma bancada do amém em pró da administração, assinam sem ler uma resolução do regimento interno da câmara e depois de aprovada foram às emissoras de radio locais e falaram que assinaram, mas não leram. Na última eleição da mesa diretoras estes mesmos 5 (cinco) vereadores da situação após terem sua chapa impugnada pelo descumprimento do regimento interno, abstiveram da sessão no meio da votação por não concordarem e a chapa concorrente “venceu” por 4 X 5 ( 4 X 0 porque se abstiveram de votar), eleição que foi anulada por meio de liminar e ainda está sob judice. Numa das sessões deste ano um vereador* destes supracitados, apresentou um requerimento e o mesmo nem sequer discutiu e no momento da votação votou contra seu próprio requerimento, depois quis voltar atrás do voto justificando que se confundiu e a atual presidência da mesa diretora acatou o pedido mesmo sabendo que era imoral”.

 

Cartilha do ABC para cinco vereadores em TB III

Sr. João do ABC acha até que os nobres vereadores discriminados abaixo precisariam também de uma tabuada além dos ABCs recebidos, sendo está atitude uma forma de protesto e indignação pelas absurdas ações dos vereadores que representam a bancada de situação da Câmara Municipal de Tobias Barreto em pleno Século XXI. Os vereadores: Luiz Carlos dos Santos (Careca) Presidente da Câmara; Osvaldo Vidal dos Santos (Vardinho da Roma)* – Vice-presidente;

Maria Vital de Macedo (Maria Vital) – 1º Secretário; João Olegário dos Santos Neto (Gal de Filó)

e Montival Cardoso dos Santos (Montival da Qualhada).

 

Notas publicadas no informativo Sindisan:

 “Mordomias – Um assunto que vem sendo abordado nos meios de comunicações é a lei, criada no final do mandato do ex-governador João Alves Filho, que concede privilégios à ex-governadores sergipanos por um período de oito anos. O entendimento é do Conselho Seccional de Sergipe da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SE), é que ela é inconstitucional. Com base nessa avaliação, a entidade poderá fazer uso de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, se a Assembléia não revogar a “lei das mordomias”. Acumulação – No governo passado os jetons por participação nas reuniões do Conselho de Administração das empresas do estado foram aumentados em mais de 400%. Os secretários acumulavam jetons de várias empresas e órgãos do estado como forma de aumentar ainda mais a remuneração do secretariado. Havia secretário que acumulava até cinco jetons. Imoral e ilegal -Essa prática é no mínimo imoral e ilegal, tanto no valor como na acumulação. A Lei 9.292/96 estabelece que a remuneração mensal devida aos membros dos conselhos de administração e fiscal das empresas públicas e das sociedades de economia mista federais não pode exceder a 10% da remuneração média dos diretores das respectivas empresas.Mudança  – O sentimento de mudança que contagiou o povo sergipano na última eleição precisa ser incorporado pelo atual governo. No governo das mudanças não se pode admitir as velhas práticas do passado. Essas questões precisam ser revistas, sob pena de plágio”.

 

Frase do Dia

“O futuro tem muitos nomes. Para os fracos, é o inatingível. Para os temerosos, o desconhecido. Para os valentes, a oportunidade”, Victor Hugo.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários