TV? Não preciso mais!

0

Duas semanas atrás li um artigo no New York Times que tinha quase o mesmo título da coluna de hoje. Achei o texto muito interessante, mas não escrevi antes pois queria realmente ter certeza que pouco a pouco a TV vai perdendo em importância para a Internet.

 

Hoje eu passo muito mais tempo conectado do que na frente de TV. Acho que isto se deve ao fato que na web eu tenho controle do que quero ler (e ver também) na hora que for mais conveniente. Não estou preso a uma grade programação com horários rígidos e que muitas vezes os programas que realmente têm algum conteúdo são em horários inconvenientes. Analisando um pouco mais meus hábitos vi que mesmo com TV a cabo, onde temos muito mais opções, não tenho visto muito do que a TV aberta. Seriados com Lost ou Desperate Housewifes só passam meses depois. Os filmes considerados lançamento nos principais canais (HBO e Telecine) estão disponíveis muito tempo antes para download nos sites de torrent. Fiquei pensando o motivo então de ter TV a cabo. Acho que foi costume mesmo, só para dizer (pra mim mesmo) que tenho opções.

 

A verdade é que nem todo mundo tem paciência de sentar na frente do computador, mesmo para ver um filme. Nesse sentido a TV Digital deverá ajudar bastante pela iteratividade. Ainda assim teremos os problemas da grade de programação, mesmo que seja possível gravar e ver a posteriori. O melhor mesmo é deixar que cada um veja o que quer. Hoje é a TV quem diz o que devemos ver. Na Internet nós escolhemos o que queremos ver. É por isso que gosto mais da Internet. 

 

De qualquer forma, em um futuro próximo a Internet deve passar em importância a TV e acredito que em um futuro um pouco mais distante a Internet deve “engolir” as redes de TV com toda a sua programação. Hoje podemos ver partes dos programas da TV na Internet. Alguns programas são exibidos na integra e algumas redes têm a sua programação transmitida em tempo real. Alguns meses atrás indiquei um programa no Discovery Channel para os alunos de uma turma da Unit. O programa ainda pode ser visto em http://www.discoverybrasil.com/internet/ (se tiver um tempinho vale a pena assistir). Se não fosse pela Internet seria muito complicado assisti-lo e comentá-lo na sala de aula.

 

Sei que muitos profissionais de jornalismo vão dizer que é impossível por causa do modelo de negócios. Hoje a TV só existe por causa da propaganda, mas quem disse que na Internet não pode ter? É só ver o exemplo do Google. Ou será que ainda tem alguém que não sabe como é que eles ganham dinheiro? A rede americana ABC já descobriu e ela coloca boa parte da sua programação na Internet. Tudo bem que é com um dia de atraso, e isso pode fazer diferença em alguns casos, mas tem vários programas que não faz a menor diferença. Tenho certeza que depois que olhar as opções que tem no site da ABC vai ser difícil se acostumar novamente com a TV “normal”. Por enquanto, essa programação está disponível somente para quem tem um endereço IP dos Estados Unidos, mas nada que não possa ser resolvido com alguns cliques. Se tiver uma dúvida pergunte ao meu amigo Hugo.

 

Esqueci um detalhe da ABC, os programas transmitidos são em HD (alta definição). Então para que uma tela de plasma e a TV Digital?

 

 

Facilidade na aquisição de licenças 

E a crise está mesmo pegando para todos. A Microsoft está facilitando a pagamento das licenças de seus produtos. Existe uma linha de crédito para pequenas e médias empresas que desejam adquirir produtos da gigante de software. Elas podem ser compradas em 9 vezes e a primeira parcela somente em 90 dias.

 

 

Enquanto isso…

Somente em 2008 o governo federal economizou 30 milhões de reais com o uso de software livre e o conseqüente não pagamento de licenças. A declaração foi feita pelo presidente  do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), Marco Mazoni, num congresso de software livre no Setor Público, que aconteceu na semana passada. É uma economia bastante expressiva. Em tempos de crise realmente precisa verificar todas as implicações de usar software livre. Nem tudo são flores e nem sempre se aplica a todos os ambientes, mas precisa saber que é uma opção que precisa ser analisada.

 

 

Live

Para não achar que estou querendo sacanear com a M$, segue uma nota interessante. É cada vez maior a tendência do que a própria Microsoft chama de Software + Serviço. O seu portal Live está cada vez melhor. Só o Skydrive, por exemplo, que é um drive virtual de 25 GB é show. Vou colocar todos os meus dados pessoais lá (como backup, é claro). Este é o início do fim do seu HD. Faça sua conta no Live que vale a pena. Por falar em Live, a Universidade Tiradentes firmou um acordo com a M$ para que todos os seus alunos tenham um email próprio com o domínio @acad.unit.br. O email vai ficar integrado com o ERP deles. Parabéns ao pessoal do departamento de informática de lá. Quando estiver pronto volto a falar.


Quer um adesivo do GMail?

O Google postou no seu blog oficial que está disposta a enviar adesivos do Gmail de graça para quem desejar. Para conseguir isso tem que mandar uma carta (CARTA??? Alguém poderia me ajudar e me explicar o que é isso?) para eles, com o seguinte:

 

Send me some Gmail stickers already
P.O. Box 391420
Mountain View, CA 94039-1420

 

Para quem está nas bandas de cá tem que mandar um cupom de resposta internacional, já que (em tempos de crise) o Google não vai bancar nada além do próprio adesivo. Pelo trabalho que dá é melhor mandar fazer um por aqui.


 

Veja

A revista Veja foi na íntegra para a web (menos a edição atual). Tem todas as edições desde o seu lançamento e ainda vem com opção de busca. Agora só vai ficar desinformado quem quiser. O endereço é: www.veja.com.br/acervodigital.

 

 

Ferramentas de inventário para sua empresa (por Hugo Doria)

Esta semana precisei pesquisar boas ferramentas de inventário para usar no meu trabalho. O resultado foi bem produtivo e achei uma boa idéia compartilhá-lo com vocês, já que muita gente pode passar pela mesma situação. Vou apenas descrever as ferramentas gratuitas que encontrei, que não devem em nada às proprietárias e podem ajudá-lo a diminuir os custos. Vamos lá:

CACIC
O CACIC é uma ferramenta livre, gratuita e que está disponível no portal Software Público do Governo Federal. Com o CACIC você pode obter relatórios do hardware das máquinas e de todo o parque computacional de sua empresa, descobrir quais sãos e a quantidade de softwares licenciados (ou não), gerar informações patrimoniais e mais um bocado de coisas. Um agente é instalado na máquina cliente, que fica monitorando-a e é capaz de enviar emails e alertas ao detectar qualquer alteração no hardware, por exemplo. A instalação do software não é complicada e há clientes tanto para Windows, quanto para Linux.

Screenshot: http://www.jfce.gov.br/internet/noticias/img/cacic2.jpg

OCS Inventory
O OCS tem boa parte das funcionalidades do CACIC e, além de tudo, é capaz de detectar vários tipos de equipamentos como, por exemplo, switchs e impressoras de redes. Um outro recurso bastante interessante desta ferramenta é a possibilidade de, a partir do servidor central, fazer upload de pacotes e arquivos que podem ser baixados e executados na máquina cliente automaticamente. Há agentes para Linux, Windows, Mac e BSD.

Screenshot: http://www.ocsinventory-ng.org/uploads/images/ocs-all-computers.png

Ocomon
Na verdade, esta ferramenta é usada para cadastro, acompanhamento, controle e consulta de ocorrências de suporte. Entretanto ela possui um módulo, chamado Invmon, que permite atrelar chamados aos devidos equipamentos e dessa forma cadastrar máquinas, gerar relatórios, obter histórico de mudanças na localização dos equipamentos, controlar licenças de software etc. Ele foi feito usando PHP e MySQL e você pode fazer testes em um demo online disponível aqui.

Screenshot: http://ocomonphp.sourceforge.net/images/1.0/mostra_consulta_ocorrencias_1.png


Open-AudIT
 
Open-AudIT consegue detectar equipamentos que estão na rede e como estão configurados. É possível obter informações como sistema operacional, hardware, softwares, usuários e configurações de segurança tanto de máquinas rodando Windows, quanto de Linux. De um dispositivo de rede (impressoras e switches) é possível obter endereço MAC, portas abertas, IP etc. É possível, também, fazer com que o Open-AudIT obtenha essas informações automaticamente.

Screenshot: http://www.open-audit.org/images/screenshot_03.png

Bem, é isso. Existem várias outras ferramentas de inventário, mas na minha opinião estas são as que possuem um melhor custo/benefício. E na sua? Você conhece alguma outra ferramenta deste tipo que merece estar na lista?

 

Para encerrar nossa coluna de hoje veja este link… Eu gosto de Internet, mas assim já é demais.

 

Até a próxima semana!

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários