Um Brasil em crise

0

O poeta Carlos Drummond de Andrade produziu uma genialidade na concepção da passagem de um ano para o outro: “Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui para diante, vai ser diferente”. No dia-a-dia de cada cidadão a mudança de ano é exatamente isso: a esperança de renovação e a certeza de mudanças em que se espera que seja para melhor. As pessoas até fazem projetos: dieta rígida, andar, rever erros e acertos, economizar, fazer aquela viagem prometida, trabalhar, estudar, enfim, as coisas simples que cada um listou para o ano seguinte. Mas, como em todos os anos anteriores, sempre não é possível realizar.

 

Então o próximo ano enche-se de novas esperanças, mas já nos primeiros três meses percebe-se apenas que o tempo, através de um cronograma qualquer, mudou de número e o que era projeto vira rotina, para ser desengavetado no final do ano que entra. Mesmo percebendo que o tempo não tem etapas, é necessário esquecer esses doze meses que estão passando. Politicamente foi péssimo para o Brasil. Muito ruim para um povo que acreditou na mudança e se encheu de esperança. 2005 foi o ano da decepção de uma sociedade cansada, massacrada, oprimida e humilhada. Uma sociedade envergonhada. Afinal de contas se assistiu uma sucessão de escândalos que fez desmoronar um partido político que pensava deter o monopólio da honradez, dignidade, ética, honestidade e coerência ideológica. Um fracasso que encheu o Brasil como país e como povo. É impossível avaliar os danos causados em todos os segmentos sociais e a estupefação que provocou na gente humilde que caiu no maior estelionato eleitoral praticado em toda a história brasileira.

 

É verdade que 2005 está chegando ao fim, dentro da magia da noite e dos ponteiros do relógio. Um turbilhão de alegria! Beijo e abraços! Shows pirotécnicos iluminando os céus do Brasil. Tilintar de taças com qualquer tipo de champagne. Promessas e oferendas. Um mar cheio de ondas e flores. Essa explosão de esperança que se refaz com um quase imperceptível cruzamento de ponteiros. Lá vem 2006 e o que se imagina felicidade, tem-se continuidade, porque a vida mantém os seus problemas infindos. E será assim com a apuração dos escândalos e cada dia mais se acredita menos em um presidente fraco, incompetente, despreparado para por nos eixos um governo descontrolado, corrupto, desacreditado. Infelizmente, o presidente Lula da Silva era uma figura de retórica na boca e mente de uma cúpula partidária que o fez fantoche, em razão da sua pouca experiência administrativa, da sua deficiência técnica e cultural.

 

Não se pode entregar um país das dimensões do Brasil a um analfabeto, mesmo que isso pareça preconceituoso. Lula não tinha condições de projetar um governo para reformular um país. Ele serviu de instrumento para que figuras hábeis como José Dirceu produzissem um projeto de poder às custas de jogadas mirabolantes, que incluíam toda essa sujeira da compra de parlamentares e do uso indevido do dinheiro público. O novo ano está batendo às portas. Seria bom que valesse o pensamento de Drummond de Andrade, onde acontecesse “o milagre da renovação”. Mas, que nada! Não se concluíram as investigações sobre o mensalão, empréstimos e outras sujeiras. Ninguém foi preso e dificilmente será. O governo continua de mal a pior, a indignação permanece no coração e mente das pessoas, que não acreditam em soluções, repudiam os políticos e perderam a esperança de colocar esse país nos trilhos. Vem aí um novo pleito, velhos discursos, várias promessas, repetição de um processo sucessório de figurinhas carimbadas. E isso é triste, porque se avança no tempo e se retroage na política, no estilo de conduzir os destinos de um país visivelmente envergonhado de bater recordes de escândalos, de zelar pela impunidade e de ser um dos campeões mundiais da corrupção.

 

 

OPOSIÇÃO

Um prefeito da oposição, que pediu reservas do nome, disse ontem que o município está aberto para receber obras do governo do estado.

Acrescentou que se manterá na oposição, mas não vai poder impedir que o povo escolha quem fez alguma coisa pela cidade.

 

TRATAMENTO

O mesmo prefeito reclamou falta de atenção e melhor tratamento por parte do prefeito Marcelo Déda (PT).

Acha até que Déda está fazendo seu nome no interior, mas como não atende aos prefeitos pode perder muito com isso.

 

NÃO TEM

O prefeito Marcelo Déda já disse que os seus recursos são para cuidar de Aracaju, não podendo fazer obras em outros municípios. Isso é papel de estado.

Segundo ainda a mesma fonte, o pessoal acha que Déda, como compadre do presidente Lula poderia ajudar aos municípios que o apóiam.

 

MULTA

O Tribunal de Contas acatou, em parte, denuncia do senador Almeida Lima (PMDB) sobre o contrato de jardinagem e capinagem firmado entre a Secretaria da Saúde e a Emsurb.

O dinheiro pago a mais foi devolvido à Saúde pela Emsurb.

O relator Reinaldo Moura entendeu que esse item foi sanado e aplicou multa de R$ 3 mil no secretário Rogério Carvalho e no ex-diretor da Emsurb, Osvaldo Alves Nascimento.

 

PANFLETO

O secretário municipal de Comunicação, Milton Alves, considerou “condenável o panfleto distribuído pela cidade para atacar o prefeito Marcelo Déda (PT)”.

Dois carros foram utilizados na distribuição: um Gol – HZW 7914 e um Uno – HZY 9644. Milton considera o fato “um ato de covardia”.

 

HOMENAGEM

O ex-governador Albano Franco (PSDB) ofereceu um jantar a Reinaldo Moura. Não como conselheiro do TC, mas como seu ex-líder na Assembléia Legislativa.

Aconteceu em um restaurante num dos shoppings, com a participação dos deputados Ulices Andrade, Fabiano Oliveira e da ex-secretária Myriam Ribeiro.

 

MUDANÇAS

A informação é de um auxiliar direto do governo: “João Alves Filho fará mudanças na administração logo no início do mês”.

Acrescentou que o objetivo é iniciar o ano com um novo fôlego, porque terá muito trabalho pela frente, além de uma disputa eleitoral.

 

ALMEIDA

O senador Almeida Lima (PMDB), pré-candidato a governador do estado, reuniu jornalistas, ontem, para um almoço de confraternização.

Nada de discursos nem de um balanço de suas atividades parlamentares. Quem quis o entrevistou e pronto.

 

INTERIOR

Há uma certa unanimidade na opinião de políticos vinculados ao governador João Alves Filho de que ele terá de dedicar 2006 ao interior.

Todos eles ouvem reclamações de prefeitos de que João dedicou os primeiros três anos a fazer obras em Aracaju. João Alves sempre teve boa votação no interior.

 

WALTER

O empresário Walter Franco (PSDB) está analisando a possibilidade de disputar uma vaga na Câmara Federal em Brasília.

Augusto Franco Neto não quer mais disputar o mandato e Walter começa a pensar na hipótese. A decisão será tomada no próximo ano.

 

EDUARDO

Já está decidido: o candidato a senador ao lado de Marcelo Déda, que disputa o Governo, será mesmo José Eduardo Dutra. O pedido veio de Brasília…

O candidato à vice será posto para os partidos coligados. PSB e PL estão na disputa e a escolha vai depender do bloco.

 

FACULDADE

O vereador Fábio Henrique (PDT) vai viajar em janeiro, por conta própria, para visitar algumas universidades estaduais. Quer conhecer de perto a realidade de cada uma.

Fábio vai iniciar uma campanha de mobilização da sociedade, para tentar sensibilizar o governo de Sergipe a criar uma Universidade Estadual.

 

PROIBIÇÃO

O Ministério Público teria proibido a instalação de bares nas calçadas do edifícios, na avenida Beira Mara, durante os dias do Pré-Caju.

Os mini-trios também estão impedido de tocar…

Da ponte até os camarotes serão colocados bares e lanchonetes, todos padronizados. A ASBT também foi obrigada a aumentar o número de banheiros.

 

PLENÁRIO

A coluna despede-se deste ano triste e vergonhoso para a sociedade. Um ano que pôs a nu corruptos de carteirinha.

Voltaremos a circular terça-feira, na esperança de punição para quem participou de toda essa sujeira e na certeza de dias melhores. O Brasil merece

 

 

Notas

 

DEVOLUÇÃO

A Receita Federal vai liberar em janeiro pelo menos dois lotes residuais de restituições do Imposto de Renda que ficaram retidas na malha fina de anos anteriores. A expectativa é que o primeiro lote seja pago no dia 16. Nesse lote serão incluídas as declarações de 2005 (ano-base 2004) retidas na malha fina.
Os principais motivos para cair na malha são omissão de rendimentos, diferença de valores entre a fonte pagadora e a declaração do contribuinte, omissão de rendimentos provenientes de aluguel e gastos com despesa médica.

INCENTIVO

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável rejeitou, esta semana, o Projeto de Lei do deputado Renato Casagrande (PSB-ES), que cria incentivo tributário para a redução do consumo de água e de energia elétrica em residências e nas atividades agropecuárias, comerciais e industriais.

O relator Paulo Baltazar (PSB-RJ), diz que, embora do ponto de vista ambiental seja bem-vinda a redução no consumo de água e de energia, a medida pode desestimular o aumento da produção, em uma época de desemprego.

IPTU
O consumidor que apresentar uma diminuição anual no consumo de água e de energia elétrica igual ou superior a 10% em relação ao ano anterior terá direito à redução de 10% na base de cálculo do Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) ou do Imposto Territorial Rural (ITR).
De acordo com a Constituição, compete aos municípios instituir imposto sobre propriedade predial e territorial urbana, que, portanto, não pode ser objeto de lei federal, o que pode implicar em relação à redução do IPTU.

 

 

É fogo

 

Hoje é o dia da “jabá com abóbora” oferecida pelo ex-vereador Rosalvo Alexandre, em uma chácara em Areia Branca.

 

O prefeito Marcelo Déda retorna amanhã a Aracaju para participar do reveillon na praia de Atalaia. Ele passou alguns dias na praia do Saco.

 

Calcula-se que mais de 150 mil pessoas participam do reveillon na praia de Atalaia neste sábado.

 

Mais de cinco mil empregos informais foram conseguidos com o reveillon. Os bares e restaurantes aumentaram mesas e estoques.

 

O governador João Alves Filho passa o reveillon em Sergipe e visita cidades do interior. Na terça-feira viaja para a Espanha.

 

O secretário do Trabalho, Walker Carvalho, representou João Alves, ontem, durante solenidade de assinaturas do convênio do Banco do Nordeste.

 

O governador João Alves Filho ratificou o compromisso de reforçar o sistema prisional e valorizar cada vez mais os profissionais que atuam na área.

 

O vereador Elber Filho (PDT) está consciente que um nome novo para disputar o governo pode mudar os rumos desta eleição.

 

O presidente regional do PMDB, Benedito Figueiredo, diz que a legenda vai conversar com todos os partidos. O momento é de abertura de diálogo.

 

O prefeito de São Paulo, José Serra, defende que o PSDB tenha candidatura própria ao governo de Sergipe.

 

O Projeto Assaim de Música continua hoje na orla de Pirambu com shows de Chiko Queiroga & Antônio Rogério, e Irmão & tom Robson.

 

Os bancos ficarão fechados hoje, último dia útil do ano. Contas de consumo como água, luz, telefone e gás, e os boletos bancários podem ser quitados, sem ônus no dia 2 de janeiro.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais