Unit: Por quê?- Araripe Coutinho

0

UNIT: POR QUÊ?

 

A Unit, uma empresa milionária que forma pessoas e é Universidade Tiradentes não compra livro de autores sergipanos. Acredita que a Biblioteca “Severino Uchoa”, que ela abriga não merece(?) ter no seu acervo coleção completa de escritores nascidos aqui?

A verdade é que não haverá mais tempo para consertar erros de percurso, enquanto artistas da palavra vivem na mendicância total. Em tempo: comprar um tela de 600 reais não é justificativa para não adquirir 20 exemplares a 20 reais. Ou melhor 10 exemplares, porque quando autoriza, a Unit nunca compra além de 10. Oxalá, o estacionamento que também é cobrado não sirva para queimar vivo, como na inquisição, os herdeiros da palavra, esta força sucateada de nossa nação, aviltada pelos poderes constituídos e que no dizer de Teixeira Coelho – “os poetas, a sociedade se encarrega de suicidar.”

 

FIM DE LINHA

Por que Universidades não pagam impostos, são isentas, e cobram por tudo? Não têm um planejamento social anual e cultural (não brinca!) a não ser que seja para Ministro… Vivem da ausência de uma política educacional no país, à altura do povo e lucram com isso exorbitantemente, sem dirigir nenhum percentual dos recursos para a área cultural. Por que o Ministério Público não cobra dessas Universidades a quantidade de bolsas oferecidas, projetos de inclusão e outras realidades mais? Ficam os donos de universidades, faculdades, bem à vontade, contando o dinheiro  e justificando que nada podem fazer por causa da inadimplência dos pobres alunos.

 

JOEL PARTICIPA DE CONGRESSO

 

O médico Joel Carvalhal Borges esteve em São Luiz do Maranhão, participando como palestrante do XV Congresso Norte-Nordeste de Oftalmologia. O Congresso reuniu mais de 500 médicos. Foram discutidos temas muito importantes para o avanço da área no novo milênio. O Presidente da Sociedade Sergipana de Oftalmologia, Joel Carvalhal, foi homenageado no Congresso(o que foi uma honra para Sergipe).

Está sendo programada para outubro, no Hotel Quality a I Jornada Sergipana de Oftalmologia. Vários profissionais estão sendo contactados para os temas científicos e práticos.

 

PRÊMIO BANESE DE MÚSICA

 

Amorosa, nossa mais representativa cantora, surgida nos últimos 20 anos, realiza com a chancela do Banco do Estado de Sergipe – Banese o II Prêmio Banese de Música, nesta sexta e sábado, no Teatro Atheneu com premiações de até 8 mil reais.

Amorosa quer e sonha que a música seja incentivada(o que eles chamam de música sergipana, o que não concordo, porque não existe música baiana, carioca – senão o que seria de Garota de Ipanema e Caymi?) Mas… é a hora de abrir as cortinas. E aplaudir.

 

JAIR ARAÚJO

Um executivo que dirige o Banco do Estado de Sergipe e que tem levado o Banese ao patamar de respeito na área econômica. Não tem usado o cargo para viajar ao exterior, mesmo com dezenas de convites, tendo permanecido 24 horas em Sergipe desenvolvendo o trabalho diário, de um perfeccionista, abrindo o banco a várias vertentes sociais, culturais e de desenvolvimento.

 

NÃO DEVERIA

Pastores não deveriam se candidatar a cargo eletivo, nem padres, nem pessoas de segmentos religiosos. A Universal do Reino de Deus, em particular, quer dominar e mandar no Brasil, uma terra de intelectuais egoístas e xiitas como Helóisa Helena e mandatários como Alckmin. Num país sério(EUA não o é) religiosos que acreditam na neurastenia e cérebros de percentuais inexistentes, não poderiam se candidatar. Donos de TV, emissoras de rádio, jornais, gráficas, editoras e estúdios fonográficos, as Igrejas, leia-se aí também a Canção Nova, deveriam cuidar apenas do rebanho do Senhor. O poder parece-me, macula o homem.

 

ORKUT

Um perfil no Orkut, de um professor na cidade de Porto Seguro, levou os pais dos alunos a denunciá-lo no Ministério Público. Veja a pérola: “ autoritário ao extremo, musculação e matar vagabundos.” Além de uma foto terrorista do Word Trade Center sendo destruído. E  conclui Robert Goldberg, dono do perfil: “vejo vocês no inferno.”

 

11 DE SETEMBRO

 

Ana Maria Braga, a senhora matinal para quem  tudo é lindo e maravilhoso, entrevistou duas atrizes no dia do atentado e elas contavam o fato de estarem em NY como se tivesse sido um acontecimento turístico. E ainda justificava: “ é nosso jeito brasileiro de contar.” E quando a senhora matinal entrevista sobre economia, ela que não estuda o que pode perguntar e que deve ter uma produção fraquérrima, diz: você não acha? Acha o quê Ana Maria?

 

FRASE FINAL

 

“Tudo é vaidade e aflição de espírito.”

 

 

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários