Urge a necessidade matadouros municipais. Itabaiana aprovou concessão

0

“O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

Uma parte da sociedade sergipana ainda não entende o motivo da necessidade de se vender carne nas feiras livres somente de abatedouros regularizados e após a devida refrigeração. Essa parte, na maioria já experiente, lembra que no passado sempre foi assim e ninguém ficava doente. Essa afirmação é duvidosa porque não existiam estudos sobre os riscos do consumo e hoje em dia a alimentação do gado tem produtos de todos os tipos, como também a humana, aumentando também o risco de contaminação.

É correta a preocupação do MPE e dos órgãos envolvidos na realização da Operação Abate para fiscalizar a venda de carne nas feiras livres. Se não tiver uma medida dura o problema será empurrado com a barriga por muitos anos.

Em Sergipe hoje só funcionam hoje com capacidade grande de abate dois abatedouros particulares: um em Propriá e outro em Itabaiana. Dos abatedouros municipais fechados apenas dois hoje estão em fase de andamento para abrir as portas: Itabaiana e Lagarto.

É correta também a ideia do MPE que os abatedouros municipais sejam licitados e entregues a iniciativa privada suas administrações. Evita qualquer duvida financeira e, principalmente, evita que tenha solução de continuidade quando entra um novo gestor que esquece que o bem público é algo impessoal e por ter sido feito pelo adversário deixa ao abandono total. O MPE deve ficar atento também as segundas intenções de quem diz querer ajudar auxiliando, mas vive colocando empecilhos.

Um órgão que recentemente teve mudanças e vem fazendo sua parte é a Emdagro que já fez inspeção nos matadouros de Itabaiana e Lagarto. No de Itabaiana a Emdagro já deu parecer que o matadouro detém as condições essenciais para proceder um abate de animais de forma humanitária e sanitariamente satisfatória. E a Adema também já atestou as condições do local. O pouco que falta ser adaptado pode ser feito pela empresa vencedora sem problema algum.

A Prefeitura de Itabaiana, com o apoio da Câmara de vereadores, aprovou recentemente uma lei para concessão do matadouro por 30 anos e o edital de licitação será aberto rapidamente. A abertura do matadouro municipal de Itabaiana dará uma nova alternativa para os marchantes de toda região.

Só um detalhe: enquanto o MPE, a Emdagro, a Adema, a Prefeitura de Itabaiana lutam para abrir o matadouro, alguns poucos gritam na mídia que são favoráveis, mas pelas costas tentam protelar a todo custo a reabertura do local.

O bom é que como em Aracaju, lá, na cidade Serrana, todo mundo se conhece. E os itabaianenses não são apenas excelentes comerciantes, eles têm expertise em identificar demagogos.

 

Sobre os embargos declaratórios O blog foi informado que os embargos declaratórios impetrados por Belivaldo Chagas, por conta da cassação do mandato que serão julgados na próxima segunda-feira, 30, pelo pleno do TRE/SE, estão tramitando como qualquer outro recurso. E que os membros do tribunal analisam da mesma forma isenta como foi a decisão da cassação por 6 x 1. Ou seja, se trata de ilação alguém tentar antecipar uma decisão que será pautada de acordo com a legislação e nada mais.

OAB/SE: contas de Carlos Augusto Monteiro aprovadas por unanimidade E o blog faz justiça com o ex-presidente da OAB/SE, Carlos Augusto Monteiro que teve as contas referentes ao ano de 2015 (último ano dele) aprovadas por unanimidade. Na última eleição da OAB/SE este tema foi bastante discutido. O blog entende como importante não só relembrar, mas como restabelecer a verdade para todos os sergipanos. As contas aprovadas por unanimidade de Carlos Augusto é mais um caso que o tempo é o “Senhor da Razão.”

Excelente aquisição para a SMTT E o prefeito Edvaldo Nogueira acertou em nomear o engenheiro Antônio José Vasconcelos como novo diretor de Transporte Público da SMTT. Vasconcelos passou pelo DER/SE onde mostrou competência. Além da experiência é um profissional altamente qualificado.                                                                                                       

Sobre os retornos fechados incorretamente A SMTT precisa fechar de uma vez alguns retornos que foram fechados provisoriamente há muito tempo, mas os motoqueiros insistem em passar pelo local. Depois do retorno em frente ao Empório Bento onde os motoqueiros passam irregularmente no conjunto Augusto Franco, ao lado do G.Barbosa (Avenida canal 4), tem um retorno fechado com manilhas que não é respeitado pelos motoqueiros. É só fechar de verdade.

Departamento comercial fraco Enquanto passa por problemas com os funcionários, na sua maioria pressionados, os gestores daquela empresa de comunicação parece que ainda não entenderam que o departamento comercial precisa de profissionais capacitados e com experiência neste momento de crise. Uma economia besta que prejudica um setor vital da empresa.

 

Iluminação pública Ontem, 24, na Avenida Beira Mar após as 18h, em frente ao Parque da Sementeira os postes de iluminação estavam todos apagados. Alguma explicação por parte da PMA? Os aracajuanos pagam a taxa de iluminação pública.

 

Inclusão do Kit de Energia Solar em emendas federais A atuação do deputado estadual Luciano Pimentel é marcada pela defesa da Energia Solar Fotovoltaica. Ontem, 24, o parlamentar voltou a abordar esse tema e anunciou, no plenário da Assembleia Legislativa, que estará em Brasília para solicitar aos membros da bancada sergipana a inclusão do Kit de Energia Solar como item elegível na proposta do orçamento das emendas impositivas do Congresso Nacional.

Exemplo alemão Luciano Pimentel destacou uma notícia divulgada na última segunda-feira, 23, pelo Governo Alemão. De acordo com ele, os números referentes ao consumo energético do país mostram que 46% da energia produzida na Alemanha já é de origem solar fotovoltaica. “A Alemanha não registra a mesma intensidade de raios solares que o Brasil e em especial a nossa região. Ainda assim, o Governo Alemão saiu na frente e mostrou que está investindo no setor, hoje é responsável por 46% de toda energia consumida no país”, enfatizou.

Investimentos Em seguida, o parlamentar relembrou que há anos chama atenção para necessidade de promover investimentos nesta área. Para o deputado, que faz uso da energia solar fotovoltaica, todos saem ganhando ao adotar essa prática. “Hoje eu pago apenas a taxa mínima e a tarifa de iluminação pública. Ou seja, estamos falando de uma fonte energética que traz vantagens para o consumidor e favorece o desenvolvimento do Estado através da produção de energia limpa e barata”.

Projeto Por fim, Luciano Pimentel informou que na próxima semana estará em Brasília e pretende dialogar com deputados e senadores sergipanos para ressaltar a importância de viabilizar recursos que possibilitem uma maior inserção brasileira no cenário da energia solar. “O senador Alessandro Vieira está com um projeto que visa garantir, num prazo de até 10 anos, que pelo menos 7% da energia gerada no Brasil tenha como fonte o sol. Durante meu primeiro mandato solicitei aos parlamentares federais que buscassem incluir, como item elegível na proposta de orçamento da união, emendas impositivas para aquisição de Kits de Energia Solar e contribuíssem para a presença mais efetiva do país nesse mercado. Semana que vem estarei novamente em Brasília realizando esse mesmo pedido”, finalizou.

Governo do Estado inicia calendário de pagamento O Governo do Estado inicia o calendário de pagamento referente ao mês de setembro nesta segunda-feira (30), quando recebem os servidores com vínculo efetivo ativos, aposentados e pensionistas com vencimentos de até R$ 3 mil (três mil reais), além de servidores efetivos do Sergipeprevidência, Ipesaúde, Segrase, Agrese e servidores lotados em escolas da Secretaria da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc).No dia 11 de outubro, a partir das 13h, o Governo dá continuidade ao pagamento, quando recebem os demais servidores ativos, aposentados e pensionistas cujos vencimentos estão acima de R$ 3 mil (três mil reais), bem como todos os servidores comissionados sem vínculo.

Sobrecarga de trabalho nos supermercados O presidente da Federação dos Empregados no Comércio e Serviços de Sergipe (Fecomse), Ronildo Almeida, alerta sobre a possibilidade de sobrecarga de trabalho e de desrespeito a cláusulas da Convenção Coletiva com a implantação da chamada “função polivalente” nos supermercados de Sergipe. Além disso, avalia o dirigente sindical, pode haver desqualificação profissional para a categoria.

Rotatividade A chamada “função polivalente” consiste na relocação dos trabalhadores para que atuem em várias áreas, de maneira rotativa, sem uma tarefa fixa. No caso dos supermercados sergipanos a maioria das mudanças está ocorrendo, hoje, nas funções de caixa e repositor de mercadoria. “Primeiramente, devemos observar se não existe descumprimento à Convenção Coletiva de Trabalho com essas mudanças, inclusive, com perdas econômicas. Também é necessário entender se há prejuízos para o trabalhador na sua qualificação e segmentação profissional”, argumenta Ronildo Almeida.

Exemplo Por exemplo, questiona o presidente da Fecomse, o funcionário que atua como caixa e passa a ser repositor terá que função na carteira de trabalho? Haverá um novo contrato de trabalho, será respeitada a carga horária? “São várias dúvidas e insegurança para os trabalhadores. Tudo isso poderá causar, inclusive, a inibição de novos contratos, aumentando assim o desemprego”, observa Ronildo Almeida. O dirigente sindical ressalta, ainda, que não houve até agora nenhum tipo de esclarecimento da classe patronal para sindicato ou mesmo para os trabalhadores. “Colocam as mudanças e pronto.

Celi no Conecta Imobi A Construtora Celi marcou presença mais uma vez no Conecta Imobi, o maior evento de tecnologia, marketing e vendas do mercado imobiliário na América Latina! Promovido pelo grupo Zap, o Conecta Imobi acontece nos dias 24 e 25 deste mês de setembro, reunindo grandes nomes como Martha Gabriel, João Appolinário e Ricardo Amorim. Representou a Celi no evento em São Paulo (SP), a Coordenadora de Vendas da construtora, Carina Rezende!                                                                                                                                       

Conjunto Lourival Batista: bingo A nova diretoria da Associação dos Moradores do conjunto Lourival Batista realizará no domingo, 06, o 1º Bingo da Comunidade. Os recursos serão usados em projetos que a associação pretende empreender para a comunidade. No bingo serão ofertados diversos prêmios como bicicleta, batedeira, liquidificador , torradeira, além de vales compras no comércio local e prêmios surpresa. Mais informações pelo telefone 99999 – 5262 com Silvio Luiz. A associação fica localizada na Rua Rio Grande do Sul,, 72 Bairro Novo Paraíso.

 

NOTA PÚBLICA

Diante da veiculação de informações por parte do Sinpol/SE, no sentido de que a Associação dos Delegados de Polícia do Estado de Sergipe propôs ao Governo do Estado uma redução salarial para os cargos da base da Polícia Civil, a Adepol/SE vem a público prestar alguns esclarecimentos, com o intuito de restabelecer a verdade.

Como integrante de uma comissão que discute a reestruturação da Polícia Civil, a Adepol, entidade que congrega os Delegados de Polícia, dirigentes da Instituição por imperativo constitucional, de forma legítima, propôs a criação das novas carreiras de Investigador e de Escrevente. Esses quadros teriam uma tabela remuneratória própria que não se confunde com a tabela das carreiras de Agente e de Escrivão.

Também não é verdade que a Adepol propôs a mudança do requisito de escolaridade do nível superior para o nível médio no tocante às carreiras atuais. Para as novas carreiras a exigência seria diferente, o que oportunizaria a vários jovens, que sonham integrar a Polícia Civil e não têm o nível superior completo, o ingresso na instituição.

Além das novas carreiras, a Adepol também propõe a criação de especialidades para os cargos de Investigador, nas áreas de contabilidade, tecnologia da informação e meio ambiente. Esses investigadores especialistas auxiliariam as investigações em que conhecimentos mais específicos são cruciais para o sucesso dos trabalhos, a exemplo das investigações de crimes de colarinho branco, ambientais e informáticos.

A Adepol acredita que a criação desses novos quadros fortaleceria o trabalho da Polícia Civil no Estado de Sergipe, vindo a somar com os Delegados, Escrivães, Agentes e Agentes auxiliares que atualmente compõem a instituição.

A Adepol, como sempre esteve, continua à disposição para as discussões democráticas, prezando, contudo, pela fidelidade na transmissão das informações aos servidores da Polícia Civil e à sociedade.

A Diretoria

NOTA PÚBLICA

  1. A independência cobra um preço e os bandidos não se conformam. Segue uma história para conhecimento geral:

Em fevereiro, em reunião com o ministro Onyx, informei que não tinha interesse em indicações para cargos, mas cobrava nomes técnicos e honestos para o meu estado. A resposta dele foi que o melhor meio de garantir seria indicar um nome. Fiz isto no tocante à Codevasf, indicando o nome de Milton Andrade para a Superintendência Regional.

  1. Na mesma conversa deixei claro que a minha atuação seria de total independência.
  2. Parte expressiva da bancada sergipana se mobilizou pela manutenção do superintendente em exercício, o que se prolonga até agora.
  3. Recebi a visita do ministro Ramos, em meu gabinete, ocasião na qual ele ofereceu qualquer cargo federal em Sergipe, como forma de “compensação”. Informei ao ministro, então iniciando na função, que não tinha e não tenho interesse em indicação para cargos, reiterando o mesmo já dito ao ministro Onyx, em especial a posição de total independência com relação ao governo.
  4. Surpreendentemente, no último final de semana, o empresário Milton Andrade foi procurado para consolidar aquela indicação de fevereiro, assumindo a citada Superintendência da Codevasf em Sergipe.
  5. Ao receber tal informação, orientei Milton Andrade a rejeitar a nomeação e comunicar esse fato publicamente.
  6. É evidente o objetivo de tentar desgastar aqueles que se portam com independência e persistem no combate à corrupção e à política mercantil, do toma-lá dá-cá.
  7. Vamos seguir com transparência e fazendo o bom combate. Ameaças e mentiras não vão mudar o nosso caminho.

 

PELO ZAP DO BLOG CLÁUDIO NUNES – (79) 99890 2018

Poço Verde: povoado Corimbas sem água há trinta dias De alguns moradores: “O prefeito cortou os carros pipa que abastecem as comunidades. Se um morador quiser comprar uma carrada d`água particular paga 200 reais por carrada.O povoado Corimbas está nessa situação há trinta dias. O abastecimento é feito por caro pipa porque o uso indiscriminado de agrotóxicos acabou tornando impróprio o uso de águas das nascentes. A prefeitura alegou o encerramento e a não renovação do contrato com o carro pipa para abastecer a comunidade. O sofrimento é grande.”

As brincadeiras de Patatí e Patatá no circo republicano Por Gênio Souza Santos (pseudônimo), Jornalista – DRT – 0002362/SE: “’Claro, sabemos nós que tem quem leve a sério as brincadeiras de Patatí e Patatá, em especial alguns periodistas. no entanto, se os mortais tivessem acesso aos pensamentos mais profundos da alma humana, saberiam que, dentro do circo republicano a dupla Patatí e Patatá perdeu a graça com suas brincadeiras nada republicanas. Brincar de pular de galho em galho, usar pessoas para fazer a brincadeira da pirâmide humana, contar anedotas e disputar o cabo de guerra onde a corda somente quebra para o lado do mais fraco, certamente não tem mais espaço no espaço republicano. Para obstacular a sanha medonha da dupla prosaica, a sociedade vem instalando filtros que estão a seletivar o joio do trigo. Um aviso já foi dado em 2018 e, somente quem mente para si mesmo é que não leva a sério o que sociedade acha de quem gosta de brincar com a sorte dela. portanto srs. Patatí e Patatá, por tanto quanto fizeram pela prole republicana, os seus sobreviventes já não acham mais graça nas suas brincadeiras, em especial a de pular para o galho errado. se toquem e se olhem enquanto é tempo e levem a sério o ditado que diz: vamos para a frente que atrás vem gente.”

Hospital Amparo de Maria em Estância De alguns funcionários: “Não bastassem os problemas do Hospital Amparo de Maria, enfrentados com salários, 13º salário atrasados e sem o FGTS depositados, ainda enfrentamos questões como a contratação pela gestão – formada por José Magno (filho do ex-prefeito José Nelson; e Joaldo dos Santos, interventor pela Justiça, dirigente do PT – , de uma Coordenadora de Enfermagem que pouco vai. A coordenadora não é dos quadros do hospital e assumiu em maio, sendo que neste período ela se afastou por mais de 45 dias e sua falta é abonada pela gestão. Quando questionada, esta coordenadora ainda faz gracinhas. Por isso, os funcionários do hospital estão recolhendo um abaixo-assinado para entregar na Justiça.”

PELO E-MAIL E FACEBOOK

Turismo: inovar é preciso. Por Carlos Nascimento*

A semana do turismo começou com a noticia bomba da quebra da Thomas Cook, gigante agência de viagens de 178 anos, cujo nome homenageia o seu fundador e pioneiro na organização de viagens turísticas. Para se ter uma ideia do tamanho da empresa cerca de 16 mil turistas britânicos estavam com voo de retorno marcado no dia do fechamento, 23 de setembro, estima-se que para os próximos dias entre 350 e 450 mil clientes tenham que retornar às suas casas de e para diversas partes do mundo.

A falência da tradicional empresa britânica deve-se a diversos fatores; porém muitos comentaristas apontam para um mesmo caminho. A empresa que testemunhou duas viradas de século não estava preparada para o século XXI. Em tempos de economia compartilhada, e de tecnologias que possibilitam a customização da viagem pelo próprio usuário, comprando desde as passagens do hotel aos ingressos do show, onde quer que esteja e para onde quer que vá ela ainda preservava um modelo de negócio tradicional.

Em uma sociedade em mutação constante não se tem mais espaço para um modelo de fazer turismo em que não caiba espaço para a inovação. Há uma famosa frase clichê atribuída a Einstein que diz “Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”. O fato de não haver nenhum registro que o físico alemão seja o autor desta frase não a deixa menos verdadeira.

Se há um lugar que quase não dá espaço para inovação, em que se ínsita nas mesmas coisas, é no turismo sergipano. Qualquer tentativa de se mudar o modo de fazer, alterar o modelo, enfrenta resistência ou é fadado a ser condenado ao abandono. Tudo tem que ser feito visando o retorno imediato. Há um continuo repetir de ações sem que se avaliem os resultados, sem que corrijam rumos. Quando atuava no turismo do estado quase fui trucidado ao propor que se cortassem algumas ações que não davam retorno e se investissem em outras que os dados apontavam ser uma melhor opção.

Um exemplo deste continuo repetir de ações é o investimento que fazemos em press tours ( sinto muito mais o turismo é cheio de termos em inglês) com a mídia tradicional, pouco se investindo nas mídias sociais. Quando trouxemos o blogueiro Ricardo Freire, responsável por um dos mais visitados blogs de turismo, o Viaje na Viagem, para vivenciar os nossos festejos juninos e visitar alguns dos nossos atrativos, pudemos acompanhar através do Google trendings o impacto que as matérias dele causaram na busca por Sergipe e Aracaju, foi um crescimento exponencial, e ate hoje, passados oito anos, estas matérias ainda são referencias no site dele.

Há quem confunda inovação com adoção de novas tecnologias. Mesmo as novas tecnologias poderão ser pouco inovadoras se adotadas na base da simples cópia, sem um estudo que embase a sua adoção e sua adequação à nossa realidade. Não é porque algo deu certo um lugar que terá o mesmo efeito em outro.

Para inovar no turismo é essencial trabalhar algumas coisas. A primeira é a Inteligência turística, um trabalho baseado em dados, que analise as tendências. Foi assim que no passado conseguimos novos voos, através de um acompanhamento constante de dados sobre o transporte aéreo, e cruzamento com outras informações. Isto possibilitou que em 2011 fizéssemos a correta projeção de quando superaríamos a marca de um milhão de passageiros no Santa Maria, e o dimensionamento do crescimento do fluxo para os anos seguintes, caso as ações tivessem continuidade. Entretanto a partir de 2015 o que vimos foi um decréscimo no número de passageiros , hoje corremos o risco de encerrar 2019 com um movimento só um pouco maior que o registrado em 2011, quando superamos a marca do um milhão de passageiros.

O segundo elemento para a inovação são os dados, não só aqueles que se obtém das pesquisas de demanda e dos Boletins de Ocupação Hoteleira, cabe aqui relembrar que estamos na era de economia compartilhada, portanto os BOH são apenas dados indicativos de determinados meios de hospedagem que devem ser cruzados utilizando-se ferramentas de CRM e Big Data. Os dados obtidos através destas ferramentas uma vez convenientemente tratados orientarão de forma mais precisa as ações a ser tomadas.

Por último, porém sem esgotar o tema, há que e observar que o turismo de massa está sendo cada vez mais substituído por um turismo mais personalizado, voltado para temas específicos; e aqui podemos sinalizar duas iniciativas inovadoras em Sergipe, a Vento Leve Turismo, especializada em vender Sergipe para os Sergipanos, e a Aventure-SE, especializada em turismo de aventuras. E por que elas são inovadoras? Justamente por estarem se posicionando em nichos ainda não explorados.

A inovação, como já exemplificado com o caso de Thomas Cook, é uma necessidade na sociedade do século XXI, o que não pode acontecer é querer esperar os mesmo resultados fazendo-se as mesmas coisas quando os turistas têm outras necessidades. Isto não quer dizer que abandonemos todas as nossas práticas, mas que constantemente as revisemos, a partir da análise dos dados sobre elas.

*Mestre em Gestão de Políticas Culturais ênfase em turismo cultural, Universitat de Girona; consultor de cultura e turismo.

ARTIGO

Apenas um minuto Por Nilson Socorro*

Repórter da Gazeta de Sergipe desde maio de 1975, por afinidade com a política foi nessa a área que centrei atuação. Dividia a pauta geral com a cobertura política da Câmara de Vereadores e da Prefeitura de Aracaju, mas, como foca, não deixava de farejar na Assembleia Legislativa e no Palácio do Governo, afinal, todos os poderes estavam sediados praticamente naquele quadrilátero central entre as Praças Fausto Cardoso e Olímpio Campos.

Por isso, a passagem no Palácio Olímpio Campos e na Assembleia Legislativa, era parte da caminhada diária em busca das notícias e, no Palácio Fausto Cardoso, antiga sede do Poder Legislativo Estadual, tinha ainda um acréscimo algumas vezes indispensável: encontrar o editor-chefe, o Ivan Valença, para discutir a pauta política. Mas, antes da Assembleia, sempre dava uma entrada no Palácio Olímpio Campos para se inteirar dos acontecimentos e das fofocas, na sala do jornalista Benvindo de Sales Campos Neto, chefe da Assessoria de Imprensa. Ali se reuniam jornalistas e alguns desocupados da área, pródigos em produzir boatos, o que hoje rotularíamos de fakes news.

Mas, quando queria mesmo saber ou checar o que estava acontecendo de verdade nos bastidores da política local era para o gabinete do Seu Roger Torres que me dirigia. Saia de fininho e com a mesma discrição transitava entre os que na sala de espera aguardavam para serem recebidos pelo governador José Rollemberg Leite. O Roger Torres, velho cotinguibense, pai do zagueiro Zé Carlos e do atacante Fernando Oliveira, este o sergipano autor do segundo gol no Batistão; era o chefe de gabinete, o homem que abria e fechava a porta para quem pretendesse ser recebido pelo chefe do executivo estadual. A minha presença naquele ambiente sabia que não era bem vista, mas, a necessária ousadia essencial ao repórter recomendava que a isso relevasse.

A sala de Seu Roger era assim um manancial de notícias. Quanto mais cheia, mais matéria prima para um jornalista. Afinal, ali estavam, pacientemente esperando a hora de passar pela porta para a audiência ou o despacho com o governador, sem os notebooks e celulares de hoje, as pessoas potencialmente detentoras de importantes informações. Eram parlamentares, prefeitos, lideranças políticas e empresariais, além de personalidades influentes na sociedade e os ocupantes de cargos de direção na administração estadual, principalmente do primeiro escalão. Uma boa e “desinteressada” prosa com qualquer daqueles, certamente poderia render uma matéria exclusiva ou informação para alimentar uma pauta posterior.

Mas, naquele dia estava não para fuçar junto aos que aguardavam o convite do Seu Roger para transpor a barreira que os separava do governador. Estava ali para também ultrapassar aquela porta e ser recebido por Sua Excelência. Lógico que não tinha audiência marcada, até porque, apesar da informalidade da época, não era comum o governador receber um simples repórter individualmente para uma entrevista, pior ainda, sem agendamento prévio. Mas, eu queria e a ousadia da juventude e o indispensável atrevimento profissional me motivavam a não desistir de ser recebido e Seu Roger era, digamos, o login para isso.

Estava certo que finalmente conseguiria. Não era a primeira vez que importunava o chefe de gabinete com o insistente pedido de audiência.

– Quero apenas um minuto. Prometo, um minuto e nada mais.

Pacientemente, mas, embalde, Seu Roger tentava me dissuadir da pretensão. Recomendava que tentasse com o jornalista Benvindo sob o argumento de que as audiências com a imprensa passavam pelo chefe da assessoria especializada. E ele tinha razão, mas, o que queria era uma conversa exclusiva com o governador, sem interferência e nem conhecimento da assessoria de imprensa, por isso, não desisti e para conseguir inflava a bola dele argumentando que realmente o Benvindo era o chefe da comunicação, mas, ele era o São Pedro do lugar, portanto, o dono da chave que abria e fechava o acesso ao gabinete governamental.
E minha insistência não foi em vão. De repente, Seu Roger andar calmo e vagaroso pelo peso da idade e o arqueamento acentuado das pernas, veio na minha direção com o sim que ansiosamente aguardava.

– O governador vai recebê-lo, mas, disse que por apenas um minuto como o senhor pediu.

Pronto, era tudo que queria. Afinal, planejara aquela entrevista já há vários dias e o limite de tempo lá dentro deixava de ter importância a partir do momento que entrasse. Estávamos no ano de 1978, o noticiário político fervia com o período pré-eleitoral das eleições que aconteceriam em 15 de novembro, para todo cargos, exceto para Presidente da República, Governador do Estado e Prefeito da Capital, que na ditadura militar a eleição ainda era pela via indireta. A definição das candidaturas ocupava os bastidores políticos e o principal questionamento era se o governador José Leite seria ou não candidato ao Senado, principal posto majoritário em disputa. O governador era especulado como o candidato número um ao Senado pelo partido governista, a Arena, mas, a candidatura ainda dependia da formação da chapa com a presença ou não do então prefeito de Aracaju, João Alves Filho na mesma legenda.

Ao aceno de Seu Roger, imediatamente me levantei e me dirigi à famosa porta do gabinete, que ao ser aberta, me colocou frente a frente com a emblemática figura do governador José Leite. Homem fino, extremamente educado, rigorosamente trajado, um verdadeiro lord, voz macia, pausada, pouco audível, mas, contundente nas colocações e pontuações. De pé, em frente à mesa de trabalho, estendeu parcialmente a mão para me cumprimentar. Entusiasmado, cedi ao cumprimento e antes mesmo de sentar na cadeira por ele apontada, fui engatando rápidas perguntas amistosas para quebrar o ar solene e deixar o clima mais propício para aplicar o interrogatório estudado. Ele, ainda fora da área interna de acesso a sua escrivaninha, monossilabicamente respondia a tudo, inclusive ao agradecimento antecipado pela audiência, enquanto eu abria o borrão de anotações e pegava a caneta para começar a entrevista.

Aí surpresa. Quase que me enterro ali mesmo. Tudo que planejara parecia que acabava de desmoronar. “Não, não, não pode ser. O senhor não vai fazer isso comigo”. E ele serenamente, mas, sem deixar de exibir um discreto sorriso pelo canto da boca, internamente se deliciava como meu visível desapontamento, após ouvir trágica sentença.

– Seu tempo acabou. O senhor pediu apenas um minuto e nada mais.

Ufa! Só um susto. Um momento, talvez ironicamente por ele planejado para quebrar a formalidade que eu pensara poder quebrar. Mas, o anfitrião era ele, e nessa condição tinha o controle, inclusive para ampliar o tempo combinado. Escutou todas as perguntas, evidente que nem a todas respondeu, mas, o que respondeu foi por muito mais do que apenas um minuto.

*Jornalista, professor e advogado.

PELO TWITTER

www.twitter.com/andretrig Os olhos de uma geração futura inteira estão sobre vocês. E se

vocês escolherem fracassar, nós jamais perdoaremos. Nós não vamos deixar vocês fazerem isso. É aqui e agora que nós colocamos um limite. O mundo está despertando. E a mudança está chegando. (Greta Thunberg)#bomdia

www.twitter.com/lucianopazx Ação articulada da cidade inteligente! Enquanto a Av Beira Mar está em obras dos dois lados, na Praça da imprensa caminhão da @EMSURB causa engarrafamento até no Shopping Jardins

 

Mais detalhes: https://credencial.imasters.com.br/ciclo-de-debates-sobre-direito-de-trnsito-e-mobilidade-urbana

www.twitter.com/miltonandrade30 Aos que insistem em não entender: a decisão de não  assumir a Codevasf ocorreu em comum acordo com o @Sen_Alessandro . Entendemos que esse é o melhor caminho no atual contexto político. Seguiremos juntos na luta por um Estado com mais oportunidades.

www.twitter.com/BlogdoNoblat Todos os que batem na imprensa livre, seja por seus defeitos ou qualidades, deveriam ser obrigados a passar um tempo lendo somente notícias oficiais.

 

www.twitter.com/frednavarro O clima de coliseu romano impregnou o debate político de uma forma irreversível. Ou se torce pelos gladiadores ou pelos leões.

 

Siga Blog Cláudio Nunes:                                                                                                                       

Instragram

 Facebook

 Twitter

Frase do Dia
“As palavras são obras de arte que tornam a ciência possível. As palavras são abstrações que tornam possível a poesia. As palavras significam a recusa do homem a aceitar o mundo como está.” Walter Kaufman.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais