Vida na Gazeta

0

No dia 25 de outubro de 1988 a coluna Plenário estreava na GAZETA DE SERGIPE. Era uma nova experiência para mim, que vinha de um concorrente, o Jornal de Sergipe, dedicar os meus serviços a esse diário, como editor geral. Foi muito bom todo esse período, onde fiz grandes amigos e mantive colegas competentes e leais ao trabalho. Profissionais de alto gabarito, dedicados, apaixonados e, que ainda hoje, dão um pouco do seu sangue e das suas vidas à GAZETA. É muito difícil não se ter uma relação de amor com um jornal que respeita o direito de expressão e não permite a censura, desde que o fato aconteça. Em nenhum momento se utilizou qualquer argumento para impedir a não publicação de matéria, seja de que caráter for. Pode-se dizer que a GAZETA é um jornal independente, muito embora todo e qualquer órgão de comunicação tem compromissos naturais com a própria família ou com segmentos defende sem exageros e fanatismo. Durante os quase 15 anos que mantivemos a coluna Plenário, não tivemos qualquer problema com a direção do jornal. O então diretor de jornalismo – hoje na presidência da empresa – jornalista Paulo Dantas Brandão, jamais fez qualquer observação de censura, mostrando a mais absoluta tolerância, sensatez, profissionalismo e respeito ao direito de expressão. Um cidadão pelo qual mantemos o maior respeito. O ex-deputado Hélio Dantas, quando presidente da GAZETA, nos fez apenas uma observação. Foi quando escrevemos um comentário, de primeira página, com o título “Collor mentiu”. Helio Dantas disse que até assinaria embaixo tudo o que comentamos, mas colocaria outro titulo: “foi muito grosseiro para um presidente”, disse isso de forma cordial e sem demonstrar qualquer tipo de irritação. Mantemos uma admiração muito grande por Hélio Dantas. E foi ali que senti a liberdade, esse jeito que conseguimos levar uma coluna que conquistou leitores, os quais, pacientemente, nos acompanha e nos dá credibilidade. Plenário sempre procurou participar diretamente da vida pública de Sergipe, buscando nos bastidores o que se evitava publicar. Fez amplos comentários sobre sucessões municipais e estaduais, evitando sempre a parcialidade e procurando se manter sobre o muro. Na nossa concepção, o jornalismo é a única profissão que tem o dever de se colocar em cima do muro, porque escreve para atender aos dois lados. Denunciamos, nos indignamos, lamentamos e cumprimos a obrigação de cobrar, das autoridades competentes, responsabilidade com a coisa pública e os interesses da sociedade. Não descansamos e nem vamos descansar em relação ao dramalhão da fuga de Floro Calheiros e criticamos atos irregulares praticados pelos três poderes. Tudo isso, é claro, com a tolerância da direção do jornal, sem a qual Plenário não teria o menor êxito. Mas não vamos deixar a GAZETA. Continuaremos integrando sua equipe de jornalistas, sem assinar coluna ou fazer comentários. Estamos transferindo Plenário para outro jornal e, certamente, haverá muitos comentários sobre isso. Mas, todos tenham a mais absoluta certeza: não mudaremos a linha de independência da coluna. Ela terá a mesma ousadia dessa que está sendo publicada neste jornal. Não podemos dizer que será a última, mas pode custar um longo período longe das páginas bem lidas desta GAZETA. Continuaremos indiferentes aos partidos, sem ter candidato a nenhum mandato eletivo, sem defender interesses de grupos e noticiando o que considerar lesivo à sociedade. Esta sempre foi e será a característica de uma coluna que conquistou o eleitorado e não pretende perde-lo, embora saiba da competência dos jornalistas que continuarão à frente das colunas políticas deste jornal, como Rita Oliveira e Cláudio Nunes. Estamos partindo para um novo desafio e haveremos de vence-lo, mas sempre integrando a equipe que continuará fazendo da GAZETA DE SERGIPE um jornal que mexe muito com o coração da gente. DESAFIO O secretário da Educação, Marcos Prado, desmentiu, durante programa na Rede Ilha, que tivesse devolvido dinheiro enviado para projetos que não foram realizados. “Desafio quem provar qual o recurso que foi devolvido ao Governo Federal, proveniente da Educação” – irritou-se Prado. DENÚNCIA Segundo uma fonte que tem acesso direto à Secretaria da Educação, projetos que foram engavetados tiveram os recursos devolvidos. É bom frisar que a fonte não revela quais os projetos, mas insiste na afirmação de que o dinheiro foi devolvido. MELHOROU O deputado federal José Carlos Machado confirmou que o secretário da Educação, Marcos Prado, realmente melhorou muito “de um dois meses para cá”. Atribui a isso o acompanhamento que o deputado fez ao secretário, quando ele foi a Brasília, em uma audiência com o ministro Cristóvam Buarque. DEMISSÃO Nos bastidores do Palácio dos Despachos, o comentário é que Marcos Prado não permanecerá na Educação com a reforma administrativa. Fala-se muito em Nicodemos Falcão, embora também haja algumas restrições de políticos e professores. TROCA Um membro da alta cúpula do Governo revelou que o futuro secretário da Educação deve ser o médico José Alves Neto. Nicodemos estaria queimado em uma área importante. A senadora Maria do Carmo Alves deve pedir uma nova licença no Senado Federal e retornar à Secretaria de Erradicação da Pobreza, onde se encontro José Alves. REFORMA O mesmo membro da alta cúpula faz uma pergunta interessante: “o governador João Alves Filho vai fazer reforma para quê? Para colocar duas ou três caras diferentes?”. Acrescentou que as empresas públicas estão entregues a insensíveis, que não sabem tratar principalmente a área política, porque a maioria deve obediência a quem indicou. MINISTRO Um dos assessores de Marcelo Deda deduziu, ontem, que os seus adversários estão torcendo para que ele assuma um Ministério. Diz que a maioria dos adversários do prefeito está querendo que ele não dispute a reeleição. Para ele, “é impossível alguém abater Deda em Aracaju”. VALADARES O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) revela que a posição política do seu partido é apoiar o Governo Federal em todas as suas ações. Em Sergipe, Valadares diz que está vinculado ao prefeito Marcelo Deda e que não sofrerá qualquer influência para deixar de apóia-lo como candidato a prefeito de Aracaju. COMPROMISSO O senador Valadares acrescenta que tem compromissos assumidos com a oposição em Sergipe e que não costuma fugir das posições adotadas. Valadares evita discutir candidaturas dos adversários políticos. Seja qual for o nome que dispute, ele está no palanque ao lado de Marcelo Deda. EMENDAS O prefeito Marcelo Déda queria utilizar os R$ 2 milhões de emendas cedidos para a ponte que liga o Inácio Barbosa ao Augusto Franco, na urbanização da Terra Dura. Déda pediu ao coordenador da bancada, José Carlos Machado que fizesse a troca: “isso só quem pode autorizar é o deputado João Fontes, que é autor da emenda”, avisou Machado. BOM SENSO Imediatamente o prefeito Marcelo Déda ligou para o deputado João Fontes e sugeriu que ele autorizasse a permuta, para que ele realizasse o trabalho na Terra Dura. Apesar das divergências, João Fontes usou o bom senso: “o senhor está autorizado a fazer o que quiser prefeito. Meu objetivo é ajudar Aracaju”, disse-lhe o parlamentar, já expulso do PT. AUGUSTO O deputado estadual Augusto Bezerra (PMDB) está de malas arrumadas para viajar à Europa, dia 9 de janeiro. Segue direto para a Itália. É um dos convidados para integrar a comitiva do governador João Alves Filho que vai a Roma, Espanha e volta por Washington, onde terá reunião no Bird. GLÓRIA O prefeito de Glória, Sérgio Oliveira, vai apenas oficializar a transmissão de cargo para o presidente da Câmara, Anselmo Dantas, sexta-feira. Anselmo já age como prefeito. Até abril, Sérgio Oliveira ficará na Secretaria de Articulação com os Municípios, se Anselmo não for o candidato do Governo, ele retorna a Glória e disputa uma vaga de vereador, se voltando para a oposição. Notas ALMEIDA O senador José Almeida Lima (PDT) cobrou do presidente Lula a adoção de um projeto destinado a dotar o território brasileiro de uma ocupação mais equânime e regular, com o objetivo de compatibilizar a grande extensão territorial com a diversidade das condições sociais, econômicas e culturais. Almeida tem uma Proposta de Emenda a Constituição (PEC) que trata da questão, que inclui criação, fusão, incorporação e desmembramento de municípios. Atualmente esta competência é da união. ENTREVISTA Em entrevista ao semanário Folha da Praia, a senadora Maria do Carmo Alves reafirmou que o Governo não terá candidato que seja exclusivamente do PFL e que apoiará aquele que melhor se apresentar ao eleitorado. Insiste que o grupo deve se voltar apenas para um nome, com o objetivo de fortalece-lo. Maria do Carmo surpreendeu, porque pela primeira vez recebe um grupo de jornalistas para entrevistas. Descontraída, ela fala do seu trabalho na periferia das cidades e admite que o país deve muito ao setor social. ENOQUE O prefeito de Poço Redondo, frei Enoque (PPS) estaria irritado porque ainda não conseguiu a transferência do seu título para Canindé do São Francisco, onde pretende disputar a Prefeitura daquela cidade. Enoque diz que há muitos anos celebra missa naquela cidade e tem participação ativa na vida da cidade. Enoque também acha que a sua cidade, Poço Redondo, é domicílio eleitoral de Canindé, porque integra a mesma região eleitoral. Acha que o problema advém de uma ação dos coronéis, que pretende impedi-lo da disputa. É fogo As ligações através de telefone celular estão impraticáveis neste final de semana. É difícil se conseguir falar com alguém sem antes ter muita raiva. Todo o sistema de telefonia celular está apresentando problemas e muitas ligações que o cidadão faz para outros aparelhos, cai na gravação da empresa de telefonia. Na aparição que faz na TV, para a mensagem de final de ano, o governador João Alves Filho se refere aos equívocos da administração anterior. O ex-governador Albano Franco praticamente se recolheu, nestes dias, com a morte do seu pai, ex-governador Augusto Franco. A deputada estadual Susana Azevedo está de viagem para o Rio de Janeiro, onde passa o reveillon. Quando retornar reinicia a campanha. O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda, vai ao Rio de Janeiro depois do dia 5 de janeiro e passa duas semanas de férias. O secretário chefe da Casa Civil, Flávio Conceição, está gozando as delícias de Paris, onde passa o reveillon. A oposição em Itabaiana tem um nome forte para disputar a Prefeitura daquela cidade: deputada Maria Mendonça (PSDB). O prefeito de Itabaianinha, Joaldo Carvalho, deverá apoiar o ex-prefeito Renildo Santana (PFL) para sua sucessão. Renildo Santana é senador suplente e passou praticamente um ano no Senado, em lugar de Maria do Carmo Alves. Já o ex-deputado estadual Ilzo Silveira (PFL) espera que os seus correligionários o apóiem como candidato à Prefeitura de Itabaianinha. O governador João Alves Filho (PFL) continua lembrando a festa que fará para reinaugurar a orla de Atalaia. O comércio passou a vender produtos para o reveillon. Nas confecções o branco predomina e nas bebidas a champagne. Os comerciantes continuam afirmando que este ano as vendas caíram muito e que esperam uma recuperação em 2004. Por Diógenes Brayner brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários