Viva o povo brasileiro

0

Parodiando o escritor João Ubaldo Ribeiro, ‘viva o povo brasileiro’, salve a rebeldia dos jovens e abaixo a truculência do braço armado estatal. Diferente do que pensam a grande imprensa e os borra-botas governistas, as gigantescas manifestações populares não protestam apenas contra o absurdo reajuste da tarifa dos ônibus. O povo está nas ruas condenando a falta de hospitais descentes, exigindo educação de qualidade, mobilidade urbana, mais segurança e, acima de tudo, repudiando a classe política, que há décadas se locupleta com o dinheiro público. Como é bonito ver um mar de gente nas ruas do Brasil cobrando cidadania e protestando contra quem acredita que com pão e circo é possível manter o povo dormindo em berço esplêndido.

Latas velhas

E em Aracaju o Movimento Não Pago promove quinta-feira (20) mais uma manifestação contra o absurdo reajuste da tarifa dos ônibus. O ato popular vai acontecer a partir das 17h, na praça Fausto Cardoso, e visa pressionar o prefeito João Alves Filho (DEM) a revogar o aumento concedido no mês passado. O Movimento também recorreu à Justiça para anular a majoração aprovada pelos vereadores. Hoje, o aracajuano paga R$ 2,45 para circular em fedorentas e superlotadas latas velhas.

Calada da noite

O presidente do PT sergipano, deputado federal Rogério Carvalho, sentiu-se traído pelos próprios aliados que, sem lhe consultar, definiram sobre sua sucessão. Ele diz não ter sido informado do seminário realizado sábado passado visando indicar o petista Sílvio Santos como candidato a presidente do partido em Sergipe. É, pelo visto a cúpula do PT quer ver Rogério pelas costas. Misericórdia!

Tá ótimo

Os médicos responsáveis pela cirurgia no prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM), informaram ontem que ele apresenta um ótimo quadro de recuperação. Na quinta próxima o demista passará por novos exames no Hospital Sírio Libanês, quando será definida a data de seu retorno a Sergipe. Enquanto isso, a capital segue sendo administrada pelo vice José Carlos Machado (PSDB).

Escanteio

São cada vez mais fortes os comentários dando conta que os irmãos Amorim querem distância do deputado federal André Moura (PSC). A colega Rita Oliveira publica hoje no Jornal do Dia que assessores do senador Eduardo Amorim (PSC) querem ele longe do aliado pelo fato de André está sendo rotulado de ‘ficha suja’ em função dos processos que responde na Justiça. Vixe, que horror!

Pressão

A bancada de oposição, maioria na Assembléia Legislativa, está disposta a não votar a Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) enquanto o governador Jackson Barreto (PMDB) não anunciar o reajuste salarial dos servidores. A ameaça foi feita ontem pelo deputado Venâncio Fonseca (PP). Segundo ele, não é justo que o governo empurre com a barriga um aumento que deveria ter sido concedido em janeiro passado.

Nova greve

Os auditores fiscais de Sergipe ameaçam cruzar os braços visando pressionar o governo a recuperar os postos de fiscalização. Segundo o Sindifisco, a falta de manutenção dos postos tem estimulado a sonegação. “Como podemos saber o peso dos caminhões se não existem balanças?”, questiona o presidente do Sindicato, Abílio Castanheira. É, e o governo vive se queixando que não consegue aumentar a arrecadação.

Contra polícia

Vejam o que postou no twitter o diretor Corporativo e de Serviços da Petrobras e ex-senador por Sergipe, Zé Eduardo Dutra (PT): “A diferença entre eu e alguns que me contestam, à direita e à esquerda, é que eu não sou hipócrita. Não gosto de polícia nenhuma”. Homem, vôte!

Inseguros

A paralisação dos vigilantes por 24h impediu a abertura de várias agências bancárias em Sergipe. A categoria exige dos patrões uma proposta salarial descente e ameaça cruzar os braços por tempo indeterminado caso não seja atendida. Um vigilante ganha hoje apenas R$ 657 para enfrentar bandidos fortemente armados. Enquanto isso, as empresas de vigilância ficam cada vez mais ricas.

Essa é do baú

O escritor Murilo Mellins conta em seu livro ‘Aracaju Romântica que vi e vivi – anos 40 e 50’ um episódio ocorrido com o amigo dele conhecido por Biláu, um boêmio que morava com a mãe viúva no Parque Teófilo Dantas, ao lado da Catedral Metropolitana de Aracaju. À noite, quando ia se divertir, ele escorava a porta da casa com um paralelepípedo, pois naqueles tempos não havia a violência de hoje. Uma certa noite, Biláu se excedeu um pouco na bebida e, ao chegar em casa, abriu a porta. Devido ao estado de embriaguês, tropeçou na improvisada escora, provocando um grande barulho. A mãe se acordou e, no instante em que o relógio da Catedral tocou uma vez, perguntou: ‘Biláu, que horas são essas?’. ‘São dez horas, mãe’. A velhinha observou: ‘E como o relógio só bateu uma badalada?’. Biláu, sem se perturbar, respondeu: ‘Vá dormir mãe. A senhora queria que o relógio batesse o zero?’. Ambos foram dormir em paz”.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários