VULTOS DA MEDICINA DE SERGIPE HOMENAGEADOS NO DIA DO MÉDICO

0

A Academia Sergipana de Medicina homenageou no último dia 16 de outubro, em solenidade comemorativa ao Dia do Médico, quatro colegas que contribuíram de forma consistente para o desenvolvimento das ciências médicas em nosso Estado. Foram eles: Adelmar Reis, Eraldo Lemos, Jacy Meirelles e José Augusto Bezerra.

Faculdade de Medicina da Bahia: a primeira do Brasil
Adelmar e Jacy foram colegas de turma na Faculdade de Medicina da Bahia, ao lado de Paulo Carvalho, já falecido, pediatra e professor da nossa Faculdade, que se casou com Jacy. Ewerton Oliveira, anestesista ainda atuante e Ciro Tavares, ginecologista, todos ilustres profissionais, foram da mesma turma.

Adelmar Reis nasceu em 12 de maio de 1927    em Colinas, Maranhão, filho de Jayme Reis e Elodie Reis. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1954. Especializou-se em cirurgia geral e ginecologia e obstetrícia. Atuou nas cidades de Salvador, no Hospital dos Industriários Manoel Vitorino e em Itabuna, na unidade do SESP. Seguiu carreira militar com aperfeiçoamento na área de para-quedismo, medicina do esporte e medicina aerotransportada. Atuou no Rio de Janeiro, no Hospital Central do Exército. Chefe da Junta Militar de Saúde do 28 BC, chefe do Banco de Sangue do Hospital Santa Isabel e plantonista da Maternidade João Firpo do mesmo hospital, Chefe de Perícia Médica do ex-INPS, médico do IPES. Homem de elevada estatura física e moral, foi um exímio cirurgião, que transmitiu aos mais novos conceitos fundamentais de técnicas operatórias e valores éticos permanentes. Marcos Prado Dias foi um dos seus discípulos diletos, sendo o primeiro estudante de Medicina a freqüentar o Hospital Santa Isabel na condição de estagiário, sob supervisão do Dr.Adelmar, que além das lides médicas era um amante das artes, da música, possuidor de larga bagagem cultural e intelectual. Adelmar reside hoje em Itaporanga d’Ajuda, numa propriedade rural e goza de enorme prestigio junto aos moradores da terra de Felisbello Freire.

Eraldo Machado de Lemos nasceu em 6 de maio de 1922, na Fazenda Paraúna, em Brejo Grande, filho de Manoel Machado de Lemos e Isaura Machado de Lemos. Formou-se pela Faculdade de Ciências Médicas do Rio de Janeiro na turma de 1947. Exerceu as atividades profissionais de médico em Sergipe e na Bahia. Formou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Alagoas em 1954, chegando a exercer a atividade profissional de advogado. Foi líder estudantil, Presidente de Diretório Acadêmico, Secretário Geral e Presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE). Foi o primeiro sergipano a integrar a Associação Médica Brasileira (AMB), na condição de membro de sua primeira diretoria, que teve como presidente o Prof.Alípio Correia Neto e mola propulsora o Prof.Jairo Ramos. Participou tembém da diretoria da Associação Baiana de Medicina. Foi Deputado Estadual de 1947 a 1951, Deputado Federal, de 1966 a 1974), Presidente Nacional do Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Comerciários – IAPC de 1958 e 1959, no Governo JK.

Eraldo teve uma participação muito ativa nos movimentos reinvidicatórios da categora na década de 50, liderando greves com Antonio Garcia, e juntos idealizaram o que seria o protótipo de um plano de saúde, onde as pessoas contribuíam com uma determinada quantia e tinham direito a assistência médica. Áquela época, internamento hospitalar era raro e exames sofisticados não existiam. O plano não vingou porque ambos não tinham aptidões mercantis.

Eraldo teve 2 irmãos médicos: Eunice Machado de Lemos Campos, formada pela Faculdade de Medicina da Bahia na turma de 1938. Especializou-se em oftalmologia e otorrinolaringologia. Casou com um importante médico alagoano, Dr. Deraldo de Souza Campos, indo residir em Maceió, abrindo consultório à rua do Comércio, nº 72. Foi também professora de química do Colégio Estadual de Alagoas. O Governo de Alagoas homenageou a médica sergipana dando seu nome a uma Escola Estadual. Faleceu a 26 de maio de 1885, em Alagoas. O outro irmão foi Mário Machado de Lemos, formado pela Faculdade de Medicina da Bahia na turma de 1946. Especializou-se em Saúde Pública. Foi Secretário de Saúde do Estado de São Paulo por duas vezes e Ministro da Saúde em 1972, no Governo do Presidente Emilio Garrastazu Médici. Teve uma administração profícua. Naquele tempo não se falava de mensalão e muito menos de sanguessugas…

Jacy Meirelles Carvalho nasceu em 21 de outubro de 1930, em Gandu,  Bahia, filha de Victor Meirelles  e  Maria Magalhães Meirelles. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 15 de dezembro de 1954 e casou-se com seu colega de turma, o sergipano Paulo Freire de Carvalho. Exerceu a pediatra com denodo e visão prevencionista. Foi diretora do Serviço de Amparo à Maternidade, à Infância e a Adolescência da Secretaria de Saúde e Assistência Social do Estado de Sergipe. Atuou na Legião Brasileira de Assistência , na Casa Maternal Amélia Leite , no INAMPS , Instituto de Puericultura Martagão Gesteira  e na Clínica Infantil e de Medicina Preventiva da qual foi, junto com o esposo, responsável técnica e fundadora, sendo esta a primeira clinica particular preventiva e curativa criada no Estado de Sergipe. Coordenou o Programa Materno- Infantil da Secretaria de Estado da Saúde. Foi Consultora Técnica para o desenvolvimento de programas de controle de doenças transmissíveis da mesma secretaria. Publicou: “A Poliomielite em Sergipe no ano de 1967”. Fez Curso de Especialização  em Saúde Pública, atividade que se dedicou com paixão e humanidade. Já aposentada, a doutora Jacy ainda atua hoje em múltiplas atividades sociais, com muito charme e elegância.

José Augusto Bezerra nasceu em Japaratuba em 19 de março de 1938, filho de Aquino Marques Bezerra e Tereza Pina Bezerra. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Universidade Católica de Salvador em 1965, sendo laureado com o título de honra ao médico por ter sido o aluno com a maior média de toda a sua turma durante os seis anos de estudo. Especializou-se em cirurgia geral, atuando em hospitais de Salvador, entre eles o Santa Isabel. Em 1967 regressou a Aracaju e atuou em todos os seus principais hospitais.  Fez pós-graduação em música em 1990, na Escola de Música da Universidade Católica da Bahia, atuando como regente de corais. Bezerra sempre foi tido pelos colegas como um excelente cirurgião, de apurada técnica e destreza, um artista-médico que rege com fina sensibilidade os recitais da vida.

Amigos leitores. Os dados apresentados aqui tiveram como referência as pesquisas dos confrades Antonio Samarone e Petrônio Gomes, que compõem o Núcleo de História da nossa Academia de Medicina, do qual também faço parte. Por isso, com os mesmos, divido os créditos desse trabalho.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários