Musical “O Corcunda de Notre Dame”

0
Musical “O Corcunda de Notre Dame” (Foto: divulgação)

Os sergipanos terão a oportunidade de prestigiar gratuitamente, neste domingo, 30, às 17h, o musical “ O Corcunda de Notre Dame”, produzido pela Companhia das Artes Tetê Nahas, no Teatro Tobias Barreto. O espetáculo foi contemplado pelo Prêmio Myriam Muniz 2013 da Funarte/ Ministério da Cultura e selecionado pela comissão do IV Festival Sergipano de Teatro, promovido pela Secretaria de Estado da Cultura em parceria com o Instituto Banese.

A apresentação faz parte da Turnê Nacional que está sendo promovida pela Companhia das Artes Tetê Nahas graças ao patrocínio do Ministério da Cultura. O grupo já esteve no início do mês em Maceió, se apresenta em Aracaju e segue para São Luis do Maranhão, no dia 04 de abril.

“Fomos convidados para integrar a programação da Semana de Teatro de São Luis do Maranhão e vamos nos apresentar no belíssimo Teatro Arthur Azevedo, além de ministrar oficina. Estou muito feliz por estar novamente levando a arte de Sergipe para o país, de forma gratuita graças ao apoio da Funarte e neste caso do governo do Maranhão”, informou a diretora geral da Companhia, a atriz e bailarina Tetê Nahas. O grupo é formado por 23 atores que dançam, cantam e interpretam a história.

O espetáculo

“O Corcunda de Notre Dame”, musical adaptado do texto de Victor Hugo, é uma aventura que fala de amor, amizade e respeito, além de preconceitos existentes na sociedade. São 23 atores, que além do texto, cantam belas canções (ao vivo) e executam coreografias. Em Paris, durante a Idade Média, viveu Quasímodo, um corcunda que mora enclausurado, desde a infância, nos porões da catedral de Notre Dame.

Um dia, Quasímodo decide sair da escuridão em que vive e conhece Esmeralda, uma bela cigana por quem se apaixona. Mas para conseguir concretizar seu amor ele terá que enfrentar o poderoso Claude Frollo, e seu fiel ajudante, Febo.

“Nossa proposta é unir teatro, dança e música numa só pulsação. A montagem do Corcunda promete momentos de aventura, riso e lágrimas. Não podemos parar de discutir aquilo que está calado. Vim e estou querendo burlar, mexer… estou querendo discutir da melhor forma, discutir com arte, levando o debate com muita alegria aquilo que o mundo precisa ver, reconhecer e acreditar”, explicou Tetê Nahas.

Com informações da Assessoria de Imprensa

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais