Agentes paralisam serviços em presídios de Sergipe

0
Agentes paralisam serviços em presídios de Sergipe (Fotos: Portal Infonet)

Manhã de tumulto e protestos no Complexo Penitenciário Manoel Carvalho Neto (Copemcan), em São Cristóvão, região metropolitana de Aracaju. Agentes prisionais paralisaram as atividades nas primeiras horas da manhã deste sábado, 31, e a visita de familiares a presos ficou interrompida. Revoltados, parentes bloquearam com galhos de árvore e barricadas, o principal acesso de veículos a principal entrada da unidade prisional. A paralisaçãos dos agentes também ocorre nos presídios de Aracaju, Nossa Senhora da Glória, Tobias Barreto e Nossa Senhora do Socorro.

“Cheguei ontem às 22h e eles não avisaram que iriam paralisar. Somente Às 23h que eles informaram que entraram em greve. Isso é um absurdo, deixaram para avisar apenas quando viram que não teria mais transporte circulando para voltarmos para casa”, relata Everlaine Iris de Jesus.

As parentas de detentos aproveitaram o protesto para denunciar os maus tratos sofridos durante a visita à unidade prisional. “Os agentes vivem desvalorizando nós mulheres de presos. Sempre somos motivo de piada, isso é uma mangação com a nossa cara, um absurdo”, denuncia Maria Aparecida Santos.

Familiares realizaram manifestação

Segundo o representante do Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindpen), Caio Braz, a paralisação das atividades dos agentes tem como base a correção salarial e melhores condições de trabalho. “Essa paralisação é um protesto contra o comportamento do Governo em relação a nossas pautas de negociação. Tínhamos ontem uma reunião marcada com o governo e essa mesma reunião não ocorreu. O governo não valorizou a nossa reunião e não comunicou nem a causa”, conta.

Ainda segundo Caio Braz, a suspensão das atividades acontecerá até o domingo, 1, podendo se estender ao longo da semana caso o governo não se posicione sobre as reivindicações da categoria. “Nesta semana o juiz Hélio Mesquita, da 7º vara, interditou o Copeman. Segundo ele o presídio está superlotado. Para você ter uma idéia, uma cela do presídio tem capacidade para abrigar oito presos, só que ela está com vinte. Então a superlotação d epresos acaba comprometendo a segurança dos internos”, pondera.

Sejuc

Tumulto ocorreu na manhã deste sábado, 31, no Copemcan

Sem visitas, familiares de presos tiveram que retornar para casa

Everlaine Iris de Jesus

O representante do Sindpen, Caio Braz

A equipe do Portal Infonet entrou em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado da Justiça e de Defesa ao Consumidor (Sejuc) que esclareceu prontamente a situação nos presídios em Sergipe. De acordo com a assessoria os agentes não permitiram o acesso das visitas, em descumprimento a ordem judicial de ilegalidade da greve.

A assessoria acrescenta que a direção do Desipe junto com o secretário da Justiça estão fazendo uma avaliação para que a situação não seja agravada. "A greve foi considerada ilegal pelo judiciário, até por conta de ocorrer uma negociação. Com relação as visitas suspensas a secretaria tenta todo suporte técnico com o apoio da PM para que continue a ordem nas unidades prisionais", reforça Marinho Tiba.

Por Leonardo Dias e Kátia Susanna

Comentários