Após tratamento, tartaruga-oliva é devolvida ao mar

0
Tartaruga foi solta na tarde desta quinta-feira, 4 (Foto: André Lucas Moreira/FMA)

A Fundação Mamíferos Aquáticos (FMA) realizou na tarde desta quinta-feira, 4, a soltura na Orla de Atalaia da tartaruga da espécie Lepidochelys olivacea, mais  conhecida como tartaruga-oliva. A espécie foi encontrada no litoral da praia do Abaís, em Estãncia, e permaneceu na FMA por cerca de três meses.

Pela manhã, as espécies Caretta caretta (tartaruga cabeçuda) e Eretmochelys imbricata (tartaruga de pente) também foram devolvidas ao mar.

De acordo com o coordenador de tartarugas da Mamíferos Aquáticos, Fábio Teles, após ser resgatada, a tartaruga passou por um tratamento. “A partir do momento que foi encontrada, ela foi resgatada pela equipe da Mamíferos Aquáticos e quando chegou, avaliamos clinicamente e realizamos exames complementares. Tratava-se de um indivíduo juvenil que apresentava lesões profundas nas nadadeiras anteriores em decorrência de interações com pesca de rede. Fizemos um tratamento específico com antibiótico e até hidratação. Ela começou a responder bem ao tratamento e partir daí, fizemos todo um check-up e ela recebeu alta médica e pôde ser liberada”, afirma.

Diversas pessoas acompanham a soltura

Cuidados

A educadora ambiental da Mamíferos Aquáticos, Mayra Oliveira, destaca que a maioria das mortes desses animais se deve a ingestão de lixo encontrados no mar. “A gente está fazendo um trabalho informativo. Conforme dados que a gente tem, 90% dos casos de morte dessas tartarugas é causada por lixo. O lixo encontrado tem embalagens de bala, pirulito e plástico de vários tipos. Nesse trabalho a gente quer informar a toda população sobre o cuidado com o descarte desses produtos, porque esses animais não sabem diferenciar o que é alimento e o que é lixo, e acabam ingerindo-os e até mesmo acabam morrendo”, afirma.

25 anos da Fundação

Criada em 1989, a Fundação Mamíferos Aquáticos (FMA) é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que tem como missão promover a conservação dos mamíferos aquáticos e de seus habitats.

Animal foi resgatado no Abaís e ficou três meses em tratamento

“O trabalho de reabilitação das tartarugas, dos mamíferos aquáticos e das aves é fruto do desempenho de 25 anos da fundação. Graças a parceria de sucesso com o Instituto de Tecnologia e Pesquisa é que a gente consegue força pra realizar esse trabalho de reabilitação das tartarugas marinhas. Um recado pra sociedade pra se empenhar em participar de atividades de conservação”, afirma.

Por Aisla Vasconcelos

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais