Assembléia rejeita contas da atual gestão do Sindijor

0

Muito tumulto na assembléia geral realizada na sede do Sindicato dos Jornalistas do Estado de Sergipe – Sindijor –, na tarde de hoje, quando a atual diretoria, presidida pelo jornalista Enoque Araújo, apresentou o parecer do Conselho Fiscal da entidade sobre as contas relativas ao ano de 2003. O parecer apresentado pela diretoria – que continha uma assinatura a favor da aprovação, uma contra e uma abstenção – acabou sendo rejeitado, em votação secreta, pela maioria dos presentes na assembléia. Foram 14 votos contra 13. Durante a discussão do relatório houve muita gritaria e até insultos entre os presentes. Em certa altura do encontro uma pasta verde que continha a íntegra do parecer do Conselho Fiscal – assinado pelos conselheiros José Eugênio de Jesus e José Sérgio Souza -, fazendo ressalvas ao dinheiro utilizado, segundo o Conselho indevidamente, para o pagamento da inscrição do presidente em um evento, simplesmente desapareceu. O atual presidente do Sindijor, questionado sobre o material, se recusou a apresentar a pasta aos presentes. E nova gritaria se seguiu. Em uma cópia que o jornalista José Eugênio tinha do parecer, e foi lida durante o encontro, há a seguinte afirmação: “Pelo que relatamos e por querer manter a transparência dos negócios do Sindicato, deixamos de aprovar as contas do ano 2003 encaminhando ao crivo dessa assembléia aprovando somente a previsão orçamentária que nos chega às mãos”. A leitura do texto foi suficiente para que os ânimos ficassem mais acirrados e, em dado momento, se cogitou em impedir que a equipe de jornalismo do Portal InfoNet registrasse a assembléia. “Só faltava essa, o Sindicato dos Jornalistas censurar a imprensa”, ironizou o jornalista Cristian Góes, que encabeça uma das chapas que concorre ao Sindijor. Estiveram presentes 28 sindicalizados. Após a decisão, o presidente do Sindijor garantiu que vai recorrer do resultado. “Veja bem, houve aqui um equívoco onde um membro do Conselho Fiscal, chamado José Eugênio de Jesus, votou em um parecer de forma favorável com ressalva e, em outro, votou contra. Então isso tudo eu vou levar para os companheiros da diretoria. A partir daí seguiremos o que diz o estatuto do Sindicato e recorreremos da decisão porque houve, na verdade, um tumulto e uma certa manipulação por conta de uma certa dualidade de José Eugênio de Jesus”, explica Araújo. A atual direção tem dez dias para recorrer da decisão. Renúncia de membros da Junta Eleitoral evidencia briga pelo Sindijor

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais