Atendimento a pistoleiro deixa militares revoltados

0

“Bili” permanece internado no HPM (Fotos: Portal Infonet)
“Considero um tapa na cara dos policiais que fazem a segurança pública do Estado. Entendo que a permanecia desse bandido no Hospital da Polícia Militar [HPM] é uma afronta a todos, se ele precisa de atendiment,o vá para um hospital público”.

As palavras do gestor da Associação Beneficente de Servidores Militares de Sergipe (Absmse), sargento Edgar Menezes, reflete o mal-estar que causa a permanência do pistoleiro Alessandro de Sousa Cavalcanti, o ‘Bili’, na unidade hospitalar restrita a militares. ‘Bili’ foi transferido para o HPM depois de ser preso na última sexta-feira, 26. De acordo com a Secretária da Segurança Pública (SSP), o pistoleiro reagiu à prisão e foi ferido durante a ação da polícia em Pernambuco. A decisão de interná-lo na unidade, de acordo com o órgão, foi do secretário João Eloy. 

Com ferimentos na mão e no pé, ‘Bili’ está internado na mesma suíte que foi ocupada pelo cabo Jailton Pereira, que ficou ferido no atentado ao desembargador Luiz Mendonça, em agosto deste ano. “Já protocolamos o ofício ao comando da Polícia Militar para que ele seja

Absmse enviou ofício pedindo a transferência imediata do pistoleiro 
transferido imediatamente. Um detalhe importante é que a suíte que está sendo utilizada por esse bandido é restrita ao atendimento de oficiais, ou seja, se for cabo ou soldado é internado em uma enfermaria”, observa o gestor da Absmse, que lamenta a situação.

“Isso é motivo de gozação. Um homem que aviltou a segurança pública e que colocou um dos nossos em estado vegetativo, sendo atendido por militares. Além disso, é bom deixar claro que esse hospital atende somente militares que são credenciados pelo Ipes, então quem vai pagar a conta por esse atendimento?”, questiona Menezes.

“Ele está internado no HPM por ser um local de segurança máxima, mas após se recuperar ele será encarcerado”, explicou o capitão Donato Pinto.

Por Kátia Susanna

Comentários